• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

Como recuperar os arquivos que você apagou sem querer do computador

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Computadores,Tecnologia,Arquivos,Desespero,Blog do MesquitaDeletou aquela foto de infância ou um documento essencial? Conheça opções para evitar o desespero. Não se desespere. Existe solução.

Você selecionou o arquivo, clicou com o botão direito do mouse e lançou a ordem: deletar. Mas não era esse o arquivo que queria apagar.Logo entra em desespero, pensando ter perdido para sempre aquela lista enorme de contatos, a tese que apresentará em uma semana ou as fotos dos primeiros passos do seu filho.

Não se deixe levar pelo pânico. Isso tem solução.

Há duas opções para recuperar esses arquivos como se nada tivesse acontecido.
Mas é preciso escolher uma delas o quanto antes, e também que seu disco rígido esteja em bom estado.

1. Buscar na Lixeira
Se você teve reflexo para não apertar novamente o botão direito do mouse e escolher a opção “esvaziar lixeira”, o arquivo deve estar lá.
A Lixeira é uma espécie de pasta que armazena conteúdos, embora com algumas características especiais.
A principal é que ela possui uma capacidade (em megabytes) definida pelo Windows ou iOS que corresponde a uma porcentagem do tamanho do disco rígido.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Quando fica cheia, a Lixeira começa a eliminar arquivos de forma automática, começando pelos mais antigos.

Deste modo, se você teve sorte e ainda tinha espaço na Lixeira, provavelmente encontrará seu precioso arquivo lá.

Para recuperá-lo, apenas clique sobre o arquivo e selecione a opção “restaurar”.
Também é possível resgatar todos os arquivos desta pasta, na opção “restaurar todos os elementos”. Os arquivos voltarão às pastas que estavam quando apagados.

2. Baixar um recuperador
Esse é o caminho a adotar caso os arquivos não estejam mais na Lixeira.
A boa notícia é que os computadores nunca eliminam de fato o que foi apagado.
Isso significa que, caso tenha esvaziado a Lixeira por engano, os dados – os “uns” e “zeros” que compõem os documentos perdidos – continuam gravados em disco.

Portanto, tudo o que você precisa para resolver o desastre é um software de recuperação de dados. Existem várias opções no mercado, muitas delas gratuitas. Aqui apresentamos as mais populares:

Recuva
É o software gratuito mais conhecido para esse tipo de trabalho.
Quem o desenvolveu foi a Piriform, o time responsável pelo CCleaner, um aplicativo que elimina arquivos desnecessários do Windows e melhora a performance do computador.
Recuva é compatível com os sistemas Microsoft e Apple, e pode ser baixado na página do programa na internet.

O programa permite escolher o tipo de arquivo a ser recuperado: documentos, música, vídeos e imagens. E também a unidade de armazenamento para ser escaneada.

Trata-se de uma opção mais eficiente para arquivos recém-eliminados. Para dados apagados há mais de seis meses, o mais provável é que não possa recuperá-los.

Data Recovery
Como o Recuva, esse software é compatível com Microsoft e Apple e tem uma interface intuitiva que ajuda a executar as tarefas passo a passo.

Para utilizar esse programa do desenvolvedor EaseUS, você primeiro deverá definir o tipo de arquivo que quer restaurar (documentos, música, vídeos, elementos gráficos, e-mails), mas também há opção de selecionar todos os arquivos.

A boa notícia é que os computadores nunca eliminam realmente o que você apaga
Depois é preciso indicar onde os arquivos foram perdidos – Lixeira, Área de Trabalho, Meus Documentos, pastas ou algum dispositivo externo -, já que o programa fará buscas em todos os aparelhos conectados ao computador.

Caso não se lembre onde o arquivo foi apagado, existe a opção “não me lembro”.
Se você escolheu a opção “Todos os arquivos” no passo anterior, após a busca o programa exibirá uma prévia dos elementos localizados. Caso o arquivo buscado não apareça, é possível pedir uma busca mais profunda ao programa.

DiskDigger
Os softwares de recuperação buscam arquivos no computador e em dispositivos conectados
Esse aplicativo gratuito da Defiant Technologies serve para desenterrar aquele arquivo que você apagou ou perdeu na bagunça de seu computador.

O software não é compatível com iOS, mas roda em Windows 8, Windows 7, Windows Vista, Windows XP e Linux.

Além das unidades de disco rígido, o DiskDigger também é eficaz na recuperação de documentos ou arquivos em unidades USB, cartões de memória (SD, CompactFlash ou Memory Stick) ou smartphones com sistema Android.

Todo o programa é um único arquivo executável e pode ser rodado sem necessidade de instalação. Assim, não ocupa espaço nem deixa rastros ao ser usado.
BBC

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me