É hoje! Ministério do Meio Ambiente busca derrubar proteções ambientais de manguezais e restingas

Salles usará poder do governo federal sobre o Conama para garantir flexibilização.

O Ministério do Meio Ambiente está prestes a derrubar um conjunto de resoluções que hoje delimitam as áreas de proteção permanente (APPs) de manguezais e de restingas do litoral brasileiro. A revogação dessas regras abre espaço para especulação imobiliária nas faixas de vegetação das praias e ocupação de áreas de mangues para produção de camarão.

Os temas estão na pauta da reunião do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), que é presidido pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles . Esse conselho, que tem papel fundamental na definição de normas e critérios da área ambiental, teve a sua estrutura modificada por Salles em junho do ano passado e, com isso, o poder de decisão do colegiado ficou nas mãos do governo federal.

Na reunião do Conama desta segunda-feira, o governo pretende revogar duas resoluções (302 e 303, de 2002) que, hoje, são os instrumentos de proteção dos mangues e das restingas, as faixas com vegetação comumente encontradas sobre áreas de dunas, em praias do Nordeste. O argumento do governo é que essas resoluções foram abarcadas por leis que vieram depois, como o Código Florestal. Especialistas em meio ambiente afirmam, porém, que até hoje essas resoluções são aplicadas, porque são os únicos instrumentos legais que protegem, efetivamente, essas áreas.

“Não há nenhuma outra norma brasileira que confirma proteção às restingas como essas resoluções do Conama, que continuam a definir limites. A realidade é que há um grande lobby de resorts e criadores de camarão do Nordeste, que querem entrar nessas áreas”, diz Carlos Bocuhy, presidente do Instituto Brasileiro de Proteção Ambiental (Proam).

Em agosto, por exemplo, em São Paulo, a Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) perdeu uma ação na Justiça e foi obrigada, por meio de sentença, a respeitar as delimitações previstas na resolução de 2002, “para evitar a ocorrência de dano irreparável à coletividade e ao meio ambiente”.

Outra resolução que está na pauta do Conama (284/2001) acaba com os critérios de regras federais para licenciamento ambiental de empreendimentos de irrigação. No entendimento dos ambientalistas, a revogação tem o objetivo de acabar com exigências legais a pedido de parte do agronegócio.

A Confederação Nacional da Agricultura (CNA) defende o fim da resolução, sob o argumento de “não haver embasamento técnico/legal da promulgação desta resolução, pois a irrigação não é um estabelecimento ou atividade, mas apenas uma tecnologia utilizada pela agricultura para o fornecimento de água para as plantas em quantidade suficiente e no momento certo”.

A pauta do Conama desta segunda-feira inclui ainda a proposta de uma nova resolução que trata de critérios de incineração de resíduos em fornos de produção de cimento, para liberar a queima de resíduos de agrotóxicos. Hoje esse material passa por um processo detalhado de tratamento e destinação. A nova resolução, porém, passa a permitir que tudo seja incinerado. Há preocupação, porém, com o material lançado na atmosfera após essa queima.

“Tudo foi pautado em regime de urgência. Qual é a urgência de tomar decisões tão importantes em tão pouco tempo e sem que esses temas sejam submetidos a estudos, por meio de câmaras técnicas? Todas essas resoluções mereceriam uma discussão aprofundada”, afirma Carlos Bocuhy, presidente do Proam. O ministro Ricardo Salles foi procurado pelo Estadão e, questionado sobre o assunto, afirmou que “as pautas do Conama serão debatidas e todos os conselheiros terão a oportunidade de expor suas posições”.

Para a ex-presidente do Ibama Suely Araújo, especialista sênior em políticas públicas do Observatório do Clima, trata-se de decisões graves, que poderão fragilizar profundamente a proteção ambiental. “O desmonte promovido pelo governo Bolsonaro na política ambiental atingiu duramente o Conama, que infelizmente parece estar reduzido a uma esfera de flexibilização de normas, de passar a boiada. A pauta dessa reunião é evidência forte nesse sentido: revogação de resoluções que dispõem áreas de preservação permanente e sobre licenciamento da irrigação, sem o debate público prévio que marcava os processos do Conselho”, diz Suely.

A especialista chama atenção ainda para a proposta de aprovar uma resolução que dá abertura para flexibilizar a concentração de poluentes orgânicos por meio de incineração. “Isso é totalmente inaceitável, chega a ser assustador.”

Órgão passou por mudanças e perdeu representantes de Estados e entidades civis em julho

O Conama – que é um órgão consultivo com poder de definir normas e critérios na área ambiental – foi desidratado em julho do ano passado em relação à sua estrutura anterior, concentrando nas mãos do governo federal e de representantes do setor produtivo a maioria dos votos. Estados e entidades civis perderam representação. Por decisão de Salles, o Conama teve seus membros reduzidos de 96 para 23 representantes.

A composição anterior do órgão tinha o objetivo de dar maior representatividade a vários segmentos da sociedade. Uma parte dos integrantes da sociedade era escolhida por indicação e outra, por eleição. Desde o ano passado, porém, essa escolha passou a ser feita por sorteio.

Instituições que representam a sociedade civil, incluindo associações de trabalhadores rurais e povos indígenas, viram suas posições caírem de 23 para 4. Os Estados também perderam representação. Se antes havia uma cadeira para cada um dos 26 Estados e o Distrito Federal, agora são 5 cadeiras representadas por um Estado de cada região geográfica do País. Os municípios, que tinham 8 representantes, agora têm 2.

*As informações são da Agência Estado”.

Amazônia,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita 02

Ambiente: Em um ano, governo Bolsonaro corta verba para brigadistas em 58%

Seca,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita 03

Apesar de alta das queimadas na Amazônia e no Pantanal, orçamento destinado à contratação de pessoal de prevenção e controle de incêndios florestais em áreas federais sofreu forte redução entre 2019 e 2020.

Até o fim de agosto, fogo consumiu 12% do Pantanal em 2020

Mesmo com as queimadas na Amazônia aumentando 30% em 2019 e com o Pantanal registrando o maior número de queimadas em mais de uma década, o governo Bolsonaro vem cortando drasticamente a verba para contratação de profissionais para prevenção e controle de incêndios florestais em áreas federais.

O gasto esperado com a contratação de pessoal de combate ao fogo por tempo determinado, somado ao de diárias de civis que atuam como brigadistas, caiu de R$ 23,78 milhões em 2019 para R$ 9,99 milhões neste ano – uma redução de 58%, de acordo com dados oficiais do Portal da Transparência.

Este foi o segundo ano seguido de redução no orçamento total para prevenção e controle de incêndios florestais em áreas federais. A verba inicialmente planejada para a área em 2018 era de R$ 53,8 milhões, reduzida em 2019 para R$ 45,5 milhões, e para R$ 38,6 milhões em 2020. Do ano passado para este, a redução foi de 15%.

Em meio aos cortes, o Pantanal vive seu pior ano em termos de queimadas de que se tem registro. De janeiro a 10 de setembro de 2020, o Pantanal somou 12.703 focos de incêndio, o mair número para o período desde que o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) começou o monitoramento, em 1998. Segundo dados do órgão federal, nos primeiros oito meses do ano, 18.646 km² do bioma foram consumidos pelas chamas, mais da metade disso em agosto.

Historicamente, a situação observada em setembro é ainda pior, com mais áreas de campos, florestas e arbustos queimados. Se o ritmo medido em agosto se mantiver, o Pantanal terá um total de 28, 8 mil km² carbonizados até setembro, superando todos os anos anteriores.

A área queimada até o fim de agosto, equivalente a 15 cidades do Rio de Janeiro inteiras queimadas, representa 12% do Pantanal. O bioma possui 83% de cobertura vegetal nativa e a maior densidade de espécies de mamíferos do mundo, com uma concentração nove vezes maior que a vizinha Amazônia, que também vem sofrendo com as queimadas.

Em Mato Grosso – que, junto com Mato Grosso do Sul, abriga o Pantanal – não chove forte desde maio

Na Floresta Amazônica, 29.307 focos de queimadas foram registrados em agosto deste ano, destruindo uma área maior que a da Eslovênia. O número ficou pouco abaixo dos 30.900 registrados no mesmo período de 2019  que, de acordo com o Inpe, foi o pior mês de agosto para a Amazônia desde 2010, interrompendo uma tendência de queda observada em anos anteriores.

De acordo com especialistas, nem a Amazônia nem o Pantanal sofrem com incêndios espontâneos. Em Mato Grosso – que, junto com Mato Grosso do Sul, abriga o Pantanal – não chove forte desde maio, logo, não há raios que pudessem inflamar os campos e matas secas, levando à conclusão de que se trata de incêndios irregulares. Isso apesar de o uso do fogo para limpeza e manejo de territórios ter sido proibido no estado entre 1º de julho e 30 de setembro. Segundo decreto estadual, quem provocar queimadas pode ser punido com reclusão de dois a quatro anos e multa a partir de R$ 5 mil por hectare.

Atraso no combate

Em nota, o Ministério do Meio Ambiente afirma que aumentou o número de brigadistas em relação ao último mandato da ex-presidente de Dilma Rousseff. Questionada pela DW Brasil sobre os cortes, a pasta não explicou a questão orçamentária, e afirmou que em 2020 foram contratados 3.326 brigadistas pelo Ibama e pelo ICMBio, contra 2.080 em 2016.

No entanto, os editais de contratação para os profissionais, que costumam ser realizadas a partir de abril, para que as brigadas tenham tempo para o trabalho de prevenção dos incêndios, neste foram publicados somente em junho, atrasando todo o cronograma.

Segundo uma fonte do ICMBio que prefere não se identificar, o trabalho de combate aos incêndios no Pantanal demorou para começar, de modo que agora resta apenas esperar pela chuva e tentar impedir o fogo de consumir construções, pontes e unidades de conservação – os chamados alvos preferenciais.

“O grosso do trabalho de combate é feito de julho a setembro, antes há os trabalhos de queima preventiva, abertura de aceiros, feitos com acompanhamento do PrevFogo. O trabalho preventivo é até 20 vezes mais barato que o combate”, calcula.

No Pantanal, Ibama e ICMBio vêm trabalhando em conjunto com bombeiros, militares e o Sesc Pantanal na força conjunta que tenta manter a salvo o Parque Estadual Encontro das Águas e o Parque Nacional do Pantanal Matogrossense, ambos refúgios de vida silvestre. Além do Mato Grosso, as brigadas atuam em outros 16 estados e no Distrito Federal em áreas ido Pantanal, do Cerrado e da Amazônia.

Agosto, mês de queimadas

Em junho, o Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), alertou que o desmatamento observado no último um ano e meio na Amazônia poderia ser o prenúncio de uma catástrofe na região. O modus operandi do desmate da floresta é a derrubada em massa das árvores, com tratores que arrastam grandes correntes, derrubando tudo pelo caminho, para, no período seco seguinte, a vegetação ser queimada para limpeza do terreno.

Em nota técnica publicada, o Ipam apontou que, entre janeiro de 2019 e abril de 2020, uma área de 4.509 km² de Floresta Amazônica havia sido derrubada. “Se 100% queimar, pode se instalar uma calamidade de saúde sem precedentes na região ao se somar os efeitos da covid-19“, previu, apontando que o mês de agosto é quando grande parte da queima acontece na Amazônia.Amazônia,Queimadas,Brasil,Meio Ambiente,Blog do Mesquita

Segundo os dados do Inpe citados no início deste texto, a Amazônia teve seu segundo pior agosto da última década em termos de queimadas registradas. No entanto, de acordo com reportagem a Folha de S.Pauloo sensor Modis, do satélite Aqua, da Nasa, apresentou problemas a partir de meados do mês, prejudicando a medição dos focos de incêndio em algumas áreas. Com isso, é possível que a situação tenha sido ainda mais severa do que a de agosto do ano passado.Seca,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita

Seca,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita 03

Meio Ambiente & Queimadas; Um governo BioGenocida

Da série:”Ao fim e ao cabo não irá sobrar nada. Nem a ira nem o choro”.

O presente virou pó, cinzas. Se não reagirmos agora diante da destruição em massa que abate o Pantanal, a Amazônia e o Cerrado, o futuro próximo será sem ar e sem água.

Eis um biogenocida.

Ministro(?) do Meio Ambiente Ricardo Salles abre a cloaca para excretar estupidez: “questões ideológicas favoreceram #queimadas no Pantanal”.

É um insano, o “Sinistro# do MeioAmbiente ao atribuir perseguição à criação de gado como fator de descontrole, embora reconheça que “há muito fogo” na região.

O Capitalismo da Morte em sua mais tenebrosa ação.

