Helena Verdugo Afonso – Versos na tarde – 11/04/2016

Mentira
Helena Verdugo Afonso ¹

Acreditei na vida, e foi assim
que, cheia de alegria e de esperança,
deixei alimentar dentro de mim
um amor puro e ledo, de criança.

Pensei ter alcançado então, o fim
por mim tão desejado, e, sem tardança,
senti-me venturosa, escrava enfim,
julgando meu o que ninguém alcança.

Mas, ai! Tu só mentiste. e foi em vão
que tentei afogar no coração
o pranto desta mágoa que delira…

O teu amor, que tanto ambicionei
e a que tão loucamente me entreguei,
não passava, afinal, de uma mentira!…

¹ Helena Verdugo Afonso colaborou principalmente na imprensa de Angola aí por volta dos anos de 1947 a 1949. É sonetista. Sua poesia, ardente, sensorial, está na linha do lirismo português mais autêntico, que vem dessa extraordinária Florbela Espanca e tem hoje em Maria Helena a sua figura mais significativa. Não tem livro publicado.
“Os Mais Belos Sonetos que o Amor Inspirou” – J.G. de Araujo Jorge – 1a ed.1966


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Share the Post: