Redes sociais: Como aprender a discordar sem cair nas garras da cultura do cancelamento

Discordância pública parece ainda mais vetada do que o habitual, mas há algumas fórmulas para fazê-lo sem sair escaldado

Atualmente, entoar uma voz dissonante ao discurso majoritário pode ter um preço muito alto. Um exemplo é James Benett, chefe de Opinião do renomado jornal The New York Times, que pagou com sua cabeça a publicação de um artigo de um senador republicano favorável à utilização de tropas para acabar com as revoltas do movimento Black Lives Matter. E há muitos mais. Tantos que 150 intelectuais, entre os quais estão o filósofo Noam Chomsky e a ativista feminista Gloria Steinem, publicaram uma carta reivindicando o direito a discordar no que chamam de sociedade do cancelamento. Mas como fazê-lo sem acabar submetido a um linchamento nestes tempos?

Noam Chomsky: “As pessoas já não acreditam nos fatos”

“A livre troca de informação e ideias está se tornando cada vez mais restrita”, diz a carta publicada na revista Harper’s e continua explicando que a censura está se estendendo em nossa cultura. Cada vez há mais intolerância aos pontos de vista opostos, os que pensam diferente são envergonhados publicamente e o ostracismo aumenta. Algo que “só empobrece o debate público”, necessário – de acordo com os especialistas – para que a sociedade avance.

Sem discordância não há progresso

Para entender a importância de discordar no progresso só é preciso dar uma olhada na ciência, onde o avanço se nutriu graças à existência do debate. “A ciência questiona tudo. É exatamente o contrário ao que acontece em outros aspectos da vida – como a política – em que nos deixamos levar pelo raciocínio emocional”, diz Luis Miller, vice-diretor do Instituto de Políticas e Bens Públicos do CSIC. Definitivamente, tons muito diferentes das discussões do restante dos mortais, que costumam ter ásperas recriminações como diz a carta.

Talvez o foro em que se veja com mais claridade esse problema sejam as redes sociais, onde as consequências podem ir de insultos à perda da reputação e até do trabalho – como aconteceu a Benett –. Mas não é preciso ter um cargo importante em um dos jornais mais importantes do mundo para ser castigado pela justiça popular. “Minha companheira foi assediada por quatro pessoas nas redes sociais por compartilhar uma postagem de apoio às doações de Amancio Ortega à saúde pública”, conta José, um estudante de jornalismo que também se viu pessoalmente fustigado por expressar uma ideia diferente da maioria da classe: “Parece impossível que qualquer debate não ganhe um tom ideológico”.
Ilustração de Angel Boligan

A censura do ego

Como se pode ver, na vida cotidiana e privada de cada um também é possível lidar com frequência com situações em que expressar uma opinião pode desencadear um ácido conflito com um chefe, um companheiro, um amigo e um familiar. A pergunta é: o que incomoda tanto quando existe uma diferença no pensamento? O psicólogo Álvaro Tejedor de Psicologia e Comunicação aponta a um problema de ego: “Quando alguém não valida uma opinião a outra pessoa sente que está em jogo sua aceitação em relação ao grupo ao grupo e a si mesma”. Uma das chaves para evitar ferir a autoestima da outra pessoa e manter o debate vivo, diz o especialista, está na maneira em que se expressa a discrepância. Devemos ser flexíveis, ter empatia ao outro, usar sedução e deixar claro que as ideias expressadas também trazem benefício ao interlocutor.

Anote como fazê-lo: “Utilizar a primeira pessoa do plural quando há um conflito é positivo porque não significa que há um confronto, e sim dá a sensação de que existe uma equipe que tem uma finalidade comum. É um dos melhores recursos”, diz Tejedor, que também recomenda que se deixe muito claro o tempo todo que se entende a visão da outra pessoa e que apesar de discordar é igualmente válida. Além disso, o melhor é procurar sempre um local privado, afirma o especialista. Principalmente, diz, se é uma pessoa com quem existe uma diferença hierárquica (como um chefe). Do exemplo da ciência também é possível aprender estratégias saudáveis de discussão como julgar as ideias por si mesmas e não em função de quem as emite. Também a acostumar-se a receber ideias de diversas fontes, a colocá-las em dúvida e discuti-las, mas sem cancelá-las antes de ter toda a informação.

Em boca fechada não entram conflitos?

Mais uma vez, as redes sociais não ajudam nessa missão. “Os novos canais de comunicação fazem disso cada vez mais difícil porque damos credibilidade à informação tomando como base o número de vezes em que foi compartilhada. Além disso, vivemos dentro das denominadas ‘câmaras de eco’, que fazem com que só escutemos uma determinada versão da história”, afirma o especialista do CSIC, que argumenta que somente sabendo dessas esferas é possível empatizar com o outro, algo que reduz consideravelmente a tensão e o conflito. “Se conseguirmos discutir as ideias em si mesmas e não simplesmente questionar seu emissor, podemos assentar as bases para, pelo menos, poder dialogar entre pessoas que pensam de maneira diferente”, diz.

Dado que nem tudo está em nossas mãos e diante desse clima crescente de censura, é inevitável se perguntar se há momentos em que é melhor deixar de lado o confronto e optar pelo silêncio para evitar um gasto desnecessário de energia.

A resposta depende de cada situação, aponta o psicólogo: “Sempre devemos pensar se a recompensa que obteremos da discussão é suficientemente grande em relação ao tempo e a energia dedicados”, esclarece o psicólogo, que dá como exemplo a clássica discussão política de uma refeição familiar: “Brigar com um cunhado sobre se a política municipal dos parques caninos é adequada ou não, provavelmente não irá melhorar nossa qualidade de vida em nenhum sentido”, afirma o psicólogo, que nesses casos aconselha a evitar a discussão.

A banalidade do mal; O “pensamento sem corrimão” de Hannah Arendt

Lá está ela, pensativa, de queixo apoiado na mão, cigarro aceso entre os dedos: Hannah Arendt (1906-1975), já não tão jovem, numa fotografia em preto-e-branco tirada de ângulo ligeiramente baixo. E, impressa por cima, a enigmática frase: “Nenhum ser humano tem o direito de obedecer.”

Em tempos de fake news e histerias de massa nas redes sociais, exposição em Berlim propõe a desobediência da filósofa teuto-alemã Hannah Arendt, uma das maiores pensadoras do século 20, como antídoto.

É longa a lista das controvérsias que Hannah Arendt desencadeou ou incentivou.

Com esse cartaz, com atraso forçado pelo coronavírus, o Museu Histórico Alemão (DHM) de Berlim convida a uma exposição sobre a grande pensadora teuto-americana do século 20. A mostra acompanha o olhar subjetivo de Arendt em 16 capítulos acessíveis, com fotos, documentos em áudio e filme, objetos de seu espólio pessoal e empréstimos internacionais.

A intenção é apresentar, de uma forma nova, pontos de cristalização da história do século 20. E a obra da filósofa de fato se presta muito bem a isso, pois ela escreveu sobre temas centrais da época, como antissemitismo, colonialismo, racismo, nacional-socialismo e stalinismo, com um gosto de julgar notavelmente rigoroso, refletindo tanto prazer quanto ousadia.

Sobre a banalidade do mal

É longa a lista das controvérsias que a intelectual de origem judaica desencadeou ou incentivou. A mais intensa foi, certamente, a sobre seu livro Eichmann em Jerusalém, a qual se espalhou por todo o mundo e também toma bastante espaço na mostra em Berlim.

Em 1961, ela participou como repórter do julgamento do ex-tenente-coronel da SS Adolf Eichmann, que fora responsável pela deportação de milhões de judeus para campos de concentração e extermínio. A reportagem sobre o processo foi publicada dois anos mais tarde pela revista The New Yorker e, como livro, com o subtítulo Um relato sobre a banalidade do mal.

Mostra acompanha o olhar subjetivo de Arendt com fotos, documentos em áudio e filme e objetos de seu espólio pessoal

Lá, Arendt descreve o criminoso nazista como um tecnocrata sem convicções, que se apresentava como mero instrumento de seus superiores. A brutalidade do mal banal consiste em sua falta de reflexão e responsabilidade, observava ela, e a obediência “incondicional” repetidamente evocada por Eichmann é, em princípio, a expressão dessa atitude mental.

O estopim da controvérsia em torno do livro de Arendt não foi apenas a questão da “banalidade”, já lançada no título, mas também a postura dos “conselhos judaicos”. Será que os participantes dessas instituições foram culpados de colaboração?

“Deixamos à disposição do espectador os veredictos de Hannah Arendt sobre temas do século 20”, explica a curadora da exposição, Monika Boll. “Não porque acreditemos que ela sempre estivesse certa, de forma alguma. Mas, ao também transferir e delegar aos espectadores esse gosto de julgar, queremos que também eles formem seu julgamento.”

Uma decisão bem no espírito de Arendt, para quem julgar era uma atividade eminentemente política. Segundo Boll, para a filósofa, o nazismo não significou apenas o colapso de todos os valores morais, mas também o colapso da capacidade de julgar. Porque o julgamento fora cooptado pelo sistema, porque se dizia “nós”, e não “eu”. Dessa maneira, porém, também a questão da responsabilidade pessoal ficava delegada a instâncias impessoais.

“Pensamento sem corrimão”

Arendt nasceu próximo a Hannover em 1906, filha de judeus laicos, e cresceu nos meios cultos de Königsberg (hoje Kaliningrado, Rússia). Em 1924, começou a estudar Filosofia, tendo Teologia como cadeira secundária, primeiro em Marburg, mais tarde em Freiburg e Heidelberg. Por intermediação do filósofo Martin Heidegger, doutorou-se em 1928 sob a orientação de Karl Jaspers.

Escrevia para o jornal Frankfurter Allgemeine Zeitung e se ocupou de Rahel Varnhagen von Ense, uma intelectual judia do Romantismo, cuja história era considerada um exemplo de assimilação cultural bem-sucedida. Arendt, em contrapartida, via com ceticismo a ideia da assimilação em nome da igualdade de todos os seres humanos, a qual considerava politicamente ingênua. E ela causou escândalo com essa posição.

Antes de muitos outros observadores, já em 1931 Arendt partia do princípio de que os nazistas assumiriam o poder. E, ao contrário da maioria dos alemães, já em 1933 defendia a opinião de que o regime devia ser combatido ativamente.

Naquele mesmo ano, emigrou para a França, trabalhou em organizações sionistas e como pesquisadora em Paris até fugir em 1941, com o marido e a mãe, para Nova York, após passar por Lisboa. E ela se transformou numa apaixonada cidadão americana.

Coronavírus atrasou abertura da exposição no Museu Histórico de Berlim

Por toda a vida, permaneceu fiel a si mesma, sem nunca seguir uma determinada escola, tradição ou ideologia. Seu pensamento é difícil de classificar, e por isso tão interessante, comenta a curadora Boll: “Pode-se encontrar repetidamente nesse pensamento tanto componentes liberais como conservadores e de esquerda, de forma que ela é bem difícil de situar numa ala política.”

A própria Hannah Arendt definia essa atitude como “pensamento sem corrimão”. Além disso, era uma excelente escritora, e tudo isso a torna tão viva, “por isso mesmo dá tanto prazer se ocupar dela”, elogia Boll. De fato: quer se trate de suas reportagens sobre a Alemanha do pós-guerra, ou suas declarações sobre a questão dos refugiados, o racismo nos Estados Unidos, o movimento estudantil internacional, ela sempre consegue surpreender.

Na mostra no DHM de Berlim, a venerável filósofa continua estimulando os visitantes a questionarem seus próprios pontos de vista, e provando a importância de ter uma opinião própria fundamentada. A curadora Boll dá uma dimensão atual à questão: justamente em tempos de fake news e histeria de massa produzida pelas redes sociais, Hannah Arendt é um maravilhoso antídoto.

Escultura em memória das vítimas no
Campo de concentração de Dachau

Comportamento,Tecologia,Censura,Opressão,Blog do Mesquita

Fremdschämen, a constrangedora ‘aula’ sobre nazismo dos brasileiros aos alemães

O termo alemão para “vergonha alheia” resume o que foi a enxurrada de críticas de internautas brasileiros a um vídeo da Embaixada alemã afirmando que nazismo é de direita

GETTY | EPV

Uma palavra sintetiza a aula sobre nazismo que um grupo de brasileiros tentou dar aos próprios alemães na Internet: fremdschämen (vergonha alheia). O que era para ser um vídeo sobre como se ensina a história do nazismo, publicado no Facebook pela Embaixada da Alemanha em Brasília e pelo Consulado Geral no Recife, se tornou um campo de guerra nas redes sociais.

De um lado, brasileiros que não acreditam no holocausto e garantem que o nazismo era uma ideologia de esquerda, contestavam a história divulgada pelo Governo alemão. Do outro, brasileiros envergonhados pediam desculpas pelos comentários exaltados. E no meio, a embaixada alemã tenta equilibrar os ânimos e corrigir os néscios: “O holocausto é um fato histórico, com provas e testemunhas que podem ser encontradas em muitos lugares da Europa”, publicou em resposta a um internauta que afirmou que  o “holofraude está com os dias contados”.

No vídeo institucional, a Alemanha explica que desde cedo as crianças são ensinadas confrontar os horrores do holocausto, como parte do pensamento de conhecer e preservar a história para não repeti-la. No país é crime negar o holocausto, exibir símbolos nazistas, fazer a saudação “Heil Hitler“. O vídeo deixa claro que o nazismo é uma ideologia da extrema direita. “Devemos nos opor aos extremistas de direita, não devemos ignorar, temos que mostrar nossa cara contra neonazistas e antissemitas“, afirma no vídeo Heiko Mass, ministro das Relações Exteriores.

Muitos internautas contestaram o ministro: “Extremistas de direita? O partido de Hitler não se chamava Partido dos Trabalhadores Socialistas? Onde tem extrema direita?”, perguntou um internauta, em relação ao Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (Nationalsozialistische Deutsche Arbeiterpartei), que ficou ativo no país entre 1920 e 1945. O partido de Hitler misturava uma cultura paramilitar racista, populista, antissemita e anti-marxista, algo como “contra tudo o que está aí” e ” ou pelos verdadeiros alemães “de bem”.

Houve quem tentasse explicar onde estava o erro da embaixada: “Não é só pelo nome do partido. É uma concentração de poder no Estado. A esquerda (comunismo/socialismo) acredita em poder centralizado no governo para a construção de uma sociedade melhor. A direita acredita na descentralização desse poder, por isso advoga um poder maior ao indivíduo e não ao coletivo (…)”. Isto é, como Hitler centralizava o poder, logo, ele não poderia ser de direita, segundo esse internauta.

Enquanto alguns tentavam ver o lado positivo da iniciativa e marcavam amigos para tentar provar que o nazismo é, sim, de direita – “(…) se o Consulado alemão explicando que o nazismo é de extrema direita não te convencer, não sei o que mais poderá”, escreveu um internauta. Outros até ameaçaram a embaixada: “[Vocês] perderam uma enorme chance de ficar de boca fechada. Mas não se preocupem. Estou compartilhando este post na Alemanha. Vamos ver o que irão dizer!”

Damaris Jenner, responsável para assuntos de imprensa na embaixada, explica que a ideia era falar sobre como se ensina história na Alemanha. “Na semana em que pensamos em fazer esse vídeo, aconteceram as manifestações em Chemnitz e vários jornais brasileiros noticiaram”, diz ela. Os protestos foram realizados por militantes da extrema direita desde o final de agosto contra a morte de um alemão, supostamente esfaqueado por dois imigrantes, e que terminaram em atos de violência.

“Achamos que seria interessante ligar esses dois assuntos para mostrar essa discussão na Alemanha”, afirma Jenner. Mas a reação dos internautas surpreendeu. “Não imaginávamos que repercutiria dessa forma”, diz. “Nosso vídeos costumam ser bem assistidos, mas esse foi excepcional”. Até o fechamento desta reportagem, o vídeo tinha mais de 630.000 visualizações na página da embaixada. Jenner diz que, além da audiência alta, fez diferença o engajamento dos usuários. “Geralmente tem menos debate”, diz. Ela afirma que alguns comentários foram respondidos “de forma cordial” pela própria embaixada ou pelos consulados que replicaram o vídeo, mas que em muitos casos os próprios usuários responderam uns aos outros.

"Quem protesta contra os nazistas não é de esquerda, mas normal"; "direitos humanos ao invés de humanos de direita" e "nós somos todos humanos", nos cartazes em protesto em Chemnitz, na Alemanha, no dia 3 de setembro.
“Quem protesta contra os nazistas não é de esquerda, mas normal”; “direitos humanos ao invés de humanos de direita” e “nós somos todos humanos”, nos cartazes em protesto em Chemnitz, na Alemanha, no dia 3 de setembro. MATTHIAS RIETSCHEL (GETTY IMAGES)

Apesar da polêmica e de alguns comentários pouco cordiais de usuários, a embaixada não pretende retirar do ar a publicação. “Isso é um assunto importante em muitos países atualmente”, diz Jenner, sobre a temática levantada pelo vídeo. “Mas as reações daqui são devido a situação política do Brasil”, afirma. Desde as jornadas de junho de 2013, o país vive um clima acirrado de polarização política. Grupos alinhados ao pensamento da direita se uniram em torno do impeachment da petista Dilma Rousseff. Enquanto grupos de esquerda acusavam os adversários de golpe. Neste cenário, a defesa falaciosa de que o nazismo seria um movimento de esquerda se tornou comum entre militantes da direita nas redes sociais.

Na escola, os alemães começam a aprender sobre o nazismo quando têm  entre 13 anos e 15 anos. E no Brasil também. “Os alunos da rede pública estudam este tema em História em dois momentos do ciclo básico: no nono ano do ciclo fundamental e no terceiro ano do ensino médio”, afirma o professor de história da rede pública de São Paulo Danilo Oliveira. A diferença é que, enquanto na Alemanha a história do Terceiro Reich está nas ruas, no turismo e nas memórias das famílias, no Brasil, as lembranças do passado de influência nazista vão sendo apagadas pelo desinteresse sobre o tema.

É o que aconteceu com a Fazenda Cruzeiro do Sul, em Paranapanema, interior do Estado, onde funcionou na década de 1930 uma colônia nazista. A história da fazenda ganhou destaque a partir do trabalho do historiador Sydney Aguilar que descobriu como 50 meninos órfãos do Rio de Janeiro foram escravizados por dez anos a ponto de terem sido privados até mesmo de seu nome, eles só ganhavam números. Essa história foi contada no filme Menino 23, lançado em 2016. O prédio da sede, construído com tijolos com o desenho da suástica, já não existe mais. O proprietário começou a demolir a estrutura em 2012, e terminou em 2016. E só restou à Procuradoria Geral do Estado processar o dono.

O professor Oliveira admite que o nível de informação dos brasileiros sobre grandes temas da humanidade, como o nazismo, pode piorar nos próximos anos. Isso porque a diferença entre as ideologias de direita e esquerda são mais aprofundadas nas disciplinas de história e sociologia no ensino médio, que deixarão de ser obrigatórias se a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para esta etapa de estudos for aprovada. Por enquanto, como disse um internauta, “brasileiros questionando a embaixada alemã sobre nazismo é 8 a 1 para Alemanha”. Mas pelo andar das coisas, esse placar ainda tem potencial para crescer muito.
ElPais

Fake News,Redes Sociais,Internet,Blog do Mesquita

Como é o WT:Social, a rede social ‘anti-Facebook’

Como é o WT:Social, a rede social ‘anti-Facebook’ sem anúncios nem fake news criada pelo fundador da Wikipedia

Telefone com a logo do site WikipediaDireito de imagem GETTY IMAGES
O projeto é independente do site Wikipedia

O fundador da Wikipedia, Jimmy Wales, criou uma nova rede social chamada WT: Social, que ele deseja transformar no “anti-Facebook”.

O site da plataforma diz que nunca venderá dados dos seus usuários e que se baseia na “generosidade de doadores individuais”, e não em anúncios para garantir sua existência.

Se você se registrar, você será adicionado a uma lista de espera e solicitarão que você convide outras pessoas ou escolha uma opção de assinatura paga: US$ 13 por mês ou US$ 100 por ano, o que equivale a aproximadamente R$ 55 a R$ 420.

O serviço se define como um site “focado em notícias” e diz que seus membros podem editar manchetes “enganosas”. A ideia, segundo o fundador da plataforma, é combater fake news.

imagem da tela do site WT: SocialDireito de imagemWT: SOCIAL
Image captionA proposta do site é funcionar com pagamento de assinaturas e não com anúncios ou venda de dados

Os usuários verão os artigos que seus contatos compartilham em um formato de “timeline” (ou mural), no qual os mais recentes aparecem primeiro, e não na ordem em que o algoritmo decide com base em seus interesses.

Novo modelo de negócios

A apresentação do site WT: Social diz que a plataforma dará ao usuário a possibilidade de “fazer suas próprias escolhas sobre o conteúdo que é veiculado e editar diretamente títulos enganosos ou sinalizar postagens problemáticas”.

“Vamos promover um ambiente em que aqueles que agem mal serão removidos porque isso é o correto, não porque isso repentinamente afeta nossos resultados.”

Em uma recente entrevista ao Financial Times, Wales definiu como “problemático” o modelo de negócios baseado em publicidade que favorece os gigantes da tecnologia nas redes sociais.

Símbolo do WT Social
A parte crucial do site WT:Social são as notícias, segundo as informações da plataforma

“Acontece que o grande vencedor é o conteúdo de baixa qualidade”, disse ele.

Wales lançou uma plataforma de notícias de colaboração aberta chamada Wikitribune em 2017, destinada a combater notícias falsas e com “histórias cidadãs”.

O objetivo era salvar o jornalismo na era da chamada “pós-verdade”.

No entanto, esse projeto falhou e em 2018 ele teve que deixar de lado sua equipe de jornalistas.

retrato de Jimmy Wales em 2019Direito de imagem MARTIN BUREAU/GETTY IMAGES
Jimmy Wales lançou uma plataforma de notícias de colaboração aberta chamada Wikitribune em 2017, destinada a combater notícias falsas e com ‘histórias cidadãs’

WT: Social é uma plataforma independente da Wikipedia.

A consultora de redes sociais Zoe Cairns disse que acha que a rede terá que aumentar seus usuários rapidamente para provar ser uma alternativa viável aos gigantes da área.

“Isso exigirá que invistam muito dinheiro”, disse ela à BBC. “As pessoas estão acostumadas a redes sociais gratuitas.”

“Acho que as empresas podem pagar por isso, mas as pessoas estão acostumadas a ter as notícias na ponta dos dedos sem pagar um centavo”.

Até agora, o WT: Social tem uma lista de espera para novos usuários devido à capacidade limitada de seu servidor, segundo o site, mas espera expandir essa capacidade e também a rede social em outros idiomas.

Tecnologia,Crimes Cibernéticos,Internet,Redes Sociais,Hackers,Privacidade,Malware,Stalkware,WhatsApp,Facebook,Instagram,Twitter

“Facebook e Apple poderão ter o controle que a KGB nunca teve sobre os cidadãos”

O historiador Yuval Noah Harari, um dos pensadores do momento, reflete sobre como a inteligência artificial e o ‘big data’ transformarão a natureza humana

Yuval Noah Harari. JAIME VILLANUEVA

Um carro autônomo está prestes a atropelar cinco pedestres. O que deve fazer? Virar para o lado e matar seu dono para minimizar as baixas humanas, ou salvar a vida de seu passageiro e passar por cima de quem está na rua? Como se deveria programar o computador do automóvel? Dilemas éticos como esse preocupam Yuval Noah Harari (Israel, 1976), professor de História da Universidade Hebraica de Jerusalém e um dos pensadores de referência na atualidade. Seu primeiro livro, Sapiens, Uma Breve História da Humanidade, tornou-se um fenômeno editorial recomendado por Barack Obama e Mark Zuckerberg. Em seu segundo livro, Homo Deus, Uma Breve História do Amanhã, vai mais adiante e alerta para os riscos da inteligência artificial, do big data e dos algoritmos que permitem complexas predições matemáticas.

