Usinas Nucleares e segurança

Uma questão de segurança

O debate sobre construir maciçamente usinas nucleares no Brasil é complexo, mas tem uma preliminar. Um país onde qualquer chuva mais forte em certas regiões é sinônimo de mortes em profusão tem providências anteriores a adotar

O impressionante terremoto no Japão e a consequência para os equipamentos nucleares daquele país vão provocar reflexões adicionais sobre o programa nuclear brasileiro.

A energia nuclear para fins pacíficos é essencial, e nenhum país deve ser impedido de acesso à tecnologia, nas condições impostas pela necessidade de evitar a proliferação bélica.

No nosso caso a questão é bem central para a estratégia de abastecimento de energia.

Nosso maior potencial de energia limpa, ainda inexplorada, está na Amazônia. Mas a construção de usinas hidroelétricas no norte do país enfrenta dura resistência ambiental.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

O governo tem lutado e buscado avançar, mas o exemplo de Belo Monte mostra que as dificuldades tendem a crescer.

Desde a crise de abastecimento no começo da década passada os governos brasileiros recorrem à termoleletricidade.

Foi assim com Fernando Henrique Cardoso, na origem do problema, e foi também assim com Luiz Inácio Lula da Silva, administração em que o ramo estava a cargo da hoje presidente Dilma Rousseff.

Termoeletricidade no Brasil é um contrassenso, principalmente por queimar combustíveis fósseis.

Mais ou menos poluentes, são todos mais prejudiciais ao meio ambiente do que, por exemplo, a hidroeletricidade.

As pressões sociais têm imposto restrições ao tamanho dos reservatórios das hidroelétricas, para adaptá-las a critérios de correção ambiental e social.

Certas fontes, como solar e eólica (ventos), ainda não demonstraram capacidade de suprir a demanda, então uma alternativa bastante discutida nos últimos anos é a nuclear.

Que enfrenta também forte resistência dos ambientalistas, notadamente pelo desafio de armazenar em segurança o lixo atômico.

O terremoto/tsunami japonês coloca, para nós aqui, um ponto adicional no debate. A preliminar de qualquer decisão é a existir uma defesa civil eficiente, provada e que consiga a confiança da sociedade.

Tenho sido favorável à construção de usinas nucleares no Brasil, pois parece haver algo de obscurantismo na rejeição pura e simples de uma tecnologia.

Nos transgênicos o Brasil superou o desafio, com resultados benéficos para nossa agricultura. Uma decisão adotada lá atras e que agora mostra plena utilidade, nesta era de crescente demanda por alimentos.

O problema não está nas tecnologias, mas na capacidade de usá-las de modo ambiental e socialmente responsável.

As recentes chuvas no Rio de Janeiro exibiram o total despreparo e irresponsabilidade das autoridades daquele estado e da maioria dos municípios atingidos. Revelou-se também que um plano federal para prevenir consequências de desastres vinha dormindo havia anos na gaveta.

O grande número de mortes não teve maiores consequências políticas, pois ali a mão federal e a estadual se lavaram mutuamente. Afinal são aliados.

Agora temos a promessa de que, finalmente, vai acontecer. Vamos ter um bom sistema de alerta. Dados os antecedentes, a sociedade tem o direito de desconfiar. Os governos, em primeiro lugar o federal, precisam mostrar serviço. Para só depois pedir crédito de confiança.

O debate sobre construir maciçamente usinas nucleares é complexo, mas tem uma preliminar. Um país onde qualquer chuva mais forte em certas regiões é sinônimo de mortes em profusão tem providências anteriores a adotar.

blog do Alon

Japão: reator de usina nuclear pode provocar tragédia semelhante a de Chernobil

A usina nuclear na tragédia japonesa
Blog de Paulo Moreira Lima


Num artigo enviado diretamente do Japão, onde reside há anos, o brasileiro Tomi Yokohama pergunta: quem é responsavel pelo desastre nuclear ocorrido após o tsunami? Leia sua resposta:

“Desde o terremoto de ontem, as autoridades governamentais tentavam minimizar a possibilidade de um desastre nuclear na provincia de Fukushima, uma das principais atingidas pelo terremoto.

