Antônio Gedeão – Intermezo

[...]sofro pela Humanidade [...]
Literatura,Poesia,Cultura,Filosofia,Frases,Blog do Mesquita 00 B

Intermezzo.
Antônio Gedeão

Hoje não posso ver ninguém:
sofro pela Humanidade.
Não é por ti.
Nem por ti.
Nem por ti.
Nem por ninguém.
É por alguém.
Alguém que não é ninguém
mas que é toda a Humanidade.

Pintura: Edouard Larrosse

Mais artigos

Byron – Poesia – 22/01/2022

Boa noite. Estâncias para Música Byron Alegria não há que o mundo dê, como a que tira. Quando, do pensamento de antes, a paixão expira