Cinema – Snowden, um mito na tela

Olhar diferenciado sobre Snowden

Em seu filme sobre o já célebre “whistleblower” americano, Oliver Stone adota um ponto de vista equilibrado. Edward Snowden (Joseph Gordon-Levitt) é tudo, menos um herói com o alvo final diante dos olhos desde o início. Pelo contrário: a princípio ele é apresentado como um aplicado especialista em tecnologia de informática, que almeja fazer carreira nos serviços secretos dos Estados Unidos.

Estreia mundial no Canadá

O cineasta americano Oliver Stone completou 70 anos em 15 de setembro de 2016, véspera do lançamento nos Estados Unidos de seu drama biográfico “Snowden”. Antes, ele o apresentara pela primeira vez diante de um público amplo no Festival Internacional de Toronto, Canadá. A estreia no Brasil é em 22 de setembro.

Ascensão na CIA

Inicialmente, Snowden pretendia servir a seu país como soldado no Iraque, mas quebrou ambas as pernas durante o treinamento militar. Essa circunstância coloca o jovem estudante de informática em contato com a NSA e a CIA. Nesta última, ele logo se destaca por sua inteligência e talento, afirmando-se como aprendiz aplicado.

Queridinho do chefe

O superior de Snowden Corbin O’Brian (interpretado por Rhys Ifans) desenvolve um interesse especial pelo jovem especialista em tecnologia de informática, tornando-o seu protegido e incentivando-o.

Adeus à privacidade

Contudo, pouco a pouco, o protagonista vai percebendo qual é o sentido maior da atividade dos serviços secretos: monitorar políticos e cidadãos incessantemente – e não só os supostos inimigos. Na CIA e NSA trabalham diversos “nerds” do computador. Ao observar de perto seu trabalho, Snowden constata que o conceito de privacidade perdeu todo o valor.

Suspense bem encenado

“Snowden” mostra como um aplicado jovem se torna, pouco a pouco, um crítico implacável e opositor das instituições. O filme é rico em suspense e encenado com esmero. Magistral é, por exemplo, a cena em que Edward Snowden leva para fora do prédio da CIA os dados secretos que reuniu – contrabandeando-os num cubo mágico.

Fuga para Hong Kong

Stone mostra como Snowden escapa do sistema, sua fuga para a Ásia e a cooperação com jornalistas dispostos a levar a público as avassaladoras revelações do jovem americano. Nesta cena, ele passa informações para o jornalista Ewen MacAskill, do “The Guardian” (Tom Wilkinson).

“Whistleblower” como ser privado

Em seu empolgante thriller político, Oliver Stone consegue também apresentar Snowden como ser humano, um jovem que tem uma namorada e é forçado a escolher entre seus interesses pessoais e a decisão de colocar tudo em jogo, como denunciante do poderoso sistema americano. Assim, “Snowden” desponta como uma produção bem-sucedida em diversos níveis.

[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

 

Snowden e Criptografia no WhatsApp

Como funciona o app ‘ultrasseguro’ de mensagens usado por Snowden

SignalO aplicativo foi criado por um grupo independente de desenvolvedores de software – Direito de imagemGETTY IMAGES

Segurança e privacidade são questões que preocupam cada vez mais os usuários de serviços de mensagens instantâneas em todo o mundo.

[ad name=”Retangulo – Anuncios – Esquerda”]O WhatsApp, o mais popular deles, virou alvo de questionamentos depois de ter sido comprado pelo Facebook e mudado seus termos de uso, permitindo o compartilhamento de alguns dados com a rede social criada por Mark Zuckerberg.

Mas há outras opções de apps de envio completamente seguro de mensagens.

Um deles é o Signal Private Messenger, um serviço grátis disponível para Android e iOS e usado pelo ex-analista da CIA Edward Snowden, que ficou famoso – e virou persona non grata nos EUA – após tornar públicos detalhes sobre programas de vigilância do governo americano.

Confira a seguir como funciona o aplicativo – e por que ele é considerado tão seguro.

Completamente criptografado

Para se registrar no Signal, basta um número de celular – sem necessidade de nome de usuário ou e-mail.

O uso do app é muito parecido com o de outras ferramentas de mensagens instantâneas: funciona com janelas de chat, permite a criação de grupos e o uso de emojis. Também é possível acessá-lo por meio de sua extensão para o Google Chrome, que continua sendo uma opção segura.

