Copa do mundo, Brasil, a zorra e o brejo

De sério nessa zorra só o Tiririca.

Está insuportável.

Não sei o que é mais fascista: a indignação seletiva ou a memória seletiva.

Os três (podres) poderes estão levando o país à lona.
Deprimente, mais um, bate-boca, mais para um rasteiro “arranca rabo”, de ministros no STF.

Senado votando o que não leu por que a imperatrizinha bate o pé.

Sem escolas, sem hospitais, sem segurança e o que importa é a porcaria da copa.

A bandalha é geral e o brejo está lotado.

Que país! Que República!


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Tópicos do dia – 03/03/2012

11:38:21
D. Dilma, e PT, adoram encrencas.
É inexplicável om impulso atávico dessa turma em dar “trela” a assuntos que morreriam no nascedouro. É o caso da manifestação de militares da reserva – que tem o direito constituicional da livre manisfestação de expressão – que motivou a irrascível damapetista a retaliar. Provavelmente influenciada pelo aspone “top-top” Gracia a presidente resolveu se manifestar a respeito, inclusive obrigando aos comandantes militares a retirada do site dos protestos manifestos à revanchista Comissão da Verdade. Aliás, Comissão da verdade em governo de mentirosos, só pode ser gozação. Tivasse a mandatária senhora, ainda revestida da intolerância própria dos totalitários, não se manifestado, o assunto não teria ganho a publicidade que obteve, repercurtindo na mídia e produzindo um mal estar desnecessário na caserna.

11:44:41
Eleições 2010 e Tiririca
Nos muros da paulicéia desvairada:
Vote no Tiririca! Pior do que com Kassab… não fica!


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Facebook: como evitar vírus e pegadinhas

Desconfie sempre. As redes sociais são muito apropriadas para tirar dinheiro dos sentimentais, disseminar vírus, fofocas, e causar dores de cabeça jurídicas aos descuidados e aos de má fé. A “pegadinha” mais comum, por apelar ao emocional do internauta, é a que pede para se compartilhar um ‘post’, e diz que a cada ‘click’ uma certa quantia será destinada à pretensa vítima. Não caia nessa. É mentira!
Uma questão que dever ser encarada com a máxima seriedade é a criação de perfis falsos, ou “fakes”. O responsável pela criação de perfil falso, depois de identificado, poderá ser responsabilizado, no âmbito do Direito Civil, por possíveis danos que venha a causar ao patrimônio e/ou pelas ofensas morais que venham a atacar a honra de alguém.
José Mesquita – Editor


Evite ‘curtir’ pegadinhas, mentiras e vírus no Facebook.
Velhos boatos e “pegadinhas” da internet parecem estar ganhando adaptações e vida nova no Facebook, mas há quem também “curta” e publique – às vezes sem querer – vírus e conteúdos “virais” espalhados por apps adicionados ao perfil da rede social.

Seguindo o exemplo das mensagens via e-mail, publicações no Facebook que oferecem conteúdos extraordinários ou incríveis são a isca preferida dos criminosos para atrair internautas à pragas digitais. Um exemplo: no início deste mês de fevereiro, a fabricante de antivírus Sophos divulgou um alerta sobre um vírus espalhado pelo Facebook em uma mensagem que prometia imagens da CNN de ataques dos Estados Unidos ao Irã – um suposto início da “terceira guerra mundial”.

Mensagem com vírus especulava sobre início de nova guerra mundial. (Foto: Reprodução)

É claro que a mensagem era falsa.

Criminosos brasileiros já utilizaram táticas com o humor para chamar atenção. Em um dos ataques, uma página com o Tiririca foi inclusive colocada nos “anúncios” do Facebook. A página, ao ser carregada, solicitava um download de um arquivo. Quem fizesse o download e executasse o programa seria infectado com um vírus que rouba senhas bancárias.

Outro comportamento comum no Facebook é o compartilhamento de boatos ou fraudes. Chamados tecnicamente de “hoaxes”, alguns desses temas são – mais uma vez – apenas variações do que já circulava via e-mail.

Um exemplo bastante comum é o que solicita que uma imagem seja compartilhada para que alguém (normalmente uma criança) ganhe uma ajuda em dinheiro. As imagens normalmente dizem que, para cada compartilhamento ou clique em “Curtir”, uma quantia em dinheiro será transferida para a vítima exposta na imagem. Essas informações são mentirosas.

Internautas até criaram imagens com personagens de desenhos para brincar com a sugestão pouco realista dessas imagens.

No Brasil, criminosos usaram imagem do palhaço Tiririca para disseminar um vírus. (Foto: Reprodução)

Outro problema está nos “plug-ins virais”. Esses são plug-ins que se multiplicam de alguma forma; o mais comum é que eles exijam que você adicione algo ao seu perfil no Facebook para ter acesso a um conteúdo “protegido” ou “restrito”. Quando você adiciona o aplicativo ao seu perfil, imediatamente o conteúdo é publicado para seus contatos, que poderão cair no mesmo golpe.

Adicionar plug-ins e aplicativos ao perfil do Facebook de forma descuidada é perigoso. Informações que você não acredita que está compartilhando ficarão acessíveis ao responsável pelo app. Além disso, o plug-in pode publicar informações no seu mural sem o seu consentimento – na verdade, você já autorizou a publicação de conteúdo quando adicionou o software ao perfil. De forma silenciosa, enquanto navega na web, o plug-in pode estar interagindo com seu perfil no Facebook.

Finalmente, existe o problema com falsas promoções. Nas últimas semanas, muitos perfis ofereceram promoções com iPhones: “basta clicar ou curtir para concorrer”, afirmavam os anúncios. As publicações também eram mentirosas. Apesar de não haver um dano imediato, os fraudadores conseguem um ganho de popularidade com esse tipo de ação, o que polui a rede social, diminui a utilidade dela como ferramenta e incentiva a realização de mais “pegadinhas”.

Imagens com personagens dos desenhos japoneses Pokémon e Dragon Ball satirizam pedidos de 'ajuda' no Facebook. (Foto: Reprodução)

O que fazer?
As dicas são simples:

  1. Mantenha o seu navegador de internet e os plug-ins do navegador (como Flash e leitor de PDF) atualizados. Isso serve para evitar ataques que exploram brechas nesses softwares e que poderiam ser disseminados pela rede social para infectar o PC.
  2. Não faça o download de programas a partir de links na rede social.
  3. Tenha cuidado ao participar de “promoções” na rede social. Na dúvida, verifique com as marcas envolvidas se aquela ação realmente está sendo realizada. Às vezes, promoções em uma rede social são divulgadas em outra. Nesses casos, uma breve pesquisa é suficiente para tirar a dúvida.
  4. Não compartilhe conteúdos que sugerem a transferência de dinheiro para alguém com um mero “curtir” ou “compartilhar”. Pesquise antes de compartilhar algo que parece suspeito.
  5. Não adicione qualquer app ao seu Facebook e verifique os controles de privacidade da rede social

por Altieres Rohr/G1

Tópicos do dia – 10/01/2012

08:04:36
Carlos Lupi volta ao comando do PDT
Quando você pensa que a desfaçatez chegou a limiote, há sempre um fato desqualificado para abalar o pouco de esperança que resta aos Tupiniquins.
Não há o que fazer. A política brasileira continua habitando a sarjeta.
Argh!

08:11:40
Ahmadinejad faz tour pelo atraso na América Latina
Pra tristeza do ‘aspone’ Marco Aurélio ‘Top-Top’ Garcia, Mahmoud Ahmadinejad visita o circuito do atraso: Venezuela, Nicarágua, Cuba e Equador.
Brasil ficou fora da périplo do iraniano.

08:29:01
Censura, jamais!
Projeto de deputada Luiza Maia do PT, proibe contratação de artistas que cantam músicas que desvalorizam a mulher.

A senhora em questão, a nobre deputada, parece não entender o que lê. Senhora, a CF veda qualquer tipo de censura. Para os excessos e para os que se sentirem caluniados, difados e injuriados existe legislação contemplando a vítima, no Código Civil e Código Penal. Impressiona como a máxima “nada mais conservador que um liberal no poder”, adere à esquerda.
Ps. Recentemente uma música, vá lá, não é bem “música”, cantada pelo Tiririca, gravada através da Sony, com conotações racistas, teve sentença condenatória, obrigando a gravadora a pagar indenização de 1,2 milhão de reais à organizações não governamentais que lutam contra o racismo.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Tópicos do dia – 26/12/2011

08:34:21
“É só para intimidar!”
Essa é a opinião do Senador Demóstenes Torres sobre a “investigação da conduta” da Ministra Eliana Calmon.

09:16:43
Estatísticas, bolo Luis Filipe e riqueza.
Saiu na mídia.
Os seis países mais ricos do mundo hoje: 1º EUA, 2º China, 3º Japão, 4º Alemanha, 5º França e 6º Brasil.
Pergunto: quem fez “o apurado” dessas riquezas Tupiniquins já esteve na favela Pantanal em Fortaleza?
Estatística é assim. Há um bolo, “Luiz Filipe”, por exemplo. Eu lhe dou uma fatia. Então a estatística comprova que cada um de nós tem 50% do bolo.

11:52:28
Fila de supermercado e delicadeza.
Chego agora de supermercado. Como sempre quem está atrás, na fila, ou quer nos atropelar, ou é mal educado mesmo.
Ou ambos. Lembro Nelson Rodrigues:
“Está se deteriorando a bondade brasileira. De quinze em quinze minutos, aumenta o desgaste da nossa delicadeza”.

14:30:47
Sony e Tiririca condenados por racismo.
Por 5 a 0, a decisão do TJ RJ, com cinco desembargadores, que remete para 1.200 (hum mihao e duzentosmil) a indenização a ser paga por SONY MUSIC à entidades de mulheres negras lideradas por CRIOLA, e outras, por conta da musica “Essa negra fede”, de autoria do palhaço e deputado federal Tiririca.
A Sony já depositou 600 mil. Faltam os outros 600.
Como advogado das entidades de mulheres negras só posso me congratular com o TJ RJ por estabelecer “a maior indenização por racismo da história do Brasil, pequena ainda se comparada com outros segmentos de dano moral, por exemplo”.
Parabenizo o Dr. Fernando Cabral, jovem e brilhante advogado que me representou no julgamento.

fonte: Geledés Instituto da Mulher Negra/Humberto Adami
Existem petições/ofício a serem juntados ao processo
Data : 07/12/2011   Protocolo : 2011.400349


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Tópicos do dia – 09/12/2011

09:20:39
Livro aponta corrupção e espionagem tucanas

O livro A Privataria Tucana, do jornalista Amaury Ribeiro Jr., fartamente documentado, está à venda a partir desta sexta-feira em todo o País revelando fortunas tucanas em paraísos fiscais, após as privatizações do governo FHC, e a rede de espionagem montada pelo ex-governador de São Paulo José Serra contra seu adversário interno no PSDB, o também tucano Aécio Neves, que era governador de Minas Gerais.

Monitoramento
O objetivo da espionagem, que não foi alcançado, seria o de flagrar em vídeo Aécio Neves consumindo bebidas alcoólicas ou até cocaína.

Acusações graves
Amaury acusa Verônica e Alexandre Bourgeois, filha e genro de Serra, de evasão de divisas, lavagem de dinheiro e recebimento de propina.

Fios desencapados
Ricardo Sergio de Oliveira, ex-diretor do Banco do Brasil, e Gregório Marin Preciado, primo de Serra, também são denunciados no livro.

Polêmica
Repórter investigativo muito talentoso, Amaury Ribeiro foi envolvido no suposto esquema de arapongagem a serviço da campanha de Dilma.

Editor revela que José Serra tentou intimidá-lo
O editor Luiz Fernando Emediato, da Geração Editorial, sentiu-se intimidado ao ser chamado para “uma conversa” com o ex-governador José Serra, que tomou conhecimento do iminente lançamento do livro A Privataria Tucana, de Amaury Ribeiro. Emediato contou à coluna que ofereceu seu cartão de visitas ao emissário tucano, sugerindo que, se Serra quisesse falar com ele, que o procurasse na sede da editora.

Cautela
Temendo ordem judicial de apreensão do livro, a Geração fez uma operação silenciosa para distribuir 15 mil exemplares em todo o País.

Compromisso
Ao receberem o livro A Privataria Tucana, as livrarias assumiram o compromisso de que não seria exposto nas vitrines antes desta sexta.

Nada a declarar
O ex-governador José Serra informou que, por enquanto, sua decisão é não comentar as acusações
Coluna Cláudio Humberto

09:31:16
Cinemas podem ser obrigados a higienizarem óculos 3D após uso
A Câmara aprovou nesta quarta (7) na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio um Projeto de Lei que obriga os cinemas a esterilizar os óculos que são usados em filmes 3D. A proposta é da deputada Bruna Furlan (PSDB-SP) e, pelo texto, os óculos terão ainda de ser acondicionados em embalagens plásticas estéreis e seladas a vácuo. “Comparados aos gastos que a ausência da higienização dos óculos pode ocasionar ao sistema de saúde brasileiro, consideramos a medida meritória tanto do ponto de vista sanitário como econômico”, disse o relator do projeto, deputado Dr. Ubiali (PSB-SP).

09:40:53
Tiririca preside sua primeira audiência
O deputado Tiririca (PR-SP) presidiu nesta quinta (8) pela primeira vez uma audiência pública na Câmara dos Deputados. Ele mesmo foi quem propôs a sessão a fim de discutir a concessão de alvarás para circos. Tiririca lembrou as dificuldades que enfrentou quando ainda criança. “Comecei aos 8 anos e fiquei até os 30. Sei da dificuldade. O circo é a maior cultura que temos, é cultura popular. Precisa de apoio do governo federal e dos governos estaduais”, disse. O deputado criticou ainda a burocracia exigida para tirar um alvará para circo e afirmou que só um palhaço como ele para sensibilizar os deputados para o tema. “Um palhaço de circo, sendo o deputado mais votado do país, está chegando e fazendo barulho”, disse. “O circo está vivo e não pode deixar de existir”, afirmou.

09:48:10
Brasil: da série “Só doi quando eu rio”!
Sarney participou de missa, celebrada no Salão Negro do Congresso – qual dependência alí não será negra? – de ação de graças pelo encerramento do ano legislativo.
Durante o ofíco, em pronunciamento público, o soba do Maranhão clamou a Deus para que “o ajude a preservar os valores morais do Congresso”.
É realmente um crente.

10:52:26
O fim das pretensões de José Serra? 
Veronica Serra é ré por quebra de sigilo financeiro.
Filha do eterno presidenciável tucano responde a processo, em segredo de Justiça; o genro, Alexandre Bourgeios, também foi executado por dívidas fiscais não pagas; origem da fortuna do casal, que gere fundos em Trancoso, é mal explicada.

247 – 2003.61.81.000370-5. Este é o número do processo judicial, que corre em segredo de Justiça, contra Veronica Allende Serra. Filha do ex-governador paulista e eterno presidenciável tucano José Serra, ela foi indiciada pelo crime de quebra de sigilo financeiro. Isso porque sua empresa de internet, a Decidir.com, já extinta, teve acesso a todos os dados de milhões de brasileiros, depois de um convênio firmado com o Banco do Brasil, no apagar das luzes do governo FHC.

Execução fiscal
2004.61.82.061807-5. Eis agora o número do processo de execução fiscal movido pelo INSS contra a empresa Iconexa e seu sócio majoritário Alexandre Bourgeois. Genro do presidenciável tucano e gestor de fundos em Trancoso, ele deixou uma dívida de R$ 309,3 mil, mas a execução não prosperou porque Bourgeois não possui bens em seu nome. Nem mesmo no Detran, o que indica que o genro de Serra não tem nem automóveis.
fonte: blog Brasil 247


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Pedro Novais o ministro que sumiu

Apertem os cintos, o ministro Pedro Novais sumiu. Mas terá de reaparecer amanhã, para prestar depoimento à Câmara sobre a corrupção no Turismo.

Ele não existe como político de destaque.

Aos 81 anos, só era conhecido no Maranhão, onde vinha se elegendo deputado federal, com apoio do senador José Sarney, seu amigo de fé e compadre. De repente, foi guindado ao Ministério do Turismo, onde já estava instalado um formidável e crescente esquema de corrupção, que durante sete meses funcionou sob suas barbas.

Com 82 anos completados agora em agosto, Novais não está livre de suspeitas.

Apesar de idoso, ele pode até ser o chefe da quadrilha, pois entrou para os anais da História da Comissão de Turismo da Câmara a declaração dele de que o Ministério do Turismo teria como única função na Copa e nas Olimpíadas “fazer cursos de capacitação de agentes”, que é exatamente o setor mais corrompido de seu ministério.

