Al Berto – Literatura


Desde que Te ConheçoAlexandra Pzarnik,Poesia,Literatura

invade-me uma grande calma quando penso em ti. sinto-me bem, disposto para as mais difíceis tarefas, para os mais complicados e demorados trabalhos. já não é na turbulência das noites (vividas na pressa) que encontro a vontade de escrever. as noites cansaram-me, ia acabando comigo de vez na desordem e na ânsia de viver. claro que continuo a sair à noite e a amar esse espaço fantástico que é a cidade. esta cidade que amo, mas tu estás nela também. a cidade mudou desde o instante em que nela entraste. já não percorro a noite numa angústia que se esquece e anula na bebedeira, ao nascer do dia. desde que te conheço tenho levado uma vida bastante regrada. deixei de beber. deixei de andar por aí a ver se alguém me pega ou se eu pego em alguém. acabou.

Tenho-te e sinto uma felicidade estranha a dominar-me. trabalho calmamente, com vagar, e avanço sem ser aos tropeções. leio e releio o que escrevo. tudo se torna, de texto em texto, mais preciso, mais próximo do que penso. escrevo somente (como de resto sempre fiz) o que me dá gozo e ao mesmo tempo me perturba. por isso odeio tanto reler-me. sinto-me perturbado. o que ficou escrito foge-me, parece já não me pertencer. no entanto, sei que estou ali, por trás de cada texto escrito. sinto que são ainda parte integrante de mim – raramente me consigo desligar (friamente) do que escrevi, mesmo que o tempo tenha tentado apagar as motivações que me levaram, na altura, a escrever o que ficou escrito.

Al Berto, in “Diários (26 Abril 1991)”


Você pode se interessar também sobre: Schopenhauer – Literatura – O Homem; Um Ser Egoísta


Postado na categoria: Literatura - Palavras chave: ,

Leia também:

Augusto do Anjos - Versos na tarde

Teu Lenço Augusto dos Anjos ¹ Esse teu lenço que eu possuo e aperto de encontro ao peito quando durmo, creio que hei de um dia mandar-te, pois roubei-o e...

May 24, 2011, 9:00 pm
Walter Benjamin - Versos na tarde - 15/07/2017

Como é que a Solidão Hei-de Ir Medindo? Walter Benjamin ¹ Como é que a solidão hei-de ir medindo? desse-me os golpes de uso inda esta dor um a um...

July 15, 2017, 9:00 pm
Abel Bonnard - Frase do dia - 29/11/2013

"O amor pode morrer na verdade, a amizade na mentira". Abel Bonnard

November 29, 2013, 10:02 am

"Não há culpados. O que há são desgraçados." Shakespeare

August 24, 2010, 10:02 am
Ana Hatherly - Versos na tarde - 19/05/2018

A verdadeira mão. Ana Hatherly A verdadeira mão que o poeta estende não tem dedos: é um gesto que se perde no próprio acto de dar-se O poeta desaparece na verdade...

May 19, 2018, 9:09 pm
Carlos Drummond de Andrade - Versos na tarde

Carta Carlos Drummond de Andrade ¹ Há muito tempo, sim, que não te escrevo. Ficaram velhas todas as notícias. Eu mesmo envelheci: Olha, em relevo, êstes sinais em mim, não...

September 14, 2010, 9:00 pm