Acidente nuclear no Japão atrasará construção de novas usinas no Brasil


Rejeitos radioativos e acidentes nucleares registrados até agora induzem a uma reflexão quanto a falibilidade do modo pelo qual a energia nuclear é gerada atualmente.

No mínimo patenteiam não só a fragilidade da capacidade inventiva dos humanos, bem como demonstram que não passamos de meros aprendizes nesse assunto, embora pareça estarmos convencidos que dominamos completamente essa tecnologia.

Entre outras lições que podemos retirar do acidente no Japão é a queda do mito da perfeição, competência e organização japonesa. Sequer tinham um plano ‘B’ para o caso de falha dos geradores de emergência fornecedores de energia para as bombas que mantêm resfriado os reatores.

Varetas com pastilhas de urânio enriquecido — são elas que são imersas no núcleo do reator para através da fissão produzir calor, para transformar a água em vapor, que irá acionar o gerador de energia — pasmem!, estão guardadas (sic) num prosaico depósito. Se o incêndio do reator #4 chegar lá…


Você leu?: O que o Brasil tem a fazer pelo Clima?


O Editor

PS 1. Como todo governo incompetente, e o são todos, de qualquer matiz ideológica, o do Japão não revela a dimensão real da tragédia nuclear, sob a desculpa de não gerar onda de pânico na população. Aliás, apesar do trocadilho infame, se tem algo que os japoneses estão acostumados é com a existência de ondas.

PS 2. O autor da matéria transcrita abaixo, não explica, em relação a segunda linha do texto, se a tragédia é o que acomete o Japão ou se o atraso nos projetos da Eletronuclear.


Brasil vai adiar projeto de novas usinas nucleares.

Tragédia : Incidente no Japão atrasará projetos, admite a Eletronuclear.

O acidente no Japão deverá atrasar os projetos brasileiros na área de energia nuclear e enriquecimento de urânio.

O adiamento é admitido pela própria Eletronuclear, empresa controlada pela estatal Eletrobrás, responsável pelas operações de Angra 1 e 2, as duas únicas usinas nucleares do Brasil.

“Não há razões racionais para que o atraso dos projetos ocorra, mas infelizmente isso é algo inevitável, deverá haver uma demora nos projetos”, disse ao Valor Leonam dos Santos Guimarães, assistente da presidência da Eletronuclear.

Segundo Guimarães, não há previsão de paralisação nas obras de Angra 3. O prazo de conclusão da usina, porém, corre riscos de ficar comprometido.

Não seria a primeira vez. Angra 3, instalada no litoral carioca, começou a ser erguida em 1976, mas foi paralisada dez anos depois. Em 2007, as obras foram retomadas. A previsão atual é entrar em operação em 2015.

Guimarães disse que Angra 3 foi desenhada com o que há de mais moderno em práticas de segurança e que não há razões para mudar o projeto.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

“Numa situação como essa ocorrida no Japão, o que acontece é um aprimoramento de técnicas, novos processos são incorporados em todo o mundo, mas não há grandes mudanças a fazer.”

O temor de contaminação o Japão também coloca na berlinda o anúncio das cidades brasileiras que receberiam as quatro novas usinas nucleares previstas pelo governo.

O Ministério de Minas e Energia (MME) vinha trabalhando em ritmo acelerado no projeto, e o ministro Edison Lobão queria anunciar neste mês os principais candidatos para sediar as instalações.

A expectativa é de que sejam investidos cerca de R$ 30 bilhões na construção das quatro usinas, cada uma com capacidade de 1.000 MW, elevando a potência do parque nacional de usinas nucleares para 7.300 MW até 2030.

Para Lobão, os planos de energia nuclear são projetos de longo prazo do país e não serão afetados.

Segundo Moacyr Duarte, pesquisador da Coppe, pós-graduação de engenharia da UFRJ, que participou dos estudos das novas usinas, não está prevista a instalação no litoral, mas no interior do país.

“Essa decisão está atrelada a questões ambientais e sócio-financeiras”, comentou. A meta era que já no ano que vem fossem iniciadas as obras da primeira central na região Nordeste, provavelmente nas margens do Rio São Francisco.

O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), propôs ontem retomar o debate sobre a implantação de usinas nucleares no país. “Se [as usinas] já sofreram no passado algumas restrições, acredito que agora, com esse problema do Japão, vamos ter que parar um pouco para pensar”, afirmou.

O momento delicado também pode adiar o plano do governo para enriquecimento de urânio, que é o combustível das usinas nucleares.

Está na agenda da presidente Dilma Rousseff o investimento de R$ 3 bilhões na construção de duas fábricas para realizar no país 100% desse processo.

O Brasil tem uma das maiores reservas de urânio do mundo, mas hoje precisa do apoio de empresas do Canadá e da França para abastecer suas usinas.

Para o especialista em engenharia nuclear Aquilino Senra, vice-diretor da Coppe, as discussões sobre a geração de energia nuclear tendem a ganhar um caráter mais emocional e ideológico, o que prejudica o entendimento sobre o assunto.

“A aceitação pública vai cobrar um novo debate sobre o assunto, mas espero que isso traga apenas um retardamento de projetos, e não um retrocesso.”

A participação da energia nuclear na matriz energética do país ainda é pequena. Em 2009, representava 1,8% do total, com 2 GW gerados por Angra 1 e 2. A projeção é que salte para 3,4 GW, ou 1,9% do total em 2019.

“Ainda é cedo para falarmos em interrupção ou mudança de projetos, são decisões que devem ser tomadas de forma mais tranquila”, disse Edson Kuramoto, presidente da Associação Brasileira de Energia Nuclear (Aben).

“O Brasil, no entanto, precisa decidir o que quer para seu futuro energético.”

André Borges/VALOR

Postado na categoria: Ambiente & Ecologia, Brasil, Economia - Palavras chave: , , , , , , , , , , , , , , ,

Leia também:

Amazônia:Geração ‘Greta’ da Amazônia luta por sobreviver antes de falar em mudança climática
Amazônia:Geração ‘Greta’ da Amazônia luta por sobreviver antes de falar em mudança climática

O rio na minha aldeia está muito triste. Quase tudo é lama, os peixes morreram.

November 27, 2019, 2:35 pm
O que o Brasil tem a fazer pelo Clima?
O que o Brasil tem a fazer pelo Clima?

A esperança vem das ruas, de jovens e crianças que terão seu futuro ainda mais comprometido se grandes empresas e governantes não assumirem e cumprirem compromissos para conter o aumento da temperatura global e evitar o colapso.

December 10, 2019, 1:29 pm
A corrida contra o relógio para conter o aquecimento global
A corrida contra o relógio para conter o aquecimento global

Está aumentando o fosso entre o que precisa ser feito e o que está sendo feito para conter o aquecimento global.

November 29, 2019, 11:09 am
Aparelhos eletrônicos modernos possuem baixa reciclabilidade
Aparelhos eletrônicos modernos possuem baixa reciclabilidade

O lixo eletrônico é um problema global

November 23, 2019, 11:40 am
Mudanças climáticas forçam 20 milhões por ano a deixarem suas casas
Mudanças climáticas forçam 20 milhões por ano a deixarem suas casas

Na conferência sobre o clima, espera-se que a ONU

December 5, 2019, 12:06 pm
Quem paga a conta do combate às mudanças climáticas?
Quem paga a conta do combate às mudanças climáticas?

COP25;“É inegável que existem movimentos por parte de grandes companhias para estabelecer compromissos junto a fornecedores e ampliar a rastreabilidade de suas cadeias produtivas”

December 8, 2019, 1:01 pm