Theodor Adorno – Falar Sempre, Pensar Nunca – Filosofia

O esclarecimento já pronto transforma a reflexão espontânea


Theodore Wiesengrund Adorno,FilosofiaFalar Sempre, Pensar Nunca

Desde que, com a ajuda do cinema, das soap operas e do horney, a psicologia profunda penetra nos últimos rincões, a cultura organizada corta aos homens o acesso à derradeira possibilidade da experiência de si mesmo.

E esclarecimento já pronto transforma não só a reflexão espontânea, mas o discernimento analítico, cuja força é igual à energia e ao sofrimento com que eles se obtêm, em produtos de massas, e os dolorosos segredos da história individual, que o método ortodoxo se inclina já a reduzir a fórmulas, em vulgares convenções.

Até a própria dissolução das racionalizações se torna racionalização. Em vez de realizar o trabalho de autognose, os endoutrinados adquirem a capacidade de subsumir todos os conflitos em conceitos como complexo de inferioridade, dependência materna, extrovertido e introvertido, que, no fundo, são pouco menos que incompreensíveis. O horror em face ao abismo do eu é eliminado mediante a consciência de que não se trata mais do que uma artrite ou de sinus troubles.

Os conflitos perdem assim o seu aspecto ameaçador. São aceites; não sanados, mas encaixados somente na superfície da vida normalizada como seu ingrediente inevitável. São, ao mesmo tempo, absorvidos como um mal universal pelo mecanismo da imediata identificação do indivíduo com a instância social; tal mecanismo já há muito definiu as condutas pretensamente normais. Em vez da catarse, cujo êxito é, de qualquer modo, duvidoso, surge a conquista do prazer de até na própria debilidade ser um exemplar da maioria e conseguir assim não tanto, como outrora os internados nos sanatórios, o prestígio do interessante estado patológico quanto, justamente em virtude daquelas deficiências, de se mostrar como nela integrado e transferir para si o poder e a grandeza do colectivo.


Você leu?: Simone de Beauvoir – O tempo é irrealizável – Filosofia


O narcisismo, que com a decadência do eu fica privado do seu objeto libidinal, é substituído pelo prazer masoquista de não mais ser um eu, e a geração ascendente vela pela sua ausência de eu com mais zelo do que por algum dos seus bens, como se fosse uma posse comum e duradoura.
Theodor Adorno

Postado na categoria: Filosofia, Literatura - Palavras chave: , ,

Leia também:

A Alta Idade da Mediocridade e a cruzada contra a racionalidade
A Alta Idade da Mediocridade e a cruzada contra a racionalidade

A regra é ser medíocre.

October 24, 2019, 10:55 am
Você tem quatro lobos dentro de si
Você tem quatro lobos dentro de si

A diferença entre o lobo e o homem: nenhuma

October 21, 2019, 6:37 pm
Simone de Beauvoir - O tempo é irrealizável - Filosofia
Simone de Beauvoir - O tempo é irrealizável - Filosofia

Pense para que não pensem por você.

November 8, 2019, 8:30 pm
Albert Camus - Envelhecer - Literatura
Albert Camus - Envelhecer - Literatura

Envelhecer é o único meio de viver muito tempo. Albert Camus

November 7, 2019, 8:03 pm
O Desejo de Discutir - Arthur Schnitzler
O Desejo de Discutir - Arthur Schnitzler

Se as discussões políticas se tornam facilmente inúteis

November 6, 2019, 7:00 pm
Bretch - Aos que virão depois de nós - Poesia
Bretch - Aos que virão depois de nós - Poesia

Eu vivo em tempos sombrios.

November 8, 2019, 8:36 pm