Claudia Camara – Poesia – Não quero postar-me diante da sua inércia


Espelho
Claudia CamaraEspelho,Blog do Mesquita

Eu vou falar porque transbordo. Só porque não tem jeito, vou dizer adagas afiadíssimas, impiedosas, sobre sua carne. Não me olhe ou esmorecerei e minha voz vai se calar, exausta de compaixão. Não me olhe, porque as palavras sairão como cuspes lançados contra seu rosto. Escarros antigos, empedrados de dores caladas. Não, por favor, não desista. Não cometerei escatologias de espécie alguma, prometo. Mas não me olhe. Ou engolirei os cacos da verdade que agora, encara o seu rosto sem, no entanto, olhar para você. E sangrarei inutilmente sobre palavras que não me cabem.

Escuta. É quase certo que eu não te ame mais. Carrego sentimentos morredouros que rangem cada vez que respiro. Adivinho os estertores da esperança. Imagino apenas e, juro, espero estar errada.

No começo não era assim. No começo eu vivia sob as bênçãos da ignorância. Eu era o rio caudaloso em sua primeira água rumo ao oceano. Nunca mais essa liberdade que só os intrépidos, que só os inocentes, já que, você bem o sabe, liberdade é privilégio dos ignaros. Mas isso eu já disse e não quero esgotar sua boa vontade, enovelando palavras, tecendo sensações que, você sabe, são minha razão e conforto.

Eu, cega de eternidade, rolando solta por entre as frinchas da terra, abrindo caminhos com a voracidade dos recentes. Sei que metaforismos são irritantes, quando se trata de acontecimentos com datas e suores. Como agora, quando confesso o meu desamor por você. É um processo que, embora abissal, não surpreenderá seus passos com um vazio súbito, sem alardes. Estou convivendo com o desfolhamento desse legado que me foi deixado como testamento de vida. Não o pedi. Entende isso? Me foi ordenado como também veio a sentença: deve crescer, multiplicar-se e buscar a felicidade resoluta e, antes de tudo, amar aos outros como a si mesmo.


Você pode se interessar também sobre: Cruz e Sousa – Versos na tarde


Percebe porque nunca experimentei o amor? Inventei, modelei meticulosamente histórias formidáveis mas que, você sabe, serviria em diversos protagonistas. Qualquer um. Os que foram. Os que são. Serão?

Não se preocupe, não choro enquanto confesso tantos silêncios. É que agora, como muitas vezes, me acontece o frio nos olhos e as águas salobras vêm protegê-los de alguma agudez indesejada deste sentido. Por exemplo, não verei o cansaço das suas carnes. Sua testa desolada e cabelos desconsolados sobre ombros.

Não verei seus olhos abaixados, perscrutando sua alma enquanto escovo ancestralidades, trazendo-as à luz impiedosa da realidade.

Olha. Vê que não há amor possível diante de tal constatação: você não cumpriu com a promessa e não é quem deveria ser. Ou poderia.

Seus sonhos meninados persistem enquanto o tempo arrancou cada uma das pontes suspirosas entre a possibilidade e o nunca. Não é possível que não tenha percebido isto! E, desculpe, mas eles não lhe caem nada bem agora que já não conta com a benevolência do futuro.

Não quero postar-me diante da sua inércia. Não suporto mais a docilidade com que mimetiza minha dor.

Apago a luz

Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: ,

Leia também:

Carlos Drummond de Andrade - Versos na tarde

Carta Carlos Drummond de Andrade ¹ Há muito tempo, sim, que não te escrevo. Ficaram velhas todas as notícias. Eu mesmo envelheci: Olha, em relevo, êstes sinais em mim, não...

September 14, 2010, 9:00 pm
Nietzsche - Frase do dia - 18/12/2016

"Tudo é precioso para aquele que foi, por muito tempo, privado de tudo." Nietzsche

December 18, 2016, 9:00 am
Louise Labé - Versos na tarde

Soneto Louise Labé ¹ Belos olhos que fingem não me ver Mornos suspiros, lágrimas jorradas Tantas noite em vão desperdiçadas Tantos dias que em vão vi renascer; Queixas febris, vontades...

June 10, 2010, 9:00 pm
John Keats - Versos na tarde - 15/11/2016

Ode sobre uma urna grega John Keats¹ I Inviolada noiva de quietude e paz, Filha do tempo lento e da muda harmonia, Silvestre historiadora que em silêncio dás Uma lição...

November 15, 2016, 9:00 pm
Pro dia nascer melhor - 14/03/2007

HINOJorge Luís Borges¹Esta manhãhá no ar a incrível fragrânciadas rosas do Paraíso.Nas margens do EufratesAdão descobre a frescura da água.Uma chuva de ouro cai do céu;é o amor de Zeus.Salta...

March 14, 2007, 1:03 pm
Carlos Costa - Poesia
Carlos Costa - Poesia

Você caracol, casca, casulo. A brisa traz o olor de humores temperados no sexo, seixo bem rolado desejo após desejo tudo de novo reinventado em tua ostra escâncara. Arte: Carlos...

April 16, 2019, 7:01 pm