Schopenhauer – Reflexões na tarde – 26/09/2014

Disfarces da dor
Schopenhauer ¹

Nossos esforços para banir a dor de nossa vida não conseguem outro resultado senão o de fazê-la mudar de forma. Em sua origem tomam o aspecto da necessidade, cuidado, para atender as coisas materiais da vida, e quando, após um trabalho incessante e penoso, conseguimos afastar a horrível máscara da dor neste determinado aspecto, adquire outros mil disfarces, segundo a idade e as circunstâncias: o instinto sexual, o amor apaixonado, a inveja, o rancor, os ciúmes, a ambição, a avareza, o temor, a enfermidade, etc.
Toma o aspecto triste e desolado do tédio, da sociedade, quando não encontra outro modo de se apresentar. E se com novas armas conseguimos afastá-la novamente, recuperará sua antiga máscara, e a dança recomeça.

¹ Arthur Schopenhauer
* Danzig,Prússia, atual Gdansk, Polônia – 1788 d.C
+ Frankfurt,Alemanha – 1860 d.C


[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Share the Post: