Desigualdade: Monitoramento de aplicativo escancara política de morte pelo coronavírus em localidades pobres do Rio de Janeiro

A roleta da morte. Morrer de fome ou de Coronavirus?
Pandemia agrava fome nas favelas e o Brasil tem 51% de domicílios em áreas adensadas. Em 48% dos domicílios vivem entre 4 a 7 pessoas, enquanto a Pandemia agrava fome nas favelas.

O aplicativo Covid por CEP, criado pelo urbanista Thales Mesentier, foi colocado no ar este mês. A ideia é ajudar no combate à pandemia a partir de dados georreferenciados, oferecendo visualização espacial dos casos da doença na cidade do Rio de Janeiro, de acordo com o código de endereçamento postal. É possível realizar a busca por CEP específico ou navegar pela cidade clicando nos círculos do mapa, que tem cores correspondentes ao número de casos, indicando ainda se houve óbito na localidade.

De acordo com o aplicativo, os dados mostram uma maior concentração dos casos de Covid-19 nas regiões mais ricas da cidade. Porém, em contrapartida, nas regiões mais pobres, sobretudo na Zona Oeste, a taxa de letalidade pelo vírus é muito maior que a média do estado, uma das maiores do país.

Ainda segundo o aplicativo, em toda a capital, os endereços com maior número de mortes em decorrência da infecção por coronavírus são a Rua do Amparo, em Rio das Pedras; Rua São Miguel, na Tijuca; a Estrada dos Caboclos, em Campo Grande; e a Rua Nilópolis, em Realengo. Não podemos nos esquecer que toda a população do Morro do Borel utiliza como código postal o endereço situado na Rua São Miguel, número 500 e que, portanto, os dados devem refletir a realidade da comunidade moradora da favela. A ferramenta mostra que o CEP 20530-420, que corresponde à região, já teve 83 casos, sendo 75 recuperados, 8 óbitos e nenhum caso ativo até o momento.

Os dados do CoronaZap, um sistema de monitoramento colocado em prática por moradores do Borel por meio do WhatsApp, revelam que foram registrados 16 casos na comunidade, sendo 2 confirmados e 14 suspeitos, no período de março a abril deste ano.

É evidente que o número tende a ser muito maior, devido à falta de testes. Ainda assim, os números divulgados não foram contabilizados pelo poder público de maneira particular para o território, isto é, havendo um agrupamento dos casos para o bairro da Tijuca. A falta de uma política de notificação específica e transparente de casos em favelas, aliada à ausência do Estado com políticas públicas plenas para minimizar os impactos da doença nesses territórios, interferem diretamente no comportamento dos moradores em relação às medidas de proteção e segurança contra a Covid-19.

É impossível não se estarrecer com esses dados. É evidente que a pandemia realçou as profundas desigualdades do país, mas poucas coisas denunciam a prática da política de morte quanto o cruzamento dos dados do Covid por CEP, com os dados apresentados pela Rede de Observatórios da Segurança.

Muito se tem falado sobre necropolítica e em como Achille Mbembe avança, nos componentes racial e colonial, a análise da biopolítica de Foucault, para quem o biopoder funciona a partir da divisão entre as pessoas que devem viver e as que devem morrer. Para o filósofo camaronês, em nosso mundo contemporâneo, as armas são dispostas com o objetivo de provocar a destruição máxima de pessoas e criar formas únicas e novas de existência social nas quais vastas populações são submetidas a condições de vida que lhes conferem o estatuto de mortos vivos.

Favelas e o coronavírus (Free-Photos/Pixabay)

A política sanitária adotada pelo poder público nos territórios de favelas e periferias – onde saneamento básico, água potável, atendimento de saúde, entre outros serviços, são precários – evidencia o “deixar morrer” necropolítico, resultando em altos índices de letalidade da infecção por coronavírus em favelas e bairros da Zona Norte e Zona Oeste, longe dos hospitais de campanha montados no Centro e na Zona Sul da cidade, bem como da ampla cobertura da rede privada de saúde e do acesso a testes para diagnóstico da Covid-19.

