Estados Unidos rejeitam rendição do Talibã. Por quê?

O Talibã já tentou se render, os Estados Unidos rejeitaram e guerra no Afeganistão não tem fim.Blog do Mesquita,Talibão,USA,Afeganistão,Terrorismo,Guerra,Oriente Médio

Combatentes talibãs que queriam se render mostram armas a repórteres em Herat, Afeganistão (04/11/2010). Foto: Majid Saeedi/Getty Images

 VOCÊ SABIA QUE o Talibã tentou se render pouco tempo depois de os Estados Unidos invadirem o Afeganistão?[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Segundo a tradição afegã, há séculos, quando uma força rival vence, os derrotados depõem as armas e se integram à nova estrutura de poder. Claro, com muito menos poder – às vezes, sem poder nenhum. É o que tem que ser feito para que a convivência entre vizinhos continue a ser possível. Não é que nem jogo de futebol, os times não voltam para suas respectivas cidades depois que tudo acaba. Para os norte-americanos, pode ser difícil lembrar que é assim que as coisas funcionam, já que os Estados Unidos não vivem uma guerra prolongada sobre o próprio território desde a Guerra Civil.

Quando o Talibã quis se entregar, os Estados Unidos recusaram a rendição repetidas vezes, em uma série de trapalhadas arrogantes, relatadas por Anand Gopal em seu livro “No Good Men Among the Living”, uma investigação sobre a guerra do Afeganistão.

Só a completa aniquilação do inimigo interessava ao governo Bush. O que eles queriam era empilhar mais e mais corpos de terroristas. O problema é que os talibãs já tinham parado de lutar: tinham fugido para o Paquistão ou se reinserido na vida civil. E a Al Qaeda se resumia a um punhado de combatentes.

Mas se não há mais terroristas, como matá-los?

Fácil: afegãos que colaboravam com os Estados Unidos entenderam o dilema do aliado militar e inventaram vilões. A demanda sempre acaba gerando oferta, e os Estados Unidos passaram a pagar por informações que levassem à morte ou à captura de soldados talibãs. De repente, havia talibãs por todos os lados e a vingança correu solta: para matar um vizinho ou mandá-lo para Guantânamo, bastava dizer aos Estados Unidos que se tratava de um membro do Talibã.

Invadiam-se casas e arrombavam-se portas sem nem precisar explicar por quê. Os que foram poupados se tornaram senhores da guerra, enriqueceram e mandaram sua fortuna para o exterior. “Não estamos construindo novamente uma nação”, afirmou o presidente Donald Trump na segunda-feira. Bem, na verdade, nós, americanos, nunca construímos nada por lá – a menos que erguer arranha-céus em Dubai à base de dinheiro sujo conte.

Depois de anos vivendo essa farsa e vendo seus esforços de rendição serem ignorados, o antigo Talibã voltou a pegar em armas. Na época em que foram derrubados do poder, a população tinha ficado feliz em vê-los partir. Mas os Estados Unidos conseguiram torná-los novamente populares.

Os liberais passaram a campanha presidencial de 2008 reclamando que os EUA tinham “ignorado” o Afeganistão — quando, na verdade, as regiões sem a presença de tropas eram as únicas em paz, sem nenhum tipo de insurgência contra o governo afegão. Aí o então recém-empossado presidente Barack Obama resolveu aumentar o efetivo militar, ao mesmo tempo em que anunciava a retirada das tropas. Além disso, ampliou bombardeios noturnos, confiando no mesmo sistema questionável de inteligência que já tinha custava a vida a tantos inocentes.

E agora Trump vem dizer que tem uma estratégia nova e melhor. Segundo ele, os Estados Unidos precisam fazer com que o Paquistão se envolva mais – só que, claro, o serviço de inteligência paquistanês sustenta o Talibã há decadas.

O livro de Gopal é o relato cabal de um conflito que saiu dos trilhos. Parece um livro de ficção, mas é o perfil bem real de três afegãos que viveram a guerra: um senhor da guerra pró-Estados Unidos, um comandante talibã e uma dona de casa. Eu recomendaria a leitura a Trump. O livro traz uma grave advertência ao tipo de esforço de guerra que o presidente está prestes a intensificar. O problema é que tem mais de uma página – e, de acordo com seus assessores, esse é o máximo que ele consegue processar. No mais, a única coisa que interessa mesmo a Trump é o fato de o Afeganistão ter um monte de minerais – que ele acha que o país deve aos Estados Unidos.

Antes de sair gastando os lucros que pretende fazer com os minérios afegãos, Trump deveria parar para pensar na dura realidade: os Estados Unidos estão perdendo a guerra para um inimigo que já tinha se entregado. É uma proeza para poucos.
Ryan Grim/Tradução: Carla Camargo Fanha

Noam Chomsky – Estados Unidos são o país mais perigoso do mundo

Para o linguista, filósofo e intelectual norte-americano, Washington despreza todas as chances de acordo em conflitos globais explosivos. Que loucura fará o presidente Donald Trump, quando seu capital político se esgotar?Noam Chomsky: EUA estão literalmente sozinhos no mundo.

A proliferação nuclear e as mudanças climáticas são hoje motivo de preocupação aguda, levada ao extremo em razão do governo  de Donald Trump, nos EUA. Nesta entrevista exclusiva para a Truthout, o intelectual dissidente Noam Chomsky debate a cobertura da mídia sobre esses temas, ressaltando as tensões dos EUA com a Rússia, o Irã e a Coreia do Norte, bem como o recente ataque aéreo dos EUA a uma base da Força Aérea da Síria.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

 

Como você vê a angustiante falta de debate, na mídia hegemônica, sobre mudanças climáticas e proliferação nuclear?

Se você quiser aprender sobre armas nucleares e a razão pela qual esse tema não está sendo tratado, dê uma olhada na edição de 1º de março do Bulletin of the Atomic Scientists (Boletim dos Cientistas Atômicos), onde há um artigo absolutamente espetacular escrito por dois verdadeiros experts – Hans M. Kristensen e Ted Postol, do MIT (Massachussets Institute of Technology).

Eles discutem os novos sistemas de direcionamento inventados no Programa de Modernização de Obama, agora em plena escalada com Trump, e que são extremamente perigosos. Afirmam, com base em informações disponíveis, que os sistemas de mísseis dos EUA foram de tal forma aperfeiçoados que agora são capazes de aniquilar instantaneamente o efeito de dissuasão da Rússia.

É um enorme excesso, que acaba com a estabilidade nuclear – e, claro, os russos sabem disso. A implicação é que, se em algum momento os EUA sentirem-se ameaçados, serão levados a fazer um ataque preventivo – porque do contrário estão mortos, entende? E isso significa que todos estaremos mortos. Este é o fato mais importante de que se tem notícia em não sei quanto tempo.

New York Times e outras mídias mainstream mantiveram sua prática convencional de enaltecer o último ataque do Trump contra a Síria, mas continuaram lamentando-se porque essa doutrina de política exterior é improvisada. De certa forma, considerando as nomeações do seu gabinete, ele faz lembrar Bush filho, que escolheu alvos indefesos. Eles alegam estar lutando contra o terrorismo e a proliferação nuclear, mas parecem estar simplesmente piorando os problemas.

Eles com certeza não estão lutando contra a proliferação nuclear. Bem, se quiserem mesmo fazer isso, há atitudes que podem tomar. O Irã, que na verdade nunca foi um problema, poderia ter sido resolvido há anos. Há um livro interessante do ex-embaixador brasileiro Celso Amorim. Em 2010, ele realizou um esforço conjunto com a Turquia para solucionar a questão do Irã. Ninguém, além dos Estados Unidos, considera que seja realmente um problema.

Aqui nos EUA, é a pior ameaça da história da humanidade. Mas Brasil e Turquia conseguiram um acordo com o Irã em que, basicamente, o país entregaria seu urânio (pouco) enriquecido para a Turquia armazenar, e em troca as potências ocidentais (isto é, os EUA) lhe forneceriam tubos de gelo para usar em seus reatores de uso medicinal. Isso teria liquidado o assunto. Foi imediatamente rejeitado por Obama e Hillary Clinton.

E a razão principal foi que não queriam ver ninguém mais envolvido no assunto. Supostamente, os norte-americanos é que deveríamos lidar com o problema – a mas isso não foi dito. A razão ostensiva foi de que Hillary estava prestes a pressionar o Conselho de Segurança da ONU para adotar novas sanções contra o Irã, e não queria que essa iniciativa fosse minada – o que mostra uma atitude voltada para a proliferação. O mesmo está acontecendo com a Coreia do Norte. [Recentemente] anunciaram mais ações ofensivas contra a Coreia do Norte.

Misseis navais vão elevar o nível [do perigo], [mas] há uma opção diplomática? Sim, há. A Coreia do Norte e a China propuseram o que parece ser uma opção muito inteligente. A Coreia do Norte deveria acabar com o desenvolvimento de armas nucleares – manter o estoque como está, não fabricar mais – e, em troca, os EUA acabariam com essas manobras militares hostis na fronteira da Coreia do Norte – bombardeiros B52 com capacidade nuclear e por aí vai. Os EUA rejeitaram imediatamente a oferta. E a imprensa e todo o mundo disse [quase nada]…

Esse programa de modernização é um exemplo muito claro de como o que importa não é a segurança. Não há nenhum ganho em segurança, mas destruição maciça da capacidade de dissuasão do adversário. A única consequência disso é provocar o risco de um ataque preventivo. E um ataque preventivo leva a um mundo de inverno nuclear.

Sem contar que temos uma presença militar lá. Lembro que uma vez você disse algo sobre como a dissuasão não era para as armas nucleares, mas para a militarização da Coreia do Norte apontada para Seul e as Forças Armadas dos EUA.

Se os EUA atacassem a Coreia do Norte, com certeza destruiriam aquele país – mas provavelmente a Coreia do Sul também seria exterminada. Eles concentraram artilharia apontada para Seul, e não há nada que se possa fazer respeito.

Quanto às relações dos EUA com a Síria, há soluções políticas? A última vez que Medea Benjamin escreveu no Democracy Now!, ela dizia como há opções políticas que nunca foram tentadas para os EUA e a Síria.

Houve sugestões em 2012. O embaixador russo nas Nações Unidas fez algumas propostas para um acordo político no qual Hafez Assad seria lentamente removido. O Ocidente a desconsiderou imediatamente, e não sabemos se ela era real, porque não veio do Kremlin, e era informal. Mas o fato é que todas essas propostas são imediatamente refutadas. E simplesmente não se sabe se são verdadeiras.

É um pouco como o 11 de Setembro. Afinal, o Talibã sinalizou que poderia extraditar Osama bin Laden, mas os EUA não lhe deram ouvidos. Tinham de usar a força. Bem, uma das razões é que o Talibã pediu provas, e um dos problemas é que não apresentaram evidência alguma.

Como as mudanças climáticas e as ciências climáticas relacionam-se com a questão das armas nucleares e sua capacidade destrutiva?

Uma das poucas instituições preocupadas com as mudanças climáticas é o Pentágono. Eles terão problemas, por exemplo, com a Marinha – a Base Naval de Norfolk será inundada quando o nível do mar aumentar, e a elevação do nível do mar e outros sistemas climáticos perigosos irão causar enormes ondas de refugiados.

Dê uma olhada em Bangladesh. É uma planície costeira – e algumas centenas de milhões de pessoas. O que eles farão, se as coisas piorarem? Você sabe?

Com a chegada de Rex Tillerson ao posto de secretário de Estado de Trump, as coisas parecem ter se “normalizado”, no governo dos EUA. Que perigos ele representa para o planeta?

É incrível o que está acontecendo, e o mais espantoso é que ninguém fala disso. Neste momento – desde 8 de novembro – os Estados Unidos estão literalmente sozinhos no mundo – primeiro, na sua recusa em unir esforços para fazer algo a respeito do aquecimento global. Mas, pior ainda, empenhados em agravar a situação. Em toda parte, está-se tentando fazer alguma coisa. Só os Estados Unidos esforçam-se para destruir — e não só Trump, mas todo o Partido Republicano. É difícil encontrar palavras para descrever isso. Não há informações. Não há debate.

Refiro-me ao mais importante evento de 8 de novembro – do qual tenho falado algumas vezes, mas ninguém ouve. Como devem saber, havia uma conferência internacional em Marrocos, em sequência à conferência de Paris – para dar alguma substância aos acordos de Paris. Mas no dia 8 de novembro [dia da vitória de Trump], a conferência foi interrompida. A questão era, nós sobreviveremos? Não se disse uma única palavra sobre isso. Mais espantoso ainda, o mundo espera que a China venha socorrê-lo. Os EUA são a máquina destrutiva que está arruinando tudo. O mundo tem esperança de que a China irá, de alguma maneira, salvá-lo.

O que isso — o mundo esperar o apoio da China — significa em relação ao establishment norte-americano?

Significa que os Estados Unidos são com certeza o país mais perigoso do mundo.

Isso não é positivo para a democracia — ou a esperança em relação a ela.

Não tem muito a ver com democracia, porque uma democracia mal e mal funciona sob um sistema neoliberal. A maioria da população está desconectada dos temas relevantes. Há uma retórica apaixonada sobre como “não podemos cruzar os braços”, enquando o país usa armas para matar civis inocentes.

Neste momento, os Estados Unidos estão apoiando ataques militares da Arábia Saudita ao Iêmen e uma política de escassez – uma política de fome – que irá matar dezenas de milhares de pessoas; na verdade, já está matando. Mas alguém fala sobre isso? Só Gareth Porter e mais uma ou outra pessoa escrevem [sobre isso].

O que você pensa sobre a direção em que caminha o governo Trump, e como seria sua política exterior? É imprevisível, como ele? Ou segue uma trajetória?

Penso que a política externa não é uma preocupação deles, na verdade. Assim como o ataque à Síria: não significou quase nada. Alvejaram uma base aérea vazia. Um dia depois, ela estava funcionando novamente. Aviões voavam a partir dela. Foi um show para o público interno, você sabe: vejam como sou forte; não sou como Obama. E então tudo volta ao “normal” – penso que, de fato, o que acontece é o orçamento d[o presidente da Câmara], Paul Ryan e seus programas legislativos.

Tudo isso está ocorrendo sob a cobertura das extravagâncias midiáticas de Trump e seu secretário de Imprensa, Sean Spicer. Eles caras fazem uma coisa após outra para captar a atenção da mídia. E funciona. Ligue na CNN e é isso que se ouve, enquanto são feitas mudanças legislativas que destroem tudo o que o governo tem de utilidade para a maioria das pessoas. Penso que Paul Ryan é a pessoa mais perigoda desse governo. Ele sabe o que está fazendo — e é muito sistemático. Presumo que está por trás das nomeações do gabinete, e é incrível como todas elas são a escolha de alguém devotado à destruição de uma política pública — ou para garantir que não funcione. Colocou-se muito foco no EPA (Agência de Proteção Ambiental), o que já é bem ruim, mas os programas ambientais mais significativos estão no departamento de Energia — e serão propositalmente desmontados.

Quer dizer que Trump nomeia pessoas deliberadamente escolhidas para minar as políticas públicas?

Sim, todos os seus secretários: Educação, Ambiente, Trabalho – cada um é escolhido para minar todos os aspectos do governo que se relacionem a qualquer apoio à maioria das pessoas e não beneficiem os super-ricos. E isso de forma absolutamente sistemática. A pergunta que interessa é: por quando tempo o eleitorado de Trump vai entrar nesse jogo de trapaças. Eles estão levando na cara mais do que ninguém –m as ainda têm fé no seu homem. Se isso sucumbir – o que, suponho, mais cedo ou mais tarde vai acontecer – o governo Trump terá de fazer alguma coisa bem radical para tentar manter o controle.

Qual a atitude da Rússia quando ao ataque à Síria, a seu ver? Eles acham que foi um teatro?

Bem, há algumas questões interessantes aqui. Pode-se buscar a razão por que Assad teria ficado bem louco, para provocar uma intervenção dos EUA quando está vencendo a guerra. A pior coisa para ele seria atrair os Estados Unidos pra dentro do conflito. Por que iria lançar um ataque com armas químicas? Pode-se imaginar que um ditador com interesses apenas locais venha a fazer isso, pensando ter sinal verde para tanto. Mas por que os russos permitiriam? Não faz nenhum sentido. E há de fato questões sobre o que aconteceu. Algumas pessoas que merecem muita credibilidade – não tipos conspirativisas, mas gente com sólidas credenciais de inteligência — dizem que o ataque não aconteceu.

Lawrence Wilkerson afirmou que a Inteligência dos EUA localizou um avião que provavelmente atingiu um depósito da Al-Qaeda, onde estava armazenado algum tipo de arma química, que se espalhou. Eu não sei. Mas isso por certo pede ao menos uma investigação. E as pessoas [que chegaram a essa conclusão] não são insignificantes.

Agência Efe
Trump nomeou secretários com missão de minar políticas que não apoiem super-ricos, diz Chomsky

Você poderia falar sobre como a esquerda está dividida nessa questão da Síria?

A esquerda é horrível nisso. De um lado, grande parte é pró Assad. [Nesses círculos], você não pode criticar Assad, embora saiba que ele é um criminoso de guerra monstruoso. Qualquer um que o critique está aderindo aos imperialistas norte-americanos, o que é simplesmente grotesco. Seja o que pensemos sobre os fatos recentes, Assad é responsável por uma enorme massa de atrocidades. É uma história de horror.