Terra indígena Xingu. Precisamos pressionar o Ministério Público, tanto estadual quanto federal. Precisamos citá-los em todos os posts, e comentários relativos à tragédia ambiental no Brasil. Só assim vão se sentir constrangidos a fazer algo!
Matar índios e pobres é “esporte” ancestral no Brasil.

Rodovia Transpantaneira, antes e depois dos incêndios. O mundo está vendo isso.
News in the international press.
“Road crossing Pantanal, one of the world’s largest flooded grasslands, before and after wildfires. Home to hundreds of animals species turned into an immense graveyard of mammals and reptiles.

“O coronavírus é uma brincadeira de criança diante do que a mudança climática trará”.
Rodrigo Medellín

#ForaRicardoSallesUrgente #BrasilEmChamas #DefundBolsonaro
www.mesquita.blog.br

mundo falhou em cumprir metas para salvar a natureza

Evoluir para a sustentabilidade exige participação social

Em 2010, mais de 150 países chegaram a um acordo sobre 20 metas a serem alcançadas até o fim da década com o objetivo de salvar as espécies em extinção na Terra e preservar os ecossistemas em declínio. Mas nenhuma das metas foi totalmente cumprida, e apenas seis delas foram consideradas parcialmente alcançadas, concluiu a organização.

Relatório aponta que nenhum dos objetivos traçados há uma década para a proteção da biodiversidade foi cumprido. Degradação contínua do meio ambiente aumenta o risco de propagação de doenças, alertam Nações Unidas.

O documento é particularmente significativo pois funciona como um “boletim final” para as chamadas Metas de Aichi, traçadas no início da Década da Biodiversidade das Nações Unidas.

Entre os objetivos estavam, por exemplo, a desaceleração do desmatamento, conservação de áreas úmidas e a conscientização do público sobre a importância da natureza para um planeta saudável.

O relatório apontou, porém, que o uso de pesticidas e a poluição causada pelo descarte de plástico não foram reduzidos a níveis seguros; governos ainda subsidiam negócios que danificam os ecossistemas; e os recifes de coral continuam sendo atingidos por uma ameaça tripla: mudança climática, poluição e pesca predatória.

“Os sistemas vivos da Terra como um todo estão sendo comprometidos, e quanto mais a humanidade explora a natureza de maneiras insustentáveis, mais minamos nosso próprio bem-estar, segurança e prosperidade”, alertou Elizabeth Maruma Mrema, secretária-executiva da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica (CBD), que divulgou o relatório.

A preocupação com os impactos ambientais causados pelo ser humano e seu estilo de vida predatório aumentou ainda mais em meio à pandemia de coronavírus, que provavelmente se originou num mercado de animais silvestres na cidade chinesa de Wuhan.

De acordo com os cientistas, a perda “sem precedentes” de biodiversidade e a destruição dos espaços selvagens aumentam o risco de doenças de animais migrarem para seres humanos.

“À medida que a natureza se degrada, surgem novas oportunidades para a disseminação de doenças devastadoras, como o novo coronavírus. A janela de tempo disponível é curta, mas a pandemia também demonstrou que mudanças transformadoras são possíveis”, afirmou Mrema.

Seguindo essa mesma linha, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que as transições descritas no relatório representam uma oportunidade sem precedentes para uma “reconstrução” global, à medida que o mundo emerge dos impactos imediatos da pandemia de covid-19.

“Parte dessa nova agenda deve ser enfrentar os desafios globais de uma maneira mais coordenada, entendendo que as mudanças climáticas ameaçam minar todos os outros esforços para conservar a biodiversidade. E que a própria natureza oferece algumas das soluções mais eficazes para evitar os piores impactos de um planeta em aquecimento”, comentou.Descarte excessivo de plástico continua sendo uma das preocupações da ONU

Atualmente, cerca de 17% das terras continentais estão resguardadas por mecanismos de gestão ambiental. As Nações Unidas estão pressionando os governos a reservarem 30% das áreas terrestres e marítimas do planeta para a conservação. A negociação deve ocorrer na próxima Conferência da ONU sobre as Mudanças Climáticas, a COP26, adiada para 2021 em Kunming, na China.

Nem tudo é negativo

Embora o fracasso no cumprimento das metas seja motivo de preocupação, os autores do relatório frisam que praticamente todos os países estão atualmente tomando algumas medidas para proteger a biodiversidade, sem as quais o estado da biodiversidade do planeta estaria consideravelmente pior.

O relatório cita exemplos positivos, como um programa ambiental no Paquistão que protege o leopardo-das-neves ao conservar os ecossistemas do Himalaia, e o caso da população de íbis-de-crista, uma das aves aquáticas mais ameaçadas de extinção, que começou a ter filhotes após conservacionistas libertaram pássaros criados em cativeiro no Japão.

FA/rtr/ots

Fogo já consumiu mais de 10% do Pantanal em 2020

Região sofre com queimadas que já atingiram pelo menos 17 mil quilômetros quadrados. Extensão e velocidade com que as chamas se espalham assusta quem monitora a região. Especialistas já contam com redução de espécies.

Direito de imagem – Getty Images

Desde 1998, quando o monitoramento das queimadas no Pantanal foi iniciado pelo Inpe, nunca houve tantos focos de calor.

Assustador e sem precedentes: é assim que, quem conhece e monitora o Pantanal, descreve a situação da região, continuamente castigada por incêndios. Só em 2020, o fogo já consumiu 17.500 quilômetros quadrados de mata, o equivalente a mais de 10% da área do total de um dos biomas mais importantes do mundo.

Desde 1998, quando o monitoramento das queimadas no Pantanal foi iniciado pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), nunca houve tantos focos de calor entre janeiro e agosto como agora: foram 7.727 registrados até 18 de agosto. Um aumento de 211% em relação ao mesmo período do ano passado.

O fogo no Pantanal não tem poupado sequer animais que conseguiam escapar das chamas a tempo: cenas de jacarés, macacos, cobras e antas carbonizadas chocam quem trabalha na região.

“A extensão, a velocidade com que as chamas se espalham é assustadora”, afirma Felipe Dias, diretor executivo do Instituto SOS Pantanal. Os prejuízos materiais e o impacto sobre a vida natural ainda estão sendo levantados. “O problema é que o fogo tem sido recorrente. Ele normalmente não voltava a uma região atingida. O que vemos agora é que os incêndios estão se repetindo nas mesmas regiões”, completa.

Ação humana

“Historicamente, a mobilização dos órgãos oficiais para combater o fogo começa em julho. Mas neste ano já estamos lutando desde fevereiro, tentando evitar com que as chamas cheguem em áreas protegidas e até em escolas”, diz à DW Brasil Angelo Rabelo, que implantou na década de 1980 a Polícia Ambiental em Corumbá, Mato Grosso do Sul, e fundador do Instituto Homem Pantaneiro.

Iniciado, segundo monitores, em mais de 90% dos casos por ação humana, o fogo encontra uma mata seca, esturricada, que funciona como um combustível poderoso.

“Já está tudo muito queimado, e o fogo ainda não acabou. Estamos à espera de uma grande chuva”, lamenta por sua vez Neiva Guedes, pesquisadora e presidente do Instituto Arara Azul, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul.

Os indícios de que essa seria uma temporada severa vieram em fevereiro, época em que o Pantanal deveria estar coberto pela água. A área sofre influência dos rios que drenam a bacia do Alto Paraguai e que, quando transbordam durante a época de chuvas, de novembro a maio, alagam até dois terços da planície.

“Estamos num ano extremamente seco, poucas chuvas e, na maior parte dos rios, não teve inundação. Foram poucas chuvas e pouca inundação, com temperaturas muito altas”, comenta o cenário prévio à catástrofe Danilo Bandini, pesquisador da UFMT, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul.

Refúgio ameaçado

Numa zona pantaneira de difícil acesso em Mato Grosso, o entorno do refúgio das araras azuis ainda está em chamas. O santuário, área repleta de bocaiúvas, um tipo de palmeira, dentro de uma fazenda, abriga 20% da população dessa ave no Pantanal.

“O refúgio é um lugar único”, afirma Neiva Guedes, que estuda as araras azuis há três décadas. “A gente sente como se fosse a nossa própria pele queimando”, diz sobre o choque diante do cenário atual.

A queimada, que teria consumido 70% da fazenda onde fica o refúgio, traz um impacto grande sobre a espécie. “Ninho com ovos e filhotes são perdidos, há mortalidade por fumaça, calor, estresse dos pais, a perda de araras, das cavidades que elas ocupam”, diz Guedes.

As repercussões vão perdurar. “A médio e longo prazo, haverá falta de comida, de água. Aumenta a predação de juvenis e de adultos porque falta comida, há briga pelas cavidades”, explica a pesquisadora.

As conclusões vêm da experiência de 2019, quando o fogo destruiu parte do Refúgio Ecológico Caiman, em Miranda, no Mato Grosso do Sul, e atingiu ninhos de araras. Propriedade particular, a fazenda desenvolve três atividades: ecoturismo, pesquisa de conservação e pecuária.

Fora da lista brasileira de espécies em extinção desde 2014, mas considerada espécie vulnerável na lista internacional, a arara azul pode voltar para a zona de perigo extremo devido aos incêndios.

“É um risco que não só as araras estão correndo. O impacto dessas queimadas é gigantesco. Já pensou nos insetos, que não conseguem voar grandes extensões e que foram perdidos, mas que têm um papel fundamental nos ecossistemas?”, comenta Guedes.

Pouca proteção

Com suas nascentes principalmente no cerrado, que conta com menos de 50% de sua vegetação nativa, os rios que banham o Pantanal vêm sofrendo cada vez a influência da agropecuária.

“O uso e ocupação do solo tem grande influência. Nos últimos anos, a coisa pode ser agravado pela chegada de muitas fazendas de agricultura”, analisa José Marengo, pesquisador do Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais).

Além do desmatamento no próprio bioma, a destruição da mata na Floresta Amazônia também influencia o regime das águas no Pantanal: parte das chuvas vem da umidade da Floresta Amazônica, por meio dos chamados rios voadores.

Até o fim da temporada da seca, a expectativa é desanimadora. “Estamos contanto com redução de algumas espécies. Muitas delas já são ameaçadas, e o fogo atual pode ter um efeito de piorar o status de conservação”, prevê Danilo Bandini, pesquisador da UFMT.

Região repleta de fazendas de gado, o Pantanal tem apenas 3,5% de seu território protegido por unidades de conservação onde, até o momento, não há registro de focos de calor pelo Inpe.

“Não há como dissociar o que está acontecendo agora com a relação que o homem tem com a natureza. Achar que é normal é um equívoco”, diz Angelo Rabelo, numa referência à pandemia e às queimadas. “Temos que repensar essa relação e cuidar dessas áreas que cumprem um papel determinante para proteger espécies que podem, no futuro, trazer soluções de doenças que ainda nem apareceram”, finaliza.

A biodiversidade floresce nas cidades quando os espaços verdes ficam selvagens

De Dublin a Dessau, as cidades estão deixando espaços verdes, uma vez bem cuidados, para reconstituir flores e gramíneas nativas que atraem mais insetos, pássaros e animais selvagens. Essa mudança de paradigma levará tempo, no entanto.

O que aconteceria se parássemos de tratar espaços verdes nas cidades, se trancássemos o cortador de grama e permitíssemos que grama, ervas, arbustos e flores silvestres nativas fizessem suas próprias coisas?

Como várias novas iniciativas urbanas de “retrocesso” demonstraram, borboletas, insetos, pássaros e animais selvagens logo chegam para participar da festa. E, como a biodiversidade auto-reguladora substitui a monocultura pesada para manutenção, essas áreas selvagens urbanas também se tornam mais resistentes à seca – e sequestram mais CO2. Patógenos e pragas também são reduzidos, o que significa que há muito menos necessidade de produtos químicos e pesticidas.

Rewilding é uma mudança de paradigma de uma tradição secular de gerenciar e controlar espaços verdes, seja na forma de áreas de caça ou espaços públicos estetizados.

Uma idéia relativamente nova, que só entrou no dicionário em 2011, a re-exploração foi descrita recentemente pela escritora e curadora de ecologia Anna Souter como o ato de incentivar “a terra a se tornar voluntariosa”.

Além das idéias tradicionais de conservação gerenciada, “re-silenciar tenta abordar um lugar com imaginação e um senso de curiosidade sobre o que poderia acontecer se os seres humanos parassem de tentar administrar a natureza”, escreveu ela.

Muitos projetos de reconversão se concentram em devolver grandes áreas de terra ao deserto, mas, mais recentemente, as cidades europeias mostraram uma tendência para iniciativas urbanas menores.

Polinizador-amigável

Desde 2015, o Conselho da Cidade de Dublin (DCC) tem permitido que flores silvestres nativas antes consideradas ervas daninhas floresçam e plantem em pastagens de parque, espaços abertos, valas na estrada e até cemitérios. Em vez de serem cortados, o trevo e o dente-de-leão também são deixados para criar habitat e alimento para insetos, abelhas e outros polinizadores.

St Anne’s Park, em Dublin, foi colonizada por diversas flores silvestres

“Um terço das espécies de abelhas nativas estão em risco de extinção aqui na Irlanda, o que destacou como as práticas precisam mudar”, disse a diretora de biodiversidade da DCC, Lorraine Bull. O uso de herbicidas é muito baixo como resultado do programa. Em média, 80% desses espaços verdes urbanos são agora favoráveis ​​aos polinizadores.

Um dos primeiros locais de relançamento urbano foi o High Line, em Nova York, uma ferrovia elevada que já foi abandonada e enlouqueceu ao longo de décadas antes de ser adaptada a um parque público em flor.

Abrindo em etapas desde 2009, os jardins da High Line são apenas “editados” para “imitar a dinâmica de uma paisagem selvagem”. Uma matriz de gramíneas suporta flores silvestres, árvores e arbustos que entram e saem como na natureza. Algumas espécies simplesmente sopraram com o vento.

‘Cidades ousam deserto’

A Rewilding também foi adotada em toda a Alemanha. As cidades de Dessau, Hannover e Frankfurt e Main iniciaram um projeto de cinco anos em 2016, chamado “Städte wagen Wildnis” (Cidades Dare Wilderness), que visa aumentar o habitat de diversas espécies. Em contraste com os parques alemães altamente gerenciados, esses centros urbanos estão deixando espaços alocados em sua maioria sem cultivo. Auto-regulação é o mantra.

Há cinco anos, Dessau, que fica no antigo leste da Alemanha, foi caracterizada por uma população em declínio e uma infinidade de prédios abandonados e terrenos baldios. Para os planejadores urbanos, retroceder fazia muito sentido. Assim, a cidade começou a comprar propriedades e terras não utilizadas suficientes para criar uma zona verde pública em forma de bumerangue de 120 hectares para retornar à natureza. Os terrenos dos conjuntos habitacionais existentes tornaram-se parte do projeto de rewilding. Pretendia-se que o deserto ‘ousado’ não apenas encorajasse a biodiversidade, mas também tornasse a cidade mais atraente e melhoraria a vida dos moradores.

Os planejadores urbanos de Dessau reutilizaram antigas áreas industriais

“Os extensos prados floridos atraem uma variedade incrível de espécies”, disse à DW Christiane Jahn, chefe do departamento de planejamento da cidade, acrescentando que o rico habitat resultante do projeto de quatro anos atrai pássaros canoros, ouriços, borboletas e algumas das 67 abelhas. variedades endêmicas do estado da Saxônia.

Enquanto o perímetro externo da zona de desmatamento será deixado de novo em florestas, os grandes prados internos são administrados – mas apenas em um grau mínimo, com a área cortada apenas uma ou duas vezes por ano.

“Eles são muito robustos e toleram a seca no verão melhor do que os curtos gramados de outros espaços verdes”, diz Jahn dos prados que se mostraram resistentes aos verões extraordinariamente secos de 2018 e 2019.

Operação de limpeza tira 103 toneladas de plástico do mar

A ONG Ocean Voyages Institute bateu o próprio recorde de limpeza em mar aberto em uma expedição que durou 48 dias.

Uma recente operação de limpeza retirou em 48 dias cerca de 103 toneladas de lixo plástico do mar, entre redes e petrechos de pesca e itens plásticos que a humanidade consome no seu dia a dia.

A ação percorreu as costas da Califórnia e do Havaí e foi uma iniciativa do Ocean Voyages Institute que, com a coleta quebrou o próprio recorde de maior limpeza de lixo plástico dos oceanos.

Infelizmente, além do plástico, o navio recolheu muitos animais mortos e esqueletos que estavam envolvidos pelo lixo, em especial por redes de pesca abandonadas em mar aberto.

“Não existe uma solução rápida e simples para a quantidade de lixo nos oceanos. São necessários longos períodos no mar, com uma equipe extremamente competente, para que seja possível realizar ações de limpeza como esta”, explica Locky MacLean, ex-diretor da Sea Shepherd, ONG que atua na proteção da vida marinha.

Foto: Ocean Voyages Institute
Uma grande ilha de lixo se encontra entre o Havaí e a Califórnia, em uma das áreas mais remotas do Oceano Pacífico. Pesquisadores estimam que cerca de 80 mil toneladas de resíduos façam parte desta ilha de lixo, sendo a maior parte proveniente de petrechos de pesca.

As ilhas de lixo se formam graças à ação de correntes oceânicas circulares que concentram o lixo em áreas específicas.

Apesar das ações de limpezas serem parte da solução do problema, é necessário pensar na causa: todos os anos até 12,7 milhões de toneladas de plástico chegam aos oceanos e a estimativa é que um total de 150 milhões de toneladas do material circulem atualmente pelos mares.Meio Ambiente,Oceanos,Plásticos,Poluição,Blog do Mesquita

A poluição plástica é composta de micro plásticos a grandes redes de pesca, uma imensidão de produtos que não são biodegradáveis e ameaçam gravemente a vida marinha. Um triste exemplo do mal que estamos fazendo às espécies marinhas foi a baleia encontrada por pesquisadores filipinos com 40kg de plástico no estômago, incluindo.

É provável que quinhentas espécies sejam extintas nas próximas duas décadas

Extinções em massa estão se acelerando, relatam cientistas, É provável que quinhentas espécies sejam extintas nas próximas duas décadas, de acordo com um novo estudo.

Um agricultor percorreu uma área queimada da floresta amazônica perto de Porto Velho, Brasil, no ano passado.
Crédito … Carl De Souza / Agence France-Presse – Getty Images

Estamos no meio de uma extinção em massa, muitos cientistas alertaram – este não conduzido por um evento natural catastrófico, mas por seres humanos. A perda não natural de biodiversidade está se acelerando e, se continuar, o planeta perderá vastos ecossistemas e as necessidades que eles fornecem, incluindo água doce, polinização e controle de pragas e doenças.

Na segunda-feira, houve mais más notícias: estamos correndo mais rápido e mais perto do ponto de colapso do que os cientistas pensavam anteriormente, de acordo com pesquisa publicada no Proceedings da Academia Nacional de Ciências. A taxa de extinção entre as espécies de vertebrados terrestres é significativamente maior do que as estimativas anteriores, e a janela crítica para evitar perdas de massa fechará muito mais cedo do que se pensava anteriormente – em 10 a 15 anos.

“Estamos destruindo as capacidades do planeta para manter a vida humana e a vida em geral”, disse Gerardo Ceballos, ecologista da Universidade Nacional Autônoma do México e principal autor do novo estudo.

A taxa atual de extinções excede amplamente as que ocorreriam naturalmente, descobriram o Dr. Ceballos e seus colegas. Os cientistas sabem de 543 espécies perdidas nos últimos 100 anos, uma contagem que normalmente levaria 10.000 anos para se acumular

“Em outras palavras, todos os anos ao longo do século passado, perdíamos o mesmo número de espécies tipicamente perdidas em 100 anos”, disse Ceballos.

Se nada mudar, é provável que cerca de 500 espécies de vertebrados terrestres sejam extintas apenas nas próximas duas décadas, trazendo perdas totais equivalentes às que teriam ocorrido naturalmente ao longo de 16.000 anos.

Para determinar quantas espécies estão à beira da extinção, o Dr. Ceballos e os co-autores Paul Ehrlich, biólogo da conservação da Universidade de Stanford, e Peter Raven, ambientalista do Jardim Botânico de Missouri, procuraram os dados populacionais de 29.400 espécies de vertebrados terrestres compilado pela União Internacional para Conservação da Natureza.

Dessas espécies, 515 – ou 1,7% – estão ameaçadas de extinção, segundo eles, com menos de 1.000 indivíduos restantes. Cerca da metade dessas espécies compreende menos de 250 indivíduos.Um tipo de sapo venenoso em um centro de criação da Colômbia.Crédito: Fernando Vergara / Associated Press

Os pesquisadores também examinaram espécies com populações entre 1.000 e 5.000. Quando os cientistas adicionaram essas 388 espécies à sua análise original, eles encontraram uma sobreposição geográfica de 84% – em grande parte nos trópicos – com espécies do grupo criticamente ameaçado.

A perda de alguns provavelmente desencadeará um efeito dominó que envia outros para uma espiral descendente, ameaçando ecossistemas inteiros, relatam os autores. Dr. Ceballos comparou esse processo à remoção de tijolos da parede de uma casa.

“Se você retirar um tijolo, nada acontece – talvez ele se torne mais barulhento e mais úmido por dentro”, disse ele. “Mas se você retirar muitos, sua casa acabará em colapso.”

Os conservacionistas, portanto, devem considerar todas as espécies com população abaixo de 5.000 indivíduos em risco de extinção, concluíram o Dr. Ceballos e seus colegas.

“Este é um aumento substancial do que normalmente pensamos estar em perigo”, disse Daniel Blumstein, ecologista da Universidade da Califórnia, Los Angeles, que não participou da pesquisa.

O novo estudo também enfatiza a importância de proteger populações individuais de animais, não apenas uma espécie. Com base em uma análise das faixas atuais e históricas de espécies ameaçadas de extinção, os pesquisadores calcularam que mais de 237.000 populações individuais desapareceram desde 1900.

Em um estudo anterior, Ceballos e Ehrlich descobriram da mesma forma que 32% das populações de 27.600 espécies de vertebrados estão em declínio em todo o mundo.

À medida que as populações desaparecem das áreas geográficas, a função da espécie também desaparece. A perda de abelhas nos Estados Unidos, por exemplo, causaria um golpe econômico de mais de US $ 15 bilhões, mas a espécie em si ainda sobreviveria em outras partes do mundo.

“A população declina de espécies comuns – predadores, herbívoros de corpo grande como o rinoceronte, polinizadores e outros – têm grandes efeitos no funcionamento dos ecossistemas, mesmo quando estão longe de serem extintos”, disse Rebecca Shaw, cientista chefe da World Wildlife Fund, que não estava envolvido na pesquisa.Chimpanzés no sul do Kivu, República Democrática do Congo, em março. Hugh Kinsella Cunningham / EPA, via Shutterstock

“Ceballos e seus colegas estão nos dizendo com certeza científica que a sobrevivência dessas espécies está ligada à nossa própria sobrevivência”, acrescentou.

O Dr. Ehrlich enfatizou que as descobertas gerais do estudo foram quase certamente uma subestimação grosseira do verdadeiro escopo do problema de extinção. Sua análise não levou em consideração plantas, espécies aquáticas ou invertebradas e incluiu apenas aproximadamente 5% dos vertebrados terrestres para os quais os cientistas têm dados populacionais.

As descobertas são “de fato o que se esperaria na crescente crise da biodiversidade”, disse Thomas Lovejoy, ecologista da Universidade George Mason, que não participou da pesquisa. O artigo “deve ser considerado um grande alerta, enquanto ainda há tempo para fazer a diferença”.

Que tão poucas pessoas estejam cientes da crise iminente, acrescentou Lovejoy, é uma causa da própria crise.

Muitos que estão cientes podem simplesmente sentir que a perda não é conseqüente. “As pessoas dizem: ‘Que diabos de diferença isso faz para mim?'”, Disse Ehrlich.

Mas muitas vezes o papel de uma planta ou animal em particular em um ecossistema se torna aparente somente depois que a espécie em questão desaparece.

Pombos de passageiros, por exemplo, uma vez numerados em bilhões. Seu apetite voraz por sementes limitou o crescimento populacional de outras espécies que se alimentam de sementes, incluindo ratos de patas brancas – o reservatório natural da bactéria que causa a doença de Lyme.

Após a extinção do pombo-passageiro, as populações de ratos de patas brancas explodiram e os riscos para a saúde humana aumentaram. Os impactos da extinção do pombo-passageiro, escreveram os pesquisadores da Science, “ainda estão sendo sentidos um século após a morte do último pombo-passageiro”.

A pele de um tigre de Sumatra criticamente ameaçado foi apreendida pela polícia em Banda Aceh, na Indonésia, em janeiro.
Crédito: … Mahyuddin / Agence France-Presse – Getty Images

Enquanto os humanos continuam a invadir a natureza e a vida selvagem, Ceballos e seus colegas alertam para uma série de impactos em cascata – incluindo ocorrências mais frequentes de novas doenças e pandemias. O coronavírus que lançou a pandemia se originou em um animal selvagem, a maioria dos cientistas acredita.

“A vacina para o Covid-19 era um habitat natural”, disse Ceballos. “A pandemia é um ótimo exemplo de quão mal tratamos a natureza.”

Com perdas suficientes de espécies, os ecossistemas acabarão fracassando, desestabilizando economias e governos e desencadeando crises de fome e refugiados. Mas existem medidas que podem ser tomadas agora, disse Ceballos.

A perda de habitats e o comércio de animais silvestres são atualmente responsáveis ​​pelo impacto do problema, enquanto as mudanças climáticas ainda não provocaram “o tsunami total” de seus impactos, disse Ceballos.

Para compensar a onda de extinções mais urgente, ele e seus colegas pedem o fim imediato do comércio ilegal de animais silvestres.

“Não há como isso continuar, destruindo espécies e colocando toda a humanidade em perigo”, disse Ceballos. “Nós podemos resolver esse problema imediato.”

Eles também pedem a interrupção do desmatamento e uma reforma completa do comércio legal de animais silvestres – um que priorize a sustentabilidade sobre os lucros.

“O problema mais fundamental é reduzir a escala da empresa humana, especialmente suas demandas consumistas na biosfera”, disse Ehrlich.

Fazer essas mudanças exigirá eleger líderes que priorizem o meio ambiente, redistribuindo recursos e diminuindo o crescimento da população humana. Para ajudar a organizar esses esforços, o Dr. Ceballos e o Dr. Ehrlich lançaram uma nova iniciativa global chamada Stop Extinction.

A iniciativa visa fornecer uma estrutura para a criação de novos acordos nacionais, bem como ferramentas para educar e ativar o público sobre a crise de extinção em desenvolvimento.

“Todos nós precisamos entender que o que fazemos nos próximos cinco a 10 anos definirá o futuro da humanidade”, disse Ceballos.

Elefantes da floresta no Parque Nacional Ivindo, no Gabão, no ano passado.
Crédito … Amaury Hauchard / Agence France-Presse – Getty Images

Máscaras contra o coronavírus são piores que sacolas plásticas: o impacto no meio ambiente é devastador

O descarte inadequado das máscaras — hoje usadas por um grande número de pessoas devido à emergência sanitária — está levando a novos riscos concretos de poluição marinha, um problema que já é bastante sério, dada a quantidade de resíduos plásticos que acabam nos oceanos todos os anos.

Durante uma viagem exploratória às ilhas de Soko, em Hong Kong, uma equipe da OceansAsia, organização para a conservação marinha, encontrou pilhas de máscaras depositadas na praia. Daí o alarme: se não forem descartadas adequadamente, esses instrumentos provocarão um forte impacto ambiental.

Atualmente, as máscaras são usadas em grandes quantidades em todo o mundo devido à pandemia de coronavírus, mas, como tantos outros objetos, muitas vezes acabam se tornando lixo abandonado, espalhado por todos os cantos, chegando depois ao mar.

Todo mundo de máscara. Mas será que elas funcionam mesmo?

Um primeiro exemplo concreto disso foi observado em Soko, um pequeno grupo de ilhas localizadas na costa sudoeste da ilha de Lantau, em Hong Kong. Atualmente, a OceansAsia está conduzindo alguns projetos de pesquisa sobre poluição por plásticos e, duas vezes por mês, uma equipe visita as ilhas para investigar e analisar o acúmulo de resíduos na praia.

Na última expedição, a equipe percebeu o efeito provocado pela emergência do coronavírus nesses locais, não em termos sanitários, mas ambientais. Montes de máscaras se espalharam pela costa. Como declarou Gary Stokes, fundador da OceanAsia, ao Energy Live News:

“Encontramos 70 máscaras descartadas a 100 metros da praia e outras 30 máscaras quando voltamos uma semana depois”

Outras se encontravam na corrente e estavam prestes a chegar ao mar (o que não é surpreendente, considerando que 7 milhões de pessoas as usaram na China).

“As máscaras não eram tão antigas, algumas pareciam quase novas, o que significa que elas não estão na água há muito tempo”

Mas quais são os riscos ambientais?
Teale Phelps Bondaroff, diretor de pesquisa da OceansAsia, explicou:

“Uma máscara que venha a ser ingerida por uma tartaruga local, um golfinho-cor-de-rosa ou um boto-do-índico, por exemplo, pode facilmente ficar presa no sistema digestivo desses animais, matando-os.”

Mas não apenas:

A maioria dessas máscaras contém ou é feita de polipropileno, que não se rompe rapidamente.

A poluição marinha de plásticos é um problema sério. Estima-se que mais de oito milhões de toneladas de plástico entrem em nossos oceanos a cada ano. Este plástico não desaparece, mas se decompõe lentamente em microplástico, que entra nas cadeias alimentares, com efeitos devastadores”.

A organização asiática nos lembra algo muito importante: as pessoas definitivamente devem ser informadas para conhecer as maneiras adequadas de descartar corretamente o lixo, ao mesmo tempo que os governos devem prover meios para isso, tentando ainda reduzir o descarte ao máximo possível.

Do ponto de vista tecnológico, cada vez mais novas invenções aparecem: das embalagens aos materiais para construção, um mundo sustentável é possível.

O audacioso plano da Nature Conservancy para salvar os oceanos do mundo

Como um projeto TED Audacious de 2019, a TNC espera desbloquear US $ 1,6 bilhão em financiamento para conservação.

Hoje, a The Nature Conservancy (TNC), uma organização ambiental internacional sem fins lucrativos, anunciou no TED em Vancouver, Canadá, um plano para aumentar drasticamente a conservação dos oceanos em todo o mundo.

Ao entregar Blue Bonds para a Conservação do Oceano em até 20 países nos próximos cinco anos, a TNC ajudará a garantir a nova proteção de até 4 milhões de quilômetros quadrados dos mais habitats oceânicos críticos para a biodiversidade do mundo – 15 aumento percentual na quantidade de oceano protegido que existe atualmente. Este plano, que foi selecionado entre mais de 1.500 candidatos ao The Audacious Project, já garantiu mais de US $ 23 milhões em financiamento de vários doadores dentre os US $ 40 milhões da TNC, em última análise, requer o desbloqueio de US $ 1,6 bilhão na conservação marinha.

Por que isso é importante? Os cientistas estimam que, com os negócios como de costume, 90% dos recifes de coral desaparecerão durante nossas vidas. Oitenta por cento da pesca global já são considerados totalmente explorados ou superexplorados. O aumento do mar e as tempestades mais fortes ameaçam 40% da população mundial. As florestas de mangue sequestram quatro vezes mais carbono que as florestas tropicais, mas estão desaparecendo em um ritmo três a cinco vezes mais rápido. Esses ecossistemas fornecem recursos e proteção cruciais para as comunidades costeiras e suas economias.Blog do Mesquita,Crimes Ambientais,Brasil,IBAMA,Meio Ambiente,Ecologia,Amazônia,Rio Amazonas,Economia,Petróleo,Poluição,Oceanos

Mas tudo não está perdido. A proteção do oceano, quando bem feita, funciona. Cabo Pulmo, na Península de Baja, no México, estabeleceu uma área marinha protegida e, 10 anos depois, reverteu o número de décadas de sobrepesca e aumentou o estoque de peixes em mais de 400%. Mas exemplos como esse são raros porque, com muita freqüência, as nações insulares e costeiras estão endividadas e não podem pagar pela conservação para tornar seu ambiente e economia mais resilientes.

“Ainda há tempo para reverter décadas de danos aos oceanos do mundo antes de chegarmos ao ponto de não retorno”, disse Mark Tercek, CEO da The Nature Conservancy. “Será preciso algo audacioso para enfrentar a proteção marinha nessa escala, o que significa pensar além das abordagens mais tradicionais de conservação dos oceanos”.

“Para proteger a vida marinha e restaurar a saúde e a produtividade de nossos oceanos, precisamos proteger muito mais áreas marinhas do planeta em sua condição natural”, disse Hansjörg Wyss, fundador e presidente da The Wyss Foundation e um financiador. Não há solução para a bala de prata, aplicando um conjunto cada vez mais inventivo de estratégias – de novas áreas protegidas e reformas de políticas a investimentos inteligentes em conservação – países e comunidades ao redor do mundo já estão começando a trazer vida de volta às áreas marinhas ameaçadas. ”

Como funciona?

Os títulos financeiros para conservação refinanciam e reestruturam a dívida dos países costeiros e insulares em grande escala.

No coração de um Blue Bond está um acordo. Uma nação costeira ou insular compromete-se a proteger pelo menos 30% de suas áreas oceânicas próximas à costa, incluindo recifes de coral, manguezais, locais de desova de peixes e outros habitats e espécies oceânicos importantes. Em troca, a TNC ajuda a reestruturar uma parte da dívida soberana do país, levando a taxas de juros mais baixas e períodos de reembolso mais longos, além de apoiar o trabalho de conservação em andamento, como melhorar o gerenciamento da pesca e reduzir a poluição.

Os cientistas da TNC criam então um plano espacial marinho com contribuições das comunidades locais, incluindo associações de pescadores, empresas de turismo e funcionários do governo. O engajamento local é fundamental para garantir que o plano apóie de maneira sustentável a economia local, enquanto protege o habitat.

Por fim, a TNC estabelece um fundo fiduciário para pagar pelas novas áreas marinhas protegidas e outras ações de conservação, usando economias da reestruturação da dívida e dólares filantrópicos. O fundo fiduciário – que é independente do governo e controla totalmente o financiamento – garante que o governo cumpra seu compromisso.

“Encontrar maneiras de proteger terras e águas – e pagar por essa proteção – está em nosso DNA”, continuou Tercek. “A Nature Conservancy trabalha com nações para projetar áreas marinhas protegidas há 30 anos. Lideramos mais de 100 projetos oceânicos cobrindo 1,3 milhão de quilômetros quadrados em todo o mundo e geramos mais de US $ 250 milhões em financiamento para a conservação marinha. Estamos empolgados com a oportunidade de aproveitar essa experiência e demonstrar a mais países que salvar a natureza é o investimento mais inteligente que eles podem fazer. ”

A TNC testou a idéia do Blue Bonds nas Seychelles a partir de 2012, e o país está agora no caminho de expandir as proteções marinhas para quase 400.000 quilômetros quadrados de habitat oceânico até 2020 – uma área do tamanho da Alemanha.

“A Nature Conservancy é pioneira na conservação da natureza – usando financiamento inovador para alimentar planos de proteção marinha cientificamente sólidos que trazem de volta à vida os corais, melhoram os estoques de peixes e protegem a vida e os meios de subsistência das pessoas”, disse Anna Verghese, diretora executiva do The Audacious Project . “Ficamos inspirados pela simplicidade do plano e pelo incrível histórico da Conservancy e esperamos ver o que a Conservancy realizará quando expandir seu alcance com o apoio alavancado por meio do The Audacious Project”.

Impacto esperado

A TNC agora pretende entregar o modelo de títulos azuis para conservação em 20 países nos próximos cinco anos. Com US $ 40 milhões em financiamento filantrópico antecipado – incluindo financiamento através do The Audacious Project, complementado por futuras contribuições filantrópicas – o objetivo da TNC é expandir sua capacidade de fechar rapidamente acordos que desbloqueiem um fluxo de receita sustentável de US $ 1,6 bilhão para a conservação do oceano. A TNC estima que existam perto de 100 países onde esses projetos poderiam ser desenvolvidos.

“Esta é a oportunidade filantrópica de uma vida”, disse Tercek. “Todo dólar que levantarmos resultará em 40 vezes o impacto. É difícil encontrar uma alavancagem melhor que essa. ”

Com seu plano de trazer Blue Bonds para 20 países, a organização espera realizar o seguinte:

Proteger 2 milhões de milhas quadradas (4 milhões de km2) de oceano
Compromissos dos países para proteger pelo menos um terço de seus recursos marinhos
Metade desses recursos marinhos são reservados para aumentar a resiliência às mudanças climáticas para as principais espécies e habitats marinhos
Economize 13% dos recifes de coral do mundo
Planos de proteção marinha personalizados garantem a proteção e restauração dos recifes de coral mais importantes
Recifes saudáveis ​​fornecem habitat para peixes, tartarugas marinhas, raias e outras espécies marinhas e “sementes” ao redor dos recifes, espalhando larvas de coral pelas correntes oceânicas
Beneficie 43 milhões de pessoas que vivem a 100 km de uma costa
A pesca saudável é protegida e a pesca degradada retorna à abundância, dando às pessoas do litoral uma fonte segura de alimento e renda
Recifes de coral, manguezais e zonas úmidas armazenam carbono, protegem as comunidades de tempestades e mares altos e reforçam as economias costeiras