• mqt_for@hotmail.com
  • Brasil

As fontes e a liberdade de expressão

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Liberdade de Imprensa Blog do MesquitaUma pessoa com experiência em alguns dos mais importantes meios de comunicação do país propõe uma equação que conecte liberdade de expressão e maior responsabilidade na escolha de fontes jornalísticas.

Vejamos por que ela tem razão.

A liberdade de expressão está fora de discussão. A menos que se aceitem restrições à construção de uma sociedade democrática no país. Mas essa liberdade deve ser exercida de modo socialmente responsável por pessoas, instituições e empresas que têm função pública, ainda que seu regime jurídico seja privado. Por exemplo, os meios de comunicação.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Hoje, as fontes das reportagens são, na imensa maioria dos casos, governamentais. Nas três esferas – federal, estadual e municipal. E nos três poderes: Executivo, Legislativo e Judiciário.

Quando a informação não vem de uma autoridade, ou dirigente de empresa, vem de um assessor de imprensa. As mais poderosas assessorias, que têm contratos com governos, reúnem equipes experimentadas e altamente qualificadas de jornalistas.

A promiscuidade entre interesses governamentais, ou empresariais, ou de grupos de pressão, de um lado, e meios de comunicação, de outro, assumiu no Brasil dimensão alarmante. Essa é talvez uma das razões pelas quais ninguém no país percebeu o grau de insatisfação popular que vinha crescendo e explodiu nas manifestações de rua de junho e julho de 2013.

É preciso saber direitinho de que lado do balcão está cada um dos atores: jornalistas e suas fontes. Os jornalistas, idealmente, estão a serviço da sociedade. São praticamente representantes públicos não eleitos. E precisam sentir o peso dessa responsabilidade em toda a sua atividade. Das grandes coberturas até a mais despretensiosa nota.

Nove mortes esquecidas

Eis um exemplo de como a liberdade de informação precisa ser honrada com uma escolha mais criteriosa de fontes.

Os interesses de setores das polícias civis de São Paulo e Minas Gerais foram inteiramente atendidos no noticiário sobre as mortes de nove pessoas após assalto a banco em Itamonte (MG), no final de fevereiro. A história oficial é que 80 policiais fizeram um cerco aos assaltantes e mataram nove deles.

Um dia depois, constatou-se que um dos fuzilados pela polícia não era bandido, era um professor que havia sido feito refém pelos assaltantes. E nunca mais se falou no assunto.
Por Mauro Malin/Observatório da Imprensa

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e "designer". Bacharel em administração e bacharel em Direito. Pós-graduado em Direito Constitucional. Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Criador e primeiro curador do Prêmio CDL de Artes Plásticas da Câmara de Dirigentes Lojista de Fortaleza e do Parque das Esculturas em Fortaleza. Foi membro da comissão de seleção e premiação do Salão Norman Rockwell de Desenho e Gravura do Ibeu Art Gallery em Fortaleza, membro da comissão de seleção e premiação do Salão Zé Pinto de Esculturas da Fundação Cultural de Fortaleza, membro da comissão e seleção do Salão de Abril em Fortaleza. É verbete no Dicionário Brasileiro de Artes Plásticas e no Dicionário Oboé de Artes Plásticas do Ceará. Possui obras em coleções particulares e espaços públicos no Brasil e no exterior. É diretor de criação da Creativemida, empresa cearense desenvolvedora de portais para a internet e computação gráfica multimídia. Foi piloto comercial, diretor técnico e instrutor de vôo do Aero Clube do Ceará. É membro da National American Photoshop Professional Association, Usa. É membro honorário da Academia Fortalezense de Letras.

Gostou? Deixe um comentário

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me