Fatos & Fotos – 23/07/2021

A realidade, questão de tempo e lugar, haverá de esgarçar seus sonhos.

Na trilha melancólica desta noite de sexta-feira Schumann: Piano Quartet No. 1 / com Daishin Kashimoto, Gilad Karni, Sol Gabetta, Nelson Goerner


Johann Grund (1808 – 1887)
Amor and Psyche


Boa noite.
Ode a Lídia
Jayro José Xavier

Esta súbita chuva que desaba
pela pele morena
de teu rosto
por teu riso por teus ombros
pelos teus longos
cabelos
cai na terra
— ouve bem —

com o peso, o
doce peso de milénios

Pois verdade é que outra
é a água
mas a mesma
(escorrendo pela
gloriosa nudez
de teu corpo)
mesmo o cheiro húmido
da terra, mesmo
nas árvores
o áspero, esperado canto
de verão

Tudo, nada mudou

Pois verdade é que outra
é a água
mas a mesma
(escorrendo pela
gloriosa nudez
de teu corpo)
mesmo o cheiro húmido
da terra, mesmo
nas árvores
o áspero, esperado canto
de verão

Tudo, nada mudou

Bebe pois desta água
bebe
bebe com todo o teu corpo
até que toda te farte
bebe
até que te embriague
a milenar
experiência
do planeta

Bebe e
(sábia)
colhe nas mãos o momento
que esvoaça
— este breve momento em que
como duas crianças
somos
e amamos


François-Xavier Fabre st sd


Organizações cobram fortalecimento do MPF contra crime ambiental na Amazônia.

Carta enviada à Procuradoria-Geral da República e ao Conselho Superior do Ministério Público Federal destaca resultados da Força-Tarefa Amazônia, criada em agosto de 2018 e encerrada em fevereiro deste ano.

Cinquenta e seis organizações da sociedade civil, entre elas a Transparência Internacional – Brasil, WWF-Brasil, Human Rights Watch, Conectas e Instituto Igarapé, enviaram uma carta à Procuradoria-Geral da República e ao Conselho Superior do Ministério Público Federal destacando a importância do fortalecimento da atuação do MPF no combate aos crimes e à degradação ambiental na Amazônia.

A carta cita a preocupação das organizações com a  descontinuidade da Força-Tarefa Amazônia em fevereiro deste ano, sem haver sinalização acerca de sua renovação ou de alguma outra estrutura que pudesse substituí-la no combate às ilegalidades praticadas na região. De acordo com as organizações, além da medida representar um recuo na atuação do MPF, ela traz consigo a perda de uma ação mais coordenada e estratégica do órgão no combate a essas ilegalidades, benefícios que a Força-Tarefa proporcionava. Isso tudo em um cenário de avanço da degradação ambiental, que pode ser evidenciada pelo aumento das taxas de desmatamento e queimada no bioma, bem como pelo crescimento da exploração de madeira e garimpo ilegais.

As organizações também deixam claro no documento que os crimes ambientais não apenas trazem prejuízos à sustentabilidade socioambiental, mas também podem causar danos econômicos, como restrições dos produtos brasileiros no mercado internacional, fuga de investimentos e dificuldades na assinatura de acordos comerciais.

“É momento de fortalecer as estruturas que investigam e punem o crime ambiental, sobretudo no momento em que as taxas de desmatamento e queimadas batem recordes. É isso que vai colocar o Brasil na rota exigida pelo século XXI e pelos desafios da crise climática. Do contrário, estaremos na contramão do mundo, correndo o risco de ver o fechamento dos mercados internacionais para as commodities agrícolas brasileiras” explica Michel Santos, gerente de políticas públicas do WWF-Brasil.

O texto enviado ao MPF e ao CSMPF enfatiza que por trás dos crimes ambientais também há uma estrutura que envolve grupos organizados que realizam diversas práticas criminosas que servem de “sustentação” à ilegalidade ambiental.

“Os crimes ambientais na Amazônia não ocorrem de forma isolada. Muitas vezes estão associados a práticas ilícitas como corrupção, lavagem de dinheiro, fraudes, evasão fiscal, formação de milícias e assassinatos. Combater os crimes ambientais é também promover a segurança pública, a integridade das instituições e o próprio Estado de Direito. O Ministério Público Federal tem um papel fundamental nisso e precisa fortalecer a sua atuação na região” comenta Renato Morgado, gerente de Meio Ambiente e Clima da  Transparência Internacional – Brasil.


Nicolas de Stael
Nature morte au poêlon blanc,1955


Paul Gustav Fischer
Scène de baignade,1916


Eleição não é assunto do Ministério da Defesa, afirma o general Santos Cruz.

O general Carlos Alberto dos Santos Cruz, ex-ministro da Secretaria de Governo de Jair Bolsonaro, afirmou nesta quinta-feira 22 que assuntos eleitorais não cabem ao Ministério da Defesa, atualmente sob comando do general Walter Braga Netto.

“É um assunto muito sério fazer uma ameaça de não haver eleição. Eleição é um dos fundamentos da democracia, é uma coisa que não pode ser ameaçada”, acrescentou Santos Cruz. “Uma coisa é o aperfeiçoamento do sistema eleitoral, você pode discutir.


Dominique Verburgh st sd


Estudo internacional desmente tese de Bolsonaro de “imunização de rebanho”

Pesquisadores da USP fizeram um estudo publicado na revista The Lancet que indica: pessoas que já contraíram o coronavírus podem ser reinfectadas. A tese da imunidade de rebanho defendida por Jair Bolsonaro contra a ciência não se sustenta.

