Elisa Biagini – Versos na tarde – 13/01/2017


De uma ranhura
Elisa Biagini ¹

escrevo-me entre as
ranhuras, nos nós
do lenho, com a
sujeira embaixo do tapete:
o escuro, que espera
entrar, gruma-se
de olheiras.

como na folha
enrrugada
que se alisa
resta a
marca
ranhura
que nos colore
a tinta.
(nós nos encharcamos
de infinitas arestas)

só me avistam
em contraluz,
matéria como
clara de ovo,
pátina através dos poros
pelo entalhe:
um alfabeto braille
de ossos sequiosos
por sair.

e o dorso
ranha-se, estojo
de sementes
que empurram,
apartam-se em galhos,
moita de dedos
que nunca toca,
corta o ar a unhaço.

Tradução: Aurora Bernardini e Régis Bonvicino


Você leu?: Thomas de Aquino – O livre-arbítrio


¹ Elisa Biagini
* Florença, Itália – 1970

Formada em História da Arte Contemporânea. Mudou-se para os Estados Unidos para estudar e escrever uma tese de doutorado em Literatura Italiana Contemporânea. Trabalhou como professora em universidades norte-americanas, onde viveu por cinco anos. Seus poemas têm sido publicados em revistas literárias italianas importantes. Elisa Biagini publicou dois livros de poemas: Questi nodi (1993) e Uova (1999), este em versão bilíngüe italiano/inglês. Além disso, é tradutora da poesia de Sharon Olds e de Alicia Ostriker.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: , , ,

Leia também:

Vergílio Ferreira - Um Mundo de Vidas
Vergílio Ferreira - Um Mundo de Vidas

A zona incomensurável dos possíveis

August 7, 2019, 8:00 pm
Shakespeare - Soneto I
Shakespeare - Soneto I

Mas tu, contrito aos teus olhos claros

August 23, 2019, 5:00 pm
Immanuel Kant - A Preguiça como obstáculo à liberdade
Immanuel Kant - A Preguiça como obstáculo à liberdade

É tão cômodo ser menor.

August 11, 2019, 7:02 pm
Alice Ruiz - Se por acaso a gente se cruzasse
Alice Ruiz - Se por acaso a gente se cruzasse

de dia um improviso/de noite uma farra

August 15, 2019, 8:00 pm
Michel de Montaigne - Não há nada tão enjoativo quanto a abundância
Michel de Montaigne - Não há nada tão enjoativo quanto a abundância

O amor bem nutrido e excessivamente submisso logo nos enjoa e cansa

July 29, 2019, 4:28 pm
Marcel Proust - Mentimos para proteger o nosso prazer
Marcel Proust - Mentimos para proteger o nosso prazer

Mentimos para Proteger o nosso Prazer A mentira é essencial à humanidade. Nela desempenha porventura um papel tão importante como a procura do prazer, e de resto é comandada por...

August 16, 2019, 11:00 am