MeioAmbiente – Embaixadores europeus desconfiam das promessas de Bolsonaro para área ambiental

E depois do encontro com os líderes de mais de 40 países, o que se viu foi o aumento da devastação ambiental

Em reunião com parlamentares brasileiros na semana passada, embaixadores da União Europeia, Noruega e Reino Unido se mostraram preocupados com a inércia do governo de Jair Bolsonaro, principalmente se o assunto é política ambiental.

Para apaziguar os ânimos diante de iminentes boicotes a produtos brasileiros nas prateleiras dos supermercados e queda dos investimentos estrangeiros, em abril, à Cúpula dos Líderes pelo Clima, prometeu a antecipação em dez anos, para 2050, para que o país atinja a chamada neutralidade climática.

Mas o orçamento para a área ambiental continua em menos de 1% do total. E tampouco há sinais de mais recursos, de contratação de pessoal e modernização de equipamentos, como os de tecnologia moderna de sensoriamento remoto. Pelo contrário, quer até desligar computador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

A saída de Ricardo Salles do cargo de Ministro do Meio Ambiente e Ernesto Araújo da pasta de Relações Exteriores em nada melhoraram o cenário, afinal, tendo Jair Bolsonaro à frente do país, a situação continua a mesma.
E depois do encontro com os líderes de mais de 40 países, o que se viu foi o aumento da devastação ambiental. Para se ter uma ideia, segundo o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon), o desmatamento na região atingiu 926 km² em junho, uma área quase três vezes maior do que a cidade de Fortaleza.

O número representa um aumento de 10% em relação a junho de 2020 e é o terceiro maior para o mês em 10 anos. No acumulado dos primeiros seis meses de 2021, o desmatamento atingiu 4.014 km² – a maior área da década para o período, segundo o monitoramento do instituto, realizado por meio do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), que utiliza imagens de satélite e de radar.

À coluna Painel, da Folha de São Paulo, o deputado federal Rodrigo Agostinho (PSB-SP), que participou da reunião com embaixadores da União Europeia, Reino Unido e Noruega, disse que o clima é de desconfiança total.

O Brasil precisa ir muito além do discurso. A União Europeia (EU), por exemplo, anunciou um plano para combater as mudanças climáticas e iniciar um processo de “descarbonização” da sua economia. Rodrigo Agostinho, que é presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CMADS) da Câmara dos Deputados, acredita que dificilmente países como estes vão destinar recursos ao Brasil se não houver uma reação.

Ainda mais com projetos em curso que ameaçam territórios indígenas, que flexibilizam a concessão de licenciamento ambiental e PL 2633, que na praticamente legaliza a grilagem.

Os Estados Unidos também já sinalizaram que só cooperam com o Brasil se houver comprometimento. Caso contrário, poderá haver até mesmo retaliações políticas. Bolsonaro precisa rever seus conceitos sob pena de ter também o setor produtivo no seu encalço.

Mais artigos

Meio Ambiente

O Brasil é um exemplo aberrante de tudo o que se pode fazer conta o meio ambiente. Se a ONU não reagir, agora na ida