Portanto, a Polícia Federal joga com três opções: ou Novais é culpado, ou é conivente ou é muito idiota.[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Os jornais assinalam que o ministro do Turismo, Pedro Novais, que pouca visibilidade política vinha tendo desde que assumiu a pasta, submergiu ainda mais, depois que a Polícia Federal, com a Operação Voucher, desbaratou o esquema de desvio de dinheiro do ministério para ONGs que não cumpriam os contratos.

Realmente, sem ter o que dizer, Novais adotou o silêncio como tática de defesa, ao contrário de outros ministros que também estão envolvidos em denúncias de irregularidades – como é o caso de Alfredo Nascimento, ex-ministro dos Transportes, e de Wagner Rossi, titular da Agricultura, que se defendem atacando os outros, pois não há como negar as acusações..

Na terça-feira, quando a Polícia Federal prendeu os suspeitos, Pedro Novais fingiu que não sabia de nada e manteve uma agenda de dia comum, recebendo deputados, prefeitos e senadores.

A assessoria de imprensa, contudo, divulgou uma nota na qual afirmava que o ministro havia solicitado à Controladoria Geral da União a abertura de um Procedimento Administrativo Disciplinar para apurar as denúncias.

No dia seguinte, Novais também não recebeu os jornalistas.

Ficou em despachos internos até as 17horas. Na quinta-feira, a mesma coisa, nada de entrevista, e o ministro agendou apenas um encontro com Von Walter Mzembi, ministro do Turismo do Zimbábue, país africano envolvido em longa e grave crise política, e que, por isso mesmo, nem recebe turistas.

Nesta sexta-feira, novamente, ele ficou trancado em seu gabinete, com despachos internos. No Diário Oficial, publicou portaria criando novas regras para prestação de contas de convênios.

As ONGs terão apenas 30 dias para prestar contas.

Caso não cumpram o prazo, correrão o risco de ter os recursos bloqueados e passar a figurar num cadastro de entidade inadimplente, vejam só que ridículo: depois do portão arrombado pela Polícia Federal, o ministro aparece tentando colocar uma tramela.

Amanhã, Pedro Novais terá de sair do bunker para ir à Câmara, onde dará depoimento à Comissão de Turismo e Desporto da Câmara dos Deputados, para explicar os tortuosos caminhos que desviam recursos justamente para o que ele diz ser o principal papel de sua pasta: capacitar profissionais para o atendimento ao turismo.

Vai ser um episódio constrangedor.

Novais não sabe nada de turismo, aliás, não sabe nada de nada.

É uma espécie de Tiririca com diploma de advogado.

Jamais poderia ter sido nomeado ministro.

E agora José Sarney nega ter sido responsável pela indicação de Novais.

Os dois são amigos e compadres, mas agora Sarney resolveu deixá-lo sem padrinho. Implacavelmente.

Carlos Newton/Tribuna da Imprensa

Bolsonaro: mais para oportunista eleitoreiro que racista

Na taba dos Tupiniquins cada vez mais as pessoa são julgadas pelo que dizem e não pelo que fazem. Volto a constatar que no Brasil, também cada vez mais, a fama precede a virtude.

Considerando que o escatológico e furibundo Enéas foi, até hoje, o maior campeão de votos para a câmara federal, fica patente que o que dá votos é dizer, bobagens, coisas polêmicas ou que chamam a atenção.

Assim, concluo que o deputado Jair Bolsonaro não seja um racista, nem tão pouco um idiota. Vejo-o como um oportunista. Um Tiririca menos ingênuo. Ambos populistas. Ambos exercendo o direito constitucional da liberdade de expressão. Gostemos ou não.

Suas (dele) declarações escatológicas e insanas irão atrair “um caminhão” de votos da turma da extrema direita, dos racistas e outros que vivem de alimentar o ódio contra diferenças.

O ex-capitão Bolsonaro, “sabidamente”, está ocupando um vazio na direita mais xenófoba brasileira. Cada país tem o Jean-Marie Le Pen que merece.