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) fizeram um estudo apontando que a variante Gamma, anteriormente conhecida como P.1, originada no Brasil, tem possibilidades de escapar dos anticorpos neutralizantes gerados pelo sistema imunológico a partir de uma infecção anterior com outras variantes do coronavírus. Os resultados foram obtidos in vitro, ou seja, em laboratório, de acordo com os estudiosos.

“É fundamental entender que pessoas infectadas podem ser infectadas novamente”, aponta William Marciel de Souza, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP, primeiro autor do artigo. O trabalho foi publicado como artigo na revista científica The Lancet em 8 de julho e desmente categoricamente a tese da “imunização de rebanho” de Jair Bolsonaro.

Foram analisadas amostras do plasma de pacientes que tiveram a doença, e também de pessoas imunizadas pela vacina CoronaVac. “A pesquisa mostra que pessoas que foram vacinadas ainda estão suscetíveis à infecção, se você tomou a vacina continue usando máscara, continue com distanciamento social, continue usando as medidas de higiene para evitar a transmissão para outras pessoas”, aconselhou Marciel de Souza.

Estatísticas

Cientistas da USP, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) haviam feito um estudo apontando que o Brasil ainda precisa aplicar 196 milhões de doses de vacinas para alcançar a imunização completa de toda a sua população adulta, ou 160 milhões de pessoas com mais de 18 anos. Com o ritmo atual, o país alcançará a meta de imunizar 90% de seus 160 milhões de adultos apenas no primeiro trimestre de 2022.

Até essa quinta-feira (22), 36.533.170 de brasileiros receberam a segunda dose ou a dose única de alguma vacina, o que representa 17,25% da população nacional, apontou um levantamento do consórcio de veículos de imprensa, com base nas informações fornecidas pelas secretarias estaduais de saúde.


Filippo Parodi (1630 – 22 July 1702),Venus


Embalando essa manhã de sexta-feira McCoy Tyner & Ravi Coltrane – Walk Spirit Talk Spirit



John Woodrow Kelley,New Venus sd



Desculpa, mas artista de verdade não apoia Bolsonaro
simplesmente porque Bolsonaro e Arte são incompatíveis, opostos, é uma antítese, dois corpos que não cabem no mesmo espaço. Bolsonaro é a ausência da Arte.


Proxalutamida: os questionamentos e as suspeitas sobre a nova droga defendida por Bolsonaro contra a covid-19

Depois da cloroquina e da ivermectina, outro remédio sem eficácia comprovada por estudos foi exaltado pelo presidente Jair Bolsonaro contra a covid-19: a proxalutamida.
“Tem uma coisa que eu acompanho há algum tempo e nós temos que estudar aqui no Brasil. Chama-se proxalutamida. Já tem uns meses que isso aí, não está no mercado, é uma droga ainda em estudo” e “existe no Brasil de forma não comprovada cientificamente”, afirmou Bolsonaro, ao receber alta hospitalar no domingo (18/7).
A proxalutamida é um bloqueador de andrógenos (hormônios masculinos como testosterona) ainda sob testes e apontado como droga experimental contra câncer de próstata. Ele é manufaturado na China, mas ainda não é comercializado.

O remédio ganhou holofotes após a divulgação de um estudo entre março e junho, à época em fase pré-print — ou seja, antes da revisão por outros cientistas —, realizado por pesquisadores brasileiros e de outros países. Eles dizem que, em um grupo de pacientes hospitalizados com covid-19, a mortalidade após o uso da proxalutamida foi 77% menor ao longo de 28 dias.

Os autores publicaram suas conclusões na segunda-feira (19/7) em estudo (já revisado por pares) no periódico Frontiers in Medicine, após ter sido rejeitado por publicações científicas de prestígio, como The New England Journal of Medicine e The Lancet. No estudo, os pesquisadores argumentam que a taxa de hospitalização em homens tratados com a proxalutamida foi reduzida em 91% em comparação com os tratamentos convencionais.

Ao divulgar os dados preliminares da pesquisa, em março, os pesquisadores afirmaram que mais de 47% dos pacientes com covid-19 que tomaram placebo durante o estudo morreram, contra menos de 5% dos que tomaram proxalutamida.

Todos esses dados chamaram a atenção de alguns pesquisadores, que questionam a validade das descobertas e, por consequência, a eficácia real da droga contra a covid-19. Há também suspeitas de fraude, possível conflito de interesse com a fabricante do medicamento e discrepâncias entre a metodologia anunciada e o que de fato foi feito durante o estudo. Os autores da pesquisa negam qualquer irregularidade.

Estudo deveria ter sido interrompido, diz infectologista
A primeira questão é: o que explicaria uma mortalidade tão alta no grupo de controle (que tomou placebo, ou seja, uma substância inócua), sendo que os pacientes estudados não estavam em fase terminal?
Considerando-se que o estudo feito foi um duplo-cego (ou seja, nem pesquisadores nem pacientes poderiam saber quem tomou remédio e quem tomou placebo), o alto índice de mortalidade teria de ter feito o estudo ser interrompido antes que se chegassem a tantas mortes, afirma à BBC News Brasil o infectologista Mauro Schechter, professor-titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Isso porque, segundo Schechter, duas hipóteses poderiam surgir desses dados: ou a droga estudada em si poderia estar causando tantas mortes, ou o remédio teria um efeito tão potente que seu uso amplo deveria ser imediato.


Foto do dia – Manolo Franco

Royalty free. A imagem é liberada livre de copyrights PixaBaby


 

Mais artigos

Meio Ambiente

O Brasil é um exemplo aberrante de tudo o que se pode fazer conta o meio ambiente. Se a ONU não reagir, agora na ida