• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

Marcha de Paris – Líderes de países ‘predadores’ celebram liberdade de imprensa

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

PT Censura Blog do MesquitaA marcha que reuniu mais de dois milhões de pessoas em Paris, no domingo (11/1), em memória às vítimas do atentado no Charlie Hebdo, também contou com presenças controversas.

Organizações e ativistas em defesa da liberdade de imprensa criticaram a participação de representantes de países que, ironicamente, pouco respeitam a liberdade de imprensa e de expressão.

Entre eles estavam autoridades do Egito, Turquia, Argélia, Rússia e Emirados Árabes Unidos.

“Nós devemos nos solidarizar com o Charlie Hebdo sem esquecer dos outros ‘Charlies’ do mundo”, afirmou Christophe Deloire, secretário-geral da organização Repórteres Sem Fronteiras, que tem sede em Paris.

Para Deloire, é lamentável que líderes de “países que reduzem seus jornalistas ao silêncio” possam usar um momento de união e homenagem à liberdade de imprensa para melhorar sua imagem internacional.

Cerca de 40 líderes mundiais participaram da marcha. Junto ao presidente francês, François Hollande, estavam o premiê britânico, David Cameron, e a chanceler alemã, Angela Merkel.

Estavam presentes ainda o primeiro-ministro turco, Ahmet Davuto?lu, o xeque Abdallah ben Zayed al-Nahyan, dos Emirados Árabes Unidos, e os ministros do Exterior do Egito, Sameh Choukry, Rússia, Sergei Lavrov, e Argélia, Ramtane Lamamra.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Censura e jornalistas na cadeia

A Turquia ocupa o 154 º lugar de 180 países no ranking de liberdade de imprensa da Repórteres Sem Fronteiras. Hoje, cerca de 70 jornalistas turcos enfrentam a justiça por fazer referências a alegações de corrupção contra aliados do ex-premiê, Recep Tayyip Erdo?an, que atualmente é o presidente do país.

A Rússia, que ocupa a 148ª posição da lista, tem diversos jornalistas e ativistas presos por simplesmente discordar do governo de Vladimir Putin.

Em dezembro, 20 ativistas foram presos em Moscou após protestar contra a condenação do advogado e blogueiro Alexei Navalny, crítico ao Kremlin.

Na Argélia (121º posição), marchas e protestos públicos são proibidos. Nos Emirados Árabes Unidos, que ocupam o 118º lugar, o governo aproveita as tensões políticas da região para exercer controle sobre as informações e comunicações.

Atualmente, o Egito, que aparece na 159º posição do ranking, mantém 16 jornalistas presos – entre eles estão três profissionais da al-Jazeera, condenados em um julgamento rápido e confuso por “disseminar notícias falsas”.
Observatório da Imprensa/Tradução e edição: Leticia Nunes

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário