Rede 5G, o Brasil diante de um falso dilema

Na implementação da rede de telefonia móvel de quinta geração, país não precisa optar por China ou EUA, mas seguir sua tradição de permanecer independente.

Poucos assuntos têm sido tão debatidos nos meios da política e economia brasileiras quanto a concorrência para a rede 5G, a quinta geração do padrão de telefonia móvel.

No país, como em outros tantos por todo o mundo, o que está em jogo é se a operadora chinesa Huawei deve ser admitida ou não como fornecedora das multinacionais de telecomunicações. Os Estados Unidos pressionam todos os seus aliados ocidentais – portanto também o Brasil – contra a participação da Huawei, sob a alegação de que a China empregaria a tecnologia da firma para fins de espionagem.

No entanto, a decisão pró ou contra Pequim ou Washington é um falso dilema. O Brasil deveria seguir dialogando com ambos. Em sua história, o país provou repetidamente que também é capaz disso sob pressão, e na maioria dos casos se saiu bem.

Esse foi o caso antes da Segunda Guerra Mundial, quando o Brasil conseguiu se manter neutro entre os Aliados e as potências do Eixo. Seus parceiros industriais importantes foram, sucessivamente, os EUA (indústria de base), depois a Europa (automóveis) e, em seguida, Japão (mineração), sem que, apesar da competição ferrenha, eles entrassem em atrito no país.

Na década de 70, os militares, apesar de próximos aos EUA, entregaram à Alemanha o contrato para a usina atômica de Angra dos Reis – uma afronta a Washington. O alcance dessa decisão na época é, em parte, comparável ao atual, entre a Huawei e as operadoras ocidentais.

Também na época estava em jogo o estabelecimento de padrões internacionais e, portanto, da predominância industrial. Quem quer que controle o padrão global para novas tecnologias tem, a seguir, uma enorme vantagem estratégica em diversos setores, possivelmente por décadas.

Assim foi, na época, com a usina nuclear. Hoje, com o 5G, a coisa é ainda mais dramática, pois a rede será a base para o desenvolvimento de novas tecnologias. Tão mais importante, portanto, é o Brasil defender seus interesses perante os EUA e a China. Pois o país é capaz disso, já que, diferente de outros, joga numa categoria própria:

– O Brasil está entre as 12 maiores economias mundiais. Em superfície e população, ocupa o quinto e sexto lugares.

– É um dos poucos Estados que têm um grande superávit da balança comercial com a China. Isso o fortalece e torna menos chantageável.

– Também os EUA são um importante investidor e parceiro comercial e tecnológico do Brasil. Num mundo polarizado entre chineses e americanos, um Brasil neutro ganha automaticamente mais peso.

– O Brasil é um mercado-chave para a 5G. A concorrência para a rede de telefonia móvel será uma das maiores entre os mercados emergentes. Desde já, o país possui uma densidade de conexões de banda larga maior do que a maioria das economias fora dos EUA e Europa.

Resumindo: a neutralidade brasileira estabeleceria um sinal geopolítico. Não é de espantar que Pequim e Washington adotem a política de “cenoura e pau” perante o governo e autoridades do país: por um lado, atraem com financiamentos e parcerias estratégicas; por outro, ameaçam com a suspensão dos investimentos.

Isso é normal, e o Brasil não deve se deixar impressionar. Até porque é ingênuo crer que operadoras ocidentais automaticamente reduziriam o risco de espionagem ou hackeamento. Afinal, os serviços secretos dos EUA monitoraram tanto a presidente Dilma Rousseff quanto a Petrobras.

Além disso, de 30% a 40% do equipamento da rede móvel brasileira já se compõe de peças da Huawei. A eliminação destas e exclusão do conglomerado chinês atrasaria em anos o urgentemente necessário impulso de produtividade com a implementação da rede 5G. Uma competição acirrada entre os fornecedores, por outro lado, possivelmente tornaria mais fácil controlar as redes.

O Brasil deve tentar procurar parceiros por todo o mundo – na Ásia, América Latina, mas, acima de tudo, na Europa – que igualmente se vejam diante de um falso dilema e se preocupem com a polarização crescente.

Contudo, resistir à pressão e encontrar um caminho do meio é trabalho árduo, sobretudo para os diplomatas brasileiros. “O Brasil vai ter que usar na diplomacia algo que não está acostumado a fazer de uns tempos para cá”, comenta Marcos Azambuja, ex-embaixador e decano dos diplomatas do Brasil: “A cabeça…”

A Alemanha pretende continuar cooperando com a Huawei, apesar das tentativas de Washington de evitar a participação do gigante chinês

A recusa de Angela Merkel em banir ou restringir as atividades do gigante tecnológico chinês é um exemplo para a Europa e um desafio à política dos EUA, dizem especialistas.

A Alemanha pretende continuar cooperando com a Huawei, apesar das tentativas de Washington de evitar a participação do gigante chinês, dizem especialistas entrevistados pela Sputnik Alemanha.

Atualmente, o governo alemão está formulando regras de segurança para sua rede 5G. A chanceler alemã Angela Merkel não quer excluir a Huawei da construção da rede 5G na Alemanha por essa ser uma empresa chinesa, apesar da pressão dos “falcões da segurança” no país, informou a agência Bloomberg citando fontes anônimas.

O anúncio da chefe de Estado alemã pode servir de exemplo para outros países da União Europeia (UE) construírem suas relações com o gigante lógico chinês, opina o jornal Global Times.

Assim, a recusa pela Alemanha de impor uma proibição à admissão da Huawei em seu mercado com o pretexto de garantir sua segurança nacional, uma vez que os critérios para esta segurança ainda estão sendo desenvolvidos, é também um desafio à política europeia dos EUA, pois atualmente Berlim detém a presidência no Conselho da UE.

A abordagem da Alemanha relativamente à Huawei seria ditada não apenas pelos interesses da Alemanha, mas também pelos da UE, observa Mikhail Belyaev, especialista do Instituto Russo de Estudos Estratégicos, em entrevista à Sputnik.

“Neste caso estamos falando de apenas uma empresa, a Huawei, a maior empresa, que detém as posições de liderança no setor e que tem nas suas mãos, podemos dizer, o futuro. É claro que a Alemanha está abrindo portas para esta empresa tanto em seu próprio país quanto na UE, entendendo que esse vetor trará benefícios significativos tanto para a própria Alemanha quanto para toda a UE”, comenta.

Desvantagens sem a Huawei

A revista alemã de informação política Focus nomeou a Huawei como uma das líderes no campo da tecnologia 5G, sendo muito atraente em termos de relação preço-qualidade. Metade das antenas utilizadas pelas operadoras de telecomunicação Deutsche Telekom e Vodafone para construir as redes 5G são fabricadas pela Huawei.

A publicação estima que as operadoras alemãs perderão bilhões de euros e deixarão outros países para trás na construção do 5G se a Alemanha tiver que abrir mão desses serviços por causa de eventuais regulamentos de segurança. A Huawei tem negado repetidamente as acusações por parte dos EUA de ignorar os requisitos de segurança.

Entrevistado pela Sputnik China, Hu Chunchun, vice-diretor do Centro de Estudos Alemães da Universidade Tongji em Tientsin, China, observou que a cooperação da Huawei com a Alemanha continuará, apesar das dificuldades:

“A Alemanha não se recusa a envolver a Huawei na construção de redes 5G no país, o que a China considera bem-vindo. É incompreensível, mas os EUA transformaram sem provas a Huawei e o 5G em um problema de segurança nacional. Mesmo que deixemos de lado a teoria da conspiração, estas são acusações infundadas e unilaterais contra a China por parte dos EUA.

“Nesse contexto, é muito difícil para a Alemanha, ocupando a presidência rotativa da UE, resistir à pressão dos Estados Unidos e fazer um julgamento relativamente justo. Esperamos que os círculos políticos na Alemanha realmente cumpram as intenções da chanceler Merkel.”

O especialista, no entanto, alerta que Washington pode impedir uma cooperação real entre Berlim e Pequim.

“Espero que a chanceler Merkel faça julgamentos políticos racionais que reflitam a opinião da parte principal da sociedade alemã.”

Confronto indireto entre Washington e Berlim

Mikhail Belyaev avalia que a Alemanha se envolveu em um complexo jogo geopolítico com os EUA devido a sua cooperação com a Huawei, mas não vai recuar:

“A América compreende o impacto que a política europeia da China pode ter nas posições americanas no mundo, tanto econômicas quanto políticas e morais. O fortalecimento da Europa, o fortalecimento da China e o fortalecimento dos laços Europa–China minam o domínio da América no mundo de muitas maneiras.”

Como prevê o especialista do Instituto Russo de Estudos Estratégicos, a Alemanha continuará sob pressão dos EUA em meio a sua rápida perda de influência no mundo.

“[A Alemanha] manterá sua posição relativamente à Huawei, enquanto a América não conseguirá nada com sua pressão sobre ela”, afirma.

Huawei e a nova “Guerra Fria” na América Latina

“Se a Huawei conseguir a licença no Brasil para a introdução da tecnologia 5G, vai haver consequências”, disse Todd Chapman, embaixador dos Estados Unidos no Brasil, em entrevista ao jornal O Globo.

No dia anterior, o embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming, anunciara em sua conta no Twitter que a gigante chinesa de tecnologia Huawei havia construído um laboratório para testes da rede 5G em Brasília, juntamente com a operadora de telefonia brasileira Telefônica Vivo.

A disputa pela 5G no Brasil revela o crescente atrito político e geoestratégico entre a China e os EUA no maior país da América Latina. O governo em Brasília está num dilema: Jair Bolsonaro segue politicamente a mesma agenda do presidente americano, Donald Trump. Mas economicamente, o país é mais dependente de Pequim do que de Washington.

Desde 2009, a China tomou a posição dos EUA como maior parceiro comercial do Brasil. Os chineses estão investindo maciçamente na expansão de infraestrutura, não apenas no Brasil, mas em toda a América Latina. Em 2019, os brasileiros exportaram 62 bilhões de dólares em mercadorias para a China. Os três principais produtos de exportação são soja, petróleo bruto e minério de ferro.

No primeiro semestre de 2020, as exportações aumentaram novamente em 30%. “Para cada dólar exportado para os EUA, o Brasil exporta três dólares para a China”, afirmou um comunicado do Ministério da Agricultura brasileiro em 24 de julho.

O Brasil não está sozinho em sua crescente dependência econômica da China. “Muitos governos da América Latina estão conscientes de que a superação da pandemia de coronavírus e da consequente crise econômica passam por Pequim”, explica o cientista político Oliver Stuenkel, da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Mas Stuenkel também teme que as crescentes tensões entre os EUA e a China possam gerar consequências negativas para a região: “Não há coordenação entre os países do Mercosul”, afirmou ao semanário argentino Perfil. Tradicionalmente, Argentina e Brasil sempre trabalharam juntos para superar crises dentro do mercado comum sul-americano, mas isso não mais ocorre.

A crise nos países do Mercosul não é apenas uma porta de entrada para a luta geoestratégica de poder entre a China e os EUA na região. “Ela pode também levar a uma divisão tecnológica”, alerta Stuenkel, aludindo ao estabelecimento de diferentes redes celulares com a nova tecnologia 5G que podem não ser compatíveis entre si.

Apesar de todas as batalhas verbais entre o embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming, e Eduardo Bolsonaro, que ainda em março responsabilizou a China pelo surto da pandemia do novo coronavírus, não são más as chances da China de participar do maior leilão de tecnologia 5G do mundo no Brasil.

Isso porque o governo brasileiro já anunciou em abril que não imporia nenhuma restrição contra a Huawei, já que metade do hardware da rede móvel brasileira já é fornecido pela empresa chinesa. A operadora móvel brasileira que vencer o leilão poderá então usar a tecnologia da Huawei para construir a infraestrutura do 5G.

O jornalista argentino Leandro Dario, do semanário Perfil, parte do princípio que o presidente da Argentina, Alberto Fernández, escolherá o fornecedor mais barato da tecnologia 5G, ou seja, a Huawei. As primeiras conversas entre os representantes do Ministério das Relações Exteriores e o chefe da Huawei na Argentina, Steven Chen, ocorreram em Buenos Aires no início de julho.

“É uma questão geopolítica de sobrevivência”, escreveu Dario. “Se Argentina e Brasil não se entenderem e cooperarem um com o outro, a disputa entre a Águia e o Dragão pode ser prejudicial para ambos. Nem mesmo durante a Guerra Fria o domínio da Águia na América Latina foi tão ameaçado.”

Por que 5G da Huawei põe Brasil em saia-justa com China e EUA

A Huawei é a maior fornecedora de equipamentos para redes de telecomunicação do mundo

Os executivos que comandam as operações no Brasil e na América Latina da empresa chinesa de telecomunicação Huawei reuniram-se com o presidente Jair Bolsonaro (PSL) na semana passada. O encontro em Brasília buscou aproximar a companhia do governo brasileiro em um momento crítico para a Huawei.

A empresa está no centro da guerra comercial entre China e Estados Unidos e foi banida pelo governo americano de fazer negócios com companhias do país.

Os Estados Unidos alegam que a tecnologia da Huawei para redes de dados e a proximidade com o governo chinês representam uma ameaça à segurança nacional nas nações que a adotam.

A Huawei e a China negam as acusações. Mesmo assim, a empresa já sofreu revezes em outros mercados após as sanções dos Estados Unidos. Com isso, torna-se ainda mais importante o leilão das redes móveis de quinta geração, ou 5G, no Brasil, previsto para 2020.

As redes 5G prometem velocidades de download até 20 vezes maiores do que no 4G, permitem que mais gente fique conectada em uma mesma região simultaneamente e oferece conectividade quase instantânea entre aparelhos.

A Huawei deixou claro para Bolsonaro que quer participar da implantação desta tecnologia no país. “Não foi feita a proposta, ele [o presidente da Huawei no Brasil] apenas mostrou que quer 5G no Brasil”, disse Bolsonaro a jornalistas após a reunião.

Isso coloca o governo brasileiro em uma posição delicada. Ao longo do ano, Bolsonaro buscou uma aproximação tanto com Pequim quanto com Washington, os principais parceiros comerciais do país.

Recentemente, a China disse que seus fundos estatais podem investir mais de R$ 100 bilhões no Brasil. Ao mesmo tempo, o Brasil busca assegurar o apoio do governo americano para ser membro da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e quer incrementar importantes acordos bilaterais com os EUA.

Os EUA já avisaram que deixarão de “compartilhar informações” com países que permitem o uso de tecnologia da Huawei em sistemas de comunicação.

É uma situação de “saia justa” para o governo brasileiro. Agradar um lado pode desagradar o outro — e colocar em risco acordos costurados com as duas maiores economias do mundo.

Em encontro com Bolsonaro, o presidente da Huawei no Brasil deixou claro o interesse da empresa nas redes 5G do Brasil.
Direito de imagem PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

Procurados pela reportagem, os governos de Brasil e China não responderam até a publicação desta reportagem. A Huawei Brasil informou que não tem no momento um porta-voz disponível para comentar o assunto.

Por sua vez, o governo americano disse que as empresas chinesas de telecomunicação representam um “risco inaceitável” e que a Huawei, ao se dizer independente do governo chinês, faz “puro teatro”.

“O Brasil vem se mantendo extremamente neutro nesta guerra comercial. Não faz declarações a favor de um lado ou de outro”, diz Hsieh Yuan, diretor de mercados e líder para China da consultoria de negócios Mazars.

Na sua avaliação, após Bolsonaro dizer na campanha presidencial que “a China não compra no Brasil, a China está comprando o Brasil”, o presidente brasileiro assumiu uma “postura mais madura”. “Querendo ou não, os maiores investimentos no país são chineses”, diz Hsieh.

Em visita à China, Bolsonaro disse que a melhor oferta vencerá que o leilão das redes 5G. O presidente brasileiro reafirmou esta posição ao ser questionado quanto aos objetivos do encontro com a Huawei. “Fiquei sabendo que tem uma firma sul-coreana que também está em condições de operar 5G. A gente vai olhar para o lado do quê? Oferta e conectividade”, disse Bolsonaro.

A Huawei não participa diretamente do leilão, mas pode fornecer equipamentos para as operadoras que estarão na disputa. Presente há 20 anos no país, a empresa já vende equipamentos para operadoras no Brasil e fez testes de redes 5G com Vivo, Oi, Tim e Claro, as quatro maiores companhias deste mercado.

A definição das especificações das tecnologias que serão usadas no Brasil pode ter um impacto direto sobre suas pretensões por aqui — e, de forma geral, em uma indústria na qual o investimento em redes 5G deve quase dobrar no próximo ano, para US$ 4,2 bilhões (R$ 17,7 bilhões), segundo a consultoria Gartner.

“O mercado brasileiro é expressivo. É natural que a Huawei queira se aproximar do governo brasileiro para que os padrões adotados aqui sejam aderentes ao que ela oferece, em um momento em que está sendo pressionada pelos Estados Unidos e precisa buscar mais mercados”, diz Alberto Luiz Albertin, coordenador da linha de telecomunicações do mestrado em Competitividade da Fundação Getúlio Vargas em São Paulo (FGV-SP).

‘Temos que nos proteger’, diz governo americano

No início de outubro, autoridades americanas vieram ao Brasil apresentar ao governo federal o Comitê de Investimento Estrangeiro dos Estados Unidos (CFIUS, na sigla em inglês), órgão que analisa se investimentos internacionais representam alguma ameaça à sua segurança nacional.

O Departamento de Estado americano disse que estas conversas e uma possível replicação do CFIUS no país não foram relacionadas a um setor ou empresa específica. “Essa análise de risco é uma prática recomendada que compartilhamos com parceiros e comum entre economias avançadas. Nossas preocupações com o 5G são separadas disso”, afirmou.

Questionado se pressiona o Brasil sobre a participação da Huawei no mercado de 5G nacional, o governo americano afirmou trabalhar para conscientizar aliados sobre “riscos de segurança e os verdadeiros custos e implicações do uso de fornecedores não confiáveis de redes 5G e sobre como maneiras pelas quais as decisões de aquisição hoje podem ter sérios impactos a longo prazo”.

Fornecedores chineses como a Huawei apresentam um “risco inaceitável para a segurança nacional, economia, privacidade e direitos humanos de nações e cidadãos devido a seus laços estreitos com o Partido Comunista Chinês”, disse o Departamento de Estado americano.

O Brasil tem soberania para tomar suas decisões quanto à implementação de redes 5G, mas “os Estados Unidos também devem proteger sua segurança, inclusive em relação aos sistemas de tecnologia da informação e comunicação”, afirmou a Casa Branca.

O que aconteceu?

Em maio, os Estados Unidos incluíram a Huawei e a também chinesa ZTE em uma lista de empresas com as quais companhias americanas não podem fazer negócios sem permissão especial. Também anunciou que as operadoras americanas não terão acesso a subsídios para comprar de fornecedoras que representem uma ameaça à segurança nacional.

O governo americano diz que Pequim poderia usar equipamentos de rede de empresas de telecomunicação chinesas instalados no exterior para espionagem ou interferir no funcionamento da infraestrutura de outros países.

Desde então, a Casa Branca estendeu por três vezes o prazo para que a Huawei pare de operar no país — a previsão atual é de que o veto entre em vigor em fevereiro de 2020 — e concedeu algumas licenças às quase 300 empresas que pediram permissão para continuar a fazer negócios com a multinacional chinesa.

China e EUA travam uma guerra comercial enquanto ao mesmo tempo negociam um acordo
Direito de imagem REUTERS

O governo dos Estados Unidos afirmou que as extensões de prazo foram necessárias para que as companhias americanas tenham tempo de fazer a transição das tecnologias que usam e não interrompam serviços, especialmente operadoras que atendem a área rural do país.

As medidas visando a Huawei vieram em um momento delicado nas relação China-Estados Unidos, envolvidos em uma dura guerra comercial ao longo do último ano, marcada pela imposição de tarifas bilionárias a seus produtos. Os americanos acusam os chineses de práticas comerciais desleais e de roubo de propriedade intelectual. A China nega as acusações.

A postura agressiva de Washington nesse braço de ferro é vista por alguns como parte de uma estratégia mais ampla para conter a ascensão da China, que, segundo algumas projeções, pode superar os Estados Unidos como a maior economia do mundo até 2030.

Ao mesmo tempo, os dois países negociam um acordo comercial, e Trump já sugeriu que a situação da Huawei pode mudar como parte disso. As negociações estão em curso, mas não há sinal de possam ser concluídas no curto prazo — uma incerteza que tem prejudicado a economia global.

Em uma contraofensiva, a Huawei deu início a uma campanha de relações públicas e lançou um concurso entre hackers que premiará quem identificar vulnerabilidades em sua tecnologia. De forma ainda mais ousada, ofereceu compartilhar sua tecnologia e conhecimentos sobre 5G com as empresas ocidentais que fizerem negócios com ela.

“O comprador teria permissão para modificar o código fonte, o que significa que nem a Huawei nem o governo chinês teriam controle de qualquer infraestrutura de telecomunicações construída com equipamentos produzidos pela nova empresa”, disse seu presidente, Ren Zhengfei, em entrevista à revista The Economist.

Como a Huawei nasceu

Zhengfei, um ex-militar de 75 anos, fundou a Huawei em 1987 — o nome da empresa pode ser traduzido como “conquista esplêndida” ou “a China é capaz” — para vender equipamentos de telecomunicação ao mercado rural. Em alguns anos, passou a desenvolver e produzir seus próprios produtos.

No início dos anos 1990, ganhou um contrato do governo para ser fornecedora do Exército. No ano seguinte, foi eleita “campeã nacional”, e pode se aproveitar de um mercado fechado à concorrência estrangeira, uma grande vantagem em uma época em que a China crescia em média 10% ao ano.

O presidente da Huawei fundou a empresa no final dos anos 1980
Direito de imagem REUTERS

Mas foi só quando a Huawei começou sua expansão internacional, em 2000, que as vendas dispararam. Em 2005, os contratos internacionais excederam os domésticos pela primeira vez. Hoje, atua em mais de 170 países.

Eleita neste ano pela consultoria britânica Brand Finance como a 12ª marca mais valiosa do mundo, a Huawei é a maior fornecedora global de equipamentos de rede de telecomunicações — detém 28,1% deste mercado no mundo, de acordo com a consultoria Dell’Oro Group, que monitora a indústria, bem acima do segundo lugar, a Nokia, que tem 15,7%. Também é a segunda maior fabricante de smartphones, atrás da Samsung.

A empresa anunciou uma receita de 610,8 bilhões de yuans (R$ 363,62 bilhões) nos primeiros nove meses deste ano, com uma margem de lucro de 8,7%. Esse valor representa um aumento de 25% em relação ao mesmo período do ano anterior. A companhia afirmou ainda ter fechado mais de 60 contratos comerciais de fornecimento de equipamentos para redes 5G — há alguns meses, falava em 50 contratos.

Mas, como não é uma companhia que tem ações negociadas em Bolsa, seus números não são auditados.

Preocupações com segurança

Apesar da Huawei ser uma empresa privada, seus vínculos com o Partido Comunista e o governo chinês levantaram suspeitas sobre a ascensão da empresa e sobre sua independência.

Na China, todas as empresas são obrigadas por lei a ter um comitê do partido — para garantir que os funcionários defendam os valores do país, diz a explicação oficial; seus críticos dizem que isso permite ao Estado controlar o mundo corporativo — e a maioria dos presidentes das companhias são filiados a ele.

A Lei de Inteligência Nacional, em vigor desde 2017 na China, determina que qualquer organização ou cidadão deve apoiar, ajudar e cooperar com o trabalho da inteligência do Estado.

Essas preocupações foram trazidas à tona em meio ao avanço do 5G. Como maior fornecedora de infraestrutura de telecom do mundo, a Huawei é uma das empresas melhor posicionadas para construir novas redes 5G.

Fontes do setor dizem que a empresa está um ano à frente de seus concorrentes em termos de conhecimento tecnológico e pode oferecer a clientes preços 10% mais baratos do que seus concorrentes, embora críticos afirmem que isso se deve ao apoio do Estado.

Além da Huawei, a ZTE está bem posicionada no mercado de equipamentos de rede, como a quinta maior companhia do setor. A China ainda tem duas das dez maiores operadoras do mundo.

“Nos últimos 20 anos, a China tornou-se um grande player do mercado de telecomunicação como parte do milagre econômico pelo qual o país passou. As empresas chinesas saíram do nada e aprenderam fazendo. Além disso, a China tem uma escala superior a de qualquer outro nesta indústria e se beneficia disso”, diz Hsieh Yuan, da Mazars.

Mas há o receio de que os vínculos de empresas chinesas com o governo signifiquem que elas sejam obrigadas a se submeter à vontade do Partido Comunista. Por isso é que existe tanta preocupação com a participação de empresas chinesas em projetos sensíveis de infraestrutura de telecomunicações globais.

“Quem cuida da infraestrutura detém parte do tráfego de comunicações e, teoricamente, há muitas formas de se ter acesso a isso, mas não há evidências do que alega o governo americano além do que ele próprio diz”, afirma Albertin, da FGV-SP.

A Huawei nega que esteja de alguma forma sob as ordens do governo chinês ou que Pequim dite de alguma forma seus planos e estratégias — principalmente no que se refere a espionagem. “Temos receitas de bilhões de dólares. Não vamos arriscar a repulsa do nosso país e de nossos clientes por causa de algo assim”, disse Ren.

‘Cortina de ferro digital’

O Departamento de Estado americano disse que a Huawei faz “puro teatro” ao se dizer independente do governo.

“Todas as empresas chinesas estão sob a influência e são obrigadas a cooperar com o governo. Não pode haver confiança quando uma empresa não tem como recorrer à Justiça para negar os avanços do seu governo. Assim, os riscos de segurança não podem ser mitigados”, afirmou o órgão.

Os Estados Unidos vem alertando parceiros de que conceder contratos à Huawei equivaleria a permitir que os chineses os espionassem. O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, disse recentemente sobre a tecnologia da Huawei: “Se um país adotar e colocar (a tecnologia) em alguns de seus sistemas críticos de informação, não poderemos compartilhar informações com eles”.

De acordo com a Global Mobile Supliers Association, uma organização mantida por empresas da indústria, mais de 200 operadoras de 85 países já fazem investimentos em redes de 5G.

A posição dos Estados Unidos pode criar neste mercado o que analistas vêm chamando de “cortina de ferro digital”: uma divisão do mundo entre países que fazem negócios com empresas chinesas de telecomunicações e aqueles que não fazem.

Austrália, Nova Zelândia, Japão e Taiwan já tomaram medidas que bloqueiam o acesso da Huawei a seus mercados. Canadá e Reino Unido ainda avaliam qual será sua posição oficial sobre a questão, assim como países da União Europeia. Por sua vez, Rússia, Índia, Tailândia e Malásia aceitaram em maior ou menor medida a participação da companhia em suas redes.

Resta agora saber de que lado desta “nova cortina de ferro” o Brasil ficará.

EUA estão usando Taiwan como ponto de pressão na luta tecnológica com a China

Uma loja da Huawei em Pequim. O governo Trump está trabalhando em várias frentes para isolar a gigante da tecnologia chinesa.
Foto Carlos Garcia Rawlins / Reuters

O governo Trump está desafiando o acesso chinês à cadeia de suprimentos de alta tecnologia de Taiwan – e, por extensão, a influência de Pequim sobre a ilha que reivindica como seu território.
Durante anos, o governo Trump brigou com a China por ameaças tarifárias, tecnologia e termos de seu acordo comercial. Mas em um par de ações na semana passada, o governo aumentou essas tensões econômicas de uma maneira que quase chega a tocar uma linha vermelha para Pequim: seu relacionamento contencioso com Taiwan.

Uma das principais fabricantes de chips de computador do mundo, a Taiwan Semiconductor Manufacturing Company, ou T.S.M.C., disse na quinta-feira que construiria uma fábrica no Arizona, uma medida anunciada por autoridades americanas como um primeiro passo para mudar uma cadeia de suprimentos vital para os Estados Unidos.

No dia seguinte, o Departamento de Comércio anunciou uma mudança de regra que poderia impedir os negócios que a gigante chinesa de tecnologia Huawei faz com a T.S.M.C. e outros fabricantes globais de chips.

O governo tem trabalhado em várias frentes para isolar a Huawei, uma das principais marcas mundiais de smartphones e a maior produtora mundial de equipamentos que alimentam redes móveis. Mas, simultaneamente, minando a Huawei e trazendo o T.S.M.C. mais perto da órbita americana está um golpe de política industrial que seria impensável há apenas alguns anos, um que levanta a perspectiva de um conflito mais sério entre a China e os Estados Unidos.

Nunca antes o governo Trump desafiou com tanta força o acesso das empresas chinesas à cadeia de suprimentos de alta tecnologia de Taiwan – e, por extensão, a influência de Pequim sobre a democracia autônoma das ilhas, que alega ser parte de seu território.

A China considera inegociável sua reivindicação a Taiwan e atacou empresas e políticos por não reconhecê-la, mesmo que inadvertidamente.

O governo parece ter a intenção de “atingir metas econômicas e politicamente sensíveis a Pequim”, disse Eswar Prasad, professor da Universidade Cornell.

O Ministério do Comércio da China condenou a última ação de Washington contra a Huawei, dizendo que faria o necessário para proteger os interesses das empresas chinesas.
Sede da Huawei em Shenzhen, China. A empresa disse que seus negócios “inevitavelmente” seriam afetados por uma mudança de regra do Departamento de Comércio anunciada na semana.
Foto Noel Celis / Agence France-Presse – Getty Images

Desde que o Departamento de Comércio dos Estados Unidos anunciou a mudança de regra, analistas e executivos do setor destacaram o que eles disseram ser uma solução significativa.

de usar a tecnologia americana para produzir ou projetar chips que são enviados, diretamente ou por meio de um intermediário, para a própria Huawei. Mas não parece impedi-los de produzir chips que seriam enviados aos clientes ou parceiros da Huawei, como fabricantes contratados que montam telefones e outros dispositivos em nome da Huawei.

A regra ainda pode atrapalhar os negócios da Huawei, no entanto, forçando a empresa ou seus fornecedores a reorganizar suas operações. E o Departamento de Comércio poderá revisar sua regra nos próximos meses para diminuir as brechas.

“O futuro de pelo menos uma parte importante dos negócios da Huawei está agora firmemente nas mãos do Departamento de Comércio”, disse Paul Triolo, analista de política de tecnologia do Eurasia Group.

Nesta semana, a Huawei se recusou a responder às perguntas dos repórteres sobre a regra alterada, embora tenha reconhecido que seus negócios seriam “inevitavelmente” afetados.

A empresa parece estar se preparando para a possibilidade de ser excluída dos principais fornecedores. No final de 2019, a Huawei havia armazenado US $ 23,5 bilhões em produtos acabados, componentes e matérias-primas, de acordo com seu relatório anual, um aumento de quase três quartos em relação ao ano anterior.

Embora os efeitos práticos da nova regra permaneçam obscuros, a mensagem política enviada pelos anúncios da semana passada foi inequívoca: o governo Trump está ansioso para frustrar os esforços da China para dominar tecnologias críticas e está se voltando para Taiwan como um novo ponto de alavancagem.

Covid-19; apó a pandemia os giganjtes da tecnologia terão ainda mais controle sobre o que você vê e pensa

Os algoritmos do Vale do Silício estão controlando seu mapa cognitivo, e os governos estão deixando isso acontecer. O Covid-19 está fornecendo a cobertura perfeita para reforçar esse controle – bem a tempo das eleições de 2020.

O neoliberalismo foi a cobertura perfeita para os oligarcas desencadearem guerras ideológicas para proteger os bilhões que saquearam dos contribuintes. Trilhões de dólares fluíram para o Vale do Silício, o berço da censura digital – censura que, sob muitos aspectos, é mais perigosa e insidiosa do que o golpe fracassado d’état de um presidente dos EUA apoiado no discurso com a farsa rússia e a farsa do impeachment.

Nas últimas duas décadas, as sociedades democráticas foram manipuladas pelos gigantes não-regulamentados de alta tecnologia do Vale do Silício, que agora controlam o fluxo de notícias e atacam com a Amazon, Facebook, Google, Twitter, YouTube, Instagram, Netflix, PayPal, Reddit, TikTok, Microsoft e Amazon, Apple e a perigosa Internet Of Things (acelerada pela 5G).FOTO DE ARQUIVO: Sheryl Sandberg do Facebook, uma forte defensora dos Clintons © Reuters / Philippe Wojazer
É difícil encontrar provas concretas, pois você nunca pode pegar os gigantes da tecnologia em flagrante. A maneira como eles propositalmente ocultam todos os seus dados e algoritmos de marca registrada serve apenas para reforçar as suspeitas e as evidências dispersas. Mas seus motivos têm sido transparentes em suas próprias declarações e ações públicas.

Covid-19 é a diversão perfeita.

Enquanto o Congresso passa movimentadamente mais resgates de bilhões de dólares para bilionários, a alta tecnologia furtivamente garante que as futuras gerações se tornem viciados em digital que cegamente aceitam e abraçam, como ovelhas, o surgimento da tirania digital. Os estudantes de hoje tropeçam como zumbis em transe, com os olhos fixos nos celulares, com medo de perder as atualizações em tempo real do Instagram ou os memes mais recentes do TikTok. O desenvolvimento do 5G pode resultar em uma Segunda Guerra Mundial silenciosa que garante o rápido desaparecimento de uma sociedade ocidental zumbificada sem que um único tiro seja disparado.

Os algoritmos do Vale do Silício determinam o conteúdo que você vê, quando o vê, como o vê ou se o vê. Se os “moderadores” sombrios e sem rosto discordam do seu ponto de vista ou se opõem à narrativa neoliberal oficial, ela desaparece e você é banido das sombras. Por exemplo, acredito firmemente que meu feed do Twitter do @PlanetPonzi é de sombra. O CEO do Twitter, Jack Dorsey, endossou um artigo como uma “ótima leitura”, no qual os autores refletiram como a política dos EUA ficou tão ruim (sob a Casa Branca Trump) que “não havia um caminho bipartidário a seguir … e o país está à beira de uma guerra civil.”

Eles continuaram: “Neste período atual da política americana, neste momento de nossa história, não há como um caminho bipartidário fornecer o caminho a seguir”. O apoio de Dorsey a este artigo estabelece um precedente que permite uma cultura tóxica no Twitter, o que provavelmente se refletiu na seleção de contas dos funcionários para o shadowban. Vice conduziu uma investigação que revelou como as famosas vozes conservadoras que usavam o Twitter eram constantemente suprimidas mais do que as contas liberais.

O Twitter nunca abordou os resultados do Vice e mais tarde negou alegações dizendo que era um erro ou que “sinais baseados em comportamento” aumentam a visibilidade de certas contas, enquanto suprimem a visibilidade de outras pessoas como parte do objetivo do Twitter “de melhorar a saúde das conversas públicas em Twitter.” Então, para reiterar, vozes conservadoras, incluindo membros existentes do Congresso dos EUA, como Matt Gaetz, foram suprimidas no Twitter.

Devido à natureza opaca do Twitter, é impossível afirmar que o Twitter aumenta as contas individuais, garantindo que as postagens com as quais os moderadores do Twitter discordam nunca sejam vistas, mas é altamente provável. As avaliações estratosféricas “baseadas em fraudes por clique” das empresas sem fins lucrativos de zumbis do Vale do Silício continuam extraordinárias. A avaliação de US $ 20 bilhões do Twitter é hilária. A Elliott Management, de Paul Singer, é um investidor corajoso que acredita e confia no modelo de negócios do Twitter.

Outro exemplo pode ser encontrado simplesmente olhando os comentários direcionados a Boris Johnson, enquanto ele está sentado no hospital lutando contra o Covid-19. As pessoas estão pedindo sua morte e afirmando que ele merece estar nessa situação. Esses comentários ainda apareceriam se eles pedissem a morte de um liberal? Tudo bem, simplesmente porque Johnson é um conservador?

E não é apenas o Twitter.

Apesar de seu testemunho juramentado, a Pesquisa do Google foi flagrada manipulando dados de pesquisa, ocultando dados e criando algoritmos que fazem exatamente isso e não deixam evidências. Por exemplo: os artigos que escrevo são ocultados pela Pesquisa do Google (tente pesquisar no Google ‘Feierstein’, ‘Mitchell Feierstein’, ‘Feierstein rt.com’ e ‘Mitchell Feierstein rt.com’ e compare os resultados).

Cientistas de dados e psicólogos têm a mesma opinião. Dê uma olhada nos estudos de Ronald E. Robertson sobre o Efeito de manipulação de mecanismos de pesquisa publicados nos Anais da Academia Nacional de Ciências, que são fascinantes e condenadores.

Esses porteiros digitais têm o poder de controlar e manipular populações por meio da coleta de big data. Seu perfil digital contém um registro de tudo que você faz. Você está sendo rastreado e todos os seus movimentos e ações são gravados. Esses dados valiosos são compilados e armazenados pelas empresas listadas acima. Esses dados são valiosos e baseiam-se em suas preferências e em todos os itens que você pesquisou ou comprou na Internet, nas lojas que você visitou e nos lugares pelos quais viajou, seja de carro, ônibus, trem ou avião. Google, Amazon, Facebook e outros. estão gravando todos os seus movimentos. Todas essas são, pelo menos nominalmente, funções de exclusão – mas as empresas estão contando descaradamente que as pessoas não estão sendo incomodadas o suficiente para vasculhar as configurações e desmarcar todo isenções de responsabilidade de pequenos scripts.Tecnologia,Internet,Redes sociais

Parece assustador? Bem, é sim. O pior é que o controle total dos dados do consumidor – e o poder resultante de influenciá-lo – é combinado com preferências políticas claramente expressas.

Teddy Goff, estrategista de campanha digital de Hillary Clinton em 2016, enviou o seguinte email a Clinton e John Podesta, gerente de campanha de Clinton:

“As relações de trabalho com o Google, Facebook, Apple e outras empresas de tecnologia foram importantes para nós em 2012 e devem ser ainda mais importantes para você em 2016, dadas as posições ainda em ascensão na cultura. Essas parcerias podem trazer uma série de benefícios para a empresa. uma campanha, do acesso a talentos e possíveis doadores ao conhecimento antecipado de produtos beta e convites para participar de programas-piloto. Começamos a ter conversas discretas com algumas dessas empresas para entender suas prioridades para o próximo ciclo, mas encorajamos você, assim que sua liderança em tecnologia estiver no lugar, a iniciar discussões mais formais. ”

Você se lembra do slogan do Google “Não seja mau”? Bem, o Google é mau. É um dos maiores doadores da classe política irresponsável e paga de Washington.

A China contratou Eric Schmidt, do Google, para criar um sistema de crédito social chinês que espionasse e censurasse grande parte da população chinesa. Em resposta, os funcionários do Google publicaram a seguinte declaração: “Nos recusamos a criar tecnologias que ajudem os poderosos a oprimir os vulneráveis, onde quer que estejam.” Enquanto Schmidt representou esse Sistema de Crédito Social como estando apenas no estágio de desenvolvimento e não estaria concluído por anos, relatórios recentes afirmam que isso é uma mentira total e que o sistema está totalmente funcional.

“Nós sabemos onde você está. Nós sabemos onde você esteve. Podemos saber mais ou menos o que você está pensando.”
ex-CEO do Google, Eric Schmidt.

O presidente Obama se reunia com Schmidt com freqüência, e o Google exercia influência sobre a administração e as políticas de Obama. Os registros da Casa Branca mostram que, entre 2009 e 2015, enquanto o presidente Obama estava no cargo, funcionários do Google e suas entidades associadas visitaram a Casa Branca 427 vezes.

Em 2016, os relatórios da mídia sugeriram que os resultados de pesquisa do Google ocultaram más notícias sobre Clinton e retrataram Hillary de uma maneira muito mais favorável que Trump. Schmidt respondeu: “Não tomamos posição na eleição presidencial americana e nem espero que o façamos”.

Além do trabalho de Schmidt nas estratégias de tecnologia da campanha, ele também secretamente financiou um fornecedor da campanha de Hillary Clinton. Em outubro de 2016, Goff transmitiu um e-mail enviado a Clinton: “A palavra de Schmidt eclipsaria facilmente a operação de tecnologia de qualquer oponente de Clinton”.

Primeira quarentena, agora sinos de leprosos digitais: quanta liberdade os britânicos estão dispostos a se render em um ataque de pânico do Covid-19?
O ás de Mark Zuckerberg, COO do Facebook, Sheryl Sandberg, também estava trabalhando ativamente com John Podesta, gerente de campanha de Clinton, na campanha de Clinton. O político informou que Sandberg foi colocado na lista de Clinton para se tornar secretário do Tesouro dos EUA depois que Clinton venceu, embora Sandberg mais tarde tenha negado.

No entanto, as esperanças foram frustradas quando o mundo ficou chocado com a perda inesperada de Clinton. Por que eu trago isso à tona? Bem, Google, Facebook e Vale do Silício tiveram quatro anos para aperfeiçoar um sistema que garante que seu candidato vença e Trump perca. Eric Schmidt aprendeu com seus erros de 2016 e se opôs a tudo o que Trump. Schmidt não é o único que quer Trump fora, o mesmo acontece com 98% do Vale do Silício, o que garantirá que 2020 será diferente.

Conhecimento é poder e quem controla a mídia controla o fluxo de informações e controla o poder. É assim que essas empresas de tecnologia se propõem a atingir um objetivo comum: controlar seu mapa cognitivo. Não é sobre o que foi dito e debatido, é sobre o que está enterrado e deixado de fora.

Por que parece que a censura digital do Vale do Silício é a mesma censura digital da China? Simples, é o mesmo. Enquanto o Covid-19 destrói o mundo, a tirania digital está matando a democracia, enquanto o Congresso dos EUA fica em silêncio e deixa acontecer. Para ser claro, o Vale do Silício precisa de regulamentação e precisa agora. O congresso precisa acordar.

Coronavírus: Huawei pede que o Reino Unido não pare o desenvolvimento 5G após pandemia

A empresa chinesa de telecomunicações Huawei disse que interromper seu envolvimento na implantação do 5G faria a Grã-Bretanha “um desserviço”.

Em janeiro, o governo do Reino Unido aprovou um papel limitado para a Huawei na construção das novas redes de dados do país.

Mas em março, uma rebelião no interior do Partido Conservador sinalizou esforços para reverter a ação.

Em uma carta aberta, a empresa também disse que estava focada em manter o Reino Unido conectado durante a crise do Covid-19.

Mas a pandemia pode aumentar a pressão sobre o governo para adotar uma linha mais dura da empresa.

‘Faixa lenta’
Na carta, o chefe da Huawei no Reino Unido, Victor Zhang, diz que o uso de dados domésticos aumentou em pelo menos 50% desde que o vírus chegou ao país, colocando “pressão significativa” nos sistemas de telecomunicações.

A Huawei diz que está trabalhando com parceiros como BT, Vodafone e EE para lidar com o crescimento e também criou três novos armazéns em todo o país para garantir que as peças de reposição permaneçam em estoque.

Zhang também disse que a atual crise destacou quantas pessoas, especialmente nas comunidades rurais, estão “presas em uma pista lenta digital”. E ele alerta que excluir a Huawei de uma futura função no 5G seria um erro.

“Há quem opte por continuar nos atacando sem apresentar nenhuma evidência”, escreve ele.

“A interrupção do nosso envolvimento na implantação do 5G faria um desserviço à Grã-Bretanha.”

O governo proibiu a Huawei das partes mais sensíveis das redes móveis do Reino Unido e a limitou a 35% da periferia, que inclui suas torres de rádio. Mas os críticos argumentam que é um risco à segurança permitir que a empresa chinesa desempenhe algum papel devido aos temores de que ela possa ser usada por Pequim para espionar ou mesmo sabotar as comunicações.

No início de março, 38 parlamentares conservadores se rebelaram sobre o assunto, um número maior que o esperado. Isso aponta para um possível transtorno quando o Projeto de Infraestrutura de Telecomunicações for apresentado ao Parlamento, que está planejado para acontecer no final do ano.

A crise do coronavírus destaca a tensão entre questões econômicas e de segurança nacional que torna o assunto tão controverso.

De um lado, a necessidade de maior conectividade para impulsionar o crescimento econômico. Os defensores do papel da Huawei argumentam que excluí-la reduziria a velocidade e aumentaria o custo de fornecer redes mais rápidas e confiáveis.

Por outro lado, a raiva é dirigida à China de alguns quadrantes por causa do mau uso percebido do surto inicial do Covid-19, bem como pelas preocupações mais amplas com a crescente dependência de suas tecnologias e empresas.

Ministros e altos funcionários sem nome foram citados recentemente como tendo dito que teria que haver um “acerto de contas” quando a crise atual acabar.

Parte disso pode envolver uma reversão da decisão de janeiro – uma preocupação que pode explicar a decisão de escrever a carta.

Em 4 de abril, um grupo de 15 parlamentares conservadores pediu repensar as relações com a China em sua própria carta ao primeiro-ministro, escrita um dia antes de ser internado no hospital.

“Com o tempo, nos permitimos crescer dependentes da China e não conseguimos uma visão estratégica das necessidades econômicas, técnicas e de segurança da Grã-Bretanha”, escreveu o grupo. Entre os signatários estavam Iain Duncan Smith, David Davis e Bob Seely.

Entende-se que a Huawei esperou até o primeiro-ministro sair do hospital antes de divulgar sua carta.

Tecnologia,Economia,Amazon,Internet,Brasil,Blog do Mesquita

Coronavírus ameaça a próxima geração de smartphones

Direitos autorais da imagemMAZEN KOUROUCHE
Mazen Kourouche gosta de estar entre os primeiros a obter o iPhone mais recente.

Todo outono, Mazen Kourouche vai para a maior loja da Apple em Sydney, na Austrália, e faz fila por horas para ser uma das primeiras pessoas no mundo a colocar as mãos no iPhone mais recente.

“Desde que o iPhone 7 foi lançado, estive fazendo fila para os novos dispositivos da Apple por alguns motivos: primeiro o hype associado a eles, segundo o valor da revenda e terceiro porque a Austrália é o primeiro país a ter acesso ao dispositivos, para que as pessoas estejam interessadas em ouvir sobre isso “, diz ele.

De acordo com Kourouche, que desenvolve software para o sistema operacional iPhone (iOS), muitas pessoas costumam viajar do exterior para colocar as mãos no iPhone na Austrália. O fuso horário do país significa que suas lojas da Apple são as primeiras a abrir em todo o mundo no dia do lançamento.

Este ano pode ser diferente. Como a maioria dos outros varejistas, a Apple fechou suas lojas em todo o mundo em resposta ao surto de coronavírus.

Ainda é muito cedo para dizer se as lojas voltarão a abrir a tempo do lançamento de novos dispositivos no outono.

Mas em alguns países a imagem não é animadora. No Reino Unido, o governo disse que pode levar de três a seis meses para a retomada da vida normal e isso inclui a reabertura de lojas não essenciais.

Direitos autorais da imagem Getty
Filas fora de uma loja da Apple se tornaram um evento anual para algumas pessoas.

No caso da Apple, o iPhone 12 está à espera. É um telefone particularmente importante, pois é o primeiro a incorporar a tecnologia 5G, permitindo que ele se conecte à nova geração de redes telefônicas mais rápidas.

A produção de telefones já foi interrompida
Fontes disseram à publicação japonesa Nikkei que a Apple está ponderando se deve adiar o lançamento. O mesmo pode ser verdade para dispositivos fabricados pela Samsung e outros rivais que usam o sistema operacional Android.

“Aproximadamente 70% dos smartphones são fabricados na China – assim como a pandemia atingiu a China, houve uma interrupção significativa no fornecimento de dispositivos existentes”, diz Razat Gaurav, executivo-chefe da Llamasoft, uma empresa de análise da cadeia de suprimentos.

Muitos fabricantes de smartphones confiam nos componentes fabricados na China e na Coréia do Sul, dois países que foram os mais atingidos pelo surto.

A cidade sul-coreana de Daegu, onde a maioria dos casos de coronavírus do país está agrupada, fica a apenas 20 minutos da área onde muitos desses componentes são produzidos.

E não é apenas a oferta, a demanda caiu drasticamente. Os embarques de smartphones na China caíram 40% no primeiro trimestre de 2020, em comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com a empresa de pesquisa IDC.

A empresa sugere que os consumidores chineses comprem 33 milhões a menos de telefones nos primeiros três meses do ano.

“É provável que também ocorram quedas significativas na Europa Ocidental e nos EUA”, acrescenta Gaurav.

Direitos autorais da imagem Getty
Um smartphone pode conter partes de 40 países diferentes

O efeito nos dispositivos existentes será uma preocupação para os fabricantes, mas será o impacto em seus novos dispositivos que será uma preocupação maior, principalmente porque os fãs de dispositivos Apple e Android estão acostumados a épocas específicas do ano em que podem comprar. um novo dispositivo, enquanto os fabricantes confiam nele como uma das maiores fontes de receita a cada ano.

“O smartphone é um produto complicado, e há muitos componentes nele. Para obter todas essas partes diferentes, você obtém materiais e peças de cerca de 40 países diferentes”, diz Gaurav.

Diferentes partes do processo de produção serão afetadas de diferentes maneiras.

“Grande parte do trabalho de design não requer contato social significativo, o que significa que você não precisa estar próximo das pessoas”, diz Frank Gillett, analista da empresa de pesquisa Forrester.

Mas pode haver algum trabalho de pesquisa e desenvolvimento que exija equipamentos especializados que os funcionários não possam levar para casa.

Muito desse trabalho já teria sido realizado para os dispositivos que serão lançados este ano, mas poderia impedir o lançamento de dispositivos em 2021, nas quais as empresas já estão trabalhando com antecedência.Getty Images

Demanda por telefones pode cair à medida que os compradores economizam dinheiro.

Segundo Emile Naus, sócio da consultoria BearingPoint, a parte mais importante do telefone não é o hardware, é o software, e isso pode ser desenvolvido remotamente. No entanto, testar o dispositivo pode ser mais difícil de executar.

“Os testes podem ser difíceis, já que o setor é muito rígido em segurança e eles provavelmente enfrentariam dificuldades com o conceito de pessoas que levam protótipos para casa do telefone para testar – pois eles geralmente são ocultos em segredo”, diz ele.

A outra questão é sobre remessa; com muitas companhias aéreas suspendendo voos e atrasos no frete marítimo, existe a possibilidade de que materiais e componentes não cheguem às fábricas de montagem e que o produto acabado não chegue aos pontos de venda.

Agora, os efeitos disso e as paralisações das fábricas na China estão começando a repercutir na indústria de smartphones, e o impacto pode ser maior que o esperado.

Gillett acredita que empresas como Apple e Samsung têm mais chances de reter certos recursos para novos dispositivos do que atrasar o lançamento. O tempo para testar certos recursos ou para que os desenvolvedores de software possam trabalhar em aplicativos que fazem uso desses recursos são críticos.

Obviamente, depende muito do que acontecer nos próximos meses. Restrições à entrega e expedição podem forçar as empresas a adiar o lançamento de produtos e, possivelmente, os lançamentos podem até ser adiados até 2021.

Se as lojas permanecerem fechadas, isso pode ser um problema específico para a Apple, que possui uma importante rede de varejo.

“Sabemos que as primeiras semanas e meses da vida de vendas desses novos dispositivos são muito importantes porque são vendidos nos níveis mais altos”, diz Naus.

A demanda pelos novos dispositivos também pode vacilar, já que gastar muito dinheiro com o modelo mais recente pode não ser uma opção para os proprietários que passam por dificuldades financeiras.

Getty Images
Novas redes e telefones 5G são um grande desenvolvimento para a indústria.

Mas a Forrester não vê marcas fazendo grandes mudanças no preço de seus novos aparelhos. Em vez disso, pensa que eles podem reduzir ainda mais os preços de seus modelos mais antigos e talvez aumentar o número de modelos disponíveis de preço básico.

Os preços podem não cair – mas, se a demanda não existir, talvez novas estratégias possam ser adotadas.

“O que você também pode ver são alguns modelos criativos de preços para torná-lo mais acessível e responsivo às situações das pessoas. Talvez haja uma promoção temporária para ajudar as pessoas por um preço mais baixo se elas puderem mostrar uma verificação de desemprego ou uma identificação de serviços de emergência. “, diz Gillett.

No entanto, os maiores fãs da Apple provavelmente permanecerão leais.

“Eu não acho que [a pandemia] tenha impacto sobre o interesse, especialmente entre os consumidores, porque estamos sempre comprando coisas novas: no momento, o importante é que papel higiênico, mas eventualmente voltará a ser iPhones “, diz Kourouche.

Tecnologia: Huawei, China e Rúsia ameçam o império dos USA

Uma nova “guerra fria tecnológica” está fazendo com que Rússia e China cooperem mais, sendo o elo de ligação desempenhado pela empresa Huawei, informa a Forbes.

Segundo a conhecida revista Forbes, tal aliança representaria uma ameaça para o intercâmbio de inteligência e cooperação de segurança entre os EUA e seus aliados e minaria o domínio tecnológico dos norte-americanos.

“Está em curso paulatinamente uma aliança antiamericana de inteligência artificial entre a China e a Rússia, com a Huawei no meio”, escreve Zak Doffman, autor do artigo, que assegura ter a Huawei participado em reuniões a nível estatal sobre o desenvolvimento de hardware e software na Rússia.

A empresa chinesa está lançando zonas-piloto 5G na Rússia, vende cada vez mais smartphones e está também construindo ecossistemas de inteligência artificial (IA) na Rússia, segundo Doffman, que acredita que o papel da Huawei no avanço tecnológico da Rússia não ficará por aqui.

Além disso, a Huawei vê no país vizinho um “terreno fértil de caça”, recrutando ativamente na Rússia especialistas russos qualificados para o desenvolvimento tecnológico da própria China.

Entretanto, a Huawei informou que contratou equipes qualificadas de especialistas em todo o mundo para garantir a segurança de seus produtos e serviços, incluindo o apoio a clientes na Rússia.

O perigo para o Ocidente

Doffman pondera que quem liderar as forças combinadas da 5G, da Internet e da inteligência artificial pode vir a deter um poder descomunal, incluindo o de carregar o “botão vermelho” que apagaria tudo.

Exibição promovendo a tecnologia 5G da Huawei em Shenzhen, na província chinesa de Guangdong (Cantão), em 19 de agosto de 2019
© AP PHOTO / NG HAN GUAN
Exibição promovendo a tecnologia 5G da Huawei em Shenzhen, na província chinesa de Guangdong (Cantão), em 19 de agosto de 2019

Os Estado Unidos, por sua vez, temem cooperar em matéria de inteligência e segurança com os seus próprios aliados, sobretudo depois que o Reino Unido deu luz verde parcial à Huawei no desenvolvimento da rede 5G britânica, ignorando repetidas advertências de Washington de que isso afetaria as parcerias bilaterais no campo da inteligência.

O vice-presidente dos EUA, Michael Penceafirmou em sequência estarem os EUA “profundamente desapontados” com a decisão britânica, por considerar que o uso de tecnologias da Huawei é incompatível com os interesses de segurança do Reino Unido e dos próprios EUA.