Outros dizem que os Estados Unidos simplesmente não deveriam se envolver em outra guerra. Quer dizer, para eles a narrativa de Washington está certa, e se é verdade que a Síria usou armas químicas, não seria um grande crime enviar uma espécie de tiro de advertência para dizer: vocês não podem mais fazer isso. Não seria a melhor coisa do mundo, mas não seria também um crime capital. Penso que, no mínimo, deveria ter havido uma investigação sobre o que aconteceu. Agora, aderir simplesmente ao coro de que estamos, finalmente, reagindo aos crimes na Síria – isso é ridículo.

Não concordo com a intervenção dos EUA na Síria, mas também não sou a favor de Assad. Como pode alguém opor-se a Assad e ao mesmo tempo ser reticente quanto à intervenção dos EUA?

Algumas pessoas do campo da esquerda dizem: “veja, não podemos deixar essas atrocidades continuarem, então vamos entrar na guerra e nos livrar de Assad”. O problema é que, com isso, abre-se uma guerra nuclear com a Rússia. E a Síria será dizimada, juntamente com tudo o mais. Então, é preciso dizer: “certo, vamos acabar com os crimes; mas como, exatamente?”
Dan Falcone/Truthout-Nova York Tradução: Inês Castilho

Bin Laden e perguntas incômodas

Operação do Exército americano apresenta informações contraditórias.


A operação do Exército norte-americano na madrugada desta segunda-feira no Paquistão que levou à morte de Osama bin Laden, líder da rede terrorista da al-Qaeda, responsável pelos ataques de 11 de setembro de 2001 nos EUA, ainda tem algumas perguntas sem respostas.

Onde está o corpo de Osama bin Laden?

As autoridades americanas anunciaram ter jogado o corpo do terrorista no mar para seguir a tradição muçulmana.

No entanto, segundo o porta-voz do centro Al-Azhar, alta autoridade intelectual do islã sunita, o islã é contra sepultamentos no mar.

A TV americana NBC afirmou que jogar o corpo ao mar seria uma maneira de evitar peregrinação ao corpo.

O Paquistão tinha conhecimento sobre operação contra a ‘fortaleza’ de Bin Laden?

O presidente dos EUA, Barack Obama, afirmou que a morte foi consequência de uma ação de inteligência do Exército norte-americano em parceria com o governo do Paquistão.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Mas a chancelaria paquistanesa disse que operação propriamente dita foi feita exclusivamente pelas forças americanas.

Uma fonte americana disse que, por questões de sigilo, as autoridades paquistanesas não foram avisadas sobre a operação.

Os seguranças de Bin Laden teriam derrubado um helicóptero durante o combate com as forças americanas?

O governo dos EUA comunicou que nenhum americano ou civis morreram na operação.

No entanto há informações de que um helicóptero teria caído próximo ao local em que ocorreram os combates em Abbotabad.

Imagens desta segunda-feira mostram soldados paquistaneses transportando destroços do que seria um helicóptero.

Segundo as autoridades militares americanas, o helicóptero teve “problemas mecânicos”, e a tripulação conseguiu se ejetar a tempo.

As forças de segurança de Bin Laden teriam reagido ao ataque norte-americano?

Informações das agências de notícias dão conta de que houve um tiroteio entre os militares americanos e as forças de segurança do terrorista.

Na ação, além de Bin Laden, teriam morrido um mensageiro, um irmão e um filho adulto do líder da Al-Qaeda.

Uma mulher, que teria sido usada como escudo, também foi morta.

O comando americano disse que não sofreu baixas.

G1

Cuecas blindadas para os soldados ingleses no Afeganistão

Em matéria de usos inusitados, até agora os Tupiniquins dominavam o “mercado”.

A turma de cuequeiros brasileiros logo deverá adotar o modelito britânico com as devidas adaptações para bolsos, porta cédulas, etc.

Exército britânico terá cueca blindada

Os soldados britânicos na província de Helmand, no Afeganistão, receberão uma espécie de “cueca blindada” para protegê-los de ferimentos na área pélvica, causados pelas bombas do Talibã nas estradas.

Cada homem receberá quatro pares das cuecas, que são feitas com um material balístico especial que faz com que a peça de roupa permaneça leve, mas possa parar ou diminuir os efeitos dos estilhaços que atingem o soldado após uma explosão.

Cerca de 45 mil pares de já adquiridos pelos exército britânico, e outros 15 mil, estão prontos para serem enviados aos soldados que serão despachados.

Mais pedidos serão entregues no começo do próximo ano pelo fabricante na Irlanda do Norte. O valor da aquisição é o equivalente a R$ 16 milhões.
BBC Brasil


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

A Marcha da Insensatez – Paquistão

Sem mãe, sem família, sem paz
Paquistão – Acampamento de refugiados
Criança órfã vítima do conflito entre o governo e o Talibã
Fotos A Marcha da Insensatez - Campo de refugiados noFotografias,Flagrantes,Pakistão,Campo de refugiados,TalibãClique na imagem para ampliar
Foto: Times/AP

Nota do editor

Tenho ao longo dos 5 anos do blog, recebido perguntas sobre o porquê dos títulos de algumas seções do blog.

A marcha da insensatez é um deles.
Explico: coloco nesses ‘posts’ fotos que demonstrem a insensatez do ser humano nas mais diferentes situações, povos e países.

A minha referência para alertar sobre a estupidez das ações humanas, é o livro “A Marcha da Insensatez – De Tróia ao Vietnã” — José Olympio Editora —, da historiadora norte americana, já falecida, Barbara Tuchman. Aliás, um livro essencial em qualquer biblioteca,

Se ainda viva fosse a excepcional historiadora, talvez o subtítulo do livro fosse  ‘De Tróia à Palestina’.

“Pesquisando com rigor vasto espectro de documentos históricos, a autora traça e registra nesse livro, um dos mais estranhos paradoxos da condição humana: a sistemática procura pelos governos, de políticas contrárias aos seus próprios interesses.”

Considerada a mais bem sucedida historiadora dos Estados Unidos, Barbara Tuchman, ganhadora do Prêmio Pulitzer, é autora de clássicos como: The Guns of August, The Proud Tower, Stilwell and the American Experience in China, A Distant Mirror e Pratcting History.

Olhe essa – Narcotráfico, Afeganistão e FMI

A plantação clandestina de papoula, matéria prima para a produção de ópio, foi duramente reprimida pelo regime talibã. Com a queda do regime teocrático, a partir da invasão das tropas americanas, o cultivo da papaoula, voltou com toda a força, fazendo com que o Afeganistão sozinho produza cerca de 130% da demanda mundial por ópio.

Agora na clandestinidade, o talibã usa a droga como um instrumento da “jihad”, como é denominada a guerra santa contra os infiéis, para atingir o ocidente. Sem outras opções de emprego, os camponeses afegãos não têem outra saída senão a plantação da papoula. O FMI, Fundo Monetário Internacional, acaba de se manifestar sobre a situação econômica do Afeganistão.

Esse país é o maior produtor mundial de ópio ilegal do planeta.
Do
blog de Wálter Maierovitch¹

Apenas a Índia, Turquia, França e Austrália, cultivam legalmente a papoula e fornecem 400 toneladas do ópio extraído para a indústria farmacêutica preparar a morfina. Para ter idéia, o Afeganistão produz mais de 6 mil toneladas de ópio por ano.

Da manipulação da pasta-base do ópio se produz a heroína: a palavra ópio provém do grego e significa suco, encontrável na cápsula madura da papoula. Ambos, ópio e heroína, causam dependência química, a levar o usuário a sentir dores insuportáveis e diarréias violentas, em caso de abstinência.

Fontes da União Européia e da Casa Casa Branca já concluíram que o ópio movimenta 52% do produto interno bruto (pib) do Afeganistão. Ou seja, trata-se de um país dependente economicamente da comercialização de droga ilegal. Em outras palavras, o Afeganistão é um narco-estado.

Para o FMI, o desenvolvimento econômico do Afeganistão é minado pelos ganhos dos clãs que cultivam a papoula e extraem o ópio. Segundo levantamentos do FMI, a cultura ilegal rendeu US1,0 bilhão em 2007.

No relatório anual do FMI, verifica-se que a produção cresceu de 185 tonelas no ano de 2001 (quando a NATO derrubou o regime talebã) para 8.200 toneladas em 2007.
PANO RÁPIDO. O crescimento deve-se ao fato de o comércio do ópio ter passado, pós 2001, a sustentar os talebãs comandados pelo mula Omar (um dos sogros de Bin Laden).

O ópio é a maior fonte de renda do Afeganistão. Embora decadente no Ocidente, – (a preferência do jovem é pelas drogas psico-ativas e não as depressoras do sistema nervoso central) -, o ópio e a heroína são muito usados no Oriente. Muitas vezes, e em pequenas doses, o ópio é empregado para fim terapêutico, ou melhor, como medicação caseira.

¹Wálter Maierovitch

Continue lendo