Mas o mais importante é que o programa é criptografado de extremo a extremo.

O WhatsApp também é, mas a maior diferença é que as conversas são protegidas não só em relação a terceiros, mas ao próprio serviço. Assim, apenas quem envia e seu destinatário podem ler a mensagem.

Edward Snowden
Segundo o ex-analista de inteligência Edward Snowden, Signal é o app de mensagens mais seguro – Direito de imagemREUTERS

O aplicativo foi criado por um grupo independente de desenvolvedores de software chamado Open Whisper Systems. O fundador do grupo é o hacker Moxie Marlinspike.

O hoje empresário do Vale do Silício se considera um ciberpunk e não parece se encaixar no perfil clássico dos empresários do RSA (algoritmo de criptografia de dados) e de outros acadêmicos e especialistas do mundo criptografado.

A empresa de Marlinspike tem como base de seu negócio a publicidade. É por isso que não vende os dados de seus usuários a terceiros – como faz o Facebook.

Moxie Marlinspike
O hacker Moxie Marlinspike fundou o grupo Open Whisper System
Direito de imagemVIMEO

“Não podemos ouvir suas conversas nem ver suas mensagens. O Signal é inteiramente criptografado”, afirma Marlinspike no blog da companhia.

Também é possível configurar o aplicativo de modo a impossibilitar a captura de tela. Além disso, é possível determinar uma senha para as conversas mais confidenciais, o que no WhatsApp só é possível por meio de aplicativos externos.

Uma de suas últimas novidades são as mensagens que “desaparecem”, no melhor estilo Snapchat, ou com um cronômetro.

Signal
Para se registrar no Signal, basta um número de celular – Direito de imagemGETTY IMAGES

Em um estudo publicado recentemente, a Anistia Internacional recomendou os aplicativos de mensagem com criptografia completa.

A organização colocou em primeiro lugar os fornecidos pelo Facebook (Messenger e WhatsApp), seguidas dos da Apple (iMessage e FaceTime) e o Telegram, mas não incluiu o Signal entre as marcas analisadas.

Além de desenvolver o app, Marlinspike e sua equipe criaram um protocolo criptográfico, o Protocolo Signal. Segundo eles, outros serviços de mensagem utilizam esse sistema.

“(O Protocolo Signal) é tão prestigiado que WhatsApp, Facebook e Google o usam para suas criptografias”, disse o grupo, que diz atuar em defesa dos direitos humanos.

O mais recomendado (mas não o mais usado)

O apoio considerável que o Signal tem recebido por parte de especialistas de segurança no mundo todo chama atenção.

“Uso o Sinal todos dos dias (Spoiler: o FBI já sabe)”, disse Snowden no Twitter.

Tuíte de Edward Snowden“Uso o Signal todos dos dias (Spoiler: o FBI já sabe)”, disse Snowden no Twitter

A documentarista americana Laura Poitras, conhecida por seu trabalho na Guerra do Iraque – e por revelar os segredos trazidos à tona por Snowden – também defendeu o uso do Signal e o definiu como “a ferramenta de criptografia mais escalável (capaz de se adaptar sem perder a qualidade)”.

Outros especialistas que o recomendam são os criptógrafos Bruce Schneier e Matthew D. Green, do Departamento de Ciência da Computação da Universidade de John Hopkins (EUA).

Até mesmo os membros do Partido Democrata dos Estados Unidos recomendaram o uso do Signal depois do recente vazamento de e-mails da equipe de Hillary Clinton por parte do WikiLeaks.

Whatsapp
Um bilhão de pessoas no mundo usam o WhatsApp –  – Direito de imagemGETTY IMAGES

Mas se o serviço quer superar os um bilhão de usuários do WhatsApp, a situação está complicada. Marlinspike – que raramente concede entrevistas – disse ao site The Intercept que não publica estatísticas sobre seu número de usuários.

Mas, segundo as lojas Android e Google Play, o app foi baixado entre um e cinco milhões de vezes – a Apple não divulgou dados.

Isso não significa que todos que fizeram o download do aplicativo necessariamente o usem, já que não basta baixá-lo – é preciso convencer os contatos com quem se quer conversar a usá-lo também.