Os fatos: houve uma explosão hoje.

Em se tratando de uma usina nuclear, o nome óbvio que podemos dar a isso se chama “desastre”.

Em uma usina nuclear, por consequência, “desastre nuclear”.

A crise: a operadora da planta onde ocorreu a explosao, a Tokyo Eletricidade, não tem uma explicação para a explosão e diz que ainda está analisando os motivos.

Convenhamos: uma explosão em uma usina nuclear não é uma coisa que possa ocorrer.

E mais do que isso, após o desastre, os responsáveis dizerem que não sabem os motivos.

A Tokyo Eletricidade é uma empresa pela qual tenho grande respeito.

Trabalhei em algumas ocasiões no seu interior e conheco o alto grau de profissionalismo e seguranca que faz parte de seu dia-a-dia, mas acho que no que diz respeito a usinas nucleares, ela tomou riscos de maneira irresponsável.

Você acha que as usinas nucleares japonesas são seguras?

Eu penso que não. Já houve antecedentes e agora este caso é bastante grave.

O fato de não ter explicações para uma explosão ocorrida sobre sua responsabilidade demonstra que a empresa perdeu o controle da situação.

Não estou aqui para fazer alarmismo, mas para procurar encontrar lógica em uma situação caótica, que envolve a população que vive em volta do reator.

O governo havia ordenado a evacuação em um raio de 10 Km. Agora ordenou a evacuação para um raio de 20 Km.

Então, pergunto: por que 10Km, 20 Km e por que não 50Km ou mesmo 500Km?

Com base em que se decidem essas distâncias?

Nem a Tokyo Eletricidade nem o governo sabem, literalmente, o que ocorre na usina…

O centro da discussão não é a ocorrência de um desastre nuclear.

Ele já ocorreu.

O que estamos discutindo agora são as proporções que este desastre irá tomar e [o número] de pessoas que poderão ser afetadas por essa irresponsabilidade.

Terremoto na Itália, mortos sobem para 235 em L´Aquila

Novo forte tremor abalou L’Aquila nesta terça e foi sentido em Roma.
Dezessete mil pessoas estão desabrigadas, segundo a Defesa Civil.

O terremoto que abalou a região central da Itália na madrugada de segunda-feira deixou 235 mortos, segundo balanço divulgado na noite desta terça (7) pela Defesa Civil.

Há 1.000 feridos e 17 mil desabrigados.

Durante a tarde, um corpo foi achado entre escombros de uma casa no centro de L’Aquila.
Os resgatistas também conseguiram resgatar com vida uma mulher de 20 anos que ficou 42 horas entre as ruínas.

Nesta terça, um novo tremor atingiu a região, mas, aparentemente, sem deixar novas vítimas. Agências chegaram a noticiar um novo morto, mas os bombeiros desmentiram.

O tremor, de magnitude 5,6, foi resgistrado às 19h47 (hora local), 14h47 pelo horário de Brasília, a 70 km de Pescara e a 90 km de Roma, segundo o Centro de Estudos Geológicos dos EUA.

Testemunhas em L’Aquila disseram que prédios que haviam sido danificados pelo tremor de segunda ruíram com a réplica. O tremor foi sentido também na capital, Roma.

Primeiro terremoto
O tremor que causou toda a devastação na segunda-feira registrou entre 5,8 graus e 6,3 graus na escala Richter.

O tremor secundário foi o mais forte até o momento, e registrado em região próxima do tremor do início da semana. Ele causou ainda mais destruição nas cidades, e foi possível ver pedaços de concreto caindo de prédios já destruídos. Ele fez com que equipes de resgate interrompessem o trabalho para se protegerem.

Em entrevista na cidade de L’Aquila, a mais afetada pelo tremor, Berlusconi disse que os trabalhos de resgate (assista no vídeo ao lado), feitos por 7 mil homens, vão continuar até a quinta-feira.

Os resgatistas usavam escavadeiras e as próprias mãos na busca por sobreviventes. Mais de 24 horas depois de que o tremor sacudiu a região de Abruzzo, equipes de emergência retiraram dois estudantes dos escombros de prédios em L’Aquila, a cidade de montanhas medieval de 68 mil habitantes que foi a mais atingida pelo desastre.

A polícia informou que “várias pessoas” foram presas por tentarem saquear as casas deixadas vazias pelos moradores.

do G1

Terremoto na Itália mata mais de 150, resgate continua em busca de sobreviventes

foto-terremoto-italia-roma-aquila-mortos-feridos

Equipes de resgate buscam sobreviventes na cidade italiana de Áquila, que foi atingida por um terremoto de 6,3 graus na Escala Richter na madrugada desta segunda-feira.

Segundo a imprensa italiana, pelo menos 150 pessoas morreram e mais de 1,5 mil ficaram feridas no abalo, que também causou destruição em cidades vizinhas e foi sentido até na capital, Roma, a 95 quilômetros de distância.

Cerca de 5 mil pessoas estão trabalhando no resgate das vítimas. Bombeiros ajudados por cães farejadores tentam retirar pessoas presas sob os escombros. Alguns moradores e equipes de resgate tentam remover os escombros com as próprias mãos.

“Não estamos usando máquinas porque a experiência mostra que é importante cavar com as mãos (para evitar maiores danos)”, disse o primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, ao chegar a Áquila.

Berlusconi declarou estado de emergência na região atingida e prometeu “um número recorde” de esquipes de resgate.

“Eu garanto que não há um prédio sequer atingido em que não haja uma equipe de resgate procurando por sobreviventes”, disse Berlusconi.

O primeiro-ministro italiano também disse que um hospital de campanha estava sendo montado para ajudar no tratamento dos feridos.

As autoridades estão providenciando barracas em campos de futebol e quadras de tênis para abrigar as cerca de 40 mil pessoas que perderam suas casas.

Destruição

O terremoto ocorreu por volta das 3h30 no horário local (22h30 de domingo pelo horário de Brasília), teve duração de cerca de 30 segundos e atingiu pelo menos 26 cidades e vilarejos, segundo autoridades locais.

Muitos vilarejos foram completamente destruídos pelo terremoto, que teve seu epicentro em Áquila, uma cidade medieval localizada em uma região montanhosa a nordeste de Roma.

Somente em Áquila, calcula-se que entre 3 mil e 10 mil prédios foram destruídos ou danificados. Segundo o correspondente da BBC na Itália David Willey, o estrago em Áquila foi tão grande que ela deverá ficar inabitável por algum tempo.

Muitos prédios renascentistas e barrocos foram destruídos, inclusive o domo de uma das igrejas de Áquila. Pedras caíram das montanhas e bloquearam estradas, e muitas casas foram reduzidas a pilhas de escombros.

Linhas telefônicas e de energia foram cortadas. Algumas estradas e pontes foram bloqueadas como precaução contra possíveis novos abalos.

Choque
Em entrevista à BBC, um morador da cidade, Antonio di Marco, descreveu o cenário de destruição. “Nós corremos para a rua como loucos, sem entender o que estava acontecendo. O prédio inteiro estava se movendo sob nossos pés. É algo impossível de descrever”, disse Di Marco.

O correspondente da BBC Duncan Kennedy, que está em Áquila, disse que é possível ver vários moradores vagando pelas ruas com ar confuso, enrolados em cobertores e levando seus pertences em malas.

Segundo o médico Agostino Miozzo, da Agência de Proteção Civil, muitos sobreviventes terão uma noite difícil. “Hoje à noite, muitas pessoas terão de dormir em seus carros, terão de ir para casas de parentes em cidades próximas que estão em melhores condições”, afirmou Miozzo.

“Todos estão muito chocados, principalmente as pessoas mais velhas e, obviamente, as crianças”, disse.

Líderes mundiais enviaram mensagens de condolências à Itália. O papa Bento 16 rezou pelas vítimas, “especialmente as crianças”.

União Europeia, Áustria, França, Alemanha, Grécia, Israel e Rússia já ofereceram ajuda ao governo italiano.

A Itália já foi atingida por vários terremotos ao longo de sua história, especialmente no sul do país.

da BBCBrasil