Artur da Távola – Soneto inascido

O poema viceja no oculto


Soneto inascido
Artur da TávolaAbstração,Blog do Mesquita

O poema subjaz.
Insiste sem existir
escapa durante a captura
vive do seu morrer.

O poema lateja.
É limbo, é limo,
imperfeição enfrentada,
pecado original.

O poema viceja no oculto
engendra-se em diluição
desfaz-se ao apetecer.

O poema poreja flor e adaga
e assassina o íncubo sentido.
Existe para não ser.


Você leu?: Konstantinos Kaváfis – À Espera dos Bárbaros – Poesia


Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: ,

Leia também:

Gabriel Nascente - O Grande Banquete - Poesia
Gabriel Nascente - O Grande Banquete - Poesia

Depois estrangularemos o pescoço da miséria

October 11, 2019, 7:00 pm
Thomas Hobbes - Leviatã - Extrato
Thomas Hobbes - Leviatã - Extrato

A vida do homem, solitária, pobre, sórdida, brutal e curta.

October 9, 2019, 7:00 pm
Cecília Meireles - O livro da solidão - Literatura
Cecília Meireles - O livro da solidão - Literatura

Mas uma ilha deserta nem sempre é um exílio

September 26, 2019, 6:00 pm
Carlos Drummond de Andrade - Eu, etiqueta - Poesia
Carlos Drummond de Andrade - Eu, etiqueta - Poesia

...de ser não eu, mas artigo industrial.Coisa!

October 12, 2019, 6:57 pm
Mário Quintana - Presença - Poesia
Mário Quintana - Presença - Poesia

É preciso que a tua ausência trescale

October 3, 2019, 7:00 pm
Rene Descartes - Inveja justa e injusta - Filosofia
Rene Descartes - Inveja justa e injusta - Filosofia

O que habitualmente é mais invejado é a glória

October 14, 2019, 7:06 pm