Novo recurso do Waze resolve um dos principais problemas dos motoristas

Segundo informações do The Verge, o Waze lançou recentemente a ferramenta “onde estacionar”, que sugere os estacionamentos mais próximos do destino

wazeredes-sociaismapastecnologia-da-informacaointernetaplicativosblog-do-mesquita

Além de mostrar a rota mais rápida e lembrar você de não esquecer nada no carro, o Waze também vai ajudar os motoristas a encontrar a melhor vaga para estacionar o carro próximo a seu destino.

Segundo informações do The Verge, o Waze lançou recentemente a ferramenta “onde estacionar”, que sugere os estacionamentos mais próximos do destino e permite que os motoristas façam o caminho direto para o local.

Se o motorista desejar escolher o local onde vai estacionar quando estiver mais próximo de seu destino, essa opção também estará disponível.

A empresa realizou uma parceria com a INRIX, que agrega os dados de locais de estacionamento através de diversas fontes e informa em tempo real qual é o melhor lugar para estacionar, levando em conta o preço do local e outras facilidades de estacionamentos privados.

O recurso ainda não está disponível no Brasil e não existe uma previsão para tal.
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

A proibição do Waze e o direito à comunicação

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2016/09/09/Opiniao/Imagens/Vivo/WEB-10-09-ilustra-pag3.jpgO poder público pode reprimir as condutas ilícitas dos motoristas, mas isso não autoriza a supressão do direito fundamental à comunicação de todos os cidadãos brasileiros.

 Ericson M. Scorsim¹

O Projeto de Lei 5.596, de 2013, aprovado na Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI) da Câmara dos Deputados, dispõe sobre a proibição do uso de aplicativos, redes sociais e quaisquer outros recursos na internet para alertar motoristas sobre a ocorrência e localização de blitz de trânsito. O projeto de lei será ainda analisado por outras comissões legislativas da Câmara dos Deputados.

Segundo o projeto de lei, o provedor de aplicações de internet tem a obrigação de tornar indisponível o conteúdo associado ao aplicativo ou à rede social.

Como sanção pelo descumprimento da regra, o projeto de lei prevê que o infrator terá de pagar multa de até R$ 50 mil, multa também aplicável à pessoa que fornecer informações sobre a ocorrência e localização de blitz para aplicativos, redes sociais ou quaisquer outros recursos na internet.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Em outras palavras, se aprovado este projeto de lei, fica proibida a utilização de aplicativos como o Waze, bem como a criação de páginas nas redes sociais destinadas a alertar os motoristas sobre a ocorrência e localização de blitz de trânsito.

Há desproporcionalidade entre a medida legislativa e a finalidade por ela buscada

Ora, este projeto de lei é contrário às diretrizes do Marco Civil da Internet, que estabelecem a plena liberdade de expressão, informação e comunicação, no âmbito da cidadania. O projeto de lei atinge em cheio o núcleo essencial do direito fundamental dos cidadãos quanto à utilização de aplicativos de internet.

O Marco Civil da Internet ainda garante a plena liberdade dos modelos de negócios na internet e, consequentemente, a liberdade da empresa provedora de aplicações de internet. De fato, a empresa de tecnologia responsável pelo provimento do aplicativo com informações relacionadas ao trânsito não pode ser responsabilizada em lei pela conduta de seus respectivos usuários.

Além disso, há desproporcionalidade entre a medida legislativa e a finalidade por ela buscada (segurança no trânsito), daí a sua potencial inconstitucionalidade.

Em vez de se adotar uma medida legislativa, extrema (a proibição do uso de aplicativos e redes sociais para fins de alerta de motoristas sobre ocorrência de blitz de trânsito), o Legislativo poderia adotar medidas de fomento à realização de campanhas educativas relacionadas ao trânsito, especialmente sobre o comportamento dos motoristas.

Sem dúvida alguma, o poder público tem a obrigação de fiscalizar a aplicação das regras do Código Nacional de Trânsito, inclusive com a repressão das condutas ilícitas dos motoristas, mas isso não autoriza a adoção de medida legislativa excessiva, com a supressão do direito fundamental à comunicação de todos os cidadãos brasileiros.

O direito à comunicação por aplicativos é protegido pela Constituição Federal, daí o controle rigoroso quanto ao exame da constitucionalidade de medidas restritivas a direitos fundamentais, tal como o direito à comunicação digital.

Tema relevante, que envolve o direito e as novas tecnologias, com alto impacto sobre os cidadãos brasileiros, razão pela qual o referido projeto de lei merece análise bastante cuidadosa.

¹Ericson M. Scorsim, mestre e doutor em Direito, é advogado especializado em Direito das Comunicações e autor do e-book Direito das Comunicações.

