Governo soube de delação da Odebrecht antes de divulgação na imprensa


O presidente Michel Temer e a cúpula de seu governo tiveram conhecimento do teor da delação de Claudio Mello Filho, ex-diretor da Odebrecht, antes mesmo que a informação chegasse à imprensa, que noticiou envolvimento do primeiro escalão do Palácio do Planalto que atingia, inclusive, o chefe do Executivo.Conteúdo de delação circulou nos corredores do Palácio do Planalto dias antes de chegar à imprensa

Conteúdo de delação circulou nos corredores do Palácio do Planalto dias antes de chegar à imprensa.

A informação é da coluna de Mônica Bergamo, na Folha de S.Paulo desta segunda-feira (19).

[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

De acordo com a colunista, Temer soube dias antes da divulgação sobre a citação de seu próprio nome na delação e do envolvimento de alguns de seus auxiliares diretos, dentre eles José Yunes, o então Assessor Especial da Presidência da República, que pediu demissão no dia 14.

No depoimento, o ex-executivo da Odebrecht relata repasse de R$ 10 milhões para Temer e para o PMDB tendo Yunes como mediador direto.


Você leu?: Roma: “No fim das contas, os fascistas nunca desapareceram”


Em tese, o conteúdo de delações é sigiloso e deveria ser de conhecimento apenas do Ministério Público Federal (MPF), dos delatores autores dos depoimentos e de seus advogados.

Na última semana, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse, sob pretexto dos vazamentos, ser “possível” a anulação da delação da Odebrecht. O Jornal do Brasil havia antecipado dias antes a “pizza” em que poderia acabar a delação que atinge a cúpula do PSDB e do PMDB. As declarações de Mendes confirmaram o editorial.

Postado na categoria: Política - Palavras chave: , , , , , , , , ,

Leia também:

Roma:
Roma: "No fim das contas, os fascistas nunca desapareceram"

Capital italiana reflete caos social e político do país

August 18, 2019, 12:11 pm