Tecnologia: Huawei, China e Rúsia ameçam o império dos USA

Uma nova “guerra fria tecnológica” está fazendo com que Rússia e China cooperem mais, sendo o elo de ligação desempenhado pela empresa Huawei, informa a Forbes.

Segundo a conhecida revista Forbes, tal aliança representaria uma ameaça para o intercâmbio de inteligência e cooperação de segurança entre os EUA e seus aliados e minaria o domínio tecnológico dos norte-americanos.

“Está em curso paulatinamente uma aliança antiamericana de inteligência artificial entre a China e a Rússia, com a Huawei no meio”, escreve Zak Doffman, autor do artigo, que assegura ter a Huawei participado em reuniões a nível estatal sobre o desenvolvimento de hardware e software na Rússia.

A empresa chinesa está lançando zonas-piloto 5G na Rússia, vende cada vez mais smartphones e está também construindo ecossistemas de inteligência artificial (IA) na Rússia, segundo Doffman, que acredita que o papel da Huawei no avanço tecnológico da Rússia não ficará por aqui.

Além disso, a Huawei vê no país vizinho um “terreno fértil de caça”, recrutando ativamente na Rússia especialistas russos qualificados para o desenvolvimento tecnológico da própria China.

Entretanto, a Huawei informou que contratou equipes qualificadas de especialistas em todo o mundo para garantir a segurança de seus produtos e serviços, incluindo o apoio a clientes na Rússia.

O perigo para o Ocidente

Doffman pondera que quem liderar as forças combinadas da 5G, da Internet e da inteligência artificial pode vir a deter um poder descomunal, incluindo o de carregar o “botão vermelho” que apagaria tudo.

Exibição promovendo a tecnologia 5G da Huawei em Shenzhen, na província chinesa de Guangdong (Cantão), em 19 de agosto de 2019
© AP PHOTO / NG HAN GUAN
Exibição promovendo a tecnologia 5G da Huawei em Shenzhen, na província chinesa de Guangdong (Cantão), em 19 de agosto de 2019

Os Estado Unidos, por sua vez, temem cooperar em matéria de inteligência e segurança com os seus próprios aliados, sobretudo depois que o Reino Unido deu luz verde parcial à Huawei no desenvolvimento da rede 5G britânica, ignorando repetidas advertências de Washington de que isso afetaria as parcerias bilaterais no campo da inteligência.

O vice-presidente dos EUA, Michael Penceafirmou em sequência estarem os EUA “profundamente desapontados” com a decisão britânica, por considerar que o uso de tecnologias da Huawei é incompatível com os interesses de segurança do Reino Unido e dos próprios EUA.