Jean de La Bruyère – A Trágica necessidade de conquista e de mudança


A Trágica necessidade de conquista e de mudançaJean de La Bruyère,Literatura,Blog do Mesquita

Em todos os tempos os homens, por algum pedaço de terra de mais ou de menos, combinaram entre si despojarem-se, queimarem-se, trucidarem-se, esganarem-se uns aos outros; e para fazê-lo mais engenhosamente e com maior segurança, inventaram belas regras às quais se deu o nome de arte militar; ligaram à prática dessas regras a glória, ou a mais sólida reputação; e depois ultrapassaram-se uns aos outros na maneira de se destruírem mutuamente.

Da injustiça dos primeiros homens, como da sua origem comum, veio a guerra, assim como a necessidade em que se acharam de adotar senhores que fixassem os seus direitos e pretensões. Se, contente com o que se tinha, se tivesse podido abster-se dos bens dos vizinhos, ter-se-ia para sempre paz e liberdade.

O povo tranquilo nos lares, nas famílias e no seio de uma grande cidade onde nada tem a temer para os seus bens nem para a vida, anseia por fogo e sangue, ocupa-se de guerras, ruínas, braseiros e matanças, suporta impacientemente que os exércitos que mantêm a campanha não tenham recontros, ou se já se encontraram e não sustentem combate, ou se enfrentam e não seja sangrento o combate, e haja menos de dez mil homens no local.

Muitas vezes chega a esquecer os seus mais caros interesses, o repouso e a segurança, pelo amor que tem à mudança e pela mania de novidade ou das coisas extraordinárias.


Você pode se interessar também sobre: Sonhos – Frase do dia – 04/08/2015


Jean de La Bruyére, in “Os Caracteres”

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: ,

Leia também:

Rilke - Versos na tarde - 18/11/2013

Poeta Rainer Maria Rilke ¹ Já te despedes de mim, Hora. Teu golpe de asa é o meu açoite. Só: da boca o que faço agora? Que faço do dia,...

November 18, 2013, 9:00 pm
Poesia - Gerardo Mello Mourão - Cala-se uma voz.

"Ai táboas que foram verdestão táboas para fragatastão táboas para guitarras". ¹..."para cada milhão de heróis há sempre um pulha e alio mameluco Calabar vendeu-se ao invasorpor dinheiro ou razão,guiou...

March 10, 2007, 12:59 pm
Baudelaire - Versos na tarde

Poema Baudelaire ¹ É hora de embriagar-se! Para não ser o escravo do tempo, embriague-se; embriague-se sem parar! De vinho, de poesia ou de virtude, como quiser. Tradução: Giselle Paiva,...

May 28, 2011, 9:00 pm
Emílio Moura - Frase do dia - 11/07/2013

"Viver não dói. O que dói é a vida que não se vive." Emílio Moura

July 11, 2013, 10:02 am
Ahmad Shamlú - Versos na tarde - 11/08/2015

O horizonte claro Ahmad Shamlú ¹ Um dia reencontraremos as nossas pombas e o amor e a beleza serão colhidos à mão. O dia em que o mínimo canto será...

August 11, 2015, 9:00 pm
Prudhomme - Versos na tarde - 04/07/2014

Le Vase Brisé Sully Prudhomme ¹ O vaso, em que desmaia esta verbena, De um leque a asa lépida o feriu; E a tênue contusão foi tão pequena Que o...

July 4, 2014, 9:00 pm