Hilda Hilst – Amavisse – Poesia

Como se te perdesse, assim te quero


Amavisse – Hilda Hilst

Como se te perdesse, assim te quero.
Como se te visse (favas douradas
Sob um amarelo) assim te apreendo brusco
Inamovível, e te respiro inteiro

Um arco-íris de ar em águas profundas.

Como se tudo o mais me permitisses.
A mim me fotografo nuns portões de ferro
Ocres, altos, e eu mesma diluída e mínima
No dissoluto de toda despedida.

Como se te perdesse nos trens, nas estações
Ou contornando um círculo de águas
Removente ave, assim te somo a mim:
De redes e de anseio inundada.


Você leu?: Vinicius de Moraes – A medida do abismo – Poesia


Arte: Carlos Costa – Antologia pessoal

Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: ,

Leia também:

Brecht - Louvor de Aprender - Poesia
Brecht - Louvor de Aprender - Poesia

Não te acanhes de perguntar, companheiro!

August 29, 2019, 7:00 pm
Yves Bonnefoy - A Murta - Poesia
Yves Bonnefoy - A Murta - Poesia

Por vezes te sabia a terra, eu bebia

September 15, 2019, 9:00 pm
Artur da Távola - Soneto inascido
Artur da Távola - Soneto inascido

O poema viceja no oculto

September 18, 2019, 7:45 pm
30 anos depois, ‘O Conto da Aia’ está mais próximo da realidade
30 anos depois, ‘O Conto da Aia’ está mais próximo da realidade

Faz mais de 30 anos que Margaret Atwood escreveu The Handmaid's Tale

September 18, 2019, 12:12 pm
Flora Figueiredo - Poesia
Flora Figueiredo - Poesia

Você me adula, mordisca, me encabula

September 8, 2019, 7:20 pm
Voltaire - Amor comparado
Voltaire - Amor comparado

Queres ter uma ideia do amor, vê os pardais...

September 18, 2019, 8:00 pm