W.H. Auden – Poesia – 24/01/23

Boa noite Acalanto W.H.Auden Repousa a fronte, meu amor, Humana em meu braço descrente; Que o tempo e as febres crestem, varram Toda a beleza individual Das crianças ora pensativas, Porquanto o túmulo revela O quanto a criança é passageira: Mas que em meus braços se demore, Até que o dia se renove, Quieta, a […]

Leia mais… from W.H. Auden – Poesia – 24/01/23

W. H. Auden – Poesia

W. H. Auden,Literatura,Poesia,Blog do Mesquita

Acalanto W. H. Auden Pousa, amor, a cabeça sonolenta, Humana sobre o meu braço inconstante; A beleza das crianças pensativas Tempo e febres consomem lentamente E cabe à tumba mostrar quão efêmeras Essas mesmas crianças vêm a ser: Mas que em meu braço, até que nasça o dia, Possa repousar a viva criatura, Mortal e […]

Leia mais… from W. H. Auden – Poesia

W.H. Auden – Versos na tarde – 26/12/2016

Blues Fúnebres W.H. Auden¹ Que parem os relógios, cale o telefone, jogue-se ao cão um osso e que não ladre mais, que emudeça o piano e que o tambor sancione a vinda do caixão com seu cortejo atrás. Que os aviões, gemendo acima em alvoroço, escrevam contra o céu o anúncio: ele morreu. Que as […]

Leia mais… from W.H. Auden – Versos na tarde – 26/12/2016