Vladimir Putin. O Cháves das estepes

O russo conseguiu o que o doidivanas do Caribe não consegue.

Rússia: o golpe do czar Vladimir Putin

A câmara alta do Parlamento russo (Conselho da Federação) aprovou ontem, por unanimidade, a emenda constitucional que amplia o mandato presidencial de 4 para 6 anos. A entrada em vigor da medida -nas próximas eleições, previstas para 2012- agora depende apenas de uma protocolar sanção do presidente Dmitri Medvedev, autor da proposta.
O texto, apresentado no começo de novembro, já havia sido aprovado pela Duma (câmara baixa) em três leituras, pela câmara alta em uma primeira votação e pelo mínimo de dois terços dos Legislativos dos 83 territórios e regiões que compõem a Federação Russa. Todos essas instâncias são, em sua larga maioria, pró-Kremlin.

A medida -primeira emenda à Constituição de 1993- é considerada por críticos e analistas parte de uma manobra que beneficiaria o ex-presidente e atual premiê Vladimir Putin em um eventual retorno ao poder. Eleito em 2000 e 2004, Putin deixou a Presidência em maio, quando expirou seu segundo mandato, e conseguiu eleger o aliado Medvedev.

Segundo essa versão, o atual presidente renunciaria ainda em 2009, provocando a antecipação do pleito, no qual Putin estaria desimpedido de concorrer devido ao interregno de meses entre o segundo e o terceiro termo. Confirmada uma provável vitória, o premiê assumiria com potenciais 12 anos de mandato, com término em 2021.

Em um programa anual de televisão, realizado no começo do mês, Putin não descartou voltar à Presidência, mas só em 2012. Na ocasião, o premiê elogiou a extensão do mandato. “Seis anos para o presidente em um país tão complicado é plenamente justificável”, afirmou.

Medvedev, porém, não negou nem admitiu a possibilidade quando indagado por jornalistas, no mês passado, sobre uma eventual renúncia. A emenda prevê também a ampliação do mandato dos parlamentares de 4 para 5 anos.

Mas os planos de Putin e Medvedev vêm enfrentando um revés com a precipitação da crise econômica global. Nos últimos dias, protestos têm sido registrados em várias cidades no leste do país devido ao anúncio de um aumento de tarifas de importação de carros, que visa preservar a indústria nacional.

da Folha Online

José Mesquita

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e designer gráfico e digital.

José Mesquita

Pintor, escultor, gravador e “designer”.

Bacharel em administração e bacharelando em Direito.

Participou de mais de 150 exposições, individuais e coletivas, no Brasil e no exterior.

Mais artigos

Siga-me