“Naturalmente as pessoas tendem a usar a plataforma na qual está a maioria de seus amigos e familiares”, explica a Anistia Internacional. “Para a maioria das pessoas, o WhatsApp é uma alternativa suficientemente boa por ter uma criptografia segura.”

Nem todos estão felizes com o WhatsApp, porém. Na semana passada, a autoridade de privacidade de dados da União Europeia pediu ao app que pare de compartilhar dados de seus usuários com o Facebook.
BBC

Vigilância e privacidade: Smartphone terrorista?

Tecnologia Celular Privacidade Blog do MesquitaO Estado de S.Paulo informou que a NSA, a agência de segurança nacional dos Estados Unidos, está preocupada com a criptografia do novo celular da Apple, o iPhone 6.

O aparelho é capaz de neutralizar todas as medidas invasivas usadas pelo governo americano para bisbilhotar o mundo inteiro. Seu novo sistema operacional superou o arsenal de espionagem virtual dos americanos.

Da tecnologia da Apple veio “um algoritmo complexo” que grava um código criado pelo dono do aparelho, que fica com o poder total de proteção de seus dados. Nem mesmo a Apple tem acesso às senhas de seus mais modernos celulares.

A megacompanhia criada pelos “Steves” (Jobs e Wosniak) acabou de criar um problemão para a agência de segurança americana, que acredita em seu direito divino de espionar a quem quiser em qualquer tempo.

O medo maior é que o aparelho caia em mão de terroristas ou estados inimigos da política externa norte-americana. A matéria foi um extrato de outra postada no dia anterior pelo New York Times. O Estadão faz um pequeno comentário online e não escondeu a fonte: sinalizou para o jornal americano, que publicou uma reportagem levantando questões importantes e preocupações atuais dos agentes estatais da agência de segurança norte-americana.

“Terroristas vão decifrar a coisa, junto com criminosos espertos e ditadores paranoicos”, previu uma fonte. Outra disse: “É como exibir um anúncio que diz: ‘Aqui está: como evitar a vigilância – mesmo a vigilância legal’”. Agentes da lei agora não podem mais obrigar a Apple a entregar dados de usuários de seus aparelhos. O usuário “tranca” tudo dentro do aparelho, e ninguém mais tem acesso a nenhum dado a não ser ele mesmo. Como deveria ser desde o início.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Em alerta

Isso irritou bastante as autoridades da segurança de Estado norte-americana. Eles não aprovam a ideia de uma empresa produzir qualquer objeto tecnológico que não esteja ao alcance de seus meios atuais de vigilância. Mas não há muito que possa ser feito. Até 1994, havia uma legislação que obrigava a toda a indústria produtora de meios de comunicação instalar uma “porta de acesso” à vigilância estatal em cada aparelho produzido. Mas ela está desatualizada. Não cobre smartphones, para o desespero das autoridades americanas.

Para piorar ainda mais a coisa, o Google anunciou um projeto semelhante para o Android. Este sistema já pode ser criptografado pelo usuário há três anos, mas não é opção padrão, e leva uma hora para o sistema alcançar um bom nível de segurança, se o usuário souber ajustar o aparelho. Tudo isso acaba em sua próxima versão a ser lançada em outubro. Tudo o que for armazenado em Android será criptografado automaticamente.

A segurança do sistema operacional foi reforçada e simplificada graças ao avanço da concorrente, que desenvolveu, junto com o seu novo telefone, um sistema operacional (o iOS 8) com uma poderosa criptografia capaz de desafiar a tecnologia atual de rastreio e causar grande desconforto entre a turma da segurança americana. E agora seus concorrentes vão trilhar o mesmo caminho, para poder seguir na competição.

É difícil acreditar que os supercomputadores da NSA não consigam quebrar a criptografia de um simples código alfanumérico de seis dígitos. Alguns duvidam da história toda. Ou, como sugeriu o New York Times, alguém pode superar a segurança do sistema, fazer um “hack” a partir da Apple e invadir o aparelho desejado. É possível, mas não é legal, informou o jornal. Mas o importante aqui não são as preocupações da agência de segurança norte-americana. O modo como eles veem o mundo e as tecnologias de comunicação, são.

O pessoal da espionagem americana ainda não entendeu bem o papel e o impacto da tecnologia entre a população. Há um mundo inteiro interconectado e inquieto lá fora, mas eles continuam a negar a realidade maior da “era pós-Snowden” e do século 21: privacidade é tudo. A preocupação maior das empresas produtoras de meios de comunicação digitais é a segurança dos dados de seus usuários. Elas têm perdido muito dinheiro em processos judiciais baseados em falhas em proteção de dados. Ou no uso abusivo deles. Os estados nacionais também estão em alerta contra ataques virtuais e invasões indevidas de bancos de dados sensíveis, desde que o governo norte-americano reafirmou sua prática de espiar a vida e o cotidiano de seus amigos e inimigos.

Sob controle

Até o momento, a grande notícia sobre o iPhone 6 era sua tendência a dobrar no bolso dos usuários. Agora, tudo mudou. Ou estamos diante da maior e melhor campanha de publicidade que jamais existiu, ou os limites da segurança norte-americana são mais frágeis do que pensamos. Não por falta de equipamento ou ciência, mas por sua concepção antiquada de tecnologia. Esta não é apenas equipamento e inovação, mas também a capacidade da população em lançar mão dela em defesa de seus próprios interesses, diretamente. De apropriar-se dela sem a mediação do Estado.

Não vale a pena sacrificar a liberdade em nome da segurança. No final, acaba-se vivendo no medo eterno do próximo atentado. Isso não é liberdade, é o jogo que o terror quer impor: um mundo mais assustador e desconfortável a cada dia.

Quando a autoridade pública acredita que tudo e todos têm que estar dentro de seu controle, não se vive mais em um Estado democrático, mas em um regime policial.
Por Sergio da Motta e Albuquerque/Observatório da imprensa

NSA pode interceptar todas as conversas telefônicas de um país alvo de espionagem

Espionagem Digital Internet Blog do MesquitaO Jornal “Washington Post” revela que a NSA – National Security Agency, em português Agência de Segurança Nacional – usa um programa de espionagem digital conhecido como “Mystic”.

O programa espião Mystic é capaz de interceptar, gravar e decifrar registros telefônicos de todo e qualquer país, conseguindo essa proeza digital sobre conversas transcorrida até um mês após a data dessas conversas.

Os documentos vazados por Edward Snowden, ex-técnico de criptografia da NSA e CIA, demonstra que o programa entrou em operação em 2009 alcançando a plenitude da capacidade operacional em 2011.

Os documentos de Snowden revelam todos os países, autoridades e corporações que foram/são alvos do programa.

O “Mystic” é quase uma máquina do tempo em sua capacidade de regressar no tempo, e recuperar registros de conversas telefônicas que quando acontecidas aparentavam não ter significado.

O “Washington Post” atendendo pedido de autoridades dos serviços de inteligência dos USA, não divulgou detalhes que poderiam identificar os países alvos da “arapongagem” eletrônica. Mensalmente bilhões de gravações são deletadas, e substituídas por novas gravações, por ser impossível analisar e armazenar tamanho volume de informações.

Segundo os documentos os analistas escutam apenas 1% das chamadas interceptadas, mas enviam milhões de registros de áudios para serem armazenados por mais tempo pela agência. O restante é deletado de forma definitiva.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Caitlin Hayden porta-voz do Conselho Nacional de Segurança afirmou que “novas ameaças costumam se esconder no amplo e complexo sistema de comunicações global, e os Estados Unidos devem coletar sinais para identificar essas ameaças”.

Tal declaração “bate de frente” com o que afirmou Barack Obama de que “os EUA não estão espionando pessoas comuns que não ameacem nossa segurança nacional”.

Após o vazamento dos documentos por parte de Snowden, Barack Obama ordenou uma revisão nos procedimentos de  interceptação de telefonemas em massa. Determinou Obama que essas interceptações só podem ser usadas contra suspeitos que já tenham registrado pelo menos seis ameaças específicas à segurança nacional dos USA, inclusos aí tudo que seja referente à proliferação nuclear e terrorismo.

Snowden, CIA e paranoia Russa

Escrita cuneiforme Blog do MesquitaNão é piada. O Governo Russo para evitar bisbilhotices eletrônicas comprou 20 máquinas de escrever.

De acordo com notícia divulgada no site em inglês do jornal Izvestia, a medida foi tomada após a revelação do esquema de espionagem dos Estados Unidos, em junho.

O jornal diz que as máquinas são usadas em todas as repartições que usam informação confidencial.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]