Hilda Hilst – Versos na tarde – 19/09/2016

Poema XXXIX
Hilda Hilst¹

Escreveste meu nome
Sobre a água?
A fogo, na alma
Desenhei o teu

Grafismo iluminado
Imantado e novo

Teu nome e o meu.

Novo
Porque nunca se viu
Nome tão pertencido.
Antigo porque há milênios
Se entrelaçaram justos
No infinito.

E raro
Porque tingido de um mosaico vivo
De danação e amor.

Teu nome.
Irmão do meu.

¹Hilda Hilst
*Jaú,SP. – 21 de abril de 1930 d.C
– Campinas,SP. – 4 de fevereiro de 2004 d.C
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Mais artigos

Com 9 Supremo. Com tudo.

Não sobrará nada. Nem a ira nem o choro. André Mendonça é aprovado no Senado e vai virar ministro do Supremo . Teve  47 votos

José Saramago – 01/12/2021

Boa noite. José Saramago Nós temos sempre necessidade de pertencer à alguma coisa; e a liberdade plena seria a de não pertencer a coisa nenhuma.