Etienne de La Boétie – Discurso da Servidão Voluntária II


Discurso da Servidão Voluntária II
Etienne de La BoétieEtienne de La Boétie

Está na nossa natureza o deixarmos que os deveres da amizade ocupem boa parte da nossa vida. É justo amarmos a virtude, estimarmos as boas ações, ficarmos gratos aos que fazem o bem, renunciarmos a certas comodidades para melhor honrarmos e favorecermos aqueles a quem amamos e que o merecem. Assim também, quando os habitantes de um país encontram uma personagem notável que dê provas de ter sido previdente a governá-los, arrojado a defendê-los e cuidadoso a guiá-los, passam a obedecer-lhe em tudo e a conceder-lhe certas prerrogativas; é uma prática reprovável, porque vão acabar por afastá-lo da prática do bem e empurrá-lo para o mal. Mas em tais casos julga-se que poderá vir sempre bem e nunca mal de quem um dia nos fez bem.

Mas o que vem a ser isto, afinal?
Que nome se deve dar a esta desgraça? Que vício, que triste vício é este: um número infinito de pessoas não a obedecer, mas a servir, não governadas mas tiranizadas, sem bens, sem pais, sem vida a que possam chamar sua? Suportar a pilhagem, as luxúrias, as crueldades, não de um exército, não de uma horda de bárbaros, contra os quais dariam o sangue e a vida, mas de um só? Não de um Hércules ou de um Sansão, mas de um só indivíduo, que muitas vezes é o mais covarde e mulherengo de toda a nação, acostumado não tanto à poeira das batalhas como à areia dos torneios, menos dotado para comandar homens do que para ser escravo de mulheres?

Chamaremos a isto covardia? Temos o direito de afirmar que todos os que assim servem são uns míseros covardes? É estranho que dois, três ou quatro se deixem esmagar por um só, mas é possível; poderão dar a desculpa de lhes ter faltado o ânimo. Mas quando vemos cem ou mil submissos a um só, não podemos dizer que não querem ou que não se atrevem a desafiá-lo.

Como não é covardia, poderá ser desprezo, poderá ser desdém?
Quando vemos não já cem, não já mil homens, mas cem países, mil cidades e um milhão de homens submeterem-se a um só, todos eles servos e escravos, mesmo os mais favorecidos, que nome é que isto merece? Covardia?
Ora todos os vícios têm naturalmente um limite além do qual não podem passar. Dois podem ter medo de um, ou até mesmo dez; mas se mil homens, se um milhão deles, se mil cidades não se defendem de um só, não pode ser por covardia.


Você leu?: Júlio Dantas – O Talento na Juventude e na Velhice


Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , ,

Leia também:

Marcus Cícero - Os limites da amizade
Marcus Cícero - Os limites da amizade

Eis aqui os limites nos quais creio poder encerrar a amizade

September 1, 2019, 7:30 pm
Ezpinoza - A finalidade do Estado é a liberdade
Ezpinoza - A finalidade do Estado é a liberdade

Num Estado democrático, o que menos se tem a temer é o absurdo

September 7, 2019, 7:12 pm
Hilda Hilst - Amavisse - Poesia
Hilda Hilst - Amavisse - Poesia

Como se te perdesse, assim te quero

September 9, 2019, 7:56 pm
Flora Figueiredo - Poesia
Flora Figueiredo - Poesia

Você me adula, mordisca, me encabula

September 8, 2019, 7:20 pm
Brecht - Louvor de Aprender - Poesia
Brecht - Louvor de Aprender - Poesia

Não te acanhes de perguntar, companheiro!

August 29, 2019, 7:00 pm
Júlio Dantas - O Talento na Juventude e na Velhice
Júlio Dantas - O Talento na Juventude e na Velhice

...supor que o talento constitui privilégio da mocidade.

September 15, 2019, 9:06 pm