• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

Como é a vida nas cidades aonde os médicos não chegam?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Saúde pública, Mais médicos,Medicina,Blog do MesquitaNeste país tão grande, não são poucos os brasileiros que vivem longe.

Longe da atenção e dos cuidados de quem organiza e distribui os recursos da saúde. É assim nas pequenas cidades da Ilha do Marajó.

As carências são tantas que coisas básicas ganham status de luxo.

Uma mulher que está na maca acaba de dar a luz com a mesma roupa que vestia ao chegar. A vida em condições assim parece ter a força dos milagres.

E é bom que não precise de berço aquecido, incubadora, equipamentos que fazem a diferença entre a vida e a morte em um lugar isolado como Cachoeira do Arari. Semanas atrás trigêmeos nasceram e morreram lá.

“Fizeram o parto e os bebês duraram algumas horas porque não tínhamos onde colocar os bebês. Foi chamado o resgate antes pra ver se levava a mãe, mas não conseguimos. Um caso que o município nunca vai esquecer”, conta diretora do hospital Ângela Barbosa.

As cubanas Margarida Sanches e Maria Caridad, contratadas pelo programa Mais Médicos, estavam em fase de reconhecimento e adaptação quando a equipe do programa esteve no Marajó.

As cubanas Margarida Sanches e Maria Caridad, contratadas pelo programa Mais Médicos, estavam em fase de reconhecimento e adaptação quando a equipe do programa esteve no Marajó.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Cachoeira do Arari só tinha um médico pra atender mais de 20 mil moradores. E eles não estão só na cidade, se espalham por comunidades ainda mais distantes e com menos recursos.

“Não tem posto de saúde. Uma escola, nada mais, sem água. Eles têm que carregar a água como daqui ao hospital para a escola”, diz uma das cubanas.

A casa onde iriam morar estava sendo reformada e um posto de saúde construído.

“O Programa Nacional de Atenção Básica requer médicos, enfermeira, agente comunitário de saúde, odontologia, equipamento”, conta a cubana.

“A pessoa pode achar que tendo um médico lá na Ilha do Marajó está resolvido o seu problema de saúde. Não está e isso é um engano, isso é uma pseudo-assistência porque ele vai precisar de outras coisas e não vai ter. Essa é a diferença e se for um médico mal formado, pior ainda”, presidente do Conselho Federal de Medicina, Roberto Luiz D’Avila.
Globo Repórter, G1

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário