Elisa Lucinda – Cor-respondência

de versos que nos bolinaram os dois


Cor-respondência
Elisa Lucinda

Remeta-me os dedos
em vez de cartas de amor
que nunca escreves
que nunca recebo.
Passeiam em mim estas tardes
que parecem repetir
o amor bem feito
que você tinha mania de fazer comigo.
Não sei amigo
se era o seu jeito
ou de propósito
mas era bom, sempre bom
e assanhava as tardes.
Refaça o verso
que mantinha sempre tesa
a minha rima
firme
confirme
o ardor dessas jorradas
de versos que nos bolinaram os dois
a dois.
Pense em mim
e me visite no correio
de pombos onde a gente se confunde
Repito:
Se meta na minha vida
outra vez meta
Remeta.

Postado na categoria: Literatura, Poesia - Palavras chave: ,

Leia também:

Neide Archanjo - Já não há cíclopes
Neide Archanjo - Já não há cíclopes

...nem criaturas dormindo de olho aberto

September 19, 2019, 8:00 pm
O Deus de Ezpinoza - O que é a filosofia
O Deus de Ezpinoza - O que é a filosofia

Já em seu Tratado Teológico Político, anterior à Ética

September 9, 2019, 11:55 am
O que esperar da continuação de "O Conto da Aia"
O que esperar da continuação de "O Conto da Aia"

"The Testaments", de Margaret Atwood, chega a livrarias na próxima semana

September 8, 2019, 12:40 pm
Joaquim Pessoa - É provável que ainda a ame
Joaquim Pessoa - É provável que ainda a ame

...para cingir-lhe os braços, os seios e as ancas.

September 16, 2019, 6:35 pm
Yves Bonnefoy - A Murta - Poesia
Yves Bonnefoy - A Murta - Poesia

Por vezes te sabia a terra, eu bebia

September 15, 2019, 9:00 pm
Carlos Drummond de Andrade - Viver
Carlos Drummond de Andrade - Viver

Isso, ou menos que isso...

September 4, 2019, 1:07 pm