Eleições 2010: o índio pode afundar a campanha do cacique tucano pra governar a aldeia

É preciso que deem um apito pro índio para ele não ter tempo de usar a borduna irresponsável.
O Edito
r


O amigo do Zorro
Pelo antigo Código Civil de Clóvis Bevilacqua, índio era considerado incapaz. Carecia de direitos políticos. Ressurgindo do passado, eis aí um exemplo de incapacidade total do Índio da Costa, feito candidato a vice-presidente da República na chapa de José Serra, sabe-se lá porque desígnios da Providência, da tucanagem ou dos salvados do PFL.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

O indigitado silvícola acaba de definir Dilma Rousseff como “atéia e esfinge do pau oco”, acusando também o PT de “ligado às Farcs e ao narcotráfico, o que há de pior”.

Convenhamos, no nome o personagem lembra o amigo do Zorro, o Tonto. No comportamento, ultrapassa qualquer medida de bom-senso.

Se denunciado e chamado a comprovar as acusações em juízo, acaba parando na cadeia.

Ignora-se a reação de José Serra diante de seu parceiro.

Uma forma de interromper essa cascata de aleivosias seria mantê-lo afastado da campanha, mas como ninguém poderá garantir o seu silêncio, melhor a iniciativa oposta: amarrá-lo ao candidato presidencial, mas amordaçado, com direito apenas a abanar a mão para as platéias.

A gente se pergunta como o PSDB aceitou a indicação de Índio da Costa e, pior ainda, como o DEM ousou indicá-lo.

Há quem suponha a vingança dos Maia, César e Rodrigo.

Carlos Chagas/Tribuna da Imprensa