Nem a Via Láctea é plana

Nossa galáxia, a Via Láctea, é "torta" e "retorcida"


A Via LácteaDireito de imagem OGLE/ UNIVERSIDADE DE VARSÓVIA
Uma nova visão da Via Láctea: torta nas bordas

Nossa galáxia, a Via Láctea, é “torta” e “retorcida”, e não plana como se pensava anteriormente. A conclusão é de um estudo publicado na prestigiada revista Science.

A análise das estrelas mais brilhantes da galáxia mostra que elas não estão em uma reta plana, como se costuma mostrar em textos acadêmicos e livros de ciências para o público leigo. Astrônomos da Universidade de Varsóvia especulam que ela pode ter sido distorcida por interações passadas com galáxias próximas. A imagem popular da Via Láctea como um disco plano baseia-se na observação de apenas 2,5 milhões de estrelas – de um total que pode chegar a 2,5 bilhões.

As representações criadas por artistas são, portanto, aproximações da forma mais verdadeira de nossa galáxia, de acordo com a pesquisadora Dorota Skowron, da Universidade de Varsóvia, na Polônia.

“A estrutura interna e a história da Via Láctea ainda estão longe de serem compreendidas, em parte porque é extremamente difícil medir as distâncias das estrelas nas regiões mais externas de nossa galáxia”, disse ela.

Via LácteaDireito de imagem MARK GARLICK/SCIENCE PHOTO LIBRARY
Reproduções artísticas que mostravam a Via Láctea ‘reta’ terão de ser revistas

Novo mapa tridimensional

Para obter uma imagem mais precisa, Skowron e seus colegas mediram as distâncias de algumas das estrelas mais brilhantes da Via Láctea, chamadas estrelas Cefeidas.

Estas são jovens estrelas massivas que brilham centenas ou milhares de vezes mais que o nosso próprio sol. Elas podem ser tão brilhantes que chegam a ser observadas mesmo na borda da galáxia.

Não só isso: elas também pulsam em intervalos regulares a uma taxa que está diretamente relacionada ao seu brilho.

Isto permite aos astrônomos calcular as distâncias das Cefeidas com grande precisão.

A maioria das estrelas foi identificada usando o telescópio OGLE (Optical Gravitational Lensing Experiment), que fica no observaório de Las Campanas, no deserto do Atacama (Chile).

Przemek Mroz, membro da equipe do OGLE, disse que os resultados foram surpreendentes.

Telescópio e céu estreladoDireito de imagemK. ULACZYK/J. SKOWRON / OGLE/UNIV. DE VARSÓVIA
A pesquisa baseou-se em observações do telescópio OGLE, no deserto do Atacama (Chile)

“Nossos resultados mostram que a galáxia da Via Láctea não é plana. É ‘torta’ e retorcida nas bordas mais distantes do centro galáctico. A deformação pode ter acontecido através de interações passadas com galáxias satélites, gás intergaláctico ou matéria escura (material invisível presente nas galáxias, e sobre a qual pouco se sabe).”

Os resultados da pesquisa polonesa corroboram uma análise das estrelas Cefeidas publicadas em fevereiro na revista Nature Astronomy, por astrônomos da Universidade Macquarie na Austrália e da Academia Chinesa de Ciências.

Postado na categoria: Aeronáutica & Espaço, Ciências - Palavras chave: , , , ,