Fernanda Castro – Poema de solidão

Nem aqui nem ali: em parte alguma.


Poema de solidão
Fernanda CastoSolidão,Praia,Blog do Mesquita

Nem aqui nem ali: em parte alguma.
Não é este ou aquele o meu lugar.
Desço à praia, mergulho as mãos no mar,
mas do mar, nos meus dedos, fica a espuma.

Meu jardim, minha cerca, meu pomar.
Perpassa a Ideia e mói, como verruma.
Falar mas para quê? Só por falar?
Já nada quer dizer coisa nenhuma.

Os instintos à solta, como feras,
e eu a pensar em velhas primaveras,
no antigo sortilégio das palavras.

Agora é tudo igual, prazer e dor,
e a tua sementeira não dá flor,
ó triste solidão que as almas lavras.


Você leu?: Immanuel Kant – A Preguiça como obstáculo à liberdade


Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: ,

Leia também:

Aldous Huxley - A verdadeira religião é individual e não social
Aldous Huxley - A verdadeira religião é individual e não social

A verdadeira religião é individual e não social É possível que a religião da solidão seja de certa maneira superior à religião social e formalizada. O que é certo é...

July 31, 2019, 2:51 pm
Carl Sandburg - Poesia
Carl Sandburg - Poesia

Poema Carl Sandburg Quero-te como as raízes secas desejam a chuva no verão como o vento deseja as folhas do chão e perdoa dizer tudo isto tão depressa.

August 3, 2019, 3:39 pm
Immanuel Kant - A Preguiça como obstáculo à liberdade
Immanuel Kant - A Preguiça como obstáculo à liberdade

É tão cômodo ser menor.

August 11, 2019, 7:02 pm
Fernando Pessoa - Arte e Sensibilidade
Fernando Pessoa - Arte e Sensibilidade

Toda a arte se baseia na sensibilidade

August 4, 2019, 4:16 pm
Alice Ruiz - Se por acaso a gente se cruzasse
Alice Ruiz - Se por acaso a gente se cruzasse

de dia um improviso/de noite uma farra

August 15, 2019, 8:00 pm
Raynaldo Valinho Alvarez - Poesia
Raynaldo Valinho Alvarez - Poesia

A Essência não se Perde

August 8, 2019, 8:05 pm