Seca,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita

Meio Ambiente: Destruição da natureza pelos humanos é suicida, alerta ONU

Relatório das Nações Unidas afirma que a humanidade e a ambição pelo crescimento econômico estão tornando a Terra um lugar inabitável, e exorta governos e empresas do mundo a agirem antes que seja tarde.

Amazônia,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita,Alter do Chão,Brasil,Pará“Sem a ajuda da natureza, não vamos prosperar, ou mesmo sobreviver”, afirmou o secretário-geral da ONU

Através das mudanças climáticas, da perda da biodiversidade e da poluição, os humanos estão destruindo a Terra e tornando-a um planeta cada vez mais inabitável, afirma um relatório das Nações Unidas.

Para reverter esse caminho trágico, o mundo precisa implementar mudanças urgentes e dramáticas na sociedade, na economia e na vida diária das pessoas, acrescenta o texto.

Diferente de relatórios anteriores da ONU, que costumam focar num problema e evitam orientar os governos sobre quais ações devem ser tomadas, o novo documento reúne três crises ambientais – o clima, a biodiversidade e a poluição – para dizer aos governos, empresas e pessoas ao redor do mundo o que precisa mudar, antes que seja tarde demais.

O texto pede, por exemplo, mudanças no que o governo tributa, em como as nações valorizam a produção econômica, em como a energia é gerada, em como a agricultura e a pecuária são geridas, na maneira como as pessoas se locomovem e no que elas comem.

“Sem a ajuda da natureza, não vamos prosperar, ou mesmo sobreviver”, afirmou o secretário-geral da ONU, António Guterres. “Por muito tempo, temos travado uma guerra sem sentido e suicida contra a natureza. O resultado são três crises ambientais interligadas: perturbações climáticas, perda de biodiversidade e poluição ameaçam a nossa viabilidade como espécie.”

O título do relatório de 168 páginas, elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), é direto: “Fazendo as pazes com a natureza: um plano científico para enfrentar as emergências do clima, da biodiversidade e da poluição.”

“Riscos inaceitáveis” para gerações futuras

Baseado em conclusões de outras grandes análises sobre clima e biodiversidade elaboradas por painéis internacionais de especialistas, o texto afirma que uma transição rápida para energia renovável e a eliminação da perda de habitat são essenciais para prevenir “riscos inaceitáveis” para gerações futuras.

“Nossos filhos e netos herdarão um mundo de eventos climáticos extremos, aumento do nível do mar, perda drástica de plantas e animais, insegurança alimentar e hídrica e aumento da probabilidade de futuras pandemias”, alertou o cientista britânico Robert Watson, principal autor do relatório.

A emergência que aflige o mundo hoje é “de fato mais profunda do que pensávamos poucos anos atrás”, disse Watson, um químico premiado que já liderou outros relatórios científicos da ONU sobre mudanças climáticas e perda de biodiversidade.

Os problemas do planeta estão tão interligados que devem ser trabalhados juntos para que sejam resolvidos da maneira certa, destacam as Nações Unidas. E muitas das soluções podem combater múltiplos problemas, incluindo as mudanças climáticas e a poluição.

Segundo o relatório, uma dessas soluções seria a eliminação do uso de combustíveis fósseis. Além de pedir o fim do uso, o texto também defende que sejam anulados os 5 trilhões de dólares em subsídios que empresas de combustíveis fósseis recebem todos os anos de governos do mundo.

“Estatísticas assustadoras”

O documento reúne uma série de “estatísticas assustadoras”: cerca de 9 milhões de pessoas morrem todos os anos em decorrência da poluição; cerca de 1 milhão das 8 milhões de espécies de plantas e animais estão ameaçadas de extinção; até 400 milhões de toneladas de metais pesados, lama tóxica e outros resíduos industriais são despejados nas águas do mundo todos os anos.

O texto alerta também que a Terra está a caminho de um aquecimento adicional de 3,5 graus Celsius em relação aos níveis de agora, muito acima da meta estabelecida internacionalmente no Acordo de Paris sobre o clima.

“No final, isso vai nos atingir”, afirmou o biólogo Thomas Lovejoy, que foi assessor científico do relatório. “Não se trata do que vai acontecer com os elefantes. Ou o que vai acontecer com o clima ou com o nível do mar. Tudo vai nos impactar.”

Com duas grandes cúpulas da ONU sobre mudança climática e perda de biodiversidade marcadas para ocorrer em 2021, os autores do texto pedem decisões robustas dos governos, afirmando que respostas “fragmentadas e descoordenadas” ficam muito aquém do que o planeta precisa.

“Embora eu aplauda todos os países do mundo que decidiram zerar as emissões líquidas de carbono até 2030, a verdadeira questão é o que os países farão até 2030”, afirma o autor principal, Watson. “É realmente necessária ação a curto prazo, não apenas metas ambiciosas para meados do século.”

Mudanças climáticas: Por que o futuro livre de carbono do Reino Unido precisará de regras

Um plano de 10 pontos com o objetivo de colocar o Reino Unido no caminho para uma economia de emissões zero deve ser revelado pelo primeiro-ministro nas próximas semanas.

Getty Images

Os discursos anteriores de Boris Johnson sobre mudança climática deram a impressão de que o problema pode ser amplamente resolvido pela tecnologia – uma explosão nuclear, uma rajada de hidrogênio, uma rajada de vento offshore, uma porção de captura e armazenamento de carbono.

Mas um porta-voz do governo disse que todos precisamos “trabalhar juntos e fazer nossa parte”.

E especialistas alertam que o problema é fenomenalmente complicado – apresentando desafios nunca vistos antes.

Lidar com as mudanças climáticas, dizem eles, vai precisar de ação em toda a sociedade e na economia – com uma série de novos incentivos, leis, regras, proibições, padrões de eletrodomésticos, impostos e inovações institucionais.

Vamos examinar alguns dos problemas …

Eletricidade solar

Getty Images
Poucos desafios do Reino Unido são tão complexos ou estranhamente maravilhosos quanto o futuro sistema elétrico, no qual milhões de geradores e usuários de energia comercializarão uns com os outros pela Internet.

Centenas de milhares de locais já estão gerando energia – de proprietários de casas com um único painel solar no telhado à poderosa estação de energia Drax, em North Yorkshire, com seus polêmicos aquecedores de madeira, a gigantescos parques eólicos flutuando no mar.

Está muito longe da década de 1990, quando a energia era fornecida em uma rede simples dominada por algumas dezenas de usinas movidas a carvão

Nos próximos anos, milhões de pessoas desejarão vender a energia que estão gerando em seus telhados.

Precisaremos de eletricidade extra porque os carros funcionarão com baterias e as casas serão aquecidas por bombas de calor (que funcionam como geladeiras ao contrário para sugar o calor do solo ou do ar). Eles não poluem, ao contrário das caldeiras a gás.

Getty Images

Mas esse não é o fim da história.

Sim, os carros elétricos aumentarão a demanda – mas também aumentarão o armazenamento de energia. Baterias de carros inteligentes serão programadas para carregar quando a eletricidade for mais barata, no meio da noite.

Os carros podem então armazenar a energia e vendê-la de volta à rede com lucro quando for necessário, na hora do chá. Em outras palavras, possuir um carro pode realmente gerar dinheiro para você.

E aqui está outro pedaço de estranheza. Máquinas de lavar inteligentes já podem ligar-se para tirar proveito da eletricidade barata e fora do horário de pico.

Você economizará ainda mais dinheiro ao permitir que uma mão invisível desligue brevemente seu freezer inteligente bem isolado para economizar energia em horários de pico de demanda.

Isso ajudará a economizar sua empresa de energia gerando mais eletricidade, então você receberá um pouco por isso. É chamado de gerenciamento de demanda.

Mas como esses milhões de geradores, usuários, evitadores e armazenadores de energia conseguirão negociar uns com os outros? Como os sistemas elétricos lidarão com esse nível de complexidade destruidora de cérebros?

Guy Newey, do grupo de reflexão Energy Systems Catapult, avisa: “Há imensas oportunidades em nosso futuro energético.

“Mas pensar na complexidade inacreditável é um desafio realmente difícil – e não está claro se alguém ou qualquer organização no Reino Unido tem a responsabilidade de fazer isso.”

Regras para um futuro zero carbono

Uma coisa que está absolutamente clara é que o futuro livre de carbono do Reino Unido precisará de regras.

Os padrões da UE para eletrodomésticos como geladeiras e aspiradores de pó são uma história de sucesso de energia desconhecida. Eles obrigam os fabricantes a fazer produtos que realizam uma tarefa com menos energia.

Isso significa que, embora o preço da eletricidade tenha subido, as contas dos consumidores caíram, porque eles estão usando menos.

Libby Peake, do think-tank Green Alliance, disse: “Os padrões dos produtos reduziram a pegada de carbono do Reino Unido e economizaram uma família média de pelo menos £ 100 por ano em suas contas de energia.”

Mas ela avisa que produtos de má qualidade estão caindo no mercado porque não há funcionários de padrões comerciais suficientes para fazer cumprir as regras.
GettyImages

Financiando um futuro Net Zero

Finanças é outra área que requer atenção. De acordo com a Vivid Economics, a Agência de Crédito de Exportação do governo – que subscreve projetos financiados pelo Reino Unido no exterior – está investindo £ 2 bilhões em empreendimentos de petróleo e gás.

A Climate Coalition de grupos verdes diz que isso não se encaixa nas prioridades do Reino Unido.

Enquanto falamos de dinheiro, o governo está sendo instado a reconsiderar suas prioridades para projetos de infraestrutura caros.

Alguns ambientalistas argumentam que, dado todo o concreto necessário para os trilhos e túneis, o HS2 não será neutro em carbono até 2050. Eles querem que seja descartado.

O HS2 diz que vai economizar emissões a longo prazo, mas ambientalistas dizem que está desviando £ 100 bilhões de causas mais eficazes.

Há uma disputa semelhante sobre o programa governamental de construção de estradas de £ 27 bilhões.

Um estudo – fortemente contestado pelo Departamento de Transporte – estima que 80% da economia de CO2 dos carros elétricos será anulada pelas estradas planejadas.

O governo diz que está realizando o maior aumento já feito na Inglaterra para ciclistas e pedestres, mas os verdes dizem que os ministros não deveriam fazer nada que prejudique a batalha contra o aquecimento climático.

Eles dizem que, quando se trata de infraestrutura, o isolamento residencial oferece, de longe, a melhor relação custo-benefício, com o maior número de empregos.

Enquanto isso, o setor financeiro privado do Reino Unido é um dos maiores financiadores mundiais de combustíveis fósseis. O ex-presidente do Banco da Inglaterra, Mark Carney, pediu aos financistas que revelassem seus ativos em indústrias sujas porque representam um risco para os negócios em um mundo de baixo carbono.

A Climate Coalition quer que os banqueiros dêem mais um passo para eliminar ativamente as empresas poluentes de suas carteiras.

Kate Levick, do think tank e3g, me disse: “Há uma urgência real nisso. As empresas financeiras estão financiando projetos hoje que contribuirão para as emissões em 30 anos.”

Ela está convocando o governo a legislar para fazer a transição acontecer.

A coalizão também quer que o Tesouro estabeleça um plano de financiamento do clima para mostrar como os ministros irão financiar a transição líquido-zero no Reino Unido.

Getty Images

Estradas, trilhos e casas

GettyImages

Então, finalmente, para nós.

O porta-voz do nosso governo diz que concorda “de todo o coração” com o espírito de maior envolvimento dos cidadãos em torno da mudança climática recomendado pela recente Assembleia dos Cidadãos do Reino Unido – um grupo reunido para considerar como fazer mudanças com o mínimo de dor.

Ele sugeriu que as famílias precisarão isolar suas casas e, eventualmente, se livrar das caldeiras de gás poluentes.

Que devemos comer menos carne e laticínios gradualmente.

Acordou que algumas viagens agora feitas de carro devem ser feitas a pé ou de bicicleta – e que a venda de novos carros a gasolina e diesel deve ser encerrada em breve.

E queria que os passageiros frequentes tivessem as asas cortadas.

Mas até que ponto o plano de dez pontos do primeiro-ministro explicará que as pessoas – assim como as tecnologias – terão que mudar se quisermos parar de danificar o clima?

Governo tenta intencionalmente destruir povos indígenas

Amazônia,Queimadas,Ambiente,Meio Ambiente,BlogdoMesquita,Alter do Chão,Brasil,Pará

Eu sou o que me cerca. Se eu não preservar o que me cerca, eu não me preservo. José Ortega y Gasset

Em entrevista, ex-presidente da Funai diz que já na não se pode falar em falha na proteção de reservas, mas numa política deliberada para destruí-las: “Não tem ninguém no governo que seja a favor do meio ambiente”.

Queimada perto de Apui, no estado do Amazonas: destruição da floresta avança sob Bolsonaro

Se nos governos anteriores havia desaprovação a ações pontuais ligadas aos povos tradicionais, no governo de Jair Bolsonaro as críticas são direcionadas a tantas áreas que a questão indígena acaba diluída em meio a uma desaprovação maior e mais geral.

É essa a avaliação do jurista Carlos Frederico Marés de Souza Filho, professor de Direito Agrário e Socioambiental na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Ele foi presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai) entre 1999 e 2000.

Para o jurista, a política ambiental da atual gestão, simplesmente, não existe. “Até o ministro [do Meio Ambiente] diz que quer destruir, então não tem ninguém no governo que seja a favor do meio ambiente”, afirma.

Em entrevista à DW Brasil, Marés também comenta o enfraquecimento e desmonte gradual da Funai nos últimos anos, fala sobre o papel do governo federal em conter o avanço do coronavírus e dos recentes incêndios em terras indígenas e explica como a demarcação de terras ganhou cada vez mais ares de processo político em vez de técnico.

DW Brasil: Você foi presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai) entre 1999 e 2000. Em essência, o que mudou de lá para cá em relação à questão indígena no Brasil?

Na virada de 1999 para 2000, os povos indígenas estavam muito expostos na mídia por causa dos 500 anos [do descobrimento]. Havia, então, essa exposição muito grande e, consequentemente, uma articulação muito grande. Justamente em 2000, houve uma repressão policial ao movimento indígena na festa dos 500 anos em Porto Seguro (BA), razão pela qual pedi demissão do cargo. Não podia compactuar com uma ação daquelas.

Quanto à Funai, nesses últimos 20 anos, ela foi sendo deteriorada do ponto de vista da ação possível. Até 2016, mais ou menos, embora estivesse fraca, ela ainda tinha dinheiro, funcionários e, portanto, ação. Mas de quatro anos para cá ela foi perdendo tudo isso. Foram muitas aposentadorias sem reposição de quadro funcional e uma deterioração da política significativa. Um exemplo é a proteção dos povos indígenas chamados “isolados”, que demandam somente uma aproximação muito distante. Essa é uma política correta e que não custa muito. Mas nos últimos anos, e principalmente nos primeiros dois anos de gestão [Jair] Bolsonaro, essa política foi rompida. Trata-se de uma política desastrosa, mortal. O correto é proteger as áreas de povos isolados e não deixar ninguém entrar.

A diferença, então, é que houve uma piora funcional e política. A Funai deixou de ser uma intermediária entre governo e povos indígenas para ela mesma ser contrária a essa população. O governo atual incentiva o ingresso em terras indígenas, a ocupação ilegal de terras, e a Funai não faz nada. E não adianta os indígenas correrem para a Funai porque a Funai “corre com eles”.

No fim de agosto, o presidente Bolsonaro afirmou em uma live que há “índios evoluídos” no Brasil, que poderiam ter “mais liberdade sobre sua terra”…

Não posso atribuir isso à ignorância porque o nome disso é racismo. Essa fala é racista e genocida. É uma postura inimiga dos indígenas, porque ele acha que os povos indígenas atrapalham. Quando ele diz que os indígenas devem ter mais liberdade, eu concordo plenamente, mas qual é a liberdade que os indígenas querem? Que ninguém entre em suas terras, que a natureza não seja destruída, que não tenha garimpeiro, madeireiro por lá. Os povos indígenas têm pouca força para usufruir dessa liberdade e quem tem que garanti-la é exatamente o Estado brasileiro. O Estado precisa ouvir os indígenas. Os ianomâmis [grupo que vive na floresta amazônica, na fronteira entre Venezuela e Brasil], por exemplo, eu sei o que vão responder: tirem os garimpeiros das nossas terras.

Os indígenas querem liberdade, mas não para trazer gente branca para a terra deles, e sim para impedir que haja exploração. E o que o presidente quer dizer é que as terras indígenas devem ser mais livres para quem quiser invadir.

Um relatório divulgado recentemente pelo Conselho Indigenista Missionário (Cimi), vinculado à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), apontou que no primeiro ano de governo Bolsonaro (2019) as invasões em terras indígenas cresceram 135%. É exagero dizer que o atual governo está falhando na proteção aos povos indígenas?

“Falha” é uma palavra gentil. O governo não está falhando, está intencionalmente tentando destruir os povos indígenas. E isso é genocídio.

Até o momento foram registrados 36 mil casos de contaminação pela Covid-19 entre indígenas, segundo dados da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib). O senhor acredita que o estabelecimento de barreiras sanitárias em terras indígenas por parte do Governo Federal, previsto emMedida Provisória publicada no último dia 1°, ajudará, de forma efetiva, a conter esse cenário? Além disso, o governo não demorou muito para tomar ações a respeito? A pandemia começou em março.

Essa demora foi intencional. Essas barreiras sanitárias eram muito fáceis de terem sido feitas há seis meses. Alguns povos, inclusive, fizeram barreiras por conta própria, mas mesmo assim teve missionário que quis entrar [nas terras], pessoas do governo, gente para entregar remédio. Há uma tensão muito grande em relação ao coronavírus e os povos indígenas.

Somente em setembro, mais de uma centena de focos de incêndio avançaram sobre terras indígenas na região do Pantanal. Em agosto, foram 200 focos. Ainda que queimadas sejam esperadas para a região nesta época do ano, os números não são altos demais? Qual é o papel do Poder Público para proteger as terras indígenas?

O grande drama que vive o Pantanal, assim como o Cerrado e a Amazônia, é o desmatamento irregular. Sempre que acontece um episódio como esses incêndios temos que nos perguntar: alguém leva vantagem nisso? O incêndio é bom para alguém?

Nesses três biomas, há quem leve vantagem com os incêndios, que é quem quer ocupar terra, que são pessoas que não são de lá. Não são os indígenas, não são os povos tradicionais, os quilombolas. Agora, para quem quer expandir suas terras, o incêndio é bom. Lembro também do Cerrado porque é uma região da qual se fala menos, mas que está sendo duramente castigada pela abertura e derrubada da vegetação nativa para dar lugar a grandes monoculturas.

Podemos então dizer que hoje a demarcação das terras indígenas se transformou em um processo político e não técnico?

A resposta é sim, apesar de que o caráter político sempre esteve presente. Os indígenas têm garantido na Constituição Federal direito à terra que ocupam. Eles têm esse direito com ou sem demarcação. A demarcação é uma providência que a Constituição determinou ao Estado brasileiro para que haja melhor proteção da terra. A ideia, portanto, não é definir qual deve ser essa terra, mas dar proteção à terra que já é do povo. Só que as forças contrárias aos povos indígenas sabem que, uma vez demarcada, é mais difícil invadir a terra, matar índio, tocar fogo. Assim, politicamente, serão contra a demarcação. Essa ação contrária aos povos indígenas é uma ação política, e acaba transformando a demarcação em um ato político.

Já no governo [Michel] Temer, mas com mais força a partir do governo Bolsonaro, veio uma vontade política muito forte de não demarcar. Mais ainda: tentar reverter as demarcações já feiras. E aqui esse adendo vale tanto para as terras indígenas como para os quilombolas. Antes de ser eleito, inclusive, o presidente Bolsonaro declarou que não iria demarcar nenhum centímetro a mais de terra indígena.

Para o senhor, quais são as principais diferenças entre o modo como o governo Bolsonaro trata a questão indígena em relação a governos anteriores? Os governos do Partido dos Trabalhadores (PT), por exemplo, receberam muitas críticas no sentido de que deveriam ter demarcado mais terras.

O governo Bolsonaro recebe críticas em tantas áreas – desenvolvimento, direitos humanos, etc – que a questão indígena é “só” mais uma coisa. No governo do PT houve fortes críticas à política ambiental, mas eram sempre críticas localizadas. A questão de [usina hidrelétrica de] Belo Monte, por exemplo, do rio Xingu, da Usina Hidrelétrica de Jirau. Eram ações específicas. Agora, no governo Bolsonaro, a política ambiental não existe, é de destruição. Até o ministro [do Meio Ambiente, Ricardo Salles] diz que quer destruir, então não tem ninguém no governo que diga que é a favor do meio ambiente. Nos outros governos ao menos tinha alguém para defender. Nesse sentido, as críticas ambientais acabam diluídas em meio a uma crítica maior e mais geral.

Costuma-se contrapor o direito dos povos indígenas ao desenvolvimento nacional. Essa contraposição já não seria, por si só, contraditória?

Dizer que a proteção aos povos indígenas é contrária ao desenvolvimento nacional é uma mentira. Não podemos admitir um desenvolvimento nacional com destruição da natureza, e as terras indígenas preservam a natureza. Quem é contrário a isso está ultrapassado. Uma das maiores preocupações mundiais é a alimentação. Mas a falta de comida significa que temos que invadir terras indígenas? Elas não são o lugar para produzir comida. É preciso pensar em desenvolvimento atrelado à preservação da natureza. Destruir as terras indígenas vai piorar a condição da água, gerando reflexos em todo o país. Dependemos da Amazônia, da Mata Atlântica. Tudo o que for destruidor da natureza prejudica o nosso desenvolvimento. Não se trata, portanto, de mera contradição, mas de uma mentira.

Meio Ambiente. Derretimento recorde: a Groenlândia perdeu 586 bilhões de toneladas de gelo em 2019

Depois de dois anos, quando o derretimento do gelo no verão foi mínimo, o verão passado quebrou todos os recordes, de acordo com medições de satélite relatadas em um estudo na quinta-feira.

Grandes icebergs flutuam enquanto o sol nasce perto de Kulusuk, Groenlândia, em 16 de agosto de 2019. Arquivo Felipe Dana / AP

A Groenlândia perdeu uma quantidade recorde de gelo durante o aquecimento extra de 2019, com o derretimento maciço o suficiente para cobrir a Califórnia em mais de 1,25 metros de profundidade, segundo um novo estudo.

Depois de dois anos, quando o derretimento do gelo no verão foi mínimo, o verão passado quebrou todos os recordes com 586 bilhões de toneladas (532 bilhões de toneladas) de derretimento de gelo, de acordo com medições de satélite relatadas em um estudo na quinta-feira. Isso é mais de 140 trilhões de galões (532 trilhões de litros) de água.

Isso é muito mais do que a perda média anual de 259 bilhões de toneladas (235 bilhões de toneladas métricas) desde 2003 e supera facilmente o antigo recorde de 511 bilhões de toneladas (464 bilhões de toneladas métricas) em 2012, disse um estudo na Communications Earth & Environment. O estudo mostrou que, no século 20, houve muitos anos em que a Groenlândia ganhou gelo.

“Não apenas a camada de gelo da Groenlândia está derretendo, mas está derretendo em um ritmo cada vez mais rápido”, disse o autor principal do estudo Ingo Sasgen, geocientista do Instituto Alfred Wegener, na Alemanha.

O derretimento da Groenlândia no ano passado adicionou 0,06 polegadas (1,5 milímetros) a aumento global do nível do mar. Isso soa como uma quantidade minúscula, mas “em nosso mundo é enorme, isso é surpreendente”, disse o co-autor do estudo Alex Gardner, um cientista de gelo da NASA. Adicione mais água do derretimento em outras camadas de gelo e geleiras, junto com um oceano que se expande à medida que se aquece – e isso se traduz em aumento lento do nível do mar, inundações costeiras e outros problemas, disse ele.

Enquanto os registros gerais de derretimento do gelo na Groenlândia remontam a 1948, os cientistas desde 2003 têm registros precisos sobre a quantidade de gelo derretido porque os satélites da NASA medem a gravidade das camadas de gelo. Isso é o equivalente a colocar o gelo em uma balança e pesá-lo enquanto a água flui, disse Gardner.

Tão massivo quanto o derretimento foi no ano passado, os dois anos anteriores foram em média apenas cerca de 108 bilhões de toneladas (98 bilhões de toneladas métricas). Isso mostra que há um segundo fator chamado bloqueio da Groenlândia, que sobrecarrega ou amortece o degelo relacionado ao clima, disse Gardner.Poluição,Meio Ambiente,Blog do Mesquita 01

Ilhas de calor urbano não são um acidente

Um novo estudo vincula a política racista de habitação à exposição desigual ao calor extremo.

Robert Bullard estuda justiça ambiental desde a década de 1970. De fato, ele inventou. O “pai da justiça ambiental” inaugurou o campo com seu livro de 1990, Dumping in Dixie. E a mensagem dele é simples: “Eles são todos do mesmo mapa”.

Os mapas, é claro, mostram a distribuição geográfica da raça, copa das árvores e indicadores de saúde nas cidades dos EUA. Muitas pesquisas nas últimas quatro décadas revelaram que os riscos ambientais e a falta de acesso ao espaço verde afetam principalmente as comunidades de cor de baixa renda. À medida que as mudanças climáticas tornam as cidades mais quentes, os bairros de baixa renda podem ficar até 13 ° F mais quentes do que seus colegas mais ricos e brancos, com consequências mortais, de acordo com um estudo recente da revista Climate.

O artigo é o primeiro a vincular explicitamente uma política governamental racista à exposição desigual ao calor extremo. Noventa e quatro por cento das cidades incluídas no estudo exibiram temperaturas mais altas da superfície terrestre em áreas anteriormente “redline” em comparação com áreas não redline e com a média da cidade.

Redlining era uma política federal de habitação na década de 1930 que desviou fundos de bairros de baixa renda e atraía grandes projetos de infraestrutura, como estradas e aterros sanitários, para essas mesmas áreas. A Corporação de Empregados Domésticos (HOLC) refinanciava as hipotecas e distribuía empréstimos de acordo com mapas codificados por cores de 239 cidades que classificavam os bairros entre A e D. Os bairros com pontuação A eram os “melhores”, B eram “ainda desejáveis”, C eram ” definitivamente em declínio “e D eram” perigosos “. A política induziu o desinvestimento sistêmico em áreas consideradas “em declínio” e “perigosas”.

Redlining foi proibido no Fair Housing Act de 1968, mas seu legado permanece escrito na paisagem. “Seus tentáculos estão por toda parte”, diz Cate Mingoya, diretora de capacitação da Groundwork USA, que educa e mobiliza as comunidades sobre a resiliência climática.

O estudo Climate realizou uma análise GIS de 108 áreas urbanas usando mapas HOLC digitalizados e dados de temperatura da superfície terrestre do US Geological Survey. Ele descobriu que Portland, Oregon e Denver, Colorado, tinham as maiores diferenças de temperatura entre os bairros classificados como A e D, enquanto os bairros anteriormente redline em Chattanooga, Tennessee e Baltimore, Maryland, eram os mais quentes em relação à média da cidade. Em todo o país, os bairros com classificação D eram, em média, 2,6 ° C mais quentes que os bairros com classificação A.

As ondas de calor exacerbadas pelas mudanças climáticas abafam essas ilhas de calor urbanas, matando mais pessoas a cada ano do que qualquer outro desastre natural. Muitas mortes ocorrem à noite, uma vez que o corpo não pode termorregular durante o sono REM. As pessoas simplesmente não acordam.

A investigação revela tendências em escala macro. Vivek Shandas, professor de estudos e planejamento urbanos da Universidade Estadual de Portland e um dos co-autores do estudo, está liderando um esforço de ciência cidadã em mais de uma dúzia de cidades para explicar diferenças de temperatura e uso de terra mais específicas, bloco a bloco. Jeremy Hoffman, cientista-chefe do Museu de Ciência da Virgínia e outro co-autor, diz que está ansioso pelos resultados dessa abordagem mais granular, pois pode apontar soluções específicas para a comunidade. “Se queremos entender coisas relacionadas aos impactos das ondas de calor na saúde, como a qualidade do ar nessas áreas, precisamos. . . descrições mais detalhadas do uso da terra nessas áreas ”, diz ele.

O resfriamento de ilhas de calor urbano pode ser um desafio. Para alívio imediato, algumas cidades abrem centros de refrigeração em igrejas ou prédios municipais. Mas Shandas diz que os centros de refrigeração coletam muitas informações pessoais dos visitantes, o que impede algumas pessoas que têm medo de repercussões na imigração. Além disso, jogar mais ar condicionado no calor consome apenas mais energia, o que exacerba o problema climático que o tornou tão quente em primeiro lugar.

A médio prazo, existem muitas maneiras de tornar os bairros mais resilientes ao calor. Especialistas dizem que as soluções devem ser personalizadas por cidade. O plantio de árvores, telhados verdes e a redução da abundância de superfícies impermeáveis, como estradas, são algumas das estratégias mais conhecidas. Além disso, os arranha-céus podem criar “desfiladeiros urbanos” que proporcionam sombra, e a variação das alturas dos edifícios pode permitir que o ar se mova pela cidade. Mas Shandas fica frustrado quando as pessoas dizem: “Oh, apenas plante uma árvore”. Ele está procurando estratégias mais robustas que reflitam as visões de longo prazo dos cidadãos para suas comunidades.

O mesmo acontece com Mingoya, da Groundwork USA, cuja parceria de bairros seguros para o clima envolve comunidades em cinco cidades em um processo de aproximadamente três etapas. A primeira é a educação, para ajudar os moradores a entender que seus bairros não parecem assim por acidente. Os jovens locais de Richmond, Virgínia, vão de porta em porta com mapas da cidade impressos em papel transparente: um mapa de linhas redondas, um mapa de calor, um mapa de copa de árvores e um mapa impermeável da calçada. Eles convidam os residentes a sobrepor as transparências.

Himalaia está quente; nepaleses lutam para sobreviver

Afastados de sua vila por uma seca e falta de comida, um grupo de nepaleses está lutando para ampliar as vozes daqueles que são forçados a se mudar pelo aquecimento do planeta.

A maioria das famílias da aldeia de Dhye, no Himalaia, deixou os últimos anos, porque a terra ficou seca.
No alto do Himalaia, em um planalto acidentado pontilhado de cabanas de barro vazias, começou um êxodo.

Na aldeia de Dhye, as plantações são caules grossos e mortos. A água é escassa. A única escola foi fechada há alguns anos atrás. Com a comida minguante, a maioria das famílias empacotou seus pertences e foi embora, expulsa por um inimigo artificial e sem rosto.

São os migrantes das mudanças climáticas do Nepal, e haverá mais.

“Eu amo esta vila”, disse Sonam Chhiring Gurung, 76, um dos pontos finais, “mas não posso sobreviver aqui por muito mais tempo”.

A mudança climática está refazendo a região do Himalaia, colocando em risco milhões de sul-asiáticos que dependem de seus recursos hídricos e forçando os habitantes das montanhas no norte do Nepal, lar dos picos mais altos do mundo, a construir novos assentamentos em altitudes mais baixas.

O derretimento glacial acelerou no Himalaia, com 1.500 milhas de extensão. A terra usada para o cultivo de vegetais tornou-se estéril. Os pastores de iaques dizem que estão lutando para encontrar pastagens para seus animais. Os cientistas descobriram que o aumento da temperatura pode espalhar a malária e a dengue em novas áreas do Himalaia, onde os mosquitos começaram a aparecer nas terras altas.Sonam Chhiring Gurung, 76, é um dos poucos residentes de Dhye agora. “Eu amo esta vila, mas não posso sobreviver aqui por muito mais tempo”, disse ele.

Em todo o mundo, dezenas de milhões de pessoas já foram deslocadas como resultado de um planeta em aquecimento. Os pesquisadores estimam que o número de migrantes que sofrem mudanças climáticas – aqueles que fogem de desastres naturais, secas ou outras calamidades – pode chegar a um bilhão até o final do século.

Os asiáticos do sul estão entre os mais vulneráveis. No ano passado, após uma monção incomumente fraca, a água quase acabou em Chennai, uma das maiores cidades da Índia. No Bangladesh, até 18 milhões de pessoas enfrentam deslocamento até 2050 apenas do aumento do mar, segundo a Environmental Justice Foundation. O calor extremo está tornando as pessoas mais doentes e mais pobres e pode diminuir drasticamente os padrões de vida de 800 milhões de pessoas na região, se as metas para mitigar as mudanças climáticas não forem cumpridas.

O Himalaia mais quente pode ter consequências desastrosas para o subcontinente.

No ano passado, em um dos estudos mais completos sobre aquecimento de montanhas, os cientistas alertaram que, mesmo que as metas mais ambiciosas de mudanças climáticas do mundo fossem cumpridas, pelo menos um terço das geleiras do Himalaia derreteria até o final do século.

Se o aquecimento global e as emissões de gases de efeito estufa continuarem nas taxas atuais, a região poderá perder dois terços de suas geleiras até 2100, de acordo com o relatório, Hindu Kush Himalaya Assessment.

“A longo prazo, os impactos serão profundos para centenas de milhões de pessoas nas planícies”, disse David Molden, diretor geral do Centro Internacional para o Desenvolvimento Integrado das Montanhas em Katmandu. “Se sobrepormos mudanças significativas nos padrões de fluxo de chuva e rio, será uma bagunça para as pessoas, dependendo dos grandes rios da Ásia para irrigação e água potável”.Coleta de água da lagoa em Dhye no mês passado, onde os suprimentos são cada vez mais escassos. Como o sustento de tantas pessoas depende da agricultura, a falta de água parece um problema insolúvel.

Em um país onde quase 70% das pessoas trabalham na agricultura, uma aceleração em condições climáticas extremas pode “reverter e minar décadas de ganhos em desenvolvimento e potencialmente minar todos os nossos esforços para erradicar a pobreza”, disse Ayshanie Medagangoda-Labé, representante do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. para o Nepal.

“O Nepal é o marco zero para os impactos das mudanças climáticas”, disse ela. “Como um país com um dos ecossistemas mais frágeis – o Himalaia – e uma economia fortemente dependente de condições climáticas favoráveis, o Nepal é provavelmente um dos mais expostos.”

Vislumbres de um futuro mais quente estão por toda parte.

Em 2016, o exército do Nepal drenou um lago perto do Monte Everest depois que o rápido derretimento glacial ameaçou causar uma inundação catastrófica rio abaixo. Um estudo divulgado no ano passado descobriu que o tamanho das lagoas no topo das geleiras da região – que podem sinalizar derretimento e aceleração – aumentou rapidamente nos últimos três anos, superando em muito a taxa de mudança da primeira década e meia dos anos 2000.New York Times

O número de migrantes de mudanças climáticas no Himalaia do Nepal é desconhecido, embora as autoridades locais nas cidades montanhosas calculem que seja na casa dos milhares. Min Bahadur Shahi, membro da comissão do governo para o trabalho de desenvolvimento, disse que as autoridades planejam rastrear o impacto do aquecimento pela primeira vez através das próximas perguntas do censo.

“Nossa primeira prioridade deve ser ajudar os deslocados da crise climática”, afirmou ele.

Veja o caso de Dhye, na remota região de Mustang do Nepal, cerca de 12.000 pés acima do nível do mar.

Mais de uma década atrás, as famílias da vila se reuniram para uma reunião para refletir sobre uma pergunta pesada: elas deveriam ficar?As pessoas que deixaram Dhye reassentaram quase um quilômetro abaixo, perto de um riacho que ainda estava fluindo.

Eles olhavam a paisagem, uma extensão marrom e desidratada que mal conseguia mais sustentar a cevada. Eles pesaram a degradação do solo, as chuvas erráticas e os temores da fome contra séculos de história – as cabanas que construíram com as mãos, os bolsões de terra onde os pais enterraram o cordão umbilical de cada recém-nascido.

No final da reunião, 17 de 26 famílias, cerca de 90 pessoas, juraram sair.

“Não pude ficar”, disse Tsering Lamke Gurung, 54, líder de uma vila e pai de oito filhos, dos quais quatro morreram. “Meus filhos e eu não fomos capazes de sobreviver da quebra de safra.”

Os desistentes saíram de Dhye em grupos nos últimos anos. Amarraram trouxas de comida e roupas às costas e caminharam quase um quilômetro até as margens de um riacho que ainda flui. Eles chamaram sua nova comunidade de Dhye Khola, um nome local para o corpo d’água.

O que o mundo perderia com a extinção das abelhas

Philip Donkersley estuda insetos para ganhar a vida, e as abelhas são favoritos.

Eles são os animais mais carismáticos e amigáveis ​​que você provavelmente verá por aí.

Infelizmente, suas chances de ver um zangão na Europa e na América do Norte caíram um terço desde 1970, segundo uma nova pesquisa.

Em toda a Europa, temos 68 espécies de abelhas, mas o aumento da temperatura global e o clima imprevisível obrigaram alguns a abandonar as regiões sul. Como resultado, aproximadamente metade dessas espécies estão em declínio, com 16 já ameaçadas.

Muitas dessas espécies são encontradas em apenas alguns lugares, como Bombus hyperboreus, que vive apenas na tundra escandinava. À medida que o clima muda, essas abelhas ficam sem ter para onde ir e podem morrer completamente.

Suas peles grossas e felpudas e o ferrão alto diferenciam essas abelhas de outros insetos, e são uma visão familiar em grande parte do mundo. Existem até abelhas tropicais que podem ser encontradas na floresta amazônica. Mas como seria um mundo sem eles?Bombus hyperboreus é listado como ‘Vulnerável’ pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). Crédito: Smithsonian Institution / Wikimedia Commons, CC BY-SA

Polinizadores especializados

Mais de três quartos das culturas do mundo se beneficiam da polinização por insetos, avaliada em US $ 235-577 bilhões anualmente. Das 124 culturas básicas cultivadas para consumo humano, 70% dependem da polinização por insetos. Embora a situação das abelhas tenda a chamar mais atenção, pesquisas recentes sugerem que as abelhas são polinizadores muito mais eficientes.

Os zangões são maiores e mais peludos e, portanto, podem transportar mais pólen. Eles também  podem transferir o pólen de maneira mais eficaz para fertilizar as plantas. Eles se comportam de maneira diferente em torno das flores, movendo-se metodicamente para cobrir cada flor em um trecho, enquanto as abelhas tendem a se mover aleatoriamente entre as flores em um trecho.

Os zangões também são mais duros que as abelhas e continuão a polinizar sob ventos fortes ou chuva. Ainda poderíamos cultivar alimentos sem abelhas, mas podemos nos esforçar para conseguir o suficiente e nossa dieta não seria tão diversa.

Os zangões são mestres da “polinização por zumbido”. Eles podem vibrar em uma frequência particularmente alta (até 400Hz) perto das flores, para liberar o pólen que é difícil de alcançar. Os abelhões estão entre uma pequena minoria de insetos polinizadores que podem fazer isso, e tomates, batatas e mirtilos dependem dele para se reproduzir.

A vida interior dos zangões

Como as abelhas, as bumbles são criaturas sociais e vivem em colméias. Eles são governados por uma rainha solteira que é sustentada por suas filhas (as trabalhadoras) e alguns filhos (zangões).

Embora as abelhas normalmente formem colmeias de cerca de 30.000 indivíduos, que podem ser quase tão grandes quanto uma pessoa, os zangões vivem muito mais modestamente. Suas colméias hospedam cerca de 100 abelhas e são pequenas o suficiente para caber em um vaso.

À medida que as temperaturas aumentam no início da primavera, as enormes rainhas que hibernaram no subsolo durante o inverno acordam e procuram néctar e pólen, e um local de nidificação adequado para o ano. Eles não são exigentes – cavidades de árvores, caixas de pássaros e o espaço sob os galpões de jardim servem.A abelha-comum (Bombus pascuorum) forma um ninho acima do solo na grama e no musgo. Crédito: Panoramedia / Wikimedia Commons, CC BY-SA

As operárias guardam o ninho e a forragem da rainha, que põe ovos no final do verão para drones masculinos e novas rainhas. Ambos saem para acasalar com abelhas de outras colméias, enquanto novas rainhas se alimentam de pólen e néctar, armazenando a energia como gordura dentro de seus corpos, para que possam hibernar durante o inverno e emergir na primavera, para iniciar o ciclo novamente. Enquanto isso, os trabalhadores e os drones morrem a cada inverno.

Nem todas as abelhas vivem em colmeias e produzem mel. A abelha cuco, por exemplo, pertence à família das abelhas, mas é uma espécie de ovelha negra. Os cucos se disfarçam de outras espécies de abelhas, escondem seus ovos nas colméias e permitem que os anfitriões que trabalham duro criem e cuidem deles. Tão bem disfarçados são esses parasitas que até os entomologistas lutam para identificá-los na natureza.

Embora as abelhas sejam generalistas e se alimentem de tudo o que possam encontrar, os abelhões tendem a ter uma dieta altamente especializada, e as flores desenvolveram relações estreitas com determinadas espécies. Plantas como trevo vermelho têm longos e complexos tubos de flores que apenas espécies de língua longa como Bombus hortorum podem alcançar. Em sistemas altamente especializados como esse, a perda da planta ou do polinizador pode levar à perda da outra, causando uma cascata de extinções.

Primavera Silenciosa?

A mudança climática não é a única ameaça aos abelhões. Mudanças na maneira como a terra é usada – mais agricultura rica em pesticidas, menos pastagens selvagens – significam menos forragem. Isso causou declínios maciços, mesmo recentemente. O humilde bumble de Cullum (Bombus cullumanus) caiu 80% em todo o mundo desde 2010

Mas as abelhas selvagens são resistentes e respondem mais rapidamente às melhorias em seu habitat, como as tiras de flores silvestres, do que as abelhas. No Reino Unido, o zangão de pelos curtos (Bombus subterraneus) foi declarado extinto em 2000, mas a colaboração entre o RSPB e o Bumblebee Conservation Trust ajudou a reintroduzir a espécie em locais no sul da Inglaterra, perto de Dungeness e Romney Marsh.

Gás metano no Ártico?

Quão significativa é a descoberta de 2 milhões de focos de metano no Ártico que a NASA fez?

O derretimento do permafrost está liberando metano em áreas árticas.
Embora já se saiba que o derretimento da camada de solo congelado do Ártico está causando a liberação de metano e outros gases de efeito estufa, o problema ainda não foi dimensionado adequadamente.

A NASA, no entanto, relatou identificar pelo menos dois milhões de “pontos críticos” de emissão de metano em apenas 30.000 quilômetros quadrados de permafrost no Ártico.

As descobertas mais recentes da instituição mais conhecida por sua exploração espacial, apresentadas recentemente em um artigo publicado na revista Geophysical Research Letters, também podem ajudar a entender melhor o processo de liberação de gás naquela área do planeta.

E isso, por sua vez, também ajudará a estimar melhor as emissões de metano no Ártico.

A contribuição da NASA é mais que bem-vinda porque, como Esprit Smith, da equipe de imprensa da organização, explica, o Ártico se estende por milhões de quilômetros quadrados, muitos deles inacessíveis aos seres humanos.
As medições de metano feitas no nível do solo cobrem apenas uma parte mínima do Ártico. Getty Imagens

“Essa inacessibilidade limitou a maioria das observações no solo a locais com infraestrutura existente, uma pequena fração do vasto e variado terreno do Ártico”, lembrou Smith.

“Embora as observações por satélite não sejam detalhadas o suficiente para os cientistas identificarem padrões-chave e influências ambientais de pequena escala nas concentrações de metano”.

Foi isso que fez os cientistas do Experimento de Vulnerabilidade Boreal no Ártico da NASA (ACIMA) tentarem encontrar uma maneira de preencher essa lacuna.

Para fazer isso, em 2017 eles usaram aviões equipados com a nova geração do Espectrômetro de Imagem por Infravermelho Visível no Ar (AVIRIS – NG), um instrumento altamente especializado, para sobrevoar um pedaço da paisagem do Ártico.

E foi o AVIRIS – NG que permitiu a identificação dos dois milhões de pontos críticos de emissão de metano.

“Consideramos pontos críticos aquelas áreas que excedem 3.000 partes por milhão”, disse Clayton Elder, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, em Pasadena, Califórnia, responsável pela operação.

40 metros
Os dados coletados também permitiram que Elder e sua equipe identificassem um padrão: em média, os pontos críticos do metano estavam concentrados principalmente em aproximadamente 40 metros de corpos d’água, como lagos e córregos.

O efeito dominó que pode transformar a Terra em uma estufa irreversivelmente.

Após a marca de 40 metros, a presença de pontos quentes tornou-se gradualmente mais escassa.

E a cerca de 300 metros da fonte de água eles caíram quase completamente.

Lagos Thermokarst formados pelo derretimento do permafrost no Alasca.

Segundo a NASA, Elder e sua equipe ainda não sabem ao certo por que 40 metros é o “número mágico”, mas os estudos adicionais que eles realizaram no terreno dão uma idéia.

“Após dois anos de estudos de campo que começaram em 2018 em um lago do Alasca com um ponto de metano, descobrimos um degelo abrupto de permafrost logo abaixo do ponto de acesso”, explicou Elder.

“É essa contribuição adicional do carbono do permafrost – carbono que está congelado há milhares de anos – que dá aos micróbios comida para mastigar e converter em metano à medida que o permafrost continua a degelar”, afirmou ele.O derretimento do permafrost tem tido conseqüências inesperadas.

O AVIRIS-NG já havia sido usado anteriormente para ajudar a medir as emissões de metano causadas por seres humanos em áreas povoadas, mas é a primeira vez que o instrumento é usado para encontrar pontos críticos em áreas anteriormente inexploradas.

Os cientistas estão apenas arranhando a superfície do que é possível com os novos dados, mas suas primeiras observações são valiosas.

“Ser capaz de identificar as causas prováveis ​​da distribuição de pontos críticos de metano, por exemplo, os ajudará a calcular com mais precisão as emissões desse gás de efeito estufa nas áreas que não pudemos observar”, afirmou Simth.

“E esse novo conhecimento melhorará os padrões da dinâmica do metano no Ártico e, com isso, nossa capacidade de prever o impacto da região no clima global e os impactos das mudanças climáticas globais no Ártico”, concluiu.

A Guerra que as Espécies Humanas não Podem Perder

“Até 2035, o ponto sem retorno poderá ser ultrapassado”, escreveu Matthew Burrows, ex-diretor do Conselho Nacional de Inteligência, em um relatório no ano passado sobre riscos globais nos próximos quinze anos. Esse é o ponto após o qual impedir que a temperatura da Terra suba dois graus Celsius – ou 3,6 graus Fahrenheit – será extremamente difícil, se não impossível.

O gelo na Antártida está derretendo seis vezes mais rápido do que quarenta anos atrás, resultando em mais partos de icebergs – com riscos existenciais.

O iceberg que afundou o Titanic no Atlântico, em 1912, foi considerado um mero “pedaço de energia”, ou um pedaço menor de gelo flutuante; derreteu dentro de alguns anos. Os que vimos na Antártida eram enormes.

A Antártida é geralmente um continente poderosamente silencioso, exceto pelos ventos fortes ou pelas ondas no litoral.

“Os seres humanos serão apenas um pontinho no espaço da história da Terra”, disse Wayne Ranney, naturalista e geólogo. A única questão é quanto tempo o blip será.”

Na semana passada, a temperatura na Antártica atingiu quase setenta graus – a mais quente da história. Não foi por acaso de um dia. Famoso por suas paisagens de neve, o continente mais frio, selvagem, ventoso, mais alto e mais misterioso da Terra tem experimentado uma onda de calor. Alguns dias antes, uma estação meteorológica antártica registrou temperaturas em meados dos anos sessenta. Estava mais frio em Washington, DC. Imagens do norte da Antártica capturavam vastas faixas de terreno marrom estéril, desprovido de gelo e com apenas pequenos trechos de neve em forma de poça.

O problema não é se um novo recorde foi estabelecido: “é a tendência de longo prazo que torna mais provável a ocorrência desses registros com mais frequência”, John Nielsen-Gammon, diretor do Centro de Estudos Climáticos do Texas no Texas A. & M Universidade, disse esta semana. “É como uma floresta em que as árvores crescem constantemente e as árvores morrem, mas se elas começarem a morrer mais rápido do que podem voltar a crescer, você acabará perdendo a floresta”. “O mesmo se aplica às geleiras. As geleiras fluem para o oceano e se rompem, mas se elas se quebram mais rapidamente, a geleira recua e você perde gelo – e então o nível do mar sobe ao redor do mundo.”

O iceberg que sai da Antártica faz parte de um processo chamado parto. É normal e é uma etapa necessária no ciclo da natureza, exceto que agora está acontecendo muito mais rápido e em partes maiores – com riscos existenciais. Agora, o gelo na Antártica está derretendo seis vezes mais rápido do que há quarenta anos, afirma Eric Rignot, cientista da Terra na Universidade da Califórnia, Irvine, e co-autor de um grande estudo sobre a saúde do gelo no continente.

À medida que o clima esquenta, quanto e com que rapidez as geleiras da Terra derreterão?

Neste mês, um iceberg medindo mais de 160 quilômetros quadrados – o tamanho da ilha mediterrânea de Malta ou o dobro do tamanho de Washington, DC – interrompeu a geleira Pine Island (carinhosamente conhecida como porco, abreviada) na Antártida Ocidental. Em seguida, dividiu-se em pequenos “leitões”, de acordo com a Agência Espacial Européia, que os rastreava por satélite. O maior leitão tinha quase quarenta quilômetros quadrados.

O continente congelado é dividido em Antártica Ocidental e Antártica Oriental. (O Pólo Sul fica na Antártida Oriental.) A maior parte do derretimento e grande parte dos grandes partos aconteceu no oeste e ao longo de sua península de oitocentas milhas. Mas, em setembro, um iceberg de mais de seiscentos quilômetros quadrados – ou vinte e sete vezes o tamanho de Manhattan – partiu da plataforma de gelo Amery, na Antártida Oriental.

Dois outros grandes icebergs estão sendo rastreados à medida que suas fendas se tornam visíveis do espaço. Um é um porco no oeste, o outro está se formando na plataforma de gelo Brunt, no leste.