Comissão da Câmara aprova projeto para proibir Waze

Os indigentes atacam novamente. Será que essa corja não têm coisas muito mais sérias a fazer? Agora ficar preocupado com um aplicativo… esse políticos ficam brincando de trabalhar.
No meio do trololó há essa gracinha“…aplicativo ou funcionalidade que identifique radares ou blitze pelo caminho”. Hahahaha! Então vão proibir todos os GPS, já que todos indicam os radares?
José Mesquita


Projeto quer vetar uso de aplicativos que avisem a ocorrência de blitze

 | HENRY MILLEO / Gazeta do Povo

HENRY MILLEO / Gazeta do Povo

A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática (CCTCI) da Câmara dos Deputados aprovou na terça-feira (30) um projeto que pode atrapalhar o futuro do aplicativo de navegação em mapas Waze no Brasil: de autoria do deputado Major Fábio (PROS-PB) o projeto de lei nº 5596, de 2013, pretende proibir o uso de aplicativos e redes sociais que alertem motoristas sobre a ocorrência de blitze no trânsito.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

O texto pretende alterar o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), instituindo como infração o ato de conduzir veículo com dispositivo, aplicativo ou funcionalidade que identifique radares ou blitze pelo caminho. O Waze não comentou o assunto.

A partir da aprovação na comissão de tecnologia, o projeto segue para a Comissão de Viação e Transportes (CVT) e para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Incompleto.

Para Francisco Brito Cruz, diretor do instituto de pesquisa de direito digital Internet Lab, a aprovação do projeto na Comissão foi uma surpresa.

“Nenhum dos dados apresentados na audiência pública foi levado em conta no projeto de lei”, disse o pesquisador, que participou do debate sobre a proposta.

Para ele, “a preocupação com as blitz não será resolvida com bloqueio do Waze”, e a proibição desse tipo de aplicativo pode causar “prejuízos à inovação”, além de impedir que as pessoas usem o Waze quando precisam pedir ajuda às autoridades policiais.

O especialista criticou ainda a forma como o debate sobre o assunto foi conduzido. Ele acredita que houve pouca participação do relator do projeto, Major Fábio.

O projeto também desagradou a ativistas, que usaram as redes sociais para opinar sobre o tema: no Twitter, o chefe executivo de pesquisas do Instituto Beta – Instituto e Democracia, Paulo Rená, disse que “o PL tem redação incoerente e confusa, e ainda contradiz dispositivos claros do Marco Civil da Internet”.

Waze ou Google Maps: qual é o melhor aplicativo de GPS?

O uso de aplicativos de localização no smartphone está entre as principais funcionalidades exploradas nesse tipo de aparelho, entre os aplicativos mais populares se destacam o Waze e o Google Maps. E semelhante ao que acontece com as discussões mais acirradas entre os usuários de Android ou iPhone, Windows ou Mac OS X, a defesa por uma determinada tecnologia acaba ocasionando animosidade entre os seus defensores mais apaixonados.

Mas afinal, qual é o melhor aplicativo de localização?

Facilidade de uso

O Google Maps possuí uma interface simplificada se comparado com o Waze, o que é um ponto positivo principalmente para os usuários iniciantes. E por esse motivo é preciso levar em consideração todos os tipos de perfis de usuários, e sem dúvidas a simplicidade se torna um diferencial na escolha de um aplicativo. Porém, com um pouco de paciência, é possível adaptar-se rapidamente com a interface descolada do Waze e seus ícones animados.

Navegação  

A precisão da localização é fundamental para a adoção de uma ferramenta de GPS, os dois aplicativos apresentam o mesmo nível de precisão. Porém, o diferencial encontrado no Google Maps consiste na possibilidade de que o usuário possa traçar o trajeto considerando outros meios de transporte, inclusive se deslocando a pé.

Além de contar com uma busca mais eficiente por lugares e a integração com outros produtos, como o Street View e Google Earth, por exemplo.

Em contra partida, o Waze é mais eficiente se o objetivo do usuário é usá-lo como ferramenta de localização no trânsito devido a possibilidade de consultar em tempo real as informações complementares disponibilizadas pelos próprios usuários sobre as condições do trânsito.  [ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Atualização das condições do trânsito  

A simplicidade da interface do Google Maps se comparada com a representação do Waze fica em desvantagem quando o objetivo é obter informações mais precisas sobre os pontos de congestionamento, acidentes e condições das estradas. Por possuir uma aparência divertida, os pontos a serem evitados durante o trajeto ficam mais evidentes. E principalmente, a possibilidade de que os usuários compartilhem informações complementares sobre a situação do trânsito.

Recursos adicionais  

A integração com eventos de redes sociais, personalização do perfil e adição de amigos no Waze, torna o aplicativo mais inteligente e útil principalmente para que costuma viajar em grupo. Mas para quem estiver trafegando por um local desconhecido e estiver precisando de informações complementares sobre a região, é melhor apostar no Google Maps.

Consumo de bateria

Embora o Waze tenha melhorado o seu sistema de gerenciamento de energia, ele ainda é o aplicativo que mais consome carga  se comparado com o Google Maps.

Veredito  

A escolha pelo melhor aplicativo irá depender da maneira que o leitor irá usá-lo, pois se o objetivo é verificar a situação do trânsito e planejar uma rota menos congestionada, o Waze é a melhor opção. Mas para aqueles leitores que irão precisar de um guia de localização para o deslocamento a algum destino desconhecido, em virtude dos recursos adicionais, o Google Maps é o aplicativo mais recomendado.
Imagem: Divulgação/Google