Da mesma maneira, o aumento do uso da força letal por parte das polícias do Rio de Janeiro em relação ao ano anterior, especialmente em abril e maio, em meio à pandemia e algumas vezes, inclusive, durante ações humanitárias, concretiza a face do “fazer morrer” fruto da política de controle dos corpos por meio da morte.

Vale lembrar que a escalada de mortes decorrentes de intervenção de agente do Estado, durante operações policiais, somente decresceram em junho por imposição judicial em virtude da decisão liminar no bojo da ADPF 635 – Favelas pela Vida, que proibiu ações injustificadas enquanto durar a pandemia.

A maior parte das vítimas fatais da Covid-19 é negra, pobre, de origem periférica ou favelada – estudo liderado pela PUC-Rio mostra que pretos e pardos com baixo índice de escolaridade morrem quatro vezes mais.

Já uma análise da Agência Pública aponta que de cada três negros internados por Covid-19 um morre, a proporção entre brancos é 4,4 internados. Isso diz muito a respeito da situação da classe trabalhadora do Rio de Janeiro, e do enorme desafio em transformar cotidianamente luto em luta para mudar essa realidade de extrema desigualdade social.


Mônica Francisco é presidente da Comissão de Trabalho Legislação Social e Seguridade Social e vice-presidente da Comissão de Combate às Discriminações e Preconceitos de Raça, Cor, Etnia, Religião e Procedência Nacional da Alerj.

Rio de Janeiro e o descarte ecológico do lixo

A gestão transformadora do lixo poderia ter um papel importante no cumprimento da meta de zero-zero de carbono no Rio de Janeiro?

A cidade está explorando uma nova maneira de processar o desperdício de alimentos, com um projeto que é o primeiro de seu tipo na América Latina.

Nos arredores do norte do Rio de Janeiro, longe das vastas extensões de areia branca da icônica praia de Copacabana, mangas machucadas e douradas, pimentões vermelhos murchos e um conjunto de vegetais de mandioca são misturados com lascas de madeira.

Estes podem não parecer ingredientes especiais, mas um projeto experimental na megacidade brasileira está explorando se a queima desse lixo poderia ser parte de uma receita para atingir sua meta de zero-rede de carbono até 2050.

“Caso contrário, todo esse alimento seria jogado fora”, diz Bernardo Ornelas Ferreira, pesquisador do Ecoparque do Caju, que abriga a primeira unidade de “biometanização” da América Latina.

Um forte aroma ácido preenche o ar do armazém no calor do meio-dia, enquanto Ferreira acena uma empilhadeira. “Esse potencial é muito perdido. Precisamos fazer isso em todo o país”, acrescenta.Bernardo Ornelas Ferreira, pesquisador do Ecoparque do Caju

O Brasil é um dos 10 maiores produtores de resíduos alimentares do mundo, descartando cerca de 30% de todas as frutas e legumes colhidos. Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, cerca de 40.000 toneladas de alimentos são jogadas fora todos os dias no país, onde se decompõe em aterros, liberando quantidades significativas de metano.

No entanto, o Rio de Janeiro, uma cidade de cerca de 6,7 milhões, também é uma das mais de 70 cidades do mundo que se comprometeram a se tornar “neutras em carbono” até 2050. As cidades respondem por cerca de 75% das emissões de CO2, de acordo com as Nações Unidas, e mais de dois terços da energia que consumimos.

Gerando energia a partir de resíduos orgânicos

O projeto piloto do Ecoparque, lançado em dezembro de 2018 pelo departamento municipal de resíduos do Rio, Comlurb, transforma matéria orgânica – quase inteiramente resíduos de alimentos – em biogás, usando um processo que gera eletricidade, biocombustíveis e composto para ser usado como fertilizante na agricultura e silvicultura, e produz emissões mínimas.

Leia mais: startup de Bangalore transforma lixo em gás

Processando entre 35 e 50 toneladas de resíduos por dia, a planta cria energia suficiente para abastecer a si mesma, a maior instalação de resíduos no local e a frota da empresa de 19 veículos elétricos. Isso equivale a mais de 1.000 residências com base no consumo médio no Brasil, Ferreira diz.

A fábrica recebe resíduos orgânicos de supermercados e barracas de frutas e vegetais do centro da cidade, mas também lidou com o lixo doméstico e até descartou hambúrgueres e batatas fritas do festival Rock in Rio de outubro.

Um gasoduto que transporta gás para ser transformado em eletricidade

O Brasil é um dos 10 maiores produtores de resíduos alimentares do mundo

Sete reatores no Ecoparque, todos do tamanho aproximado de contêineres, são usados ​​para processar os resíduos. Em um processo escalonado, cada um recebe resíduos orgânicos e é selado por duas a três semanas, com bactérias introduzidas para decompor a matéria e produzir metano. O gás é então armazenado em um grande recipiente acima da instalação e posteriormente convertido em eletricidade.

“A idéia do Ecoparque é ter um local para experimentação de novas tecnologias que possam, no futuro – e se demonstrarem sua viabilidade econômica, financeira e ambiental – ser adotada pela Comlurb, fazendo com que cada vez menos resíduos sejam descartados. em aterros “, disse José Henrique Monteiro Penido, chefe de sustentabilidade ambiental da Comlurb. “O modelo pode ser replicado nas cidades e ter um impacto positivo para todo o país”.

Leia mais: Natural alta: os produtores brasileiros de guaraná descartam produtos químicos para conhecimento antigo

Segundo a Comlurb, esse é o “primeiro passo” para lidar com as 5.000 toneladas de resíduos orgânicos que o Rio de Janeiro produz diariamente. Com um empréstimo não reembolsável do Fundo Brasileiro de Desenvolvimento de Tecnologia e desenvolvido em colaboração com a Universidade Federal de Minas Gerais, o plano é expandir esse modelo em outras cidades do Brasil e da América Latina.

Equipamento que mede a qualidade do gás produzido

“No geral, é um sinal realmente positivo e não duvido que seja escalável”, diz Richard Lowes, pesquisador de política energética da Universidade de Exeter. “Parece ser um processo eficiente, com controles muito medidos sobre a produção. Quando o desperdício de alimentos vai para o aterro, ele pode produzir metano, um poderoso gás de efeito estufa – mas com esse processo você obtém a energia e não produz as emissões”. ”

Atingindo as metas climáticas

O processo de biometanização sozinho, no entanto, não será suficiente para reduzir significativamente a pegada ambiental do Brasil, Lowes diz: “Seria melhor se esse resíduo simplesmente não fosse produzido em primeiro lugar. Se não houvesse desperdício, não haveria desperdício. uma necessidade de processar qualquer coisa. Tendemos a ser muito desperdiçadores como sociedade e precisamos nos concentrar em reduzi-la “.

Ainda assim, o município acredita que poderia ajudar a atingir sua meta de reduzir as emissões de mudanças climáticas em 20% entre 2005 e 2020, como parte da iniciativa C40 Cities, uma rede de cidades que promove ações climáticas. Sob o Programa de Desenvolvimento da Cidade de Baixo Carbono do Rio de Janeiro, a cidade lançou nos últimos anos um projeto de reflorestamento urbano para plantar 12 milhões de árvores e um esquema municipal de compartilhamento de bicicletas, o Bike Rio, enquanto amplia a rede de caminhos da cidade.

O projeto marca um raro vislumbre de positividade para o país em meio ao desmatamento na década passada, na Amazônia, e críticas à falta de compromisso do Brasil com as principais metas climáticas da COP25, a recente conferência em Madri.

Nas instalações de Ecoparque, a equipe está constantemente tentando melhorar os níveis de eficiência, empregando eletrônicos, sensores e medidores que ajudam a controlar e otimizar a produção de biogás em sua busca por produzir energia sustentável. A esperança é que uma instalação como essa seja construída para cada 50.000 pessoas no país.

“Existem dois caminhos a seguir”, diz o pesquisador Ferreira. “Podemos prosseguir com o sistema atual de grandes instalações de resíduos que requerem quantidades significativas de transporte, ou podemos descentralizar o processo e construir um em cada cidade do Brasil”.

Os super-ricos e o clube exclusivo do Brasil no coração de um hotspot de coronavírus

A conexão entre Covid-19 e a elite mundial de ricos no país destaca o abismo entre ricos e pobres em uma das sociedades mais desiguais do mundo. É o clube mais exclusivo do Brasil – um santuário de privilégios, para o qual apenas 0,00041% dos cidadãos do país têm as chaves.

Pelo menos 60 dos 850 membros exclusivos do Country Club do Rio de Janeiro foram declaradamente atingidos pelo Covid-19. Foto: Nicoló Lanfranchi / O Observador

Mas o Country Club do Rio de Janeiro – fundado por executivos britânicos em 1916 e freqüentado desde então pelo crème de la crème da sociedade carioca – foi lançado em luto pela pandemia de coronavírus, provocando um debate nacional sobre classe e desigualdade em uma das mais sociedades economicamente desequilibradas na terra.

Pelo menos 60 dos 850 membros do clube que trotaram o globo foram derrotados com o Covid-19, enquanto um – a empresária septuagenária Mirna Bandeira de Mello – morreu e foi deixada para descansar durante um funeral no qual ninguém compareceu ao filho.

Anna Maria Ramalho, colunista da sociedade que conhece a vítima desde a escola, disse que foi forçada a se despedir fazendo login em uma missa online. “Perdi uma amiga ao longo da vida”, disse ela. “Ela era uma pessoa tão especial, muito realista.”

O coronavírus parece ter violado os portões de madeira branca do clube de campo – a poucos metros da praia de Ipanema, embora exatamente como agora seja um tópico de amarga disputa.

A praia de Ipanema está deserta depois que o governador do Rio de Janeiro ordenou que os moradores ficassem longe das praias. Foto: Nicoló Lanfranchi / The Guardian

Horas antes, descendentes da antiga família real do Brasil haviam se reunido em uma mansão próxima para brindar o noivado de Pedro Alberto de Orléans e Bragança, 31 anos, tataraneto do último imperador do Brasil, Pedro II, e seu filho. parceira de um ano, Alessandra Fragoso Pires.

Entre os convidados estavam a mãe e o padrasto de Pires, que haviam chegado de casa em Londres e outros da Bélgica, Itália e Estados Unidos.

Mais da metade das pessoas com mais ou menos 70 anos no almoço foram positivas para Covid-19, incluindo o pai e o avô da noiva e a tia do noivo. Três permanecem no hospital, em estado grave. “É simplesmente horrível”, disse um membro da família que participou da celebração e pediu para não ser identificado. “Ninguém poderia imaginar que o vírus atacaria com tanta força devastadora.”

Após o almoço, vários convidados passaram a tarde no “país” – provocando especulações de que haviam causado seu aglomerado de coronavírus – algo negado com veemência por um amigo da antiga monarquia brasileira. “Uma coisa não tem nada a ver com a outra”, insistiram. “Ninguém sabe o que aconteceu – quem trouxe o vírus e quem não o fez. Eles ficaram surpresos com isso.

Seja qual for a verdade, dois dias depois, em 9 de março, o coronavírus continuou a contaminar a associação ilustre do clube. Em uma assembléia lotada – supostamente convocada para discutir uma disputa entre sua velha guarda e uma nova geração de associados que carecem dos sobrenomes tradicionais dos membros anteriores, mas não de seus bolsos profundos -, cruzam palavras e trocam beijos e abraços.

“Muitas pessoas perderam suas fortunas na crise financeira – pessoas que fedia muito e acabaram sem nada – então tiveram que vender seus membros”, disse uma importante socialite do Rio sobre o cabo de guerra geracional no clube em que os membros são escolhidos por votação secreta e custa em torno de £ 70.000 para participar.

A audiência de 270 pessoas também incluiu pessoas que estavam na comemoração da família imperial – alimentando ainda mais as suspeitas de que eles eram culpados pelo surto.

“Foi uma reunião tensa, grandes nomes dos negócios estavam lá”, disse a fonte da alta sociedade. “Várias pessoas deixaram a reunião infectadas.”

O country club não é o único oásis de prosperidade e influência brasileira tocado pelo coronavírus. Uma estrela pop, uma atriz e a filha de um alto funcionário do governo foram infectadas durante um casamento de celebridade em um resort de praia que se orgulha de ser “concebido com a filosofia da exclusividade”. Alguns hóspedes abastados teriam vindo de férias na Europa e Aspen, Colorado.

O palácio presidencial do Brasil também foi atingido, com mais de 20 membros de uma delegação que voaram para encontrar Donald Trump em seu teste de propriedade Mar-a-Lago positivo para Covid-19. O presidente, Jair Bolsonaro, afirma ter tido um resultado negativo, mas se recusou a divulgar esses resultados.

A conexão entre a disseminação do coronavírus e os super-ricos do Brasil provocou discussões sobre seu papel na introdução da doença no Brasil – e o abismo entre ricos e pobres em uma das sociedades mais desiguais do mundo.

Muitos temem que, enquanto a primeira onda de coronavírus tenha caído sobre a elite política e econômica branca do Brasil, são as massas pobres e principalmente as negras que mais sofrerão – sem o luxo de poder se isolar em casa ou recorrer a recursos caros. hospitais particulares.

Uma das primeiras mortes registradas no Brasil foi a de Cleonice Gonçalves, uma empregada doméstica de 63 anos que teria sido infectada por seu rico empregador quando voltou de férias na Itália. “É desnecessário dizer que as mais vulneráveis ​​sempre serão as mais afetadas, independentemente de haver uma pandemia ou não”, escreveu recentemente a intelectual feminista negra Djamila Ribeiro no jornal Folha de São Paulo. “Essas são questões estruturais.”

Outros, incluindo alguns membros de clubes de campo, se perguntam se alguns dos pacientes com coronavírus com dinheiro do Brasil exporam outros à doença por não se isolarem ou colocarem em quarentena adequadamente – talvez acreditando que seu status econômico significasse estar acima de tais medidas mundanas.

Um magnata brasileiro está sendo investigado pela polícia por supostamente ter voado seu jato particular para a praia no mês passado, apesar de ter sido positivo para o Covid-19. O homem – um banqueiro de investimentos que nega as acusações – é acusado de infectar pelo menos dois moradores de Trancoso, uma cidade litorânea fascinante do estado da Bahia.

O Rio de Janeiro – que até agora sofreu 1074 casos de coronavírus e 47 mortes – está em confinamento desde o final de março, forçando uma sucessão de saraus da alta sociedade a serem descartados.

Metade dos casos de coronavírus do Uruguai foi atribuída a um único convidado em uma festa da sociedade

Entre os eventos abortados, houve uma festa para 1.000 pessoas no hotel Copacabana Palace, em frente à praia, para comemorar o casamento de Alexandre Birman, um designer de calçados milionário que faz sapatos de crocodilo e pele de cobra para as estrelas de Hollywood.

Policiais patrulham a praia de Ipanema, em meio ao bloqueio por coronavírus. Foto: Lucas Landau / Reuters

Um confidente da família Orléans e Bragança disse ter preocupações mais urgentes com dois parentes ainda em terapia intensiva. “Eles se sentem tristes, apreensivos e preocupados … Eles estão assustados com toda essa repercussão”, disseram eles.

Alguns apontaram um dedo acusador para as elites brasileiras de importarem a doença após aventuras no exterior caríssimas, com um site de esquerda anunciando na semana passada: “Os ricos e famosos espalharam o coronavírus pelo Brasil”.

Outro blog declarou: “Os ricos contaminaram o Brasil”.

Mas um convidado do fatídico almoço da família real disse que era errado bode expiatório dos ricos por uma doença desinteressada na classe social. “Tanto os pobres quanto os ricos estão morrendo em todo o mundo”, disseram eles. “As pessoas que viajam mais podem ter pego primeiro, mas o vírus não escolhe suas vítimas. Pode atacar qualquer um.