Chris Botti, Sting, Yo-yo Ma, Dominic Miller – Pro dia nascer melhor – 25/08/2014

Chris Botti, Sting, Yo-yo Ma, Dominic Miller – Fragile


[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Arnaldo Jabor: O ódio do bobo da corte

A desconstrução científica da dialética de boutique do pornógrafo da Embrafilme, de repente, e não mais que de repente, transformado em vestal, hipócrita, da neomoralidade, e, pasmem, referência, furada para regras de comportamento.

Dos bares pseudo intelectuais dos alcoólatras de Ipanema para as câmeras de uma televisão comprometida e enlameada até o pescoço com dívidas monumentais e dependência amoral das verbas publicitárias estatais.

O Editor


O ódio do Bobo da Corte
por Francisco Barreira

Arnaldo Jabor não chega a ter o brilho de um Nelson Rodrigues ou de um Carlos Lacerda, mas defende bem o script da Direita Brasileira, fazendo-se de bobo da Corte Global o que lhe permite dizer qualquer coisa, por conta da irreverência.

Não é que o pobre Jabor e a acanalhada Direita Brasileira odeiem o Lula pelo que ele é. O ódio é pelo que Lula representa E ele representa o Brasil que finalmente deu certo.

O mulato que não acha importante falar inglês (já houve tempo que parecia que não poderíamos respirar se não falássemos francês) e não vive animalescamente, apenas para um dia levar seus pobres rebentos à Disney Word, fazendo, de passagem, suas comprinhas em Miami.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Um mulato boêmio, malemolente, que não acha tanta graça assim nesses Beatles, e não sabe o que é é Pop.

E o que é Pop? Mulato empreendedor e indomável que construiu uma das maiores, mais generosas e respeitadas potências do Planeta.

Um mestiço sem raça, graças a Deus, e que troca esse tal de Sting (o que é Sting?) pela Calcinha Preta devidamente misturada com o Luar do Sertão.

Há noventa anos, Lima Barreto, um dos maiores escritores brasileiros, internou-se num hospital para tratamento de doenças mentais que existe até hoje no Engenho de Dentro (Rio).

O médico que o atendeu uma anta preconceituosa de classe média, igualzinha à que existe até hoje e que poderia chamar-se Jabor, escreveu na ficha:

“Mulato, alcoólatra, aparentes quarenta anos. Diz que é escritor”.

E Jabor, aquele médico preconceituoso atualizado, descreve Lula: mulato, cachaceiro, malemolente, pensa que é estadista e que vai continuar influindo.

E vaticina: “Nada disso, Lula. Vá para casa e tome sua pinguinha serena, ao lado de dona Marisa”.

O coitado do Jabor, como o médico idiota que examinou Lima Barreto, não consegue ver que Lula é estadista sim e não vai para casa, não.

Vai continuar influindo e viajado pelo País, pelo Mundo e, principalmente, pela América Sul, onde consolidará aquilo que transformou-se no verdadeiro projeto de sua vida: a construção da União Sul-Americana, a Pátria Grande.

Jabor, Lacerda e Nelson Rodrigues não entendem isso.

Não entendem que o Brasil e esse mulato sem curso superior podem dar certo.

Eles e nossa ridícula classe média alienada carregam a herança cultural dos senhores de engenho e dos fazendeirões do café.

Seu raciocínio síntese é o do “complexo de vira lata”. Mas eles se colocam fora disso. Acham que o complexo é só da negrada e dos mestiços sem rumo e sem prumo na vida.

Eles não, eles se consideram iguais aos europeus e americanos: vestem a mesma roupa, comem a mesma comida e curtem a mesma música.

Entretanto, no fundo, eles são vassalos e, como diz o Chico Buarque, falam grosso com os bolivianos e fino com os americanos. Gentinha da pior qualidade.

blog fatos novo novas ideias

Sting. O roqueiro eco chato e o arroz

Um abaixo assinado liderado pela Ong, mais uma a voejar na amazônia, cobra ação do governo Lula contra os arrozeiros, aos quais chama de “ilegais”, na Reserva Raposa Serra do Sol de Roraima.

O eco chato nem sabe, claroa que não quer saber, que os agricultores são donos das terras nas quais, à gerações, cultivam o arroz. Alguns desses agricultores foram assentados através de ações legais do Incra.