ONU,Nações Unidas,Migração,Venezuela,Economia,Maduro,América Latina,Refugiados

Venezuela: cerca de 3 milhões fugiram da crise política e econômica desde 2015, diz ONU

Êxodo impulsionado pela violência, hiperinflação e escassez de alimentos e medicamentos equivale a cerca de um em 12 da população do paísONU,Nações Unidas,Migração,Venezuela,Economia,Maduro,América Latina,Refugiados

Imigrantes venezuelanos viajam a bordo de um caminhão em Tumbes, Peru, perto da fronteira com o Equador, em 1º de novembro. Fotografia: Juan Vita / AFP / Getty Images

O êxodo dos venezuelanos que fogem da crise econômica e política em sua terra natal acelerou dramaticamente, alcançando um total de cerca de 3 milhões desde 2015, anunciou a ONU .

Os novos números mostram que cerca de um em cada 12 da população deixou o país, impulsionado pela violência, hiperinflação e escassez de alimentos e remédios.

A taxa de migração acelerou nos últimos seis meses, disse William Spindler, do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), que apelou por maiores esforços internacionais para aliviar a pressão sobre os vizinhos da Venezuela.

A vida é uma luta à medida que a inflação na Venezuela se aproxima de um milhão por cento

A Venezuela, rica em petróleo, entrou em crise com seu presidente socialista, Nicolás Maduro, que tem lutado para controlar a hiperinflação e reprimir os opositores políticos.

Dados da ONU em setembro mostraram que 2,6 milhões haviam fugido para países vizinhos, mas os governos regionais estão lutando para lidar com as consequências humanitárias e políticas de uma das maiores migrações em massa da história da América Latina .

“Os principais aumentos continuam a ser relatados na Colômbia e no Peru”, disse Spindler.

A Colômbia está abrigando 1 milhão de venezuelanos. Cerca de 3.000 mais chegam a cada dia, e o governo de Bogotá diz que 4 milhões poderiam estar vivendo lá até 2021, custando quase US $ 9 bilhões.

Cerca de 300 refugiados, que chegaram com nada além do que podiam carregar, fizeram acampamento fora do terminal de ônibus em Bogotá, capital da Colômbia.

“Quando você não consegue encontrar comida, quando sua filha pode ficar doente a qualquer momento, é quando você sabe que tem que sair”, disse Lozada, agarrando o bebê ao peito. “Mas aqui não temos trabalho, não temos nada para fazer, então podemos ter que voltar.”

Outrora uma garçonete em um restaurante sofisticado em Valência, a terceira maior cidade da Venezuela, ela agora passa seus dias implorando por pequenas mudanças fora de um shopping center.

Sem nenhum dinheiro para o resto da jornada, eles percorreram as 345 milhas restantes até Bogotá na esperança de encontrar trabalho. Eles atualmente vivem em uma barraca improvisada, dormindo em um colchão de acampamento que os moradores locais doaram.

” Essa foi uma caminhada longa e cansativa”, disse ela. “Um dia espero voltar para terminar meus estudos, mas é difícil ver as coisas melhorando”.

Maduro rejeitou os números da migração da ONU como ” notícias falsas ” destinadas a justificar a intervenção estrangeira nos assuntos da Venezuela.

“Maduro só se preocupa”, disse Augustín Pérez, de 51 anos, de Caracas, agora acampando em Bogotá com sua esposa e quatro filhos. “Ele não se importa com as pessoas sem nada para comer … enquanto todos os seus amigos engordam.”

A Organização Internacional para as Migrações (OIM) e o ACNUR disseram que o êxodo estava sobrecarregando vários países vizinhos, especialmente a Colômbia.

“Os países da América Latina e do Caribe mantiveram amplamente uma política louvável de portas abertas”, disse Eduardo Stein, representante especial da ACNUR-IOM para refugiados e migrantes da Venezuela . “No entanto, sua capacidade de recepção é severamente tensa, exigindo uma resposta mais robusta e imediata da comunidade internacional.”

Depois da Colômbia, o Peru recebeu o segundo maior número de venezuelanos, com mais de 500.000. O Equador tem mais de 220.000, a Argentina 130.000, o Chile mais de 100.000, o Panamá 94.000 e o Brasil 85.000.

A resposta dos países latino-americanos à crise migratória marca uma grande diferença nos esforços da administração Trump para demonizar uma caravana de 7.000 migrantes , a maioria de Honduras, que atualmente atravessa o México em direção à fronteira sul dos Estados Unidos, onde planeja procurar asilo.

Adam Isacson, analista do escritório de Washington na América Latina, twittou : “Um especialista com quem falei hoje pontuou: como é que a Colômbia está recebendo 5.000 venezuelanos todos os dias, mas o governo dos EUA está em pânico com 7.000 centro-americanos? ?

Autoridades do governo regional devem se reunir em Quito, no Equador, de 22 a 23 de novembro, para coordenar esforços humanitários.
Joe Parkin Daniels/TheGuardian

Magnus Wennman – Fotografia – A vida como não deveria ser

Fotografia de Magnus Wennman¹
Walaa², de 5 anos, Dar-El-Ias

²Walaa, 5, quer ir para casa. Ela tinha seu próprio quarto em Aleppo, ela nos diz. Lá, ela nunca chorava na hora de dormir. Aqui, no campo de refugiados, ela chora todas as noites. Descansar a cabeça sobre o travesseiro é horrível, diz ela, porque a noite é horrível. Foi quando os ataques aconteceram. De dia, a mãe de Walaa muitas vezes constrói uma pequena casa de travesseiros, para ensiná-la que ela não tem nada a temer.


¹Magnus Wennman, um fotojornalista premiado de Estocolmo, publicou uma série de fotos revelando o que está acontecendo com as crianças do Oriente Médio às portas da Europa quando elas fogem do conflito na Síria. Para criar “Where The Children Sleep”, ele viajou pelas regiões onde essas crianças e suas famílias estão fugindo para nos contar as suas histórias.

Em entrevista à CNN, Wennman, que tirou as fotos para o jornal sueco Aftonbladet, disse que o conflito e a crise podme ser complicados para as pessoas entenderem, “mas não há nada difícil de entender como as crianças precisam de um lugar seguro para dormir. Isso é fácil de entender”, disse ele.

“Elas perderam a esperança”, acrescentou Wennman. “É preciso muito para uma criança deixar de ser uma criança e para parar de se divertir, mesmo em lugares muito ruins.”
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Magnus Wennman – Fotografia – A vida como não deveria ser

Fotografia de Magnus Wennman¹
Moyad², de 5 anos, Amman

²Moyad, 5, e sua mãe precisavam comprar farinha para fazer uma torta de espinafre. De mãos dadas, eles estavam em seu caminho para o mercado em Daraa. Eles passaram por um táxi em que alguém tinha colocado uma bomba. A mãe de Moyad morreu instantaneamente. O menino, que foi levado de helicóptero para a Jordânia, tem estilhaços alojados na cabeça, costas e pélvis.


¹Magnus Wennman, um fotojornalista premiado de Estocolmo, publicou uma série de fotos revelando o que está acontecendo com as crianças do Oriente Médio às portas da Europa quando elas fogem do conflito na Síria. Para criar “Where The Children Sleep”, ele viajou pelas regiões onde essas crianças e suas famílias estão fugindo para nos contar as suas histórias.

Em entrevista à CNN, Wennman, que tirou as fotos para o jornal sueco Aftonbladet, disse que o conflito e a crise podme ser complicados para as pessoas entenderem, “mas não há nada difícil de entender como as crianças precisam de um lugar seguro para dormir. Isso é fácil de entender”, disse ele.

“Elas perderam a esperança”, acrescentou Wennman. “É preciso muito para uma criança deixar de ser uma criança e para parar de se divertir, mesmo em lugares muito ruins.”
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Magnus Wennman – Fotografia – A vida como não deveria ser

Fotografia de Magnus Wennman¹
Ralia, 7 anos, e Rahaf, 13 anos, Beirute²

²Ralia, 7, e Rahaf, 13, vivem nas ruas de Beirute. Eles são de Damasco, onde uma granada matou sua mãe e seu irmão. Junto com seu pai, eles têm dormido na rua por um ano. Eles se amontoam  juntos em suas caixas de papelão. Rahaf diz que ela está com medo dos “bad boys”, Ralia começa a chorar.


¹Magnus Wennman, um fotojornalista premiado de Estocolmo, publicou uma série de fotos revelando o que está acontecendo com as crianças do Oriente Médio às portas da Europa quando elas fogem do conflito na Síria. Para criar “Where The Children Sleep”, ele viajou pelas regiões onde essas crianças e suas famílias estão fugindo para nos contar as suas histórias.

Em entrevista à CNN, Wennman, que tirou as fotos para o jornal sueco Aftonbladet, disse que o conflito e a crise podme ser complicados para as pessoas entenderem, “mas não há nada difícil de entender como as crianças precisam de um lugar seguro para dormir. Isso é fácil de entender”, disse ele.

“Elas perderam a esperança”, acrescentou Wennman. “É preciso muito para uma criança deixar de ser uma criança e para parar de se divertir, mesmo em lugares muito ruins.”
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Magnus Wennman – Fotografia – A vida como não deveria ser

Fotografia de Magnus Wennman¹
Maram², 8 anos de idade, Amman

²Maram tinha acabado de chegar em casa da escola quando o foguete atingiu sua casa. Um pedaço do telhado caiu bem em cima dela. Sua mãe a levou para um hospital de campanha e de lá ela foi levada através da fronteira para a Jordânia. O traumatismo craniano provocou uma hemorragia cerebral. Durante os primeiros 11 dias, Maram estava em coma. Ela agora está consciente, mas tem uma mandíbula quebrada e não pode falar.


¹Magnus Wennman, um fotojornalista premiado de Estocolmo, publicou uma série de fotos revelando o que está acontecendo com as crianças do Oriente Médio às portas da Europa quando elas fogem do conflito na Síria. Para criar “Where The Children Sleep”, ele viajou pelas regiões onde essas crianças e suas famílias estão fugindo para nos contar as suas histórias.

Em entrevista à CNN, Wennman, que tirou as fotos para o jornal sueco Aftonbladet, disse que o conflito e a crise podme ser complicados para as pessoas entenderem, “mas não há nada difícil de entender como as crianças precisam de um lugar seguro para dormir. Isso é fácil de entender”, disse ele.

“Elas perderam a esperança”, acrescentou Wennman. “É preciso muito para uma criança deixar de ser uma criança e para parar de se divertir, mesmo em lugares muito ruins.”

Magnus Wennman – Fotografia – A vida como não deveria ser

Fotografia Magnus Wennman¹
Ahmed², de 6 anos, Horgos, Sérvia

²É depois da meia-noite quando Ahmed adormece na grama. Os adultos ainda estão sentados ao redor formulando planos de como eles vão sair da Hungria sem se registrarem com as autoridades. Ahmed tem seis anos e carrega seu próprio saco enquanto sua família anda a pé. “Ele é corajoso e só chora às vezes, à noite”, diz seu tio, que tem tido o cuidado de Ahmed desde que seu pai fora morto em sua cidade natal Deir ez-Zor, no norte da Síria.


¹Magnus Wennman, um fotojornalista premiado de Estocolmo, publicou uma série de fotos revelando o que está acontecendo com as crianças do Oriente Médio às portas da Europa quando elas fogem do conflito na Síria. Para criar “Where The Children Sleep”, ele viajou pelas regiões onde essas crianças e suas famílias estão fugindo para nos contar as suas histórias.

Em entrevista à CNN, Wennman, que tirou as fotos para o jornal sueco Aftonbladet, disse que o conflito e a crise podme ser complicados para as pessoas entenderem, “mas não há nada difícil de entender como as crianças precisam de um lugar seguro para dormir. Isso é fácil de entender”, disse ele.

“Elas perderam a esperança”, acrescentou Wennman. “É preciso muito para uma criança deixar de ser uma criança e para parar de se divertir, mesmo em lugares muito ruins.”
[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Magnus Wennman – Fotografia – A vida como não deveria ser

Fotografia Magnus Wennman¹
Abdullah², de 5 anos, Belgrado, Sérvia

²Abdullah tem uma doença no sangue. Nos últimos dois dias, ele dormiu fora da estação central em Belgrado. Ele viu a morte de sua irmã em sua casa em Daraa. “Ele ainda está em choque e tem pesadelos todas as noites”, diz a mãe. Abdullah está cansado e não é saudável, mas a mãe não tem dinheiro para comprar remédio para ele.


¹Magnus Wennman, um fotojornalista premiado de Estocolmo, publicou uma série de fotos revelando o que está acontecendo com as crianças do Oriente Médio às portas da Europa quando elas fogem do conflito na Síria. Para criar “Where The Children Sleep”, ele viajou pelas regiões onde essas crianças e suas famílias estão fugindo para nos contar as suas histórias.

Em entrevista à CNN, Wennman, que tirou as fotos para o jornal sueco Aftonbladet, disse que o conflito e a crise podme ser complicados para as pessoas entenderem, “mas não há nada difícil de entender como as crianças precisam de um lugar seguro para dormir. Isso é fácil de entender”, disse ele.

“Elas perderam a esperança”, acrescentou Wennman. “É preciso muito para uma criança deixar de ser uma criança e para parar de se divertir, mesmo em lugares muito ruins.”[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]