Harari descreve um futuro em que uma elite humana cada vez mais poderosa graças à tecnologia se distancia das massas até se transformar em uma nova espécie com capacidades nunca vistas. Um mundo controlado por máquinas e corporações tecnológicas que abandona à própria sorte os humanos que considera inúteis. Não se assustem: Harari diz em uma entrevista em Madri que ainda não é tarde para mudar o futuro.

Pergunta. Em meados deste ano, Zuckerberg recomendou seu primeiro ensaio. Acredita que fará o mesmo com o segundo?

Resposta. De fato este livro é mais desafiador, porque questiona opiniões e práticas do Vale do Silício. Não é um livro contra o Vale do Silício, mas sim sobre a revolução dos computadores e da Internet. É a coisa mais importante que está acontecendo agora e a deixamos nas mãos de umas poucas empresas. Permitir que o Facebook e a Amazon moldem o futuro da humanidade tem perigos inerentes. Não porque representem o mal, mas porque têm sua própria visão limitada do mundo, seus próprios interesses e não representam ninguém, ninguém votou neles. A maioria dos partidos e Governos não tem uma visão séria do futuro da humanidade.

“É preciso convencer os políticos de que a inteligência artificial não é ficção científica”

P. A promessa do Vale do Silício é mudar o mundo, torná-lo um lugar melhor. Não parece um objetivo ameaçador.

R. É preciso reconhecer que têm razão. O que se faz ali influirá mais que qualquer outra coisa no século XXI. Os políticos perderam o contato com a realidade. Donald Trump afirma que os chineses tirarão o trabalho dos americanos, mas serão os robôs. É preciso convencer os políticos de que a inteligência artificial não é uma fantasia de ficção científica.

P. Alguns especialistas dizem que os trabalhos que desaparecerão serão simplesmente substituídos por outros.

R. Não temos nenhuma garantia de que os trabalhos que vão surgir serão suficientes para compensar os que vão desaparecer. Também não está claro se os humanos serão capazes de realizar esses novos trabalhos melhor que a inteligência artificial. E, ainda, um terceiro problema é quantas pessoas terão a habilidade necessária para se reciclar.

“Estamos cedendo o controle de nossas vidas aos algoritmos”

P. O que acontecerá com essa massa de gente expulsa do mercado de trabalho?

R. Se as forças do mercado continuarem tomando as decisões mais importantes, é muito possível que uma elite monopolize o poder e o use para ascender a uma nova categoria, do Homo sapiens para Homo deus, uma espécie de super-humanos. E a maioria da população, uma nova classe formada por gente dispensável, ficará para trás. Isto já está acontecendo. Os exércitos mais avançados não recrutam mais milhares de soldados, mas um pequeno número de militares qualificados, apoiados por drones, robôs e técnicas de guerra cibernética. Para o exército, muitos soldados já são desnecessários. A engenharia genética e a inteligência artificial podem ser utilizadas para criar tipos de sociedades muito diferentes e deveríamos começar a discutir que sociedade queremos criar. Ainda podemos escolher.

P. Os algoritmos são cada vez mais importantes. Quais as consequências disso?

R. Um dos grandes perigos é que nos conhecem cada vez melhor e confiamos neles para que escolham por nós, desde coisas simples, como que notícias ler, até importantes, como nossa saúde. Perdemos o controle de nossas vidas e o entregamos aos algoritmos. É verdade que, muitas vezes, é positivo ceder. Por exemplo, Angelina Jolie fez um exame de DNA e encontrou uma mutação em um gene que, segundo o algoritmo, indicava uma possibilidade de 87% de desenvolver um câncer de mama. Naquele momento não estava doente, sentia-se perfeitamente bem. Mas se submeteu a uma dupla mastectomia. E, na minha opinião, fez bem. O potencial da tecnologia é incrível. O desafio é saber usá-lo, porque também tem um lado escuro. Se confiarmos nos algoritmos porque nos aconselham bem, damos a eles cada vez mais poder e controle sobre nossas vidas e podem começar a nos manipular, mesmo que de forma não intencional.

P. Muita gente não se importa de ceder seus dados.

R. Nossos dados pessoais são nosso maior patrimônio. Que lugares você frequenta, o que compra e, ainda por cima, seus dados biométricos, seu DNA, sua pressão arterial… Mas as pessoas cedem tudo isso a empresas como Amazon, Facebook e Google em troca de correio eletrônico, redes sociais e vídeos de gatinhos. Essas empresas acumulam uma grande quantidade de dados que lhes permitem compreender a sociedade e o mundo melhor que ninguém. O Facebook pode, teoricamente, decidir as eleições nos Estados Unidos. Uma das informações mais valiosas hoje em dia é quem são os eleitores indecisos. O Facebook tem essa informação. Nem todos estamos na rede social, é verdade, mas muita gente sim, e a empresa poderia tentar verificar quem são esses indecisos e até o que o candidato deveria dizer a eles para ganhar seu voto. O Facebook tem esse poder porque os usuários lhe entregam todos os seus dados pessoais.

P. É o fim do livre-arbítrio?

“É muito possível que uma nova classe de super-humanos monopolize o poder no futuro”

R. O cérebro é tão complexo que nem a KGB soviética, espionando os cidadãos o tempo todo, era capaz de entender as pessoas ou predizer seus gostos e desejos. Em certo sentido, isso nos torna livres. Mas, no século XXI, estamos adquirindo mais conhecimentos biológicos e os computadores têm mais poder. Assim, o que a KGB era incapaz de controlar, o Facebook e a Apple conseguirão em… 10, 20 ou 30 anos? Poderiam monitorar seu corpo com sensores biométricos, registrar esses dados e, com algoritmos sofisticados, analisá-los para saber exatamente quem você é, sua personalidade, o que você gosta, que resposta daria a determinada pergunta. Quando uma entidade externa te entende melhor que você mesmo, não há mais livre-arbítrio.

P. Muita gente o verá como mais um tecnófobo …

R. No livro falo mais dos riscos que das vantagens da tecnologia, porque acredito que é responsabilidade dos pensadores, historiadores e filósofos alertar para os perigos e buscar soluções. Os engenheiros e os empresários já se encarregam de ressaltar as vantagens. É importante que nós mesmos nos conheçamos e saibamos o que queremos na vida. Acredito que, assim, poderemos usar a tecnologia de forma mais sensata e alcançar nossos próprios objetivos.

Fake News,Redes Sociais,Internet,Blog do Mesquita

O homem que ‘virou político’ para poder espalhar fake news no Facebook

O homem que ‘virou político’ para poder espalhar fake news no Facebook

Adriel HamptonDireito de imagem ADRIEL HAMPTON/ WIKIMEDIA

Adriel Hampton decidiu confrontar política de veiculação de anúncios políticos da gigante de tecnologia. Um ativista americano decidiu se registrar como candidato ao governo da Califórnia só para poder divulgar seus próprios anúncios falsos no Facebook. O objetivo de Adriel Hampton, de San Francisco, é confrontar a decisão da gigante de tecnologia de permitir a veiculação de propaganda política não-verificada em sua plataforma.

“A gênese da minha campanha é a regulamentação da mídia social e garantir que ninguém fique de fora da checagem de fatos, especificamente políticos como Donald Trump, que gostam de mentir online”, explica ele ao site de informações financeiras CNN Business.

Mas o Facebook não está disposto a deixar Hampton espalhar por informações falsas.

‘Retaliação’

Hampton faz parte da Really Online Lefty League, que se descreve como um “comitê político digital para os 99%”.

Ele diz que seu propósito é combater forças políticas conservadoras que ganharam força com suas atividades on-line por meio de muito dinheiro.

“Acho que as redes sociais são incrivelmente poderosas. Acredito que o Facebook tem o poder de mudar as eleições”.

Mulher caminha debaixo de logo do FacebookDireito de imagem PA MEDIA
Facebook não proibiu veiculação de anúncios políticos

A iniciativa de Hampton ocorre quando mais de 200 funcionários do Facebook assinaram uma carta endereçada ao CEO Mark Zuckerberg, levantando preocupações sobre a política de anúncios políticos da empresa, informou o New York Times.

“Liberdade de expressão e expressão paga não são a mesma coisa”, diz a carta. “Nossas políticas atuais sobre checagem de fatos sobre pessoas em cargos políticos, ou aqueles que concorrem a cargos, são uma ameaça ao que o Facebook representa”.

Poucas horas depois, o senador Mark Warner, =principal representante do Partido Democrata no Comitê de Inteligência do Senado, divulgou uma carta também endereçada a Zuckerberg.

Nela, alertou que as políticas da empresa arriscavam minar a “transparência, debate público, abertura, diversidade de opinião e responsabilidade” na política dos EUA.

Mark Zuckerberg em depoimento no Congresso dos EUADireito de imagem REUTERS
Em depoimento no Congresso americano, Mark Zuckerberg defendeu Facebook

Durante um depoimento no Congresso em 23 de outubro, Zuckerberg admitiu que um anúncio falso retratando de forma enganosa um político “provavelmente” poderá ser veiculado no Facebook.

No entanto, o Facebook removeu um anúncio falso da The Really Online Lefty League no fim de semana, em que um dos principais senadores republicanos era retratado como se apoiasse a legislação ambiental nos EUA.

No caso específico do anúncio falso de Hampton, o Facebook destacou que o anúncio era elegível para checagem de fatos porque vinha de um grupo político.

Processo judicial?

Agora que Hampton decidiu concorrer ao cargo, o Facebook diz que continuará checando os fatos e potencialmente vetando seus anúncios políticos. O caso pode terminar na Justiça.

Na noite de terça-feira, 29 de outubro, um porta-voz do Facebook disse à CNN Business: “Essa pessoa deixou claro que se registrou como candidato para contornar nossas políticas, de modo que seu conteúdo, incluindo anúncios, continuará sendo elegível para verificação de fatos de terceiros”.

Em resposta, Hampton disse que está considerando processar a empresa por fazer “uma política específica para mim”.

Em meio à polêmica, o Facebook defendeu suas políticas, dizendo que não quer restringir o discurso político.

Na terça-feira, dois diretores do alto escalão da empresa, incluindo sua diretora de eleições globais Katie Harbath, assinaram um artigo de opinião no jornal USA Today, dizendo que o Facebook “não deve se tornar a guardiã da verdade nos anúncios dos candidatos”.

“Quem pensa que o Facebook deve decidir quais reivindicações de políticos são aceitáveis pode se perguntar: por que você quer que tenhamos tanto poder?”, escreveram.

Pré-candidata à Presidência dos Estados Unidos em 2020, a senadora democrata Elizabeth Warren acusou Zuckerberg de administrar uma “máquina de desinformação com fins lucrativos”.

Twitter x Facebook

Por outro lado, em claro contraste com o Facebook, o executivo-chefe do Twitter, Jack Dorsey, disse na quarta-feira, 30 de outubro, que a rede social vai proibir anúncios políticos.

A decisão foi anunciada por Dorsey em sua própria conta no Twitter. Ele disse acreditar que o alcance das mensagens políticas “deve ser conquistado, e não comprado”.

Segundo Dorsey, os anúncios políticos online comprometem o discurso cívico, incluindo vídeos manipulados e a disseminação viral de informações enganosas, “tudo com cada vez mais velocidade e sofisticação, em escala esmagadora”.

Ele disse temer que esse tipo de publicidade na internet “tenha ramificações importantes com as quais a infraestrutura democrática de hoje talvez não esteja preparada para lidar”.

Faz pouco tempo que o Twitter vem tomando medidas para restringir anúncios políticos.

Após a eleição presidencial nos Estados Unidos em 2016, a empresa começou a exigir que os anunciantes confirmassem suas identidades e publicou um banco de dados de anúncios políticos exibidos em sua plataforma.

Em uma referência indireta a Zuckerberg, Dorsey disse que a luta contra a desinformação online é dificultada quando as empresas de tecnologia aceitam pagamento por conteúdo político enganoso.

Sem citar o executivo do Facebook, Dorsey disse que não se pode acreditar que essas companhias digam que estão trabalhando duro contra a desinformação, “maaas, se alguém nos pagar para forçar as pessoas a ver seu anúncio político… bem… elas podem dizer o que quiserem!”.

Os anúncios políticos representam apenas uma pequena parte dos negócios de publicidade da empresa, informou o Twitter.

Tecnologia,Crimes Cibernéticos,Internet,Redes Sociais,Hackers,Privacidade,Malware,Stalkware,WhatsApp,Facebook,Instagram,Twitter

Deep Web; Não estamos prontos para ela

Antes de chegar ao ponto alto desta discussão, é necessário entender o que é a Deep Web e o por quê ela é objeto para as mais novas lendas urbanas que saem do mundo real.

deep web.jpg

Primeiramente, vamos definir a função do site de buscas Google que, na verdade é um organizador de índice para acesso ao que se procura. Simplificadamente, o buscador torna possível encontrar algo, como notícias, imagens, vídeos, documentos etc., apenas pela identificação de palavras-chave. Ou seja, não é necessário que você tenha o endereço virtual completo. É possível que, por meio de significações, se encontre o que está dentro de uma página.

A partir desta definição chula, pode-se dizer que, o que buscamos através do Google, é distribuído em um índice que classifica as posições (1º, 2º, 3º e, assim sucessivamente) de acordo com a frequência de acessos e outros fatores, como publicidade. Ou seja, a popularidade de um site o faz aparecer no topo das buscas.

Os resultados, em índice, apresentados pelo site só estão visíveis aos navegadores por não ter um conteúdo impróprio, não infringir leis comuns e específicas para internet, dentre outras questões que não afetam nenhuma pessoa, empresa, ou a sociedade, em geral.

Deste modo, todo conteúdo impróprio, sigiloso, criminoso, ilegal fica abaixo da linha de buscas, portanto “escondido” das buscas. Para acessá-lo, é preciso um navegador próprio, conhecimento e estômago.

O que há de tão ruim na Deep Web?

Na verdade, não seria nada ruim se pessoas não a alimentassem com conteúdo ilegal, ou a utilizassem como meio de se manter anônimo, portanto, livre para compartilhar do que quiser.

O “benefício” de se estar na Deep Web é não poder ser identificado pelo IP do computador. Partindo disto, facções, gangues, terroristas, pedófilos, necrófilos, redes de prostituição, assassinos a utilizam e oferecem seus serviços livres dos olhos da lei, da ética, da moral, do respeito, da compaixão e de todos os aspectos que são necessárias para se viver em sociedade.

O que há de bom?

Entretanto, coisas positivas já surgiram deste lugar, como o Wikileaks, fundado pelo sueco Julian Assange. O jornalista esteve na mira do governo norte-americano depois de publicar documentos que comprovariam o massacre do exército dos EUA sobre civis, no Afeganistão. Outro episódio, foi a exposição do vídeo de uma cerimônia da igreja da Cientologia, em 2010. Os atos religiosos eram mantido sob sigilo, pelos seus membros, porém vieram à tona com os Anonymous. Muitas outras manifestações em prol de direitos cívicos são organizadas na DW.

Porque não acessá-la?

A informação é o que move o mundo, principalmente nos dias de hoje. Entretanto de que serve deter a informação sem poder compreendê-la? Adorno e Horkheimer já questionavam o esclarecimento e seu papel como verdade absoluta para justificar os nossos atos. Existe real justificativa para explicar o acesso a searas que não deveriam ser alcançadas? É como querer tocar o lado mais sombrio do homem. Já não vemos o bastante no dia a dia?

A popularização da Deep Web pode significar a formação de uma nova sociedade. O virtual, tão real como nunca, traria nova significação ao mundo que conhecemos. Esta mutação já ocorre, mas ainda mantém intocável a construção da sensibilidade humana em relação ao seu contato com o mundo. Estaríamos prontos para despir mais uma camada de humanidade? Por isso, ainda sugiro que fiquemos longe do que nos corrompe.
Obvius

Tecnologia,Crimes Cibernéticos,Internet,Redes Sociais,Hackers,Privacidade,Malware,Stalkware,WhatsApp,Facebook,Instagram,Twitter

É possível ser anônimo na era da internet?

Professor do Oxford Internet Institute diz que hoje temos mais aparelhos tecnológicos com sensores para captar dados sobre nós.

Ilustração que mostra uma mulher ao lado de uma arte gráfica baseada em códigos binários de informática

“No futuro, todo mundo terá seus 15 minutos de anonimato.” É o que disse o artista Banksy. Mas com tudo online, de status de relacionamento a destinos de férias, é mesmo possível ser anônimo – mesmo que brevemente – na era da internet?

Esse dizer, uma brincadeira com a famosa frase de Andy Warhol dos “15 minutos de fama”, foi interpretada de várias formas por fãs e críticos. Mas sublinha a real dificuldade de manter algo privado no século 21.

“Hoje, nós temos mais aparelhos digitais do que nunca, e eles possuem mais sensores para captar mais dados nossos”, diz Viktor Mayer-Schoenberger, professor do Oxford Internet Institute.

E isso importa. De acordo com uma pesquisa da empresa de recrutamento Careerbuilder, nos Estados Unidos, no ano passado, 70% das empresas usaram as redes sociais para analisar candidatos a vagas, e 48% checaram a atividade dos funcionários nas redes sociais.

Instituições financeiras também checam perfis em redes sociais quando decidem se dão empréstimos ou não.

Uma TV rosa com o logo: "No futuro, todo mundo será anônimo por 15 minutos", do show de Banksy, Los Angeles, 2006
É mesmo possível ser anônimo na era da internet?

Outras empresas, por sua vez, estão criando modelos com hábitos de compras, visões políticas e usam, inclusive, inteligência artificial para prever hábitos futuros com base em perfis de redes sociais.

Uma maneira de tentar obter controle é deletando redes sociais, o que algumas pessoas fizeram depois do escândalo da empresa Cambridge Analytica, quando 87 milhões de pessoas tiveram seus dados usados secretamente para campanhas políticas.

Mas, ainda que deletar contas em redes sociais seja a maneira mais óbvia para remover informações pessoais, isso não terá impacto nos dados guardados por outras empresas.

Felizmente, alguns países oferecem proteção.

O Brasil tem o Marco Civil da Internet, aprovado em 2014, e a Lei Geral de Proteção de Dados, aprovada em 2018. A lei, que entrará em vigor em 2020, proíbe o uso indiscriminado de dados pessoais. Além disso, garante aos cidadão o direito de saberem como e para o que as suas informações serão usadas.

A União Europeia tem sua versão: o GDPR, que regula a proteção dos dados, e inclui o “direito de ser esquecido” – basicamente, que um indivíduo tem o direito de ter informações pessoais removidas de onde quiser.

No ano passado, houve 541 pedidos de que informações fossem removidas no Reino Unido, segundo apuração da BBC, ante 425 do ano anterior e 303 em 2016-17. Os números reais podem ser mais altos, já que o Information Commissioner’s Office (Departamento de Informação) só se envolve depois que uma reclamação inicial à empresa que guarda os dados é rejeitada.

Mas Suzanne Gordon, do Departamento de Informação, diz que isso não é necessariamente objetivo: “O GDPR fortaleceu os direitos das pessoas de pedirem que organizações deletem seus dados se acreditam que não são necessários. Mas o direito não é absoluto e em alguns casos deve ser balanceado contra outros direitos e interesses competidores, como, por exemplo, a liberdade de expressão.”

O “direito de ser esquecido” ficou notório em 2014 e levou a vários pedidos de que informações fossem removidas – um ex-político que procurava a reeleição e um pedófilo são alguns exemplos –, mas nem todos foram aceitos.

Empresas e indivíduos que tenham dinheiro para tal podem contratar especialistas para ajudá-los.

Uma indústria inteira está sendo construída ao redor da “defesa de reputação” com empresas desenvolvendo tecnologia para remover informação – por um preço – e enterrar notícias ruins de mecanismos de busca, por exemplo.

Uma empresa, Reputation Defender (“defensora da reputação”), fundada em 2006, diz que tem um milhão de clientes, como profissionais e executivos. Ela cobra cerca de 5.000 libras (cerca de R$ 25 mil) pelo pacote básico.

Ela utiliza seu próprio software para alterar os resultados do Google sobre seus clientes, ajudando a colocar as notícias ou textos menos favoráveis mais para o fim dos resultados e promovendo as histórias favoráveis no lugar.

Imagem de um homem com o logotipo do Google refletido várias vezes em seu rostoDireito de imagem GETTY IMAGES
Empresas de defesa de reputação querem remover informações pessoais de bancos de dados e sites

“A tecnologia foca no que o Google vê como importante quando indexa sites no topo ou na parte de baixo dos resultados de busca”, diz Tony McChrystal, diretor da empresa.

Geralmente, as duas maiores áreas que o Google prioriza são credibilidade e autoridade que a página tem, e quantos usuários se engajam com os resultados de busca e o caminho que o Google vê que cada usuário único segue.

“Trabalhamos para mostrar ao Google que um maior volume de interesse e atividade estão ocorrendo nos sites que queremos promover, sejam sites novos que criamos ou sites estabelecidos que já aparecem nos resultados das buscas, enquanto sites que queremos suprimir mostram um percentual mais baixo de interesse.”

A empresa diz que atinge seu objetivo em 12 meses.

“É impressionantemente efetivo”, ele diz, “já que 92% das pessoas não navegam depois da primeira página de resultados do Google e mais de 99% não passam da segunda página”.

Mayer-Schoenberger, de Oxford, aponta que, enquanto empresas de defesa de reputação possam ser efetivas, “é difícil entender por que só pessoas ricas podem ter acesso a isso, e por qual razão isso não pode beneficiar todo mundo”.

Um membro da equipe do British Museum faz os ajustes finais para uma seleção de uma obra de Andy Warhol, em fevereiro de 2017Direito de imagem GETTY IMAGES
Andy Warhol previu uma vez que todo mundo teria 15 minutos de fama

Então, será que podemos nos livrar de todos nossos rastros online?

“Se formos responder de uma maneira simples, não”, diz Rob Shavell, cofundador e chefe executivo do DeleteMe, um serviço de assinatura que remove dados pessoais de bancos de dados públicos, corretoras de dados e sites de busca.

“Você não pode se apagar completamente da internet a não ser que algumas empresas e indivíduos que operem serviços de internet sejam forçados a mudarem fundamentalmente como eles operam”, afirma.

“Estabelecer regulamentações fortes para permitir que consumidores tenham autonomia para decidir como sua informação pessoal pode ser recolhida, compartilhada e vendida já é um bom caminho para encarar o desequilíbrio de privacidade que temos agora.”

Economia,Blog do Mesquita

Facebook e Google são investigados por práticas antitruste

Facebook,Google,Tecnologia,Redes Sociais,Internet,Blog do Mesquita

Nos Estados Unidos, procuradores-gerais de vários estados abrem inquéritos para apurar se gigantes da internet agiram de maneira irregular no mercado, sufocando a concorrência e ferindo os direitos dos consumidores.

As gigantes da internet Facebook e Google se tornaram alvo de investigações por suspeitas de violação da lei antitruste nos Estados Unidos, que apuram se as empresas agiram irregularmente para sufocar os concorrentes e ferir os direitos dos consumidores.

Alguns críticos acusam o Facebook de esmagar a concorrência adquirindo essas empresas concorrentes ou utilizando enormes somas para copiar os produtos que elas oferecem. Isso pode resultar na diminuição das opções de escolha para os consumidores.

Companhias menores podem acabar tendo que pagar mais para anunciar nessas plataformas, tendo menos chances de