Conselho de Segurança da ONU condena cerco à embaixada brasileira em Honduras

Órgão exigiu que o sítio à representação brasileira seja interrompido.

Prédio está cercado desde segunda por tropas leais ao governo interino.

O Conselho de Segurança da ONU condenou nesta sexta-feira (25) o cerco da Embaixada do Brasil em Honduras e exigiu que ele seja imediatamente interrompido.

A sede da diplomacia brasileira está cercada desde segunda-feira, quando o presidente deposto Manuel Zelaya voltou de surpresa à capital, Tegucigalpa, e abrigou-se na Embaixada do Brasil, gerando uma crise política e diplomática.

“Nós condenamos os atos de intimidação contra a Embaixada do Brasil e exigimos que o governo de facto de Honduras cesse o certo”, disse a repórteres a embaixadora norte-americana para a ONU, Susan Rice, que atualmente preside o conselho.

A reunião, que ocorreu a pedido do Brasil, ateve-se ao tema da segurança da representação diplomática e não tocou no assunto do futuro político de Honduras.

O chanceler Celso Amorim críticou a situação humanitária da embaixada. O chanceler também pediu ao presidente de fato de Honduras, Roberto Micheletti, que respeite a Convenção de Viena sobre a inviolabilidade das sedes diplomáticas.

“É imperativo que o regime de Honduras cumpra a Convenção de Viena sobre a inviolabilidade das representações diplomáticas”, disse Amorim no conselho.

do G1

Entenda a crise política em Honduras