O princípio do fim de Viktor Orbán?


Chamada “lei dos escravos” leva milhares de húngaros às ruas do país. A reação do governo é cada vez mais absurda, e a Hungria pode estar diante de um futuro sombrio, opina Keno Verseck.

Viktor Orbán,Fascismo,Política internacional,Europa,HungriaFoto de protestos em Budapeste em 17 de dezembro de 2018
Húngaros protestam diariamente contra governo Orbán

Consta que o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, possui um talento brilhante para farejar assuntos importantes para a população, aliado a um extraordinário instinto de poder. De fato, muitas evidências disso podem ser encontradas nos últimos anos.

A mais conhecida é a instrumentalização da crise de refugiados pelo chefe de governo húngaro. O tratamento que Orbán deu ao assunto lhe garantiu uma votação recorde na Hungria, transformando-o num fator de influência a não ser subestimado na Europa.

Mas dadas as reações do governo húngaro à atual onda de protestos no país, deve-se agora desconfiar do instinto de Orbán. Atualmente, milhares de pessoas protestam diariamente contra a chamada “lei dos escravos”, segundo a qual o número de horas extras permitidas pode aumentar muito, como também contra outras leis e práticas antidemocráticas no país.


Você pode se interessar também sobre: A Presidência vai cair no colo do Mourão, basta ele não fazer nada.


Embora o primeiro-ministro húngaro ainda não tenha comentado diretamente as manifestações, seus funcionários e amigos mais próximos, como também a mídia que lhe é favorável, se voltam de forma virulenta contra todos aqueles que atualmente tomam as ruas ou que apoiam de alguma forma os protestos.

Eles afirmam que os protestos são obra de “provocadores”, de “agentes da rede Soros”, de “criminosos estrangeiros”, de uma “minoria agressiva” ou “inimigos do cristianismo e do Natal”. Trata-se de atributos que devem ter sido aprovados por Orbán, pois na Hungria nada acontece sem o seu consentimento. E certamente as pessoas de seu entorno imediato não se expressam sem a certeza de que estão alinhados com o primeiro-ministro.

Até agora, o modo pelo qual o regime Orbán rotulou os críticos só tem ajudado a inflamar ainda mais os protestos. É estapafúrdia a forma como o governo húngaro se supera no absurdo de suas alegações. Mas isso faz simplesmente parte da lógica do sistema de Orbán. E é aí que a situação fica realmente perturbadora.

A retórica de Orbán – isso pode ser acompanhado por um bom observador – está cada vez menos preocupada com uma concorrência democrática voltada para o bem comum e a governança responsável e sustentável. Em vez disso, a suposta luta entre vida e morte, guerra e paz, bem e mal está cada vez mais em primeiro plano.

Assim, a forma tornou-se conteúdo. O primeiro-ministro da Hungria aboliu gradualmente os mecanismos de controle do poder ou, pelo menos, restringiu severamente seu funcionamento.

O filósofo Gáspár Miklós Tamás foi um dos primeiros a prever, muito tempo atrás, que Orbán não iria entregar voluntariamente o poder. Enquanto isso, muitos húngaros acreditam que o primeiro-ministro não é mais tão fácil de derrubar pelo voto, mas que seu regime só pode ser encerrado pela força.

Sinais disso podem ser observados atualmente. Na semana passada, no Parlamento húngaro, foram vistas cenas caóticas que não aconteceram em outro Parlamento na União Europeia em 2018 – assobios, ocupação do palanque do presidente da Casa pelos deputados, deslocamento de forças de manutenção da ordem para o plenário e a oposição retirando-se em protesto. As manifestações também estão se tornando cada vez mais radicais.

Não há praticamente nenhuma esperança de que Orbán detenha seu estilo de governo extremamente agressivo. O que é triste para a Hungria e seu povo: o país que há 30 anos era pioneiro do desenvolvimento democrático no Leste Europeu está diante de um futuro sombrio.

Postado na categoria: Política Internacional - Palavras chave: , , , ,

Leia também:

Nicarágua usa Leis Antiterror para para suprimir dissidentes
Nicarágua usa Leis Antiterror para para suprimir dissidentes

Foto: Inti Ocon/AFP/Getty Images QUANDO MARIELA CERRATO viu sua filha e seu genro nas notícias do final de julho, rodeados de policiais mascarados e descritos como terroristas, ela não ficou...

November 26, 2018, 11:26 am
Estados Unidos rejeitam rendição do Talibã. Por quê?

O Talibã já tentou se render, os Estados Unidos rejeitaram e guerra no Afeganistão não tem fim. Combatentes talibãs que queriam se render mostram armas a repórteres em Herat, Afeganistão...

August 30, 2017, 10:10 am
Por que a visita de Mourão à China é considerada decisiva para as relações entre os dois países
Por que a visita de Mourão à China é considerada decisiva para as relações entre os dois países

Vice-presidente fará a primeira visita do governo ao país asiático

May 19, 2019, 12:39 pm
Eleições e América Latina

Brasil, México e Venezuela: eleições vão redesenhar mapa político da América Latina Foto:Guilherme Imbassahy/Jornalistas Livres Neste ano, sete países vão escolher novos presidentes; cenário é indefinido quanto à retomada da...

January 25, 2018, 11:49 am
Bolsonaro: o capacho dos USA
Bolsonaro: o capacho dos USA

Em reunião no Rio, Bolsonaro bate continência para assessor de segurança dos EUA Presidente eleito recebeu John Bolton em sua casa no Rio de Janeiro; norte-americano é principal assessor para...

November 30, 2018, 11:20 am
Brasil - Ditadura Militar e União Soviética

Serviço secreto soviético considerou “causar guerra civil no Brasil” em 1961 Trecho do relatório do serviço de inteligência tchecoslovaco sobre o golpe de 1964. Pesquisa inédita em arquivos da antiga...

June 7, 2018, 11:15 am