Rogério Ivano – Contos na tarde – 14/08/2014

Más companhias
Rogério Ivano ¹

Pedro Borges queria ser um mero espectador da vida. Dezenas de vezes teve a oportunidade de deixá-la passar, ilesa, livre, mas não conseguia controlar seus impulsos e sempre acabava por retê-la entre os dedos. No último minuto, quando já era uma sombra ínfima, uma nesga de luz, Borges se agarrava à vida, às vezes com a ponta das unhas, e a trazia para perto de si. Bastava um leve sopro, um tique no canto do olho, uma fagulha ou um odor estranho e lá estava ela, insistente, espezinhante, atenta ao menor rumor da sua existência.

Toda vez que isso acontecia, Borges sentia um remorso, uma coisa ruim, um forte enjôo atacar-lhe as vísceras. Corria então para o banheiro, se desafogava e ficava prostrado à beira da pia por horas, arfante, com os bofes ainda na garganta. Automedicava-se, tomava xaropes, preparava infusões, chás de folhas amargas e raízes secretas. Chegou mesmo a recorrer de antigas simpatias, mas sem sucesso. Com isso, rejeitou também as rezas e os conselhos dos mais velhos.

O estado de Borges piorava. Sua reclusão aumentou, tornou-se mais taciturno, nunca mais o viram no mercado nem na praça, onde costumava passar rapidamente entre os transeuntes, feito um fantasma. Evitava ser reconhecido, mudava o lado da rua para fugir de um bom-dia, uma piscadela, um esbarrão. Tinha as janelas da casa muito cerradas, os portões fechados com grossa corrente, o mato a tomar conta do quintal, exalando um ar propositado de ausência e abandono.

Era uma quinta-feira ao fim da tarde, Borges caçava uma irritante penumbra que se esgueirava pela sala quando escutou o trinco da porta girar, astuta e sorrateiramente. Logo adivinhou quem era. Aos berros, maldisse, xingou, pediu aos prantos que o deixasse sozinho, que não o procurasse mais. Mau abriu uma fresta, porém, lá estava a vida lhe sorrindo. Borges não se conteve, puxou-a bruscamente para dentro.

Todo o quarteirão veio saber do escândalo, ouviram móveis sendo quebrados, vidros estilhaçados, tapas e gemidos. Foi tamanho o qüiproquó que falaram até em encenação.

¹ Rogerio Ivano
Possui graduação em História pela Universidade Estadual de Londrina (1993), mestrado (2000) e doutorado (2005) em História pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. Atualmente é professor adjunto da Universidade Estadual de Londrina. Tem experiência na área de História, com ênfase em Teoria da História, atuando principalmente nos seguintes temas: historiografia, teoria, literatura e cultura.


[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Share the Post: