• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

Collor usa PT como trampolin para reabilitação

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Brasil: da série “Quem te viu, quem te vê”!

Até Zé Bêdêu — o derradeiro abestado crédulo da Praça do Ferreira, em Fortaleza — não imaginaria, um dia, o todo roxo e indignado Fernando Collor, ditando regras duras para “evitar” nepotismos e outras mazelas que infelicitam a taba dos Tupiniquins.

Mesmo Molière[1], o grande escritor de comédias francês, não ousaria se aventurar por tal ficção. Poi bem! Tal ópera bufa, está sendo encenado, ao vivo e a cores, pelo marajá das Alagoas, nesse instante, no palco hilário e despudorado do senado da república.

No momento sua (dele) ex-celência preside a Comissão de Infraestrutura do Senado.

A seguir nessa escalada pelos andaimes petistas, poderemos assitir, em breve, o “impichado” ex-presidente da república comandando, naturalmente de forma veemente e apoplética, um cruzada nacional contra a corrupção.

Abaixo transcrevo matéria, inacreditável, pelo conteúdo, publicado no O Globo.

O editor

[1]Jean-Baptiste Poquelin, mais conhecido como Molière (Paris a 15 de Janeiro de 1622 – 17 de Fevereiro de 1673), foi um dramaturgo e ator francês.


Collor aprova ato que endurece aprovação de autoridades

De Maria Lima em O Globo:

Os integrantes da Comissão de Infraestrutura ficaram surpresos com o primeiro ato apresentado pelo novo presidente da Comissão de Infraestrutura do Senado, senador Fernando Collor (PTB-AL), ex-presidente da República que enfrentou processo de impeachment em 1992.

O ato número 1, aprovado pelos presentes, mas sem o voto da senadora Ideli Salvati (PT-SC), que deixou a sala na hora da votação, endurece a aprovação de nomeação de autoridades – feita atualmente por meio de sabatinas.

Os indicados para direção das 11 agências reguladoras, por exemplo, terão que ser aprovados ao cabo de um duro processo seletivo.

Segundo Collor, a ideia é que os candidatos comprovem eficiência e idoneidade para estar à frente de importantes órgãos da administração pública.

– Pelo que está no ato, não adianta só ter um padrinho forte. Queremos extrair o máximo dos candidatos. Além da idoneidade e isenção, que ele nos mostre a sua visão estratégica, seus objetivos, o que pretende fazer nessas agências. É importante que tenhamos a noção exata de quem é verdadeiramente o indicado – disse Collor.

O processo, dividido em duas etapas, requer que os indicados comprovem, com documentos, desde o saber da área até declarações de próprio punho, garantindo que não tem parentes, sócios ou laços de amizade com pessoas que exercem função relacionada ao setor.

O rol de exigências prevê ainda comprovação de regularização fiscal em todos os âmbitos, além de confissão de que o indicado é ou não alvo de ações judiciais, como autor ou réu.

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário