A luta anônima de três brasileiros contra sites de fake news

Atuando no anonimato desde maio, idealizadores do movimento Sleeping Giants Brasil estimam ter feito com que páginas propagadoras de notícias falsas tenham deixado de embolsar R$ 448 mil por mês.Fake News,Redes Sociais,Internet,Blog do Mesquita

Twitter e fake news

Em pouco menos de dois meses, Sleeping Giants Brasil acumulou 377,4 mil seguidores no Twitter

Principal plataforma de anúncios da internet, o Google Adsense é o que garante a saúde financeira de boa parte dos sites campeões de audiência mundo afora. E é justamente por meio desse sistema que ativistas do movimento Sleeping Giants Brasil pretendem sufocar propagadores de notícias falsas e fomentadores de discurso de ódio.

Inspirados pelo Sleeping Giants original – criado por um publicitário americano e em operação desde 2016 –, três brasileiros decidiram criar uma versão tupiniquim do movimento em 18 de maio deste ano. Passaram, então, a mirar os esforços em conhecidos sites de fake news, expondo publicamente, via redes sociais, empresas que apareciam como anunciantes nessas páginas, via AdSense.

Pelo sistema do Google, as empresas podem criar uma lista com todos os sites nos quais não querem aparecer de forma alguma. Essa é a ideia do Sleeping Giants: pressionar os anunciantes para que incluam sites de notícias falsas em suas listas e, assim, estes sejam desmonetizados.

A ideia parece estar funcionando. De acordo com balanço fornecido por um dos criadores do movimento, no primeiro mês de atividade o Sleeping Giants Brasil conseguiu que páginas propagadoras de fake news deixassem de embolsar 448 mil reais. O grupo contava com 377,4 mil seguidores no Twitter na manhã desta segunda-feira (13/07) e, no Instagram, com 126 mil seguidores, além de estar presente no Facebook e no Linkedin.

Por temerem ameaças como as sofridas pelo criador da versão original e sua família nos Estados Unidos, os idealizadores do projeto brasileiro não dão nenhuma pista de suas identidades. Eles só toparam conversar via mensagens diretas no Twitter, não aceitando passar nenhuma outra forma de contato.

Segundo eles, na maior parte das vezes, depois da exposição pública, as empresas respondem ao perfil e se comprometem a incluir os sites reconhecidos como propagadores de notícias falsas na lista de exclusão da plataforma AdSense.

“Recebemos mais de 400 respostas [de empresas anunciantes] em apenas um mês e meio de atuação”, afirmam. “Muitas empresas estão aderindo ao movimento, se conscientizando e passando a analisar melhor a forma como promovem sua publicidade e cedem espaços a perfis que promovem a desinformação e o ódio.”

Em um conturbado cenário político como o brasileiro atual, marcado por uma acirrada polarização, o grupo tem sido criticado por apoiadores do governo do presidente Jair Bolsonaro. O deputado federal Eduardo Bolsonaro, um dos filhos do presidente, classificou o Sleeping Giants como “a nova forma de censurar a direita”.Whatsapp,Facebook,Fakenews,Educação,Analfabetismo,Redes Sociais,Internet

“Somos contra todos os disseminadores de fake news e discursos odiosos, e sabemos que isso independe de espectro político”, defendem-se os idealizadores. “Mas no atual momento, a extrema direita concentra poder se utilizando de conteúdos falsos e odiosos. Além de que, em meio a uma pandemia, propagar desinformação é extremamente perigoso, visto que estamos falando de vidas sendo perdidas.”

Gigantes na mira

Os criadores do Sleeping Giants Brasil afirmam que os alvos são escolhidos com base na “proporção, relevância e alcance” de seus sites.

A partir de uma lista de empresas fornecida pelos criadores, a reportagem da DW Brasil buscou contato com Americanas, Nike, Spotify e MRV, as quatro mencionadas em primeiro lugar e que não responderam ao grupo, mesmo diante de constantes exposições públicas no Twitter. Nenhuma delas retornou o pedido de posicionamento da reportagem.

A DW Brasil apurou, contudo, que algumas das empresas expostas estão bloqueando sites de fake news de sua lista do AdSense, ainda que prefiram não assumir isso publicamente. Mais que isso, há empresas que, cientes da atuação do Sleeping Giants Brasil, estão se antecipando a uma provável exposição pública e adicionando sites propagadores de fake news a sua lista de exclusão da plataforma do Google.

“A liberdade de expressão é um direito de todos, não estamos aqui para contrariar isso”, afirmam os ativistas. “O movimento busca alertar as empresas de que estão contribuindo com o discurso de ódio e a desinformação, mas cabe a elas a escolha de retirar ou não seu anúncio do site. Só queremos seu posicionamento.”

Trabalho de formiguinha

E por que então não mirar os esforços diretamente na Google, em vez de fazer o trabalho de formiguinha? Segundo os idealizadores do Sleeping Giants, cobrar a responsabilidade da empresa de tecnologia não traria resultados.

“As grandes plataformas são, sim, responsáveis pelo espaço dado a disseminadores de conteúdos falsos e odiosos, mas é muito difícil ganharmos a atenção delas”, argumentam. “Em quatro anos de existência do perfil americano, nenhuma das grandes plataformas tomou medidas ou contatou o Sleeping Giants. Mas esperamos que isso mude e que elas entendam a responsabilidade que têm quando não há um selecionamento criterioso do que admitem ou não no ambiente virtual.”

Procurado pela Dw Brasil, o escritório da Google no Brasil se posicionou via assessoria de imprensa. “Temos políticas rígidas que limitam os tipos de conteúdo nos quais exibimos anúncios, como a que não permite que publishers busquem enganar o usuário sobre sua identidade ou produtos. Quando uma página ou site viola nossas políticas, tomamos medidas imediatas e removemos sua capacidade de gerar receita”, disse a empresa, em nota.

“Entendemos que os anunciantes podem não desejar seus anúncios atrelados a determinados conteúdos, mesmo quando eles não violam nossas políticas, e nossas plataformas oferecem controles robustos que permitem o bloqueio de categorias de assuntos e sites específicos, além de gerarem relatórios em tempo real sobre onde os anúncios foram exibidos”, acrescentou.

A Google afirmou que, apenas em 2019, encerrou mais de 1,2 milhão de contas e retirou anúncios de mais de 21 milhões de páginas “por violação de políticas”.

Twitter testa mensagens de áudio em tweets de até 140 segundos

O Twitter liberou uma novidade nesta quarta-feira (17) para alguns usuários do iPhone: os tweets de voz permitem gravar áudios e publicá-los diretamente na timeline. Cada mensagem tem limite de 140 segundos e aparece na linha do tempo com a foto de perfil e um reprodutor de mídia.

Twitter permite publicar tweets de voz através do iPhone; app permite publicar mensagens de áudio com até 140 segundos.

Twitter e mensagem de voz

Funciona assim: ao criar um novo tweet no app para iOS, há uma opção com o aviso “Grave o que está acontecendo”. Ao tocar nela, surge uma interface de gravador para criar a mensagem de áudio; basta tocar no botão vermelho de microfone. Por enquanto, não há um recurso nativo para enviar áudios pré-gravados.

A novidade será liberada “nas próximas semanas” para todos os usuários do Twitter no iOS; a rede social não menciona outras plataformas, como Android e web.

Twitter tem limite de 140 segundos para tweets de áudio
Como explica o Twitter, os áudios têm limite de 140 segundos (refletindo o antigo limite de 140 caracteres no Twitter). Você pode gravar mensagens mais longas que isso, mas elas serão cortadas em dois ou mais tweets publicados em sequência.

“Quando você atinge o limite de tempo para um tweet, um novo tweet de voz começa automaticamente a criar uma sequência de mensagens”, diz o Twitter em comunicado.

Twitter e mensagem de voz
O áudio é exibido na timeline com a foto de perfil e a duração. Ao tocar nele, o app para iPhone mostra uma barra na parte inferior para reproduzir e pausar; é possível ouvir tweets de voz com o app em segundo plano.

Na web, no Android e em tweets incorporados (exemplo abaixo), a mensagem aparece no formato tradicional de vídeo:

Vale lembrar que o Periscope, ferramenta de vídeos ao vivo do Twitter, permite incluir convidados para comentar transmissões através de mensagens de voz. Agora, também será possível postar áudios na linha do tempo; só ficou faltando ter esse recurso nas mensagens diretas (DMs), como no Instagram.

Coronavírus dos meios de transporte da Peste Negra para a Amazon com a cobertura-19: mostra as pandemias impulsivas às megacorporações

Em plena Idade Média na Europa, em junho de 1348, os cidadãos da Inglaterra começaram a ter sintomas misteriosos. No início, eram leves e difusas: dor de cabeça, mal-estar e náusea.

“O triunfo da morte” representa o que aconteceu no século XIV.

Isso foi seguido pelo aparecimento de inchaços negros dolorosos, ou bolhas, que cresceram nas axilas e na virilha, que deram à doença o nome: peste bubônica.

O último estágio da infecção foi febre alta e morte.

Originados na Ásia Central, soldados e caravanas trouxeram as bactérias que causavam o vírus, a Yersina pestis, e que carregavam pulgas que viviam em ratos, aos portos do Mar Negro.

O comércio de mercadorias no Mediterrâneo causou a rápida transmissão da praga, através de navios mercantes que chegaram primeiro na Itália e depois em toda a Europa.

A Peste Negra matou entre um terço e meio da população da Europa e do Oriente Médio.

Esse grande número de mortes foi acompanhado por devastação econômica geral.

“A alternativa para os próximos 20 anos é uma forma sustentável de capitalismo. Ele continuará sendo capitalismo, mas não será visto como tal.”
Desde que um terço da força de trabalho morreu, as colheitas foram deixadas sem coleta e as conseqüências para as comunidades que nelas viviam foram devastadoras.

Uma em cada dez cidades da Inglaterra (como muitas na Toscana e outras regiões da Itália) desapareceu e nunca foi re-fundada.

As casas se tornaram ruínas e estavam cobertas de grama e sujeira. Somente as igrejas foram deixadas de pé.

Portanto, se você se deparar com uma igreja ou capela solitária no meio do campo, é provável que esteja vendo os últimos remanescentes de uma das aldeias perdidas da Europa.

Havia uma cidade ao redor daquela igreja em ruínas?

A experiência traumática da Peste Negra, que matou talvez 80% das pessoas infectadas, levou muitas pessoas a escrever para entender o que haviam experimentado.

Em Aberdeen, John de Fordun, um cronista escocês, registrou que:

“A doença afetou a todos, mas principalmente as classes média e baixa, raramente os nobres.”

“Isso gerou tanto horror que as crianças não ousaram visitar seus pais moribundos, nem os pais seus filhos, mas fugiram por medo de contágio, como lepra ou cobra”.

Essas linhas quase poderiam ter sido escritas hoje.

Yuval Noah Harari: “Esta não é a peste negra. Não é como se as pessoas morressem e não tivéssemos ideia do que as mata”
Embora a taxa de mortalidade da covid-19 seja muito menor que a da Peste Negra, as consequências econômicas foram severas devido à natureza globalizada e altamente integrada das economias modernas.

E, como isso foi adicionado à mobilidade da população, a pandemia se espalhou pelo mundo em questão de meses, não anos.

Mão de obra

Embora a Peste Negra tenha causado danos econômicos a curto prazo, as consequências a longo prazo foram menos óbvias.

Antes de começar a se espalhar, o crescimento da população havia causado um excedente de trabalho há séculos, que foi abruptamente substituído por uma escassez de mão-de-obra quando muitos servos e camponeses livres morreram.

Os historiadores argumentam que essa escassez de mão-de-obra permitiu que os camponeses que sobreviveram à pandemia exigissem melhores salários ou procurassem emprego em outro lugar.

Apesar da resistência do governo, a epidemia corroeu o sistema feudal.

Muita literatura foi escrita sobre o que aconteceu com a peste negra.

Mas outra conseqüência da Peste Negra foi a ascensão de empresários ricos e o estreitamento dos laços entre governos e o mundo dos negócios.

Embora a doença tenha causado perdas de curto prazo para as maiores empresas da Europa, elas concentraram seus ativos no longo prazo e permaneceram com uma participação maior no mercado, enquanto aumentavam sua influência nos governos.

Isso tem fortes paralelos com a situação atual em muitos países do mundo.

Embora as pequenas empresas dependam do apoio do governo para evitar o colapso, muitas outras, principalmente as maiores ou aquelas que entregam em casa, estão se beneficiando generosamente das novas condições do mercado.

O que a peste negra pode nos ensinar sobre as conseqüências econômicas globais de uma pandemia.
A economia de meados do século XIV e hoje são muito diferentes em tamanho, velocidade e interconexão para fazer comparações exatas.

Mas certamente podemos ver paralelos com a forma como a Peste Negra fortaleceu o poder do Estado e acelerou o domínio do domínio das megacorporações sobre os principais mercados.

O negócio da morte

A perda repentina de pelo menos um terço da população da Europa não levou a uma redistribuição uniforme da riqueza para todos os outros.

Em vez disso, as pessoas reagiram à devastação mantendo dinheiro dentro da família.

A peste negra matou de 75 a 200 milhões de pessoas em todo o mundo.
Ao mesmo tempo, o declínio do feudalismo e o surgimento de uma economia baseada em salários, seguindo as demandas camponesas por melhores condições de trabalho, beneficiaram as elites urbanas.

O pagamento em dinheiro, e não em espécie (na concessão de privilégios como o direito de coletar lenha) significava que os camponeses tinham mais dinheiro para gastar nas cidades.

Essa concentração de riqueza acelerou bastante uma tendência pré-existente: o surgimento de empresários mercantes que combinavam o comércio de bens com sua produção em uma escala disponível apenas para aqueles com quantidades significativas de capital.

Por exemplo, a seda, uma vez importada da Ásia e Bizâncio, agora era produzida na Europa.

Mercadores italianos ricos começaram a abrir oficinas de seda e tecido.

Esses empresários estavam em uma posição única para responder à súbita falta de mão-de-obra causada pela Peste Negra.

Diferentemente dos tecelões independentes, que careciam de capital, e diferentemente dos aristocratas, cuja riqueza vinha da terra, os empresários urbanos podiam usar seu capital líquido para investir em novas tecnologias, compensando a perda de trabalhadores com máquinas.

Paradoxalmente, ao reduzir a população, a vida dos sobreviventes melhorou.
No sul da Alemanha, que se tornou uma das áreas mais comercializadas da Europa nos séculos 14 e 15, empresas como a Welser (que mais tarde administrou a Venezuela como colônia privada) combinaram o cultivo de linho com posse dos teares.

Nesses teares, o linho era trabalhado para produzir um tecido que a empresa posteriormente vendeu.

Após a Peste Negra, nos séculos XVI e XV, a tendência era de poucas empresas concentrarem todos os recursos: capital, habilidades e infraestrutura.

A era da Amazon

Avançando para o presente, existem algumas semelhanças claras.

Certas grandes organizações aproveitaram as oportunidades oferecidas pela pandemia da covid-19.

Em muitos países, pequenos restaurantes, bares e lojas fecharam subitamente.

O mercado de alimentos, o varejo em geral e o entretenimento tornaram-se digitais e o dinheiro praticamente desapareceu.

Com os restaurantes fechados, grande parte desse suprimento de alimentos foi absorvida pelas redes de supermercados.

A Amazon é vista como um dos vencedores da pandemia.
Eles têm muitas áreas de vendas e muitos funcionários, além da capacidade de acelerar a contratação e no momento em que muitas pessoas ficam sem emprego.

Eles também têm armazéns, caminhões e capacidade logística complexa.

O outro grande vencedor foram os gigantes do varejo on-line, como a Amazon, que possui serviços de vendas de alimentos nos Estados Unidos, Índia e em muitos países europeus.

Quem está ganhando dinheiro com o coronavírus?

As lojas do nível da rua sofrem com a concorrência de preços e a conveniência da Internet há anos, tornando comuns as notícias de fechamentos e falências.

Empresas em ascensão

Agora, grande parte do espaço de negociação “não essencial” está encerrado, e nossos desejos só podem ser realizados através da Amazon, eBay, Argos, Screwfix e outros.

Houve um claro aumento nas compras on-line, e os analistas se perguntam se essa é uma reviravolta definitiva no mundo virtual e demonstra maior domínio das grandes corporações.

A indústria de streaming de entretenimento, um setor de mercado dominado por grandes corporações como Netflix, Amazon Prime (novamente), Disney e outras, nos mantém distraídos enquanto aguardamos nossos pacotes em casa.

Outros gigantes online como Google (dono do YouTube), Facebook (dono do Instagram) e Twitter fornecem as outras plataformas que dominam o tráfego da Internet.

A paralisação das atividades pelo coronavírus elevou o número de desempregados nos Estados Unidos para 22 milhões.

Pandemias do governo

No nível estadual, a Peste Negra provocou uma aceleração da centralização, aumento de impostos e dependência do governo de grandes empresas.

Na Inglaterra, o declínio no valor da terra e a consequente queda na renda levaram a Coroa, o maior proprietário de terras do país, a tentar limitar os salários aos níveis anteriores à Peste Negra com o Estatuto dos Trabalhadores de 1351, e impor impostos adicionais à população.

Anteriormente, os governos se financiavam e impunham impostos para despesas extraordinárias, como guerras.

Mas os impostos estabelecidos após a Peste Negra estabeleceram um precedente importante para a intervenção do governo na economia.

Esses esforços do governo resultaram em um aumento significativo na participação da Coroa na vida cotidiana.

Nos surtos subsequentes de peste, que ocorreram a cada 20 anos ou mais, o movimento das populações foi restringido por toque de recolher, proibição de viagens e quarentena.

“Obrigado, tio Sam”: os US $ 1.200 que os EUA paga milhões de pessoas para combater o impacto econômico do coronavírus.
Isso fez com que o Estado concentrasse ainda mais poder e substituísse a distribuição regional de autoridade por uma burocracia centralizada.

Muitos dos homens que dirigiram o governo após a praga, como o poeta Geoffrey Chaucer, vieram de famílias mercantes inglesas, algumas das quais ganharam poder político.

Detalhe de uma tapeçaria florentina com dois anjos segurando o brasão de Médici.

O exemplo mais proeminente disso foi o da família De la Pole, que em duas gerações passou de comerciante de lã a detentor do título de Suffolk County.

Com o colapso temporário do comércio e das finanças internacionais após a Peste Negra, Richard de la Pole se tornou o maior prestamista da Coroa e amigo íntimo de Richard II.

Quando as megaempresas italianas reapareceram nos séculos 14 e 15, também se beneficiaram da crescente dependência da coroa de empresas comerciais.

A família Medici, que acabou governando Florença, é o exemplo mais impressionante.

Os comerciantes também ganharam influência política comprando terras, cujo preço havia caído após a Peste Negra.

Possuir terras permitiu que se tornassem nobres e aristocratas e casassem seus filhos com os filhos de senhores com problemas de liquidez.

Com seu novo status e com a ajuda de sogros influentes, as elites urbanas ganharam representação política no Parlamento.

No final do século XIV, o controle estatal do governo e seus estreitos laços com empresas mercantis levaram muitos nobres a se voltar contra Ricardo II.

Depois que Ricardo II levantou impostos para arrecadar dinheiro para continuar sua campanha no exterior, os camponeses pegaram em armas em 1381.

Eles transferiram sua lealdade ao primo, que se tornou Henrique IV, na (vã) esperança de que ele não seguisse as políticas de Ricardo.

Isso e as subsequentes Guerras das Rosas foram impulsionadas em parte pela hostilidade da nobreza em relação à centralização do poder do governo.

A derrota de Enrique a Ricardo III em 1485 não apenas terminou a guerra, mas anulou qualquer tentativa da nobreza inglesa de recuperar a autoridade regional, abrindo caminho para o crescimento contínuo das empresas e do governo central.

O estado em que estamos

O poder do estado é algo que assumimos amplamente no século XXI.

Em todo o mundo, a idéia de nação soberana tem sido central na política e na economia imperiais nos últimos séculos.

Mas a partir da década de 1970, tornou-se comum os intelectuais sugerirem que o Estado era menos importante, seu monopólio sobre o controle do território começou a ser disputado por empresas multinacionais.

Em 2016, das 100 maiores entidades econômicas, 31 eram países e 69 eram empresas.

O Walmart era maior que a economia da Espanha, a Toyota, maior que a da Índia.

A capacidade dessas grandes empresas de influenciar políticos e reguladores já foi clara o suficiente: basta olhar para o papel das empresas de petróleo em negar as mudanças climáticas.

E que Margaret Thatcher, primeira ministra do Reino Unido de 1979 a 1990, declarou que pretendia “reverter o Estado” também trouxe mudanças.

Desde então, mais e mais ativos que antes eram estatais começaram a ser operados como empresas ou como agentes privados em um mercado regulamentado pelo estado.

Aproximadamente 25% do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido, por exemplo, possui contratos com o setor privado.

O sistema de saúde do Reino Unido tem sofrido muita pressão durante a pandemia – Direitos autorais da imagem GETTY IMAGES

Em todo o mundo, transportes, serviços públicos, telecomunicações, dentistas, oftalmologistas, correios e muitos outros serviços costumavam ser monopólios estatais e agora são administrados por empresas.

É comum ouvir-se que as indústrias nacionalizadas ou estatais são lentas e precisam de disciplina no mercado para se tornarem mais modernas e eficientes.

Mas, graças ao coronavírus, o estado voltou novamente como um tsunami.

Seus gastos foram direcionados aos sistemas nacionais de saúde, abordaram os problemas dos sem-teto, forneceram renda básica universal para milhões de pessoas e ofereceram garantias de empréstimos ou pagamentos diretos a um grande número de empresas.

Essa é a economia keynesiana de larga escala, na qual os títulos nacionais são usados ​​para emprestar dinheiro lastreado em impostos futuros dos contribuintes.

As idéias sobre o equilíbrio orçamentário parecem ser, por enquanto, históricas, dado o número de setores que dependem de resgates públicos.

Políticos de todo o mundo tornaram-se repentinamente intervencionistas, usando metáforas da época da guerra para justificar gastos gigantescos.

Também não se fala muito da restrição surpreendente das liberdades pessoais. A autonomia do indivíduo é fundamental para as idéias neoliberais.

Os “povos amantes da liberdade” contrastam com aqueles que vivem suas vidas sob o jugo da tirania, de estados que exercem poderes de vigilância como um Big Brother sobre o comportamento de seus cidadãos.

Quase metade da população da Inglaterra desapareceu devido à peste negra.

No entanto, nos últimos meses, estados ao redor do mundo restringiram o movimento para a grande maioria das pessoas e estão usando a polícia e as forças armadas para impedir multidões em espaços públicos e privados.

Teatros, bares e restaurantes estão fechados.

Também parques estão fechados, e até sentar em bancos pode motivo para levar uma multa, ou bem correr muito perto de alguém.

Um rei medieval ficaria impressionado com esse nível de autoritarismo.

O poder do Estado está agora sendo exercido de maneiras nunca vistas desde a Segunda Guerra Mundial, e tem havido amplo apoio público a ele.

Resistência popular

Para retornar à Peste Negra, o crescimento da riqueza e a influência de comerciantes e grandes empresas agravaram seriamente o sentimento anti-comércio que já existia.

O pensamento medieval, intelectual e popular, sustentava que o comércio era moralmente suspeito e que os comerciantes, especialmente os ricos, eram propensos à ganância.

A Peste Negra foi amplamente interpretada como a punição de Deus pelo pecado da Europa, e muitos escritores pós-epidêmicos culparam a Igreja, os governos e as empresas ricas pelo declínio moral da cristandade.

O famoso poema de protesto de William Langland, Piers Plowman (“Peter, o Labrador”), era fortemente anti-comercialista.

Lutero ficou indignado com o monopólio da Igreja Católica.

Outras obras, como o poema de meados do século XV, o Libelle de Englysche Polycye, toleraram o comércio, mas o desejavam nas mãos dos comerciantes ingleses e fora do controle dos italianos, que, segundo o autor, empobreceram o país.

Com o avanço dos séculos XIV e XV, e as corporações ganharam maior participação no mercado, a hostilidade popular e intelectual aumentou. A longo prazo, isso teria resultados incendiários.

Já no século XVI, a concentração do comércio e das finanças nas mãos das empresas havia se tornado um monopólio próximo dos bancos reais e papais.

Essas empresas também tinham o monopólio ou quase as principais matérias-primas da Europa, como prata, cobre e mercúrio, e importações da Ásia e das Américas, principalmente especiarias.

Martin Luther (o teólogo que promoveu a reforma religiosa na Alemanha e cujos ensinamentos foram inspirados pela Reforma Protestante) ficou indignado com essa concentração e principalmente com o monopólio da Igreja Católica.

Em 1524, ele publicou um tratado argumentando que o comércio deveria ser conduzido em nome do bem comum (alemão) e que os comerciantes não deveriam cobrar preços altos por seus produtos.

Este sinal foi colocado em cemitérios para alertar sobre a Peste Negra.

Juntamente com outros escritores protestantes, como Philip Melancthon e Ulrich von Hutten, Luther apontou o sentimento anti-mercado existente de criticar a influência dos negócios no governo, acrescentando injustiça financeira ao seu pedido de reforma religiosa.

Max Weber associou o protestantismo ao surgimento do capitalismo e do pensamento econômico moderno.

(Recomendo a leitura de “A ética Protestante e O Espírito do Capitalismo”, de Weber)

Mas os primeiros escritores protestantes se opuseram às corporações multinacionais e à comercialização de suprimentos básicos, apontando para o sentimento anti-comercial que teve suas raízes na Peste Negra.

Essa oposição popular e religiosa acabou levando à ruptura com Roma e à transformação da Europa.

Pequeno é sempre bom?

No século 21, nos acostumamos à idéia de que as empresas capitalistas produzem concentrações de riqueza.

Quer se trate de industriais vitorianos, aristocracia, ladrões americanos ou bilionários pontocom, as desigualdades geradas pelos negócios e a capacidade de corromper governos moldaram o debate comercial desde a revolução industrial.

Para os críticos, as grandes empresas costumam ser caracterizadas como cruéis.

Um gigante que esmaga as pessoas comuns sob as rodas de suas máquinas ou extrai vampiricamente os lucros do trabalho das classes trabalhadoras.

Como vimos, o debate entre pequenas empresas locais e aqueles que favorecem corporações e poder estatal remonta há muitos séculos.

Poetas e radicais românticos lamentavam como os “moinhos satânicos escuros” estavam destruindo o campo e produzindo pessoas que nada mais eram do que apêndices em máquinas.

As populações dos países ocidentais foram alimentadas por grandes redes de supermercados durante a pandemia.

A idéia de que o artesão honesto estava sendo substituído pelo empregado alienado, um escravo assalariado, é comum tanto aos críticos nostálgicos quanto aos progressistas do capitalismo primitivo.

Na década de 1960, a fé nos negócios locais, combinada com suspeitas sobre empresas e o estado, deu origem a movimentos ecológicos, como o Occupy ou o Extinction Rebellion.

Consumir comida local, usar dinheiro local e tentar aumentar o poder de compra de “instituições âncoras”, como hospitais e universidades, em direção a pequenas empresas sociais tornou-se o senso de muitos ativistas econômicos contemporâneos.

Mas a crise do covid-19 questiona esse “pequeno é bom e grande é ruim” de algumas maneiras fundamentais.

Do Washington Post a uma cadeia de supermercados: os tentáculos do império de Jeff Bezos além da Amazon.

Parece ser necessário uma organização em larga escala para lidar com a grande variedade de problemas que o vírus gerou, e os estados que parecem ter tido mais sucesso são aqueles que adotaram as formas mais intervencionistas de vigilância e controle.

Até o mais ardente pós-capitalista teria que reconhecer a incapacidade das pequenas empresas sociais de equipar um hospital gigantesco em poucas semanas.

E, embora existam muitos exemplos de empresas locais envolvidas na entrega de alimentos e uma quantidade louvável de ajuda ao cidadão, a população dos países ocidentais está sendo amplamente alimentada por redes de supermercados com operações logísticas complexas.

Após o coronavírus

O resultado a longo prazo da Peste Negra foi o fortalecimento do poder das grandes empresas e do Estado. Os mesmos processos ocorreram durante a quarentena de coronavírus e muito mais rápidos.

Mas devemos ser cautelosos com as fáceis lições históricas.

A história nunca se repete realmente.

As circunstâncias de cada época são únicas e simplesmente não é aconselhável tomar as “lições” da história como experimentos que testam certas leis gerais.

O coronavírus não matará um terço de qualquer população, portanto, embora seus efeitos sejam profundos, eles não causarão a mesma escassez de trabalhadores. Na verdade, reforçou o poder dos empregadores.

A diferença mais profunda é que a causada pelo vírus coincide com outra crise, a das mudanças climáticas.

Existe um risco real de que as políticas de recuperação econômica simplesmente substituam a necessidade de reduzir as emissões de carbono.

Este é o cenário de pesadelo, em que o covid-19 é apenas um prenúncio de algo muito pior.

O coronavírus está afetando o planeta.

Mas as enormes mobilizações de pessoas e dinheiro que governos e empresas implementaram também mostram que as grandes organizações podem se reformar e ao mundo notavelmente rapidamente, se quiserem.

Isso fornece um motivo real de otimismo em relação à nossa capacidade coletiva de redesenhar a produção de energia, transporte, sistemas alimentares e muito mais – o novo acordo ecológico que muitos formuladores de políticas têm patrocinado.

A Peste Negra e o covid-19 parecem ter causado a concentração e centralização dos negócios e do poder do Estado.

É interessante saber disso.

Mas a questão mais importante é se essas forças podem ajudar a combater a crise que se aproxima.

Eleanor Russell é Doutor em História na Universidade de Cambridge e Martin Parker é professor na Universidade de Bristol, ambos no Reino Unido.

#ExposeBillGates – hashtag explode no Twitter enquanto teóricos da conspiração prometem evitar a vacina Covid-19 conectada ao bilionário

“O público está finalmente acordando. Eu nunca gostei desse cara e se você realmente o ouvir falar e assistir às entrevistas dele, saberá que ele não tem nosso melhor interesse em mente “, twittou o autor Peter Vooogd no sábado. Foi um dos muitos tweets vinculados à hashtag #ExposeBillGates, que surgiu de um “dia de ação” planejado – anunciado pelo autor Derrick Broze no mês passado – para expor o bilionário.

Bill Gates fala durante a reunião anual do Fórum Econômico Mundial (WEF) em Davos, Suíça © REUTERS / Arnd Wiegmann

A onipresença de Bill Gates na mídia durante a pandemia de Covid-19 se transformou em uma obsessão em massa com muitos, e os teóricos da conspiração colocaram #ExposeBillGates no Twitter em um “dia de ação” planejado.
A pandemia de coronavírus criou várias especulações em torno do Microsoft Founder sobre seu apoio a medidas estendidas de bloqueio, suas grandes contribuições à Organização Mundial da Saúde e comentários anteriores sobre vacinas.

Outros tweets incluíam um vídeo que denunciava Gates por sua franqueza no Covid-19, apesar de não ser um funcionário eleito, além de seu apoio à extensão de medidas de bloqueio em todo o mundo. Acusações de “controle populacional” também foram distribuídas com base no trabalho de Gates em fornecer vacinas para países mais pobres por meio de sua fundação.

Outros prometeram nunca tomar nenhuma vacina com a qual Gates tenha envolvimento, incluindo a autora conservadora Michelle Malkin.

Alguns usuários de mídia social, no entanto, não levaram a sério as teorias da conspiração e, em vez disso, usaram a hashtag para zombar de Gates.

Embora as teorias da conspiração sobre Gates sejam baseadas mais em conjecturas do que em evidências concretas, elas captaram o público. A empresa de análise de mídia Zignal Labs relatou a teoria da conspiração de que Gates quer implantar microchips de rastreamento nos cidadãos sob o pretexto de parar o Covid-19 foi mencionado nas mídias sociais mais de um milhão de vezes antes de maio.

Uma pesquisa do Yahoo News / YouGov que mostrou cerca de 20% dos participantes acredita que Gates deseja rastrear as informações pessoais das pessoas através de microchips. Para os republicanos, esse número na pesquisa dispara acima de 40%.

Gates negou o desejo de implantar microchips nos cidadãos e chamou os resultados da pesquisa de “preocupantes”, apesar de admitir que um “sistema de dados” em massa acompanhar as informações das pessoas era uma boa idéia para evitar futuras pandemias.

A posição de Gates no mundo só aumentou desde o início da pandemia, o que provavelmente alimenta muitos dos teóricos da conspiração que não confiam nele. Com os EUA apoiando o apoio à Organização Mundial da Saúde, ele deve se tornar o maior colaborador do grupo, fato que preocupa muitos, já que o fundador da Microsoft é um cidadão privado que teoricamente poderia exercer muito poder durante situações globais.

 

 

Tecnologia,Crimes Cibernéticos,Internet,Redes Sociais,Hackers,Privacidade,Malware,Stalkware,WhatsApp,Facebook,Instagram,Twitter

Twitter bane mais de 170 mil perfis ligados ao governo da China

Segundo a rede social, perfis disseminavam informações falsas para difamar movimento pró-democracia em Hong Kong e espalhar críticas aos EUA e Taiwan.

Contas também publicavam notícias falsas sobre pandemia de covid-19.

Twitter cancelou mais de 170 mil perfis associados a campanhas chinesas de desinformação

O Twitter informou nesta sexta-feira (12/06) que cancelou mais de 170 mil perfis ligados ao governo da China que propagavam campanhas de desinformação que tinham como alvo o movimento pró-democracia em Hong Kong, além de disseminar propagandas antiamericanas.

Após uma análise realizada juntamente com grupos de pesquisadores, o Twitter disse que desmantelou redes associadas ao governo chinês administradas por um núcleo bastante ativo de 23.750 contas, além de outros 150 mil perfis que funcionavam como “amplificadores” desse conteúdo.

“Eles tuitavam predominantemente no idioma chinês e disseminavam narrativas geopolíticas favoráveis ao Partido Comunista da China, ao mesmo tempo em que empurravam narrativas sobre a dinâmica política em Hong Kong”, afirmou a rede social em sua análise.

O Twitter foi banido na China, assim como as plataformas Youtube, Google, Instagram e Facebook, com a imposição do chamado “Grande Firewall”, que restringe o acesso a sites de notícias e de informação de fora do país. Mesmo assim, diplomatas chineses e a imprensa estatal do país costumam recorrer a esses meios para difundir a narrativa de Pequim.

Além de disseminar a narrativa chinesa sobre os protestos em Hong Kong, os tuítes chineses também espalhavam informações falsas sobre a pandemia de covid-19 e críticas ao governo de Taiwan. Analistas e alguns governos ocidentais já vinham alertando sobre as suspeitas de que a China manipula perfis e contas controladas pelo Estado, disfarçados de usuários normais, para disseminar os pontos de vista do governo e espalhar desinformação.

Um analista do Instituto Australiano de Políticas Estratégicas (Aspi), que estudou os dados antes do anúncio feito pelo Twitter, disse que os perfis chineses lançavam críticas à reação do governo americano aos protestos antirracistas no país, no intuito de “criar uma percepção de equivalência moral com a supressão dos protestos em Hong Kong”.

“Nossa análise mostra que, ao mesmo tempo em que não permite que os cidadãos utilizem o Twitter, o Partido Comunista chinês gosta de utilizá-lo para disseminar propaganda e desinformação internacionalmente”, disse Fergus Hanson, diretor do Aspi.

O especialista observou também que as postagens da rede chinesa eram feitas, na maioria das vezes, durante o horário de expediente no país e nos dias úteis. Esse padrão, segundo Hanson, “demonstra claramente a não autenticidade e a coordenação” da divulgação de informações falsas.

O anúncio do Twitter veio no mesmo dia que o aplicativo Zoom, de conversas em grupo, acatou exigências impostas pelo governo chinês e fechou contas de ativistas pró-democracia dos Estados Unidos e de Hong Kong. A plataforma, que ganhou milhões de novos usuários durante a pandemia do novo coronavírus, foi utilizada para relembrar o massacre promovido pelo regime na Praça da Paz Celestial, em Pequim.

Tecnologia,Economia,Trabalho,Emprego,Blog do Mesquita 01

O trabalho remoto não é o fim do vale do silício, mas é o fim de algo

A era de ouro dos escritórios
de tecnologia chega ao fim

Os funcionários trabalham na “Sala de Guerra” do Facebook durante uma demonstração na mídia em 17 de outubro de 2018, em Menlo Park, Califórnia. Foto: Noah Berger / Getty Images

A noção de que o trabalho remoto é o caminho do futuro não é nova. É muito anterior à pandemia e se tornou popular nos Estados Unidos quase tão logo os bloqueios começaram. A resposta ao coronavírus é uma prévia do futuro auto-isolante da sociedade – um futuro que ameaça exacerbar as divisões de classe, entre outros efeitos de longo alcance.
Ainda assim, é notável o quão subitamente algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo adotaram esse futuro.

Na semana passada, conforme coberto neste boletim, o Twitter anunciou que permitiria que seus funcionários trabalhassem em casa permanentemente. Nesta semana, as comportas foram abertas.Você pode tirar os técnicos do Vale do Silício…

Em 2013, a ex-CEO do Yahoo, Marissa Mayer, tomou uma medida controversa para proibir seus funcionários de trabalhar em casa. A ideia de que o trabalho remoto era antitético à colaboração rapidamente ganhou força no mundo corporativo e, em 2017, era uma sabedoria convencional. Eu acho que essa foi uma daquelas “opiniões fortes, fracamente defendidas” pelas quais alguns líderes do Vale do Silício gostam, porque nesta semana o mundo da tecnologia girou na direção oposta. No espaço de alguns dias, Square, Shopify e Facebook seguiram o Twitter, sinalizando uma mudança para adotar o trabalho remoto como padrão.

O anúncio do Facebook na quinta-feira foi demais, por causa da enorme escala e influência da empresa, mas também porque até recentemente era um exemplo da perspectiva de “escritórios importantes”. Como o Google antes, a cultura do Facebook desfocou famosamente as linhas entre vida profissional e vida pessoal, com escritórios que funcionavam como uma extensão da experiência da faculdade para seus funcionários, em sua maioria jovens. A palavra “campus” era apropriada de várias maneiras, e a sede do Menlo Park, projetada por Frank Gehry, no Facebook, incorporava a tendência em direção a complexos cada vez maiores e extravagantes.

O CEO Mark Zuckerberg disse à equipe em uma reunião ao vivo que a empresa permitiria que muitos funcionários trabalhassem em casa permanentemente. Ele previu que metade de sua força de trabalho o faria dentro de cinco a dez anos.Facebook,Zuckerberg,Tecnologia,Redes Sociais,Internet,Privacidade

Compreensivelmente, as notícias desencadeiam uma cascata de tomadas e previsões sobre o que as empresas podem seguir, se os funcionários se mudarão do Vale do Silício, onde se estabelecerão e se receberão o mesmo valor quando chegarem. A última é uma pergunta interessante, que Matt Zeitlin explorou no OneZero, assim como a tecnóloga Blair Reeves em seu blog pessoal e, bem, muitas outras em muitos outros lugares. Zuckerberg já respondeu pelo Facebook, dizendo que os funcionários que saírem da área da baía terão seus salários ajustados com base em sua localização.

Quanto esses salários serão ajustados, é claro. Se mudar para Detroit ou Montana significa, digamos, um corte de 15% nos salários, é muito melhor trabalhar a partir daí do que em Menlo Park (pelo menos em termos financeiros). Mas se os salários fossem totalmente reduzidos ao custo de vida local, o corte salarial seria muito mais profundo e a maioria dos funcionários ficaria melhor nas cidades mais caras, onde poderiam despejar seus salários muito mais altos em imóveis mais valiosos, para não mencionar desfrutando das comodidades que colocam essas cidades em uma demanda tão alta em primeiro lugar.

É tentador, com um anúncio como esse, jogar imediatamente todas as implicações e assumir que elas já aconteceram. Provavelmente, existe alguma linha do tempo possível em que isso acaba sendo o começo do fim do Vale do Silício, à medida que os técnicos fogem em massa para locais distantes, a sede fica vazia, os preços dos imóveis em Bay Area convergem para a média nacional e a tecnologia se torna uma indústria totalmente distribuída. Realisticamente, no entanto, isso não acontecerá tão cedo. Os seres humanos ainda são criaturas sociais, Zoom e Slack são substitutos profundamente defeituosos da presença física, e grande parte da indústria criou raízes no Vale do Silício (ou Seattle, nos casos da Microsoft e da Amazon).

Essas raízes não serão simplesmente arrancadas pela opção de trabalhar remotamente. Também existem empresas, como a Apple, para as quais a presença física não é apenas uma questão de cultura, mas de sigilo e segurança operacional. (Mark Gurman, da Bloomberg, teve uma boa notícia em março sobre como a Apple está se adaptando em particular.) Portanto, não, isso não será um golpe mortal para o Vale do Silício – embora, como apontou minha colega do OneZero, Sarah Emerson, possa ter efeitos profundos no Menlo Park e seus arredores imediatos. Mas isso pode marcar o fim de grandes e importantes escritórios de tecnologia que formaram não apenas o coração pulsante da cultura de uma empresa, mas também um ponto focal da vida social dos funcionários.O Spotify está se tornando o Netflix de podcasts. Na terça-feira, a empresa sueca de streaming anunciou que assinou um contrato exclusivo com Joe Rogan, cujo podcast está entre os mais populares do mundo. É um golpe no YouTube, onde Rogan não publicará mais seus podcasts na íntegra e, de maneira mais geral, um golpe nos podcasts como um ecossistema aberto. O Spotify já havia adquirido as redes de podcast Gimlet Media e The Ringer, e agora está claro que a empresa leva a sério a vantagem de conquistar o máximo de mercado possível.

A corporação e o isolamento dos podcasts é um lamento para outra época. Mas, do ponto de vista estratégico, o conteúdo exclusivo é uma proteção astuta para uma empresa cujo principal produto, a música, está disponível de forma quase idêntica em outras plataformas, incluindo a Apple, que tem poder de mercado para inclinar o campo a seu favor.

O conteúdo original provou ser crítico no setor de streaming de vídeo, onde Netflix, Amazon Prime, Hulu e Disney + competem pelo menos tanto em sua lista de exclusivos quanto em preço ou interface do usuário. Embora o acordo com a Rogan possa parecer um alvo improvável para o escrutínio antitruste, Matt Stoller apresenta um argumento surpreendentemente persuasivo para a intervenção regulatória.Ciência,EUA,China,Tecnologia,Computação Quântica

O bate-papo por voz está crescendo, por enquanto. Enquanto plataformas de bate-papo por vídeo, como Zoom e Houseparty, ganham mais atenção como beneficiárias do bloqueio de coronavírus, a próxima onda de aplicativos sociais se concentra no áudio. O Clubhouse, um aplicativo de bate-papo por voz que ganhou popularidade em uma versão beta privada com o conjunto de capital de risco, foi avaliado em US $ 100 milhões na semana passada em uma rodada de angariação de fundos liderada pela A16Z, informou a Forbes.

E o Discord, cujas conversas por voz há muito tempo são as favoritas dos jogadores, estava em negociações para levantar uma nova rodada com uma avaliação de US $ 3 bilhões. Embora o Discord esteja bem estabelecido para certos casos de uso, se uma empresa pode cumprir as esperanças dos investidores dependerá se o apetite das pessoas por melhores maneiras de conversar entre si on-line persistirá quando voltarem à melhor maneira de conversar entre si. outro, que está offline.

Covid-19; apó a pandemia os giganjtes da tecnologia terão ainda mais controle sobre o que você vê e pensa

Os algoritmos do Vale do Silício estão controlando seu mapa cognitivo, e os governos estão deixando isso acontecer. O Covid-19 está fornecendo a cobertura perfeita para reforçar esse controle – bem a tempo das eleições de 2020.

O neoliberalismo foi a cobertura perfeita para os oligarcas desencadearem guerras ideológicas para proteger os bilhões que saquearam dos contribuintes. Trilhões de dólares fluíram para o Vale do Silício, o berço da censura digital – censura que, sob muitos aspectos, é mais perigosa e insidiosa do que o golpe fracassado d’état de um presidente dos EUA apoiado no discurso com a farsa rússia e a farsa do impeachment.

Nas últimas duas décadas, as sociedades democráticas foram manipuladas pelos gigantes não-regulamentados de alta tecnologia do Vale do Silício, que agora controlam o fluxo de notícias e atacam com a Amazon, Facebook, Google, Twitter, YouTube, Instagram, Netflix, PayPal, Reddit, TikTok, Microsoft e Amazon, Apple e a perigosa Internet Of Things (acelerada pela 5G).FOTO DE ARQUIVO: Sheryl Sandberg do Facebook, uma forte defensora dos Clintons © Reuters / Philippe Wojazer
É difícil encontrar provas concretas, pois você nunca pode pegar os gigantes da tecnologia em flagrante. A maneira como eles propositalmente ocultam todos os seus dados e algoritmos de marca registrada serve apenas para reforçar as suspeitas e as evidências dispersas. Mas seus motivos têm sido transparentes em suas próprias declarações e ações públicas.

Covid-19 é a diversão perfeita.

Enquanto o Congresso passa movimentadamente mais resgates de bilhões de dólares para bilionários, a alta tecnologia furtivamente garante que as futuras gerações se tornem viciados em digital que cegamente aceitam e abraçam, como ovelhas, o surgimento da tirania digital. Os estudantes de hoje tropeçam como zumbis em transe, com os olhos fixos nos celulares, com medo de perder as atualizações em tempo real do Instagram ou os memes mais recentes do TikTok. O desenvolvimento do 5G pode resultar em uma Segunda Guerra Mundial silenciosa que garante o rápido desaparecimento de uma sociedade ocidental zumbificada sem que um único tiro seja disparado.

Os algoritmos do Vale do Silício determinam o conteúdo que você vê, quando o vê, como o vê ou se o vê. Se os “moderadores” sombrios e sem rosto discordam do seu ponto de vista ou se opõem à narrativa neoliberal oficial, ela desaparece e você é banido das sombras. Por exemplo, acredito firmemente que meu feed do Twitter do @PlanetPonzi é de sombra. O CEO do Twitter, Jack Dorsey, endossou um artigo como uma “ótima leitura”, no qual os autores refletiram como a política dos EUA ficou tão ruim (sob a Casa Branca Trump) que “não havia um caminho bipartidário a seguir … e o país está à beira de uma guerra civil.”

Eles continuaram: “Neste período atual da política americana, neste momento de nossa história, não há como um caminho bipartidário fornecer o caminho a seguir”. O apoio de Dorsey a este artigo estabelece um precedente que permite uma cultura tóxica no Twitter, o que provavelmente se refletiu na seleção de contas dos funcionários para o shadowban. Vice conduziu uma investigação que revelou como as famosas vozes conservadoras que usavam o Twitter eram constantemente suprimidas mais do que as contas liberais.

O Twitter nunca abordou os resultados do Vice e mais tarde negou alegações dizendo que era um erro ou que “sinais baseados em comportamento” aumentam a visibilidade de certas contas, enquanto suprimem a visibilidade de outras pessoas como parte do objetivo do Twitter “de melhorar a saúde das conversas públicas em Twitter.” Então, para reiterar, vozes conservadoras, incluindo membros existentes do Congresso dos EUA, como Matt Gaetz, foram suprimidas no Twitter.

Devido à natureza opaca do Twitter, é impossível afirmar que o Twitter aumenta as contas individuais, garantindo que as postagens com as quais os moderadores do Twitter discordam nunca sejam vistas, mas é altamente provável. As avaliações estratosféricas “baseadas em fraudes por clique” das empresas sem fins lucrativos de zumbis do Vale do Silício continuam extraordinárias. A avaliação de US $ 20 bilhões do Twitter é hilária. A Elliott Management, de Paul Singer, é um investidor corajoso que acredita e confia no modelo de negócios do Twitter.

Outro exemplo pode ser encontrado simplesmente olhando os comentários direcionados a Boris Johnson, enquanto ele está sentado no hospital lutando contra o Covid-19. As pessoas estão pedindo sua morte e afirmando que ele merece estar nessa situação. Esses comentários ainda apareceriam se eles pedissem a morte de um liberal? Tudo bem, simplesmente porque Johnson é um conservador?

E não é apenas o Twitter.

Apesar de seu testemunho juramentado, a Pesquisa do Google foi flagrada manipulando dados de pesquisa, ocultando dados e criando algoritmos que fazem exatamente isso e não deixam evidências. Por exemplo: os artigos que escrevo são ocultados pela Pesquisa do Google (tente pesquisar no Google ‘Feierstein’, ‘Mitchell Feierstein’, ‘Feierstein rt.com’ e ‘Mitchell Feierstein rt.com’ e compare os resultados).

Cientistas de dados e psicólogos têm a mesma opinião. Dê uma olhada nos estudos de Ronald E. Robertson sobre o Efeito de manipulação de mecanismos de pesquisa publicados nos Anais da Academia Nacional de Ciências, que são fascinantes e condenadores.

Esses porteiros digitais têm o poder de controlar e manipular populações por meio da coleta de big data. Seu perfil digital contém um registro de tudo que você faz. Você está sendo rastreado e todos os seus movimentos e ações são gravados. Esses dados valiosos são compilados e armazenados pelas empresas listadas acima. Esses dados são valiosos e baseiam-se em suas preferências e em todos os itens que você pesquisou ou comprou na Internet, nas lojas que você visitou e nos lugares pelos quais viajou, seja de carro, ônibus, trem ou avião. Google, Amazon, Facebook e outros. estão gravando todos os seus movimentos. Todas essas são, pelo menos nominalmente, funções de exclusão – mas as empresas estão contando descaradamente que as pessoas não estão sendo incomodadas o suficiente para vasculhar as configurações e desmarcar todo isenções de responsabilidade de pequenos scripts.Tecnologia,Internet,Redes sociais

Parece assustador? Bem, é sim. O pior é que o controle total dos dados do consumidor – e o poder resultante de influenciá-lo – é combinado com preferências políticas claramente expressas.

Teddy Goff, estrategista de campanha digital de Hillary Clinton em 2016, enviou o seguinte email a Clinton e John Podesta, gerente de campanha de Clinton:

“As relações de trabalho com o Google, Facebook, Apple e outras empresas de tecnologia foram importantes para nós em 2012 e devem ser ainda mais importantes para você em 2016, dadas as posições ainda em ascensão na cultura. Essas parcerias podem trazer uma série de benefícios para a empresa. uma campanha, do acesso a talentos e possíveis doadores ao conhecimento antecipado de produtos beta e convites para participar de programas-piloto. Começamos a ter conversas discretas com algumas dessas empresas para entender suas prioridades para o próximo ciclo, mas encorajamos você, assim que sua liderança em tecnologia estiver no lugar, a iniciar discussões mais formais. ”

Você se lembra do slogan do Google “Não seja mau”? Bem, o Google é mau. É um dos maiores doadores da classe política irresponsável e paga de Washington.

A China contratou Eric Schmidt, do Google, para criar um sistema de crédito social chinês que espionasse e censurasse grande parte da população chinesa. Em resposta, os funcionários do Google publicaram a seguinte declaração: “Nos recusamos a criar tecnologias que ajudem os poderosos a oprimir os vulneráveis, onde quer que estejam.” Enquanto Schmidt representou esse Sistema de Crédito Social como estando apenas no estágio de desenvolvimento e não estaria concluído por anos, relatórios recentes afirmam que isso é uma mentira total e que o sistema está totalmente funcional.

“Nós sabemos onde você está. Nós sabemos onde você esteve. Podemos saber mais ou menos o que você está pensando.”
ex-CEO do Google, Eric Schmidt.

O presidente Obama se reunia com Schmidt com freqüência, e o Google exercia influência sobre a administração e as políticas de Obama. Os registros da Casa Branca mostram que, entre 2009 e 2015, enquanto o presidente Obama estava no cargo, funcionários do Google e suas entidades associadas visitaram a Casa Branca 427 vezes.

Em 2016, os relatórios da mídia sugeriram que os resultados de pesquisa do Google ocultaram más notícias sobre Clinton e retrataram Hillary de uma maneira muito mais favorável que Trump. Schmidt respondeu: “Não tomamos posição na eleição presidencial americana e nem espero que o façamos”.

Além do trabalho de Schmidt nas estratégias de tecnologia da campanha, ele também secretamente financiou um fornecedor da campanha de Hillary Clinton. Em outubro de 2016, Goff transmitiu um e-mail enviado a Clinton: “A palavra de Schmidt eclipsaria facilmente a operação de tecnologia de qualquer oponente de Clinton”.

Primeira quarentena, agora sinos de leprosos digitais: quanta liberdade os britânicos estão dispostos a se render em um ataque de pânico do Covid-19?
O ás de Mark Zuckerberg, COO do Facebook, Sheryl Sandberg, também estava trabalhando ativamente com John Podesta, gerente de campanha de Clinton, na campanha de Clinton. O político informou que Sandberg foi colocado na lista de Clinton para se tornar secretário do Tesouro dos EUA depois que Clinton venceu, embora Sandberg mais tarde tenha negado.

No entanto, as esperanças foram frustradas quando o mundo ficou chocado com a perda inesperada de Clinton. Por que eu trago isso à tona? Bem, Google, Facebook e Vale do Silício tiveram quatro anos para aperfeiçoar um sistema que garante que seu candidato vença e Trump perca. Eric Schmidt aprendeu com seus erros de 2016 e se opôs a tudo o que Trump. Schmidt não é o único que quer Trump fora, o mesmo acontece com 98% do Vale do Silício, o que garantirá que 2020 será diferente.

Conhecimento é poder e quem controla a mídia controla o fluxo de informações e controla o poder. É assim que essas empresas de tecnologia se propõem a atingir um objetivo comum: controlar seu mapa cognitivo. Não é sobre o que foi dito e debatido, é sobre o que está enterrado e deixado de fora.

Por que parece que a censura digital do Vale do Silício é a mesma censura digital da China? Simples, é o mesmo. Enquanto o Covid-19 destrói o mundo, a tirania digital está matando a democracia, enquanto o Congresso dos EUA fica em silêncio e deixa acontecer. Para ser claro, o Vale do Silício precisa de regulamentação e precisa agora. O congresso precisa acordar.

Tecnologia,Azul,Blog do mesquita 01

Entenda por que a internet está se desintegrando

Sombra de pessoa sobre códigos de programaçãoDireito de imagem GETTY IMAGES
Rússia e China começaram a falar publicamente sobre uma ‘internet soberana’ por volta de 2011

Em 1648, foi assinada uma série de tratados conhecidos em conjunto como Paz de Vestfália, encerrando 30 anos de guerra na Europa e levando ao surgimento dos Estados soberanos. O direito estatal de controlar e defender seu próprio território tornou-se a base fundamental de nossa ordem política global e permaneceu inconteste desde então.

Em 2010, uma delegação de países – incluindo a Síria e a Rússia – chegou a uma obscura agência das Nações Unidas com um pedido estranho: levar essas mesmas fronteiras soberanas ao mundo digital.

“Eles queriam permitir que os países atribuíssem endereços de internet fossem atribuídos país por país, da mesma forma que os códigos de país eram originalmente designados para números de telefone”, diz Hascall Sharp, consultor de política digital que era na época diretor de políticas da gigante de tecnologia Cisco.

Depois de um ano de negociações, o pedido não deu em nada: criar tais fronteiras teria permitido que as nações exercessem rígido controle sobre seus próprios cidadãos, contrariando o espírito aberto da internet como um espaço sem fronteiras, livre dos ditames de qualquer governo individual.

Quase uma década depois, esse espírito parece uma lembrança antiga. As nações que saíram da ONU de mãos vazias não desistiram da ideia de colocar uma parede ao redor do seu canto no ciberespaço. Elas simplesmente passaram a última década buscando formas melhores de tornar isso uma realidade.

A Rússia já explora uma nova abordagem para criar um muro de fronteira digital e aprovou dois projetos de lei que exigem medidas tecnológicas e legais para isolar a internet russa. O país faz parte de um número crescente de nações insatisfeitas com uma internet construída e controlada pelo Ocidente.

Embora os esforços russos dificilmente sejam a primeira tentativa de controlar quais informações podem e não podem entrar em um país, sua abordagem representa uma mudança em relação ao que foi feito no passado.

“As ambições da Rússia vão mais longe do que as de que qualquer outro país, com as possíveis exceções da Coreia do Norte e do Irã, no sentido de fraturar a internet global”, diz Robert Morgus, analista de segurança cibernética do centro de estudos americano New America Foundation.

Protesto na RússiaDireito de imagem GETTY IMAGES
As políticas de internet cada vez mais restritivas da Rússia provocaram protestos em todo o país

A abordagem da Rússia é um vislumbre do futuro da soberania na internet. Hoje, os países que buscam o mesmo não são mais apenas os suspeitos autoritários de sempre – e estão fazendo isso em níveis mais profundos do que nunca.

Seu projeto é auxiliado tanto pelos avanços da tecnologia quanto pelas crescentes dúvidas sobre se a internet aberta e livre foi uma boa ideia. Os novos métodos abrem a possibilidade não apenas de países construírem suas próprias pontes levadiças, mas também de alianças entre países que pensam da mesma forma para criar uma internet paralela.

O que há de errado com a internet aberta?

É sabido que alguns países estão insatisfeitos com a coalizão ocidental que tradicionalmente dominou a governança da internet.

Não são apenas as filosofias defendidas pelo Ocidente que os incomodam, mas o modo como essas filosofias foram incorporadas na própria arquitetura da rede, que é famosa por garantir que ninguém possa impedir que alguém envie algo a outra pessoa.

Isso se deve ao protocolo-base que a delegação que foi à ONU em 2010 tentava contornar: o TCP/IP (protocolo de controle de transmissão/protocolo de internet) permite que as informações fluam sem nenhuma ressalva quanto a geografia ou conteúdo.

Não importa qual informação esteja sendo enviada, de que país ela esteja vindo ou as leis do país que vai recebê-la. Tudo o que importa é o endereço de internet ao final da comunicação. É por isso que, em vez de enviar dados por caminhos predeterminados, que podem ser desviados ou cortados, o TCP/IP envia pacotes de informações do ponto A ao ponto B por qualquer via necessária.

É fácil rejeitar objeções a essa configuração como os gritos agonizantes de regimes autoritários em face de uma força global de democratização – mas os problemas que surgem não afetam apenas eles. Qualquer governo pode se preocupar com códigos maliciosos como vírus chegando a instalações militares e redes de água e energia, ou com a influência de notícias falsas sobre o eleitorado.

Protesto na RússiaDireito de imagem GETTY IMAGES
Embora governos possam alegar que a soberania na internet protege seus cidadãos contra vírus e outras ameaças, muitos temem perder a liberdade da ‘internet aberta’

“Rússia e China só entenderam um pouco mais cedo do que os demais o possível impacto que um ecossistema de informação massivo e aberto teria sobre os humanos e a tomada de decisões, especialmente no nível político”, diz Morgus.

A visão destes países é que cidadãos de um país são uma parte tão crítica de sua infraestrutura quanto usinas de energia e precisam ser “protegidos” de informações supostamente maliciosas – neste caso, notícias falsas, em vez de vírus.

Mas não se trata de proteger os cidadãos tanto quanto de controlá-los, diz Lincoln Pigman, pesquisador da Universidade de Oxford e do Centro de Política Externa, em Londres.

Uma internet soberana

Rússia e China começaram a falar publicamente sobre uma “internet soberana” por volta de 2011 ou 2012, quando uma onda de protestos começava a se consolidar em território russo e as revoluções nascidas abalavam regimes autoritários.

Convencidos de que essas revoltas haviam sido instigadas por Estados ocidentais, a Rússia buscou impedir que influências revolucionárias atingissem seus cidadãos – essencialmente criando postos de controle em suas fronteiras digitais.

Mas instaurar uma soberania na internet não é tão simples quanto se desligar da rede global. Isso pode parecer contraintuitivo, mas, para ilustrar como esse movimento seria contraproducente, não é preciso olhar além da Coreia do Norte.

Um único cabo conecta o país ao resto da internet global. Você pode desconectá-lo com o apertar de botão. Mas poucos países considerariam implementar uma infraestrutura semelhante. De uma perspectiva de hardware, é quase impossível.

“Em países com conexões ricas e diversificadas com o resto da internet, seria virtualmente impossível identificar todos os pontos de entrada e saída”, diz Paul Barford, cientista da computação da Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, que mapeia a rede de tubos e cabos por trás da internet global.

Mesmo que a Rússia pudesse de alguma forma encontrar todos os pontos pelos quais as informações entram e saem do país, não seria muito interessante bloqueá-los, a menos que também quisessem se separar da economia mundial. A internet é agora uma parte vital do comércio no mundo, e a Rússia não pode se desconectar desse sistema sem prejudicar sua economia.

Cabo de internet é instaladoDireito de imagem GETTY IMAGES
A internet na maioria dos países depende de muitos pontos de entrada físicos

A solução parece ser manter alguns tipos de informação fluindo livremente enquanto se impede o fluxo de outras.

Mas como esse tipo de soberania na internet pode funcionar, dado a natureza do TCP/IP?

A China tem tradicionalmente liderado esse controle de conteúdo online e emprega filtros com o chamado “Grande Firewall” para bloquear certos endereços de internet, palavras, endereços de IP e assim por diante. Esta solução não é perfeita: é baseada em programas de computador, o que significa ser possível projetar formas de contorná-la, como as redes privadas virtuais e sistemas de prevenção de censura, como o navegador Tor.

Além disso, o sistema chinês não funcionaria para a Rússia. Por um lado, “depende muito das grandes empresas chinesas retirarem esse conteúdo de circulação”, diz Adam Segal, especialista em segurança cibernética do Conselho de Relações Exteriores dos Estados Unidos, enquanto a Rússia é “mais dependente de empresas de mídia social americanas”.

Grande parte da vantagem da China também se resume à estrutura física com a qual internet é construída. A China, desconfiada da nova tecnologia ocidental desde o início, só permitiu que pouquíssimos pontos de entrada e saída para a internet global fossem feitos em suas fronteiras, enquanto a Rússia foi inicialmente bastante receptiva e, hoje, está repleta destas conexões. A China simplesmente tem menos fronteiras digitais para ficar de olho.

Chineses olham para seus celulares no metrôDireito de imagem GETTY IMAGES
O ‘Grande Firewall’ da China permite que o governo tenha algum controle sobre as informações que entram no país, mas isso pode ser contornado

Tentativa russa de isolamento

A Rússia está, portanto, trabalhando em um método híbrido que não depende inteiramente de equipamentos nem de programas – em vez disso, manipula o conjunto de processos e protocolos que determinam se o tráfego da internet pode se mover de sua origem para o destino pretendido.

Os protocolos da internet especificam como todas as informações devem ser tratadas por um computador para serem transmitidas e roteadas pelos cabos globais. “Um protocolo é uma combinação de diferentes coisas – como dados, algoritmos, endereços de IP”, diz Dominique Lazanski, que trabalha na governança da internet e presta consultoria sobre desenvolvimento de seus padrões.

Um dos mais fundamentais é o padrão DNS – o catálogo de endereços que informa à internet como traduzir um endereço de IP, por exemplo, 38.160.150.31, para um endereço de internet legível como o bbcbrasil.com, e aponta o caminho para o servidor que hospeda esse IP.

É no DNS que a Rússia está mirando. O país previa testar em abril uma forma de isolar o tráfego digital de todo o país, para que as comunicações via internet por seus cidadãos permanecessem dentro dos limites geográficos do país, em vez de percorrer o mundo.

O plano – que foi recebido com ceticismo por grande parte da comunidade de engenheiros – é criar uma cópia dos servidores de DNS da Rússia (a lista de endereços atualmente sediada na Califórnia) para que o tráfego dos cidadãos fosse dirigido exclusivamente para sites russos ou versões russas de sites externos. Isso enviaria os russos para o buscador Yandex se quisesse acessar o Google, ou a rede social VK em vez do Facebook.

Para estabelecer as bases para isso, a Rússia passou anos promulgando leis que forçam empresas internacionais a armazenar todos os dados dos cidadãos russos dentro do país – levando algumas empresas como a rede LinkedIn a serem bloqueadas ao se recusarem a cumprir isso.

“Se a Rússia tiver sucesso em seus planos de um DNS nacional, não haverá necessidade de filtrar informações internacionais. O tráfego de internet russo nunca precisá sair do país”, diz Morgus, analista da New America Foundation.

“Isso significa que a única coisa que os russos – ou qualquer um – poderiam acessar de dentro da Rússia seria a informação que está hospedada dentro da Rússia, em servidores fisicamente presentes no país. Isso também significaria que ninguém poderia acessar informações externas, seja isso dinheiro ou o site da Amazon para comprar um lenço.”

A maioria dos especialistas reconhece que o principal objetivo da Rússia é aumentar o controle sobre seus próprios cidadãos. Mas a ação também pode ter consequências globais.

Site exibe produtos em tela de tabletDireito de imagem GETTY IMAGES
Governos que buscam ter ‘soberania digital’ precisam achar uma forma de controlar quais informações entram no país sem bloquear transações econômicas

As abordagens adotadas pela Rússia e pela China são muito caras para países menores, mas isso não significa que isso não os influencie. “A disseminação, particularmente de políticas repressivas ou da arquitetura iliberal da internet, é como um jogo de imitação”, diz Morgus.

Sua observação é confirmada por uma pesquisa feita por Jaclyn Kerr no Laboratório Nacional Lawrence Livermore, um centro de pesquisa federal dos Estados Unidos baseado na Universidade da Califórnia.

A extensão e alcance do controle da internet por regimes autoritários são determinados por três fatores. Primeiro, pelas soluções que estão disponíveis. Segundo, se o regime pode se dar ao luxo de implementar qualquer uma das opções disponíveis. A terceira variável – “as políticas selecionadas pelos Estados que são uma referência para este regime” – é o que explica por que isso é descrito como um jogo de imitação: quais recursos os parceiros endossaram ou escolheram? Isso muitas vezes depende da atitude destes países de referência ao controle da internet.

Em relação à primeira variável, os vizinhos da Rússia, como as repúblicas da Ásia Central, poderiam se conectar apenas à versão russa da internet. Isso expandiria as fronteiras desta rede para sua periferia, diz Morgus.

Os tomadores de decisão digitais

Em relação à terceira variável, a lista de países que se sentem atraídos por uma governança da internet mais autoritária parece estar crescendo.

Nem todos se enquadram perfeitamente entre os que defendem uma “internet aberta” e os “autoritários repressivos” quando se trata de como eles lidam com a internet.

Israel, por exemplo, encontra-se nitidamente entre os dois extremos, como Morgus destacou em um artigo publicado no ano passado. Esse estudo mostra que, nos últimos quatro anos, os países que são os “maiores tomadores de decisão digitais” – Israel, Cingapura, Brasil, Ucrânia, Índia, entre outros – têm se aproximado cada vez mais de uma abordagem mais soberana e fechada quanto à circulação de informação.

As razões para isso são variadas, mas vários desses países estão em situações semelhantes: Ucrânia, Israel e Coreia do Sul, que vivem em um estado perpétuo de conflito, dizem que seus adversários estão usando a internet contra eles.

Alguns especialistas acham que o uso estratégico da rede – em especial, das mídias sociais – se tornou como a guerra. Mesmo a Coreia do Sul, apesar de sua reputação de nação aberta e global, desenvolveu uma técnica inovadora para reprimir informações ilegais online.

Mas os tomadores de decisão podem realmente copiar o modelo da China ou da Rússia? Os meios tecnológicos da China para sua soberania são muito idiossincráticos para países menores seguirem. O método russo ainda não está totalmente testado. Ambos custam no mínimo centenas de milhões para serem criados.

Indiano lê jornalDireito de imagem GETTY IMAGES
A Índia é considerada um dos ‘ tomadores de decisão digitais’ que podem influenciar o destino da internet

Dois dos maiores países dentre estes, Brasil e Índia há muito tempo buscam uma maneira de lidar com a internet global de forma independente dos “valores de abertura” do Ocidente ou das redes nacionais fechadas.

“Sua internet e valores políticos estão no meio do caminho deste espectro”, diz Morgus. Durante a maior parte da última década, ambos tentaram encontrar uma alternativa viável para as duas versões opostas da internet que vemos hoje.

Essa inovação foi sugerida em 2017, quando o site de propaganda russo RT informou que Brasil e Índia se uniriam a Rússia, China e África do Sul para desenvolver uma alternativa que eles chamavam de internet dos Brics. A Rússia alegou que estava criando a infraestrutura para “protegê-los da influência externa”.

O plano fracassou. “Tanto a Rússia quanto a China estavam interessadas em promover os Brics, mas os demais estavam menos entusiasmados”, diz Lazanski. “Em especial, a mudança de liderança no Brasil fez isso sair dos trilhos.”

A internet que está sendo construída pela China

Alguns veem bases sendo lançadas para uma segunda tentativa sob o disfarce do projeto de “Rota da Seda do Século 21” da China para conectar a Ásia à Europa e à África com a construção de uma vasta rede de corredores terrestres, rotas marítimas e infraestrutura de telecomunicações em países como Tajiquistão, Djibuti e Zimbábue.

Segundo estimativas do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos de Londres, a China está envolvida em cerca de 80 projetos de telecomunicações em todo o mundo – desde a instalação de cabos até a construção de redes centrais em outros países, contribuindo para uma rede global significativa e crescente de propriedade chinesa.

Pessoa olha para mapa em telaDireito de imagem GETTY IMAGES
Alguns países podem se separar e construir sua própria infraestrutura independente da internet ocidental

Uma possibilidade é que um número suficiente destes países se una à Rússia e à China para desenvolver uma infraestrutura semelhante a ponto de poderem se sustentar economicamente sem fazer negócios com o resto do mundo, o que significa que poderiam se isolar da internet ocidental.

Os países menores podem preferir uma internet construída em torno de um padrão não ocidental e uma infraestrutura econômica construída em torno da China pode ser a “terceira via” que permitiria aos países participar de uma economia semiglobal e controlar certos aspectos da experiência de internet de suas populações.

Sim Tack, analista do grupo de inteligência Stratfor, nos Estados Unidos, argumenta que uma economia da internet autossustentável, embora possível, é “extremamente improvável”.

Maria Farrell, da Open Rights Group, uma organização dedicada a promover a liberdade na internet, não acha que isso é exagero, embora uma internet isolada possa ter uma forma ligeiramente diferente.

A iniciativa da China, diz ela, oferece aos países “tomadores de decisão” pela primeira vez uma opção de acesso online que não depende da infraestrutura de internet ocidental.

“O que a China tem feito é criar não apenas um conjunto inteiro de tecnologias, mas sistemas de informação, treinamento de censura e leis para vigilância. É um kit completo para executar uma versão chinesa da internet”, diz ela.

É algo que está sendo vendido como uma alternativa crível a uma internet ocidental que cada vez mais é “aberta” apenas no nome.

“Nações como Zimbábue, Djibuti e Uganda não querem entrar em uma internet que é apenas uma porta de entrada para o Google e o Facebook” para colonizar seus espaços digitais, diz Farrell.

Esses países também não querem que a “abertura” oferecida pela internet ocidental seja uma forma de prejudicar seus governos por meio da espionagem.

Juntamente com todos os outros especialistas entrevistados para este artigo, Farrell reiterou como seria insensato subestimar as reverberações em curso das revelações feitas Edward Snowden sobre a coleta de informações feita pelo governo americano – especialmente porque elas minaram a confiança dos países “tomadores de decisão” em uma rede aberta.

“Os países mais pobres, especialmente, ficaram muito assustados”, diz ela. “Isso confirmou que tudo que nós suspeitávamos é verdade.”

Assim como a Rússia está trabalhando para reinventar o DNS, a internet autoritária da iniciativa chinesa oferece aos países acesso aos protocolos de internet da China. “O TCP/IP não é um padrão estático”, aponta David Conrad, diretor de tecnologia da Corporação da Internet para Atribuição de Nomes e Números, que emite e supervisiona os principais domínios de internet e administra o DNS. “Está sempre evoluindo. Nada na internet é imutável. ”

Mas a evolução da internet global é cuidadosa e lenta e baseada em consenso. Se isso mudar, o TCP/IP pode seguir por outros caminhos.

Por mais de uma década, China e Rússia têm pressionado a comunidade da internet a mudar o protocolo para permitir uma melhor identificação de emissores e destinatários, acrescenta Farrell, algo que não surpreenderá ninguém que esteja familiarizado com a adoção em massa do reconhecimento facial para rastrear cidadãos no mundo físico.

Contágio ocidental

Mas talvez os países autoritários tenham menos trabalho a fazer do que imaginam. “Cada vez mais países ocidentais são forçados a pensar sobre o que significa a soberania na internet”, diz Tack.

Na esteira da recente interferência eleitoral nos Estados Unidos e da prática bem documentada dos governos russos de semear discórdia nas mídias sociais ocidentais, os políticos ocidentais acordaram para a ideia de que uma internet livre e aberta pode realmente prejudicar a própria democracia, diz Morgus.

“A ascensão paralela do populismo nos Estados Unidos e em outros lugares, somada a preocupações com o colapso da ordem internacional liberal, fez muitos dos tradicionais defensores da internet aberta recuarem.”

Cartaz de protesto contra mudanças na internetDireito de imagem GETTY IMAGES
 Ameaças à ‘internet aberta’ continuam a gerar respostas acaloradas – mas alguns especialistas acreditam que a mudança é inevitável

“Não se trata de classificar países como ruins ou bons – isso diz respeito a qualquer país que queira controlar suas comunicações”, diz Milton Mueller, que dirige o Projeto de Governança da Internet na Universidade Georgia Tech, nos Estados Unidos.

“A pior coisa que vi ultimamente é a lei britânica de danos digitais.” Esta proposta inclui a criação de um órgão regulador independente, encarregado de estabelecer boas práticas para as plataformas de internet e punições caso elas não sejam cumpridas.

Essas “boas práticas” limitam tipos de informação – pornografia de vingança, crimes de ódio, assédio e perseguição, conteúdo carregado pelos prisioneiros e desinformação – de forma semelhantes às recentes leis russas sobre internet.

De fato, as próprias multinacionais temidas pelos países “tomadores de decisão” atualmente podem estar ansiosas por serem recrutadas para ajudá-los a alcançar suas metas de soberania da informação.

O Facebook recentemente capitulou diante de uma pressão crescente, exigindo regulamentação governamental para determinar, entre outras coisas, o que constitui conteúdo prejudicial, “discurso de ódio, propaganda terrorista e muito mais”.

O Google está trabalhando fornecer uma internet aberta no Ocidente e um mecanismo de busca com censura no Oriente. “Suspeito que sempre haverá uma tensão entre os desejos de limitar a comunicação, mas não limitar os benefícios que a comunicação pode trazer”, diz Conrad.

Sejam as fronteiras da informação elaboradas por países, coalizões ou plataformas globais de internet, uma coisa é clara: a internet aberta com a qual seus criadores sonharam já acabou. “A internet não tem sido uma rede global há muito tempo”, diz Lazanski.

Violência contra a mulher é violência contra a humanidade

A violência contra a mulher é violência contra a humanidade. Enganam-se os machistas ao relegarem o problema como afeto somente ao ambiente doméstico. Não existe democracia sem Direitos Humanos. Na realidade, a violência contra a mulher vai além da física. Além do mais a violência contra o ser humano fere valores, normas, condutas e convenções.

Cedo ou tarde, os indiferentes, omissos ou coniventes com esse “status quo” serão vítimas indiretas dessa barbárie doméstica, e praticada em diversos países como ato punitivo amparado por lei. Cabe ressaltar que a maioria dos homens não faz parte desse perfil machista.

É preciso não mais argumentar com a máxima, cruel, de que “em briga de marido e mulher ninguém mete a colher.” É preciso também derrubar o mito de que a violência contra a mulher, o que vem logo à mente, é a pura agressão física.
O Editor


Violência contra a mulher: eu me manifesto e você? Vai ficar olhando?
Por Marli Gonçalves *

Mulheres apedrejadas, esquartejadas, violentadas, exploradas, baleadas, surradas, torturadas, mutiladas, coagidas, reguladas, censuradas, perseguidas, abandonadas, humilhadas. Até quando a barbaridade inaceitável vai vigorar?

Eu me manifesto, sim, contra tudo que considero inaceitável. E não é de hoje. Desde pequena meto-me em encrencas por causa disso. Uma vez, tinha acho que uns 12 anos, e brincava na portaria do prédio quando ouvi um homem brigando com uma mulher do outro lado da calçada, ameaçando-a de morte, dando-lhe uns sopapos. Não tive dúvidas.[ad#Retangulos – Direita]

Atravessei, entrei pequenina no meio deles, gritando forte por socorro, o que o assustou e fez com que ele parasse as agressões. Para minha surpresa, ao olhar para os lados, vi que havia muitos adultos assistindo à cena, impassíveis.

Nunca me esqueci disso. Inclusive porque, quando voltei para casa, tomei uma bronca daquelas. Atraída pelos meus gritos, minha mãe tinha ido à janela, e assistiu. “E se ele estivesse armado e te matasse?” – ouvi. Creio que respondi que nunca ficaria quieta vendo aquela cena, onde quer que fosse, e que jamais seria resignada.

Dentro de minha própria casa já havia assistido a cenas que teriam ido para esse lado, não tivesse sido minha mãe uma guerreira baixinha e desaforada, ela própria vítima de um pai tão violento que não o aceitava nem em sua carteira de identidade, nem em sobrenome. Minha avó materna teria sido morta por um “acidente”, em que um motorista de ônibus, que por ele teria sido pago, acelerou quando ela descia. Caiu, bateu com a cabeça na sarjeta, morrendo horas depois, de hemorragia, na pequena cidade do interior de Minas.

Anos depois, senti em minha própria pele o desespero solitário da agressão, da humilhação, do medo. Em plena juventude e viço, em uma ligação amorosa complicada, de paixão e amor intenso que vi virar violência, agressão, loucura e insegurança, só saí viva porque mal ou bem sou de circo, e protegida pelos meus santos e anjos, daqui e do céu… Tentei não envolver ninguém, resolver, e quase virei primeira página policial. Tive a minha vida quase ceifada, ora por ameaça de facadas; ora por canos e barras de ferro, ora pela perda de todas as referências, ora pela coação verbal.

Os poucos e únicos amigos que ainda tentaram ajudar também entraram no rol da violência. E os (ex) amigos que viraram as costas, ou faziam-se de cegos, desses também me lembro bem; inclusive de alguns que conseguiam piorar a situação e pareciam gostar disso, insuflando. Ou se calando. Ou me afastando. Deve ser bonito ver o circo pegar fogo.

Desespero solitário, sim. Não há a quem recorrer. Polícia? Apoiam os homens. Delegacia da Mulher? Na época não existia, mas parece que sua existência só atenuou a dimensão do problema, que pode acontecer em qualquer lar, lugar, classe social. Lei? Veja aí a Lei Maria da Penha. Pensava já naquele tempo, meu Deus, e se eu ainda tivesse filhos para proteger, além de mim? Não poderia ter me livrado – concluo ainda hoje, pasma em ver como a situação anda, em pleno Século XXI. Hoje, acredito que curei minhas feridas, que não foram poucas, especialmente as emocionais.

Há semanas venho tentando defender, aqui do meu cantinho, a libertação da iraniana Sakineh Mohammadi Ashtiani, mais uma das mulheres iranianas cobertas da cabeça aos pés pelo xador, a vestimenta preta que é uma das versões mais radicais do véu muçulmano. Mas esse, a roupa, não é o maior problema dela e de outras iranianas. Viúva, dois filhos, em 2005 Sakineh foi presa pelo regime fundamentalista do Irã. Em 2007, julgada. A pena inicial foram 99 chibatadas. O crime, adultério! Sua pena final, a morte por apedrejamento.

Uma história que lembra a fascinante personagem bíblica de Maria Madalena, a moça que aguardava a morte por apedrejamento até ser salva por Jesus Cristo. Cristo provocou com uma frase que ficou célebre, e revelou-se futurista: “Quem não tiver pecado que atire a primeira pedra”.

Esses iranianos estão querendo matar Sakineh e outras a pedradas, e com pedras pequenas, para que sofram mais; talvez porque sejam, acreditam, muito puros? A sharia, lei islâmica, devia prever cortar dedos, língua, furar os olhos desses brucutus modernos, hitlers escondidos sob mantos religiosos, protegidos por petróleo e riquezas?

Não bastasse a novela de Eliza Samudio que, morta ou não, faltou ser chutada igual bola, e de tantas jovens, inclusive adolescentes, mortas pelos namoradinhos, a advogada que morreu no fundo da represa. Todo dia tem violência. No noticiário ou na parede do lado da sua, no andar de baixo, no de cima, na casa da frente.

Nem bem a semana terminou e outro caso internacional estava na capa da revista Time, com o propósito de pedir a permanência das tropas de ocupação no Afeganistão. Na foto, na capa, a imagem chocante da afegã Aisha, 18 anos, que teve o nariz e as orelhas decepados pelo Talibã. Foi a punição à sua tentativa de fugir de casa, de uma família que a maltratava. Agora, Aisha está guardada em lugar sigiloso, com escolta armada, paga pela ONG Mulheres pelas Mulheres Afegãs. Deve ser submetida a uma cirurgia para a reconstrução do rosto.

No Irã, ou melhor, globalmente, porque lá nada se cria, se estabeleceu a campanha “Um Milhão de Assinaturas exigindo mudanças de leis discriminatórias”, com protestos e abaixo-assinados, de grupos internacionais de mulheres e ativistas, organizações de direitos humanos, de universidades e centros acadêmicos e iniciativas de justiça social, que manifestam o apoio às mulheres iranianas para reformar as leis e conseguir o mesmo estatuto dentro do Irã legal do sistema.

O que há? O que está havendo? Mulher é menos importante? A realidade: em cerca de 50 pesquisas do mundo inteiro, de 10% a 50% das mulheres relatam ter sido espancadas ou maltratadas fisicamente de alguma forma por seus parceiros íntimos, em algum momento de suas vidas; 60% das mulheres agredidas no ano anterior à pesquisa o foram mais de uma vez; 20% delas sofreram atos muito fortes de violência mais do que seis vezes.

No Brasil, a violência doméstica é a principal causa de lesões em mulheres entre 15 e 44 anos; 20% das mulheres do mundo foram vítimas de abuso sexual na infância; 69% das mulheres já foram agredidas ou violadas.

No Nordeste, 20% das mulheres agredidas temem a morte caso rompam a relação; no geral, 1/3 das mulheres agredidas continuam a viver com os seus algozes. E continuam sendo agredidas. É pau, é pedra, é o fim do caminho.

Estudos identificam, ainda, uma lista de “provocadores” de violência: não obedecer ao marido, “responder” ao marido, não ter a comida pronta na hora certa, não cuidar dos filhos ou da casa, questionar o marido sobre dinheiro ou possíveis namoradas, ir a qualquer lugar sem sua permissão, recusar-se a ter relações sexuais ou suspeitar da fidelidade, entre eles.

Até quando ficaremos assistindo a esse filme? Chega. Foi como li a conclamação da amiga e uma das mais respeitáveis profissionais de comunicação do país, Lalá Aranha, em seu Facebook: “Não posso entender como em pleno século XXI as mulheres brasileiras são tão molestadas. Precisamos fazer algo neste sentido. Quem me acompanha?”

Adivinhem quem foi a primeira a responder? Eis, assim, aqui, também, minha primeira contribuição.

São Paulo, onde as pessoas se isolam, na aridez e grandeza de suas dimensões, mas ainda podem ter seus gritos ouvidos, 2010.

• (*) Marli Gonçalves, jornalista. Inconformada. Espevitada e livre, fiquei feliz quando outro dia me contaram que debaixo da pesada burca as mulheres andam completamente nuas. Será verdade?
E-mails:
marli@brickmann.com.br
marligo@uol.com.br

Vem voar comigo, igual passarinho, pela internet, onde quiser, pelo Twitter, Facebook, blog, tudo feito com muito esforço para ficarmos juntos mais tempo: Vai lá ler coisas novas, que trago, especiais, imagens, ideias que separei para você. Conheça meu novo blog! Entre e fique à vontade. Sinta-se em casa. Divirta-se. Visite o meu blog

Tenho Twitter e estou querendo ter mais seguidores e amigos. Vem? Siga-me! O passarinho canta. É divertido. Tenho postado coisas legais, fotos, desabafos, fatos, noticinhas e afazeres do dia-a-dia.
O endereço é
www.twitter.com/MarliGo

Carole Cadwalladr,Redes Sociais,Twitter,Internet,Tecnologia

Carole Cadwalladr: Abuso on-line é uma tentativa barata de limitar o que dizemos

Ser chamada de “mulher maluca” era uma tentativa de controlar e envergonhar. Não vai funcionar
Carole Cadwalladr
Carole Cadwalladr,Redes Sociais,Twitter,Internet,Tecnologia

O tweet de Andrew Neil foi transmitido pela BBC para uma audiência global. Foto: Nick Ansell / PA

As palavras não são baratas, são gratuitas. E nesta era – do Facebook, do Twitter – elas viajam longe e rápido. Palavras que se destinam a ferimentos ou danos são jogadas em um piscar de olhos, colocadas em alguns segundos, em um teclado, ou em um telefone, e então – pressione Enviar, pressione Enter, whoosh, elas desaparecem. Andrew Neil,Redes Sociais,Twitter,Internet,Tecnologia

Exceto eles não são. Eles circulam para sempre. O impacto deles continua. Como eu descobri na terça de manhã. Saí de um voo de Estocolmo, liguei meu telefone e vi meia dúzia de mensagens com capturas de tela de um tweet excluído agora. Era de Andrew Neil , enviado aparentemente às 3h15 da manhã. Em resposta a uma pergunta sobre outra coisa, ele disse: “Nada comparado a ter que lidar com a mulher louca e gata de Simpson, Karol Kodswallop”.

Você pode excluir um tweet, mas não pode excluir a internet, é a máquina de memória eterna. Essas poucas teclas digitadas tarde da noite pelo apresentador político da BBC para seus quase um milhão de seguidores no Twitter vão me perseguir para sempre.

Um dia após a explosão de Neil, o diretor-geral da BBC estava no palco em um evento para as emissoras de serviço público na Escócia – o mesmo evento ao qual a BBC tinha convidado Steve Bannon – e disse como “vergonhoso” era que os jornalistas devem ser alvejado com abuso online. “É uma tentativa de intimidar as pessoas e impedi-las de fazer o seu trabalho”, argumentou ele corretamente. E ele apelou para outras organizações de notícias: “Precisamos nos unir nisso.”

Este episódio ilustra perfeitamente o problema da informação e o modo como é usado, como é desvinculado da realidade.

A BBC ficou junto comigo contra o abuso de Neil, ignorando-o. “Olá Carole”, a equipe global de relações públicas da BBC twittou para mim: “Andrew excluiu o que ele reconheceu ser um tweet inadequado”.

Não foi “inapropriado”, escrevi de volta. Foi misógino. O silêncio em resposta foi ensurdecedor. Um dia depois, a BBC Newswatch , um programa em seu canal de notícias, escolheu transmitir o tweet para seu público global. Mas eu não tinha permissão para comentar ou dizer por que todo esse episódio é tão perturbador.

Eu não tenho ideia do porquê. Eu não tinha permissão para comentar ou enquadrar corretamente como estou tentando fazer aqui. Para explicar por que todo esse episódio ilustra tão perfeitamente o problema da informação e o modo como ela é usada, a maneira como ela se desvinculou da verdade ou da realidade. E o modo como as primeiras baixas são os tradicionais e antigos alvos do ódio, as categorias de pessoas – incluindo as mulheres – que, quando os caras do Vale do Silício construíam os canos e plataformas deste admirável mundo novo, simplesmente não estavam na sala.

Porque este é um mundo onde organizações de mídia veneráveis, mesmo as mais rigorosas e robustas como a BBC, estão sendo tocadas. Bannon entende este mundo. Stephen Yaxley-Lennon , também conhecido como Tommy Robinson, entende este mundo. Arron Banks entende este mundo. E é por isso que as ações de Neil e a resposta da BBC são tão assustadoras. Porque há bem mais de um ano a Banks, o empresário de Bristol que doou mais de £ 8 milhões para a campanha Leave.EU de Nigel Farage , tem procurado minar minha credibilidade como repórter. Ele tem procurado me intimidar e o Observere nos impedir de publicar. A imagem da “dama louca do gato” não veio de Neil. Veio de bancos. Tem sido uma peça chave do seu arsenal em sua campanha de assédio direcionado contra mim.

E agora foi sancionado por Andrew Neil . Ele desencadeou uma nova torrente de ódio e abuso na tela do meu laptop. Porque uma “dama louca do gato” não é uma amante inofensiva dos animais com visões livres de pensar; é uma mulher que está fora da sociedade aceitável. Quem não está em conformidade com as normas convencionais.

Quem há algumas centenas de anos teria sido queimado na fogueira. Eu sou uma mulher de meia idade, sem filhos. E esta é a minha sorte. Eu ocupo uma das últimas poucas categorias restantes de preconceito aceitável. É uma vergonha para os mais de 30 anos.

O julgamento e a vergonha sempre foram uma maneira de tentar controlar as mulheres. E isso funciona. Há uma razão pela qual, nas primeiras três décadas da minha vida adulta, mantive a cabeça baixa. Por que eu não podia falar em público? Por que eu não queria nada disso. Mas neste caso, é muito mais. Isso não é apenas uma tentativa de me silenciar. É uma tentativa de silenciar a história. E isso funcionou. Se você confiar na BBC para suas notícias, saberá pouco sobre o relacionamento encoberto de Banks com o governo russo; das ofertas de ouro e diamantes que eles tentaram intermediar para ele.

Foi essa história, sobre os muitos encontros de Banks com o embaixador russo, sobre seu papel central na história de Trump-Rússia, que o Observer quebrou em junho, que precipitou a resposta furiosa de Banks. Uma história de distração. Isso funcionou. E trabalhei novamente. Eu? Eu estou achando outros canais. Eu não vou ficar envergonhado.

• Carole Cadwalladr apresenta, com Peter Jukes, um novo podcast, Dial M for Mueller