O Editor

PS. Não concordo com o que o sujeito diz, mas deixem o Deputado Bolsonaro falar. Para que ele entenda como somente em uma democracia ele pode falar o que pensa. Fosse em uma ditadura, regime aliás, que o deputado tanto louva, ele já estaria “hospedado” nos porões da repressão. Querer cassá-lo é uma violência. Liberdade de Expressão é cláusula pétrea da Constituição. Aliás, a verborréia de Jair Bolsonaro é até pedagógica para que as novas gerações conheçam que tipo de mentalidade era dominante nos anos de repressão no Brasil.


Bolsonaro, Tiririca e o discurso ambíguo das esquerdas.

Há, desde logo, um ponto em comum entre Tiririca e Bolsonaro: o estigma. Bolas da vez da mídia e dos “formadores de opinião”, estão sendo caçados assim como em algum momento Maluf e Sarney o foram, o que não impediu que eles estejam aí, firmes e fortes. No momento, os “politicamente corretos” só têm olhos e munição para o “palhaço” e para o “fascistão”.

O problema é que esses nossos inquisidores modernos são mais políticos do que corretos e, donos da verdade, estabeleceram uma espécie de código parecido com o das boas maneiras de antigamente: isso pode , isso não pode.

Parece que essa Ditadura Politicamente Correta surgiu nos EUA (anos 80) onde intelectuais de esquerda (liberais) fizeram um index das princípios posições ou manifestações retrógradas da Direita Republicana cada vez mais envolvida com um fascismo implícito, misturado com negociatas e um fanatismo religioso (fundamentalista) da pior espécie.

O resultado disso tudo é que, na falta do inimigo comunista visível para combater, os EUA continam agindo como Polícia do Mundo e um presidente negro e democrata usa a DPV ( Ditadura Politicamente Correta) para agredir militarmente a nação que bem entender.

É claro, portanto, que não concordo com o enfoque que está sendo dado aos casos Tiririca e Bolsonaro. Talvez eu esteja sendo rigoroso demais com nossos bons PCs (Polticamente Corretos). Acontece que eles recorrem demasiado aos clichês. E tenho ugeriza ao clichê, esta arma predileta dos ignorates, dos preguiçoso e dos hipócritas. O fato é que tudo fica na superfície dos fatos. Mas vamos adiante.

O Tiririca sofreu um ataque inicial, desferido por preconceituosos e presunsosos “educadores” que se indignaram com o fato de ele ter sido indicado para a Comissão de Educação e Cultura da Câmara, sem notarem que a arte circense é uma importante manifetação cultural.

Atualmente ele está sendo alvo de novas investidas a partir da mídia hipócrita e de alguns colegas santarrões, só porque ele fez rigorosmente o que todos (eu disse todos) os outros parlamentres fazem: nomear assessores para cargos de confiaça, sem fixação de horas diárias trabalho. É como se o palhaço não pudesse ter acesso às espertezas do resto da curriola.

Quanto a Bolsonaro, os PCs já escancararm quase tudo. Só ainda não disseram que um sujeito que usa uma peruca como a dele não pode ser normal e que, no fundo, ele tem ódio de negros e homossexuais porque teme ou suspeita seus filhos sintam atração por eles. São explicações fáceis de encontrar em qualquer manual de vulgarização dos conceitos freudianos. Mas falvez não seja politicamente correto dizer essas coisas.

Entretanto, o que realmente está pegando é que as esquerdas do PT e o PSOL, por exemplo, estão tratando estes episódios de forma enviezada, quase leviana. Parece que todos querem apenas pegar carona para exibir seu bom-mocismo, suas posições politicamente corretas. Ningúem toca no fundo das questões.

No caso do Tiririca, o enfoque é meramentetne moralista. O líderes mais midiáticos do PSOL viram-se, dedo em riste, para o palhaço, bem à moda da velha UDN que, na sua origem, coabitava, com os socialistas, a antiga Esquerda Democrática.

Tiririca (e aqui falo do fenômeno político e não do deputado ou do palhaço profissional) provavelmente não repetirá, em 2014, a votação do ano passado. Sua eleição deu sequência a um hábito arraigado do eleitorado paulista e que remonta ao Macaco Tião e ao Cacareco. Trata-se de um modo debochado (mais alienado que debochado) de manifestar um eventual protesto ou, simplesmente, um jeito estranho de não respeitar o próprio voto.

Já em relação ao Bolsonaro, é necessário dizer claramente que ele não destoa muito do pensamento e do sentimento que permeia parte de uma sociedade que rapidamente se torna preponderantemente de classe média.

Aliás, de classe média baixa, de recente ascensão social e que vai adquirindo, como que por atavismo, as caracterísicas ideológicas clássicas da chamada pequena burguesa: egoísta, inconsequente, preconceituosa e isensivel à solidariedade de classe. Para completar, parece sentir atração irresitível pelas seitas fundamentalistas que oferecem curas individuais no lugar das sociais e reinauguram o obscurantismo na modernidade.

Este é o resultado inexorável da inclusão paternalista, concentida sem a mobilização e a decorrente conscientização social, o que conduz à irrelevância das ideologias.

De outra parte, não se pode ignorar, também, que Bolsonaro, com seu discurso grotesco, interpreta um forte e persistente sentimento no interior das Forças Armadas. É impossível determinar o grau e a extensão desse posicionamento corportivo, mas também político e ieológico. É certo, porém, que não se trata de uma minoria insignificante.

Estes setores defendem abertamente não só o golpe de 64 como a subseqüente ditadura corrupta e ignóbil. E tudo isso revela a existência de um gorilismo latente, temporariamente contido por um profissionalismo que, justiça seja feita, foi sinceramtne adotado. Entretanto, sempre foi óbvio que, em algum momento, algumas lideranças saudosistas tentariam colocar as maguinhas de fora.

O “Fator Bolsonaro” não é apenas a expressão de uma extravagância pessoal. A luta contra ele (processos e refutações, etc.) deve estar articulada, portanto, com a luta (mobilização) contra o fascismo remanescente.

Francisco Barreira/blog Fatos Novos Novas Ideias

Congresso Nacional: de Tiririca a Sarney, tem a cara do Brasil

Tiririca e Sarney

Richard Nixon certa vez defendeu sua nomeação de um juiz reconhecidamente inadequado para a Corte Suprema americana com o argumento de que a mediocridade também precisava estar representada no tribunal.

Perfeito. Todos os tipos de cidadãos devem ser representados numa democracia. Nesse sentido o recém-empossado Congresso brasileiro talvez seja o mais representativo da nossa história.

Além dos medíocres, muitos outros brasileiros têm voz, ou pelo menos presença de terças a quintas, no Congresso.

Alguns setores são até super-representados, como o dos grandes proprietários rurais e o dos milionários.

Apesar destes pertencerem à menor minoria no país, têm uma bancada bem maior que a da maioria pobre.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Mas, em geral, todos os eleitores brasileiros, todos os tipos e todas as características nacionais têm representação em Brasília. Não lamente o novo Congresso, portanto.

Eles são nós.

Tomemos o Tiririca e o Sarney.

Os dois seriam exemplos, respectivamente, de desvirtuamento do processo eleitoral e de aviltamento dos costumes políticos, uma vergonha.

Ou duas vergonhas.

Tiririca um inocente transformado em legislador por uma galhofa, Sarney eternizando-se no comando do Senado pelo seu poder de manobra e de conchavo, um cordeiro e uma raposa representando os extremos da nossa desilusão com a fauna parlamentar.

Mas Tiririca não representa apenas os palhaços do Brasil.

A galhofa que o elegeu é uma manifestação política, ou antipolítica, que tem história no país e ou representa os que não sabem nada de nada e não querem saber, ou os que sabem tanto que votam em palhaços e rinocerontes para protestar.

De qualquer forma, os simples e os enojados também têm sua bancada.

E existe algo mais brasileiro, folclórico e até enternecedor do que Sarney e seu amor pela mesa diretora?

Falar mal do Sarney é um pouco como falar mal de um velho tio excêntrico, mas cujas peripécias divertem a família.

Tudo se perdoa e tudo se aceita com a frase “Que figura…”. O indestrutível Sarney representa a persistência do gosto nacional por “figuras”.

Mas há um caso flagrante de sub-representação no Congresso, além dos sem terras e dos pobres.

Quando o senador Paim olha em volta do Senado não vê nenhum outro negro como ele a não ser um eventual garçom servindo o cafezinho.

Nada é perfeito.

Luis Fernando Verissimo/blog do Noblat