Lava Jato: Faltou Nova York

Até agora a PF não conseguiu cooperação com o FBI para invadir o apartamento que o marqueteiro João Santana tem em Nova York.

Faltou Nova YorkAssessoria do marqueteiro confirmou que não houve buscas no imóvel nos EUA (Fonte: Reprodução/Agência Brasil)
A Polícia Federal cercou o marqueteiro João Santana no dia da operação que o levou à cadeia.
Houve mandados de busca e apreensão cumpridos em Salvador — no apartamento do Corredor da Vitória, e num condomínio de luxo onde é vizinho de Ricardo Pessoa, da UTC.
O juiz Sérgio Moro bloqueou um apartamento dele em Interlagos, em São Paulo.
Mas até agora a PF não conseguiu cooperação com o FBI para invadir o apartamento que Santana tem em Nova York.
Os investigadores suspeitam que os documentos comprometedores estão lá, num cofre.

A assessoria do marqueteiro confirmou que não houve buscas no imóvel nos Estados Unidos.

Leandro Mazzini/Opinião&Notícia

A turma dos 100 – Depois de Aécio, delator diz que Collor também levou R$ 300 mil Delator diz à lava jato que levou r$ 300 mil para Collor em 2014

O doleiro Carlos Alexandre de Souza Rocha, carregador de dinheiro de Alberto Youssef, afirmou à força-tarefa da Operação Lava Jato que em 2014 levou R$ 300 mil para o ex-presidente da República e atual senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL), em pacotes de notas de R$ 100,00.

O doleiro Carlos Alexandre de Souza Rocha, carregador de dinheiro de Alberto Youssef, afirmou à força-tarefa da Operação Lava Jato que em 2014 levou R$ 300 mil para o ex-presidente da República e atual senador Fernando Collor de Mello (PTB-AL), em pacotes de notas de R$ 100,00.

Novo delator da Lava Jato, Ceará — como é conhecido — citou outras entregas de valores para Collor e para seu ex-ministro e atual dono do Grupo GPI Investimentos, Pedro Paulo Leoni, o PP.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

“No final de janeiro de 2014, Alberto Youssef solicitou que o declarante (Rocha) transportasse R$ 300 mil para Maceió”, contou o delator, em depoimento à Procuradoria-Geral da República.

O montante deveria ser entregue a outro carregador de dinheiro de Youssef, Rafael Ângulo Lopez — que também fez acordo de delação com a Lava Jato.

“No café da manhã se encontrou com Rafael Ângulo Lopez, que estava acompanhado de outra pessoa que não conhecia e do qual não se recorda o nome.”

O delator diz que Lopez contou que o total da entrega era de R$ 900 mil, mas não mencionou o beneficiário.

Collor é alvo de inquérito no Supremo Tribunal Federal desde março, quando foram abertos as primeiras investigações pela Procuradoria-Geral envolvendo políticos como alvos da Lava Jato.

A delação de Rocha é de junho e só foi tornada pública nesta semana.

É o segundo carregador de malas de Youssef a fazer delação e confirmar que Collor recebia dinheiro do esquema de corrupção, alvo da Lava Jato.

O próprio Rafael Ângulo Lopez disse em seu depoimento que entregou dinheiro em espécie para o senador, episódio citado por Rocha.

O delator também disse ter ouvido do ex-chefe que PP “era muito amigo” de Collor e que chegou a levar três vezes dinheiro em uma empresa de água do ex-ministro em Itapema (SC).

Collor foi procurado, por meio de sua assessoria, mas não foi localizado. O senador tem negado as acusações. Pedro Paulo também não foi localizado.
Claudio Humberto

Tudo junto e misturado! Eduardo Cunha tem escritório político em cima da UTC

Eduardo Cunha,Blog do Mesquita,Política 02Segundo delator, em reunião no escritório da empreiteira, ficou acertado o pagamento de propina para o PMDB em contratos com a Eletronuclear.

O escritório político do presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), no centro do Rio de Janeiro, fica no famoso Edifício De Paoli, na Avenida Nilo Peçanha, 50, sala 2.909. No andar de baixo fica a filial carioca da empreiteira UTC, na sala 2.809.

Pela numeração, as salas são na mesma coluna, ou seja, o piso do escritório do deputado é o teto do escritório da empreiteira.

Esse é o tipo de coincidência digamos, desagradável, para o presidente da Câmara no momento atual, já que tanto ele como a empreiteira estão encalacrados na operação Lava Jato.

A partir da delação premiada de Dalton Avancini, ex-presidente da empreiteira Camargo Correa, os procuradores da Lava Jato expandiram a investigação para suposto cartel na construção da Usina Nuclear de Angra III, e suspeitam que teria havido pagamento de propina para o PMDB, partido de Cunha.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Avancini citou na delação:

“(…) QUE, recorda-se de uma reunião ocorrida em agosto de 2014, as vésperas da assinatura do contrato, houve uma reunião na empresa UTC (…);

QUE, nessa reunião também foi comentado que havia certos compromissos do pagamento de propinas ao PMDB no montante de um por cento (1 %) e a dirigentes da ELETRONUCLEAR, ficando acertado que cada empresa iria buscar os seus respectivos contatos a fim de promover o acerto junto aos agentes políticos (…);

QUE, observa que na sua caixa de emails do endereçoavancini@camargocorrea.com existe uma mensagem eletrônica datada de 26/08/2014 enviada pela UTC onde consta a convocação para a mencionada reunião, ocorrida na sede da última empresa;

QUE, não sabe se efetivamente houve algum pagamento de propina ou a promessa de pagamento a alguém em especial, eis que no mês de setembro de 2014 acabou sendo detido”.

O referido e-mail, vazado e público em veículos de imprensa, como vários outros documentos com classificação sigilosa da Lava Jato, confirma a reunião no endereço da filial da UTC no Rio de Janeiro, localizado abaixo do escritório de Cunha.

O problema é que direitos elementares como o benefício da dúvida andam em baixa graças, em grande parte, à libertinagem de imprensa para desinformar e pré-condenar.

O desgaste político com delações, menções, citações, manchetes maliciosas é grande pelo clima de linchamento produzido no noticiário.

De certa forma, mesmo bastante blindado no noticiário, o próprio presidente da Câmara está colhendo o que plantou quando, ao assumir o cargo no início do ano, disse se opor a qualquer regulamentação da mídia.

A simples regulamentação do direito de resposta e regras que exigissem civilidade em vez de barbárie no trato de notícias, melhoria muito a consciência social e política dos leitores, telespectadores e ouvintes, sem recorrer a nenhuma censura.

Os mesmos fatos podem ser noticiados ao público com clareza e objetividade civilizada ou com características de campanha de difamação.
Por Helena Sthephanowitz, da Rede Brasil Atual

Cerveró: o homem bomba que apavora os políticos e empreiteiros

Nestor Cerveró,Petrolão,Operação Lava-Jato,CorrupçãoDilma Rousseff está sem dormir desde a prisão de Nestor Cerveró, na avaliação dos nervosos assessores da “gerentona”, Cerveró pode causar mais danos ao PMDB que ao PT.

Ele tem ligação direta com um dos políticos mais influentes do país (ninguém confirma que seria Renan Calheiros) e três deputados peemedebistas.

Se o ex-diretor Internacional da Petrobras realmente falar, o núcleo de empreiteiros da Lava Jato vai definitivamente se complicar.

O principal alvo de investigações da força tarefa da Operação Lava Jato, após a decretação da prisão de Cerveró é uma offshore sediada na Irlanda, cujos três acionistas ainda não foram totalmente identificados.

Essa empresa seria uma das centrais de operação, no velho continente, do grupo que Cerveró representa. Os caminhos irlandeses da dinheirama que foi desviada do Brasil pode levar aos nomes de importantes políticos envolvidos no Petrolão.

Dilma está muito tensa com a prisão de Nestor Cerveró, mas o presidente do Senado, Renan Calheiros não fica atrás, está bebendo muita maracugina nas últimas 24 horas, ele é tido como o “maior padrinho” de Cerveró.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

O juiz Sérgio Fernando Moro, da 13a Vara Federal em Curitiba, decretou a prisão dele com a certeza de que dificilmente o

venha a conceder um habeas corpus até o depoimento dele, previsto para depois do carnaval, sem data ainda agendada oficialmente.

Entre 2012 e 2014, Cerveró movimentou, lá fora, US$ 27 milhões de dólares.

O MP Federal também acredita que são grandes as chances de Cerveró continuar preso e aderir à colaboração premiada. Isso baseado no fato objetivo de que Cerveró está acuado e “cercado”.

Outras 15 delações forneceram provas concretas do envolvimento dele no esquema ligado ao lobista Fernando Baiano.

Cerveró e Baiano são suspeitos de receber US$ 40 milhões de propina nos anos de 2006 e 2007 para intermediar a contratação de navios-sonda para a perfuração de águas profundas na África e no México. Fernando seria ligado ao PMDB. Mas o partido nega, claro… 

Lista dos denunciados 

Todas as denúncias oferecidas pelo MPF contra 39 investigados na sétima fase da Operação Lava Jato foram aceitas pelo juiz Sérgio Moro.

Pelo menos 23 dos denunciados são ligados às empreiteiras Camargo Corrêa, Engevix, Galvão Engenharia, Mendes Júnior, OAS  e UTC:

– Alberto Youssef, suspeito de liderar o esquema de corrupção;
– Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras;
– Waldomiro de Oliveira, dono da MO Consultoria;
– Fernando Soares, lobista conhecido como Fernando Baiano, apontado como um dos operadores do esquema de corrupção na Petrobras;
– Júlio Camargo, executivo da Toyo Setal;
– Nestor Cerveró, ex-diretor da área Internacional da Petrobras;
– Adarico Negromonte, apontado como emissário de Youssef;
– Dalton Santos Avancini, presidente da Camargo Corrêa;
– Eduardo Hermelino, vice-presidente da Camargo Corrêa;
– Jayme Alves de Oliveira Filho, acusado de atuar com Youssef na lavagem de dinheiro;
– João Ricardo Auler, presidente do Conselho de Administração da Camargo Corrêa;
– Marcio Andrade Bonilho, sócio e administrador da empresa Sanko-Sider;
– Ricardo Ribeiro Pessoa, presidente da construtora UTC;
– Carlos Alberto Pereira da Costa, representante formal da GFD Investimentos, pertencente a Alberto Youssef e réu em outros processos ligados a Lava Jato;
– Enivaldo Quadrado, ex-dono da corretora Bônus Banval, que atuava na área financeira da GFD e réu em outros processos ligados a Lava Jato;
– João Procópio de Almeida Prado, apontado como operador das contas de Youssef no exterior;
– Sergio Cunha Mendes, vice-presidente executivo da Mendes Júnior;
– Rogério Cunha de Oliveira, diretor da área de óleo e gás da Mendes Júnior;
– Ângelo Alves Mendes, vice-presidente da Mendes Júnior;
– Alberto Elísio Vilaça Gomes, executivo da Mendes Júnior;
– José Humberto Cruvinel Resende, funcionário da Mendes Júnior;
– Antônio Carlos Fioravante Brasil Pieruccini, advogado que teria recebido propina de Alberto Youssef;
– Mario Lúcio de Oliveira, diretor de uma agência de viagens que atuava na empresa GFD, segundo delação de Alberto Youssef;
– João de Teive e Argollo, diretor de Novos Negócios na UTC;
– Sandra Raphael Guimarães, funcionária da UTC;
– Gerson de Mello Almada, vice-presidente da empreiteira Engevix;
– Carlos Eduardo Strauch Albero, diretor da Engevix;
– Newton Prado Júnior, diretor da Engevix;
– Luiz Roberto Pereira, ex-diretor da Engevix;
– João Alberto Lazzari, representante da OAS;
– Agenor Franklin Magalhães Medeiros, diretor-presidente da área internacional da OAS;
– Fernando Augusto Stremel Andrade, funcionário da OAS;
– José Adelmário Pinheiro Filho, presidente da OAS;
– José Ricardo Nogueira Breghirolli, apontado como contato de Youssef com a OAS;
– Mateus Coutinho de Sá Oliveira, funcionário da OAS;
– Dário de Queiroz Galvão Filho, executivo da Galvão Engenharia;
– Eduardo Queiroz Galvão, executivo da Galvão Engenharia;
– Jean Alberto Luscher Castro, diretor presidente da Galvão Engenharia;
– Erton Medeiros Fonseca, diretor de negócios da Galvão Engenharia.
Por Daniel Mazola/Tribuna da Imprensa