As raízes germânicas de Donald Trump

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Apesar de negar sua descendência alemã Donald Trump herdou uma das características dos habitantes da cidade natal do seu avô na Alemanha: a fanfarronice.

As raízes germânicas de Donald Trump
Trump é descendente de imigrantes alemães que chegaram nos Estados Unidos (Foto: Flickr)
Muitos ingredientes contribuíram para a formação da personalidade de Donald Trump. Um deles, apesar de subestimado, é a origem alemã de sua família.
Trump é descendente de imigrantes alemães que chegaram nos Estados Unidos sem dinheiro e logo foram bem-sucedidos com muito trabalho, compromisso com a verdade, oportunismo, estratégias de negócios espertas e um grande senso de lealdade familiar.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]
Fred Trump, pai de Donald, deu uma educação rígida aos seus cinco filhos, e aconselhou aos três filhos homens que fossem “assassinos”.

O pai de Fred Trump, Friedrich Trump, nasceu em Kallstadt, um vilarejo no estado da Renânia-Palatinado, um lugar conhecido pelos vinhos e pela especialidade local do estômago de porco recheado, e imigrou para os Estados Unidos em 1885 aos 16 anos.

Depois de trabalhar alguns anos como barbeiro em Nova York, Friedrich Trump abriu um restaurante em uma cidade da região de mineração do estado de Washington, onde os trabalhadores se alimentavam bem, bebiam bebidas alcoólicas e tinham encontros amorosos com mulheres nos quartos dos fundos do restaurante.

Depois de ganhar algum dinheiro com seu negócio, Friedrich voltou para Kallstadt e casou com Elisabeth Christ, uma jovem que morava em uma casa vizinha à da sua família, e a levou para os EUA.

Mas Elisabeth sentiu saudades de seu vilarejo natal e o casal voltou para a Alemanha. Mas as autoridades alemãs não permitiram que voltasse a morar em Kallstadt, porque segundo as leis do país, Friedrich por ser um cidadão americano não se alistara no serviço militar.

Os jovens Trump foram então obrigados a retornar para os EUA. Em 1905 o primeiro filho deles, Fred, nasceu em Nova York.

Quando Fred Trump tinha 11 anos os EUA declararam guerra aos alemães e aos seus aliados na Primeira Guerra Mundial e o sentimento de profundo antagonismo contra a comunidade alemã aumentou. Após o período de paz a hostilidade contra os alemães manifestou-se de novo na Segunda Guerra Mundial.

Friedrich morreu de gripe espanhola em 1918 aos 49 anos e depois de concluir seus estudos no ensino médio em 1923, Fred começou a trabalhar em tempo integral na área de construção civil. Logo percebeu que suas origens alemãs prejudicariam sua carreira e, então, fingiu que seus pais eram suecos, embora a mãe falasse inglês com um forte sotaque alemão e servisse apfelstrudel nas reuniões de família.

Donald era o filho predileto de Fred Trump e continuou os negócios do pai no setor de construção civil e no mercado imobiliário. Assim como o pai, achou que suas origens alemãs poderiam ser um obstáculo à obtenção de possíveis financiamentos para seus projetos.

E, fiel à história do pai, escreveu em sua autobiografia Trump: The Art of the Deal que o pai era descendente de suecos. Mas, apesar de negar suas origens, o arrogante e vaidoso Donald Trump herdou pelo menos uma das características atribuídas às pessoas nascidas em Kallstadt, apelidadas de Brulljesmacher, palavra do dialeto regional que significa fanfarrão.

Caso seja eleito presidente dos EUA, Trump não será o primeiro ocupante da Casa Branca de origem alemã. Um antepassado de Dwight Eisenhower, Hans Eisenhauer nascido em Karlsbrunn, perto da fronteira com a França, imigrou com a família para os EUA.

Os antepassados de Herbert Hoover chamavam-se Huber e eram originários de Baden-Baden no sul da Alemanha. Apesar dos poucos comentários a respeito de sua descendência alemã, nenhum dos dois inventou novas origens.

Fontes:
The Economist-Kallstadt’s king

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário