Etienne de La Boétie – Discurso da Servidão Voluntária II


Discurso da Servidão Voluntária II
Etienne de La BoétieEtienne de La Boétie

Está na nossa natureza o deixarmos que os deveres da amizade ocupem boa parte da nossa vida. É justo amarmos a virtude, estimarmos as boas ações, ficarmos gratos aos que fazem o bem, renunciarmos a certas comodidades para melhor honrarmos e favorecermos aqueles a quem amamos e que o merecem. Assim também, quando os habitantes de um país encontram uma personagem notável que dê provas de ter sido previdente a governá-los, arrojado a defendê-los e cuidadoso a guiá-los, passam a obedecer-lhe em tudo e a conceder-lhe certas prerrogativas; é uma prática reprovável, porque vão acabar por afastá-lo da prática do bem e empurrá-lo para o mal. Mas em tais casos julga-se que poderá vir sempre bem e nunca mal de quem um dia nos fez bem.

Mas o que vem a ser isto, afinal?
Que nome se deve dar a esta desgraça? Que vício, que triste vício é este: um número infinito de pessoas não a obedecer, mas a servir, não governadas mas tiranizadas, sem bens, sem pais, sem vida a que possam chamar sua? Suportar a pilhagem, as luxúrias, as crueldades, não de um exército, não de uma horda de bárbaros, contra os quais dariam o sangue e a vida, mas de um só? Não de um Hércules ou de um Sansão, mas de um só indivíduo, que muitas vezes é o mais covarde e mulherengo de toda a nação, acostumado não tanto à poeira das batalhas como à areia dos torneios, menos dotado para comandar homens do que para ser escravo de mulheres?

Chamaremos a isto covardia? Temos o direito de afirmar que todos os que assim servem são uns míseros covardes? É estranho que dois, três ou quatro se deixem esmagar por um só, mas é possível; poderão dar a desculpa de lhes ter faltado o ânimo. Mas quando vemos cem ou mil submissos a um só, não podemos dizer que não querem ou que não se atrevem a desafiá-lo.

Como não é covardia, poderá ser desprezo, poderá ser desdém?
Quando vemos não já cem, não já mil homens, mas cem países, mil cidades e um milhão de homens submeterem-se a um só, todos eles servos e escravos, mesmo os mais favorecidos, que nome é que isto merece? Covardia?
Ora todos os vícios têm naturalmente um limite além do qual não podem passar. Dois podem ter medo de um, ou até mesmo dez; mas se mil homens, se um milhão deles, se mil cidades não se defendem de um só, não pode ser por covardia.


Você pode se interessar também sobre: Harold Pinter – Poesia


Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , ,

Leia também:

Fernando Pessoa - Frase do dia - 24/07/2015

"Ser solitário para ser sincero e puro na alma. O homem ente colectivo - é um ser corrupto." Fernando Pessoa

July 24, 2015, 10:58 am
Versos na tarde - Cecília Meireles

Cântico I Cecília Meireles¹ Não queiras ter Pátria. Não dividas a terra. Não dividas o céu. Não arranques pedaços ao mar. Não queiras ter. Nasce bem alto. Que as coisas...

January 10, 2008, 8:00 pm
Lya Luft - Versos na tarde - 18/08/2014

Tão sutilmente em tantos breves anos Lya Luft ¹ Tão sutilmente em tantos breves anos foram se trocando sobre os muros mais que desigualdades, semelhanças, que aos poucos dois são...

August 18, 2014, 9:00 pm
Versos na tarde - Walt Whitman

Com música forte eu venho Walt Whitman¹ Eu rufo e bato o tambor pelos mortos e sopro nas minhas embocaduras o que de mais alto e mais jubiloso posso por...

November 26, 2007, 8:09 pm
Leila Mícollis - Versos na tarde

A seco Leila Míccolis ¹ Tem coisas que a gente só diz de porre se não o outro corre; mas passada a bebedeira, a gente acha que fez besteira, não...

March 17, 2011, 9:00 pm
Gerardo Mello Mourão - Versos na tarde - 29/11/2015

EVA Gerardo Mello Mourão¹ Adormecera à beira do riacho e o sonho e a flor dessa maçã da primeira saudade - do primeiro desejo do mundo habitavam seu sono. Despertara...

November 29, 2015, 9:00 pm