Deep Web; Não estamos prontos para ela

O que há de tão ruim na Deep Web?


Antes de chegar ao ponto alto desta discussão, é necessário entender o que é a Deep Web e o por quê ela é objeto para as mais novas lendas urbanas que saem do mundo real.

deep web.jpg

Primeiramente, vamos definir a função do site de buscas Google que, na verdade é um organizador de índice para acesso ao que se procura. Simplificadamente, o buscador torna possível encontrar algo, como notícias, imagens, vídeos, documentos etc., apenas pela identificação de palavras-chave. Ou seja, não é necessário que você tenha o endereço virtual completo. É possível que, por meio de significações, se encontre o que está dentro de uma página.

A partir desta definição chula, pode-se dizer que, o que buscamos através do Google, é distribuído em um índice que classifica as posições (1º, 2º, 3º e, assim sucessivamente) de acordo com a frequência de acessos e outros fatores, como publicidade. Ou seja, a popularidade de um site o faz aparecer no topo das buscas.

Os resultados, em índice, apresentados pelo site só estão visíveis aos navegadores por não ter um conteúdo impróprio, não infringir leis comuns e específicas para internet, dentre outras questões que não afetam nenhuma pessoa, empresa, ou a sociedade, em geral.


Você leu?: O homem que ‘virou político’ para poder espalhar fake news no Facebook


Deste modo, todo conteúdo impróprio, sigiloso, criminoso, ilegal fica abaixo da linha de buscas, portanto “escondido” das buscas. Para acessá-lo, é preciso um navegador próprio, conhecimento e estômago.

O que há de tão ruim na Deep Web?

Na verdade, não seria nada ruim se pessoas não a alimentassem com conteúdo ilegal, ou a utilizassem como meio de se manter anônimo, portanto, livre para compartilhar do que quiser.

O “benefício” de se estar na Deep Web é não poder ser identificado pelo IP do computador. Partindo disto, facções, gangues, terroristas, pedófilos, necrófilos, redes de prostituição, assassinos a utilizam e oferecem seus serviços livres dos olhos da lei, da ética, da moral, do respeito, da compaixão e de todos os aspectos que são necessárias para se viver em sociedade.

O que há de bom?

Entretanto, coisas positivas já surgiram deste lugar, como o Wikileaks, fundado pelo sueco Julian Assange. O jornalista esteve na mira do governo norte-americano depois de publicar documentos que comprovariam o massacre do exército dos EUA sobre civis, no Afeganistão. Outro episódio, foi a exposição do vídeo de uma cerimônia da igreja da Cientologia, em 2010. Os atos religiosos eram mantido sob sigilo, pelos seus membros, porém vieram à tona com os Anonymous. Muitas outras manifestações em prol de direitos cívicos são organizadas na DW.

Porque não acessá-la?

A informação é o que move o mundo, principalmente nos dias de hoje. Entretanto de que serve deter a informação sem poder compreendê-la? Adorno e Horkheimer já questionavam o esclarecimento e seu papel como verdade absoluta para justificar os nossos atos. Existe real justificativa para explicar o acesso a searas que não deveriam ser alcançadas? É como querer tocar o lado mais sombrio do homem. Já não vemos o bastante no dia a dia?

A popularização da Deep Web pode significar a formação de uma nova sociedade. O virtual, tão real como nunca, traria nova significação ao mundo que conhecemos. Esta mutação já ocorre, mas ainda mantém intocável a construção da sensibilidade humana em relação ao seu contato com o mundo. Estaríamos prontos para despir mais uma camada de humanidade? Por isso, ainda sugiro que fiquemos longe do que nos corrompe.
Obvius

Postado na categoria: Internet, Privacidade, Tecnologia - Palavras chave: , , , , , ,

Leia também:

Tecnologia - As armas cibernéticas do século XXI
Tecnologia - As armas cibernéticas do século XXI

Saber que a distância física não é obstáculo

November 1, 2019, 12:25 pm
“Facebook e Apple poderão ter o controle que a KGB nunca teve sobre os cidadãos”
“Facebook e Apple poderão ter o controle que a KGB nunca teve sobre os cidadãos”

O historiador Yuval Noah Harari, um dos pensadores do momento Barack Obama e Mark Zuckerberg e Inteligência Artificial

November 9, 2019, 11:40 am
O homem que ‘virou político’ para poder espalhar fake news no Facebook
O homem que ‘virou político’ para poder espalhar fake news no Facebook

O objetivo de Adriel Hampton, de San Francisco, é confrontar a decisão da gigante de tecnologia de permitir a veiculação de propaganda política não-verificada em sua plataforma.

November 7, 2019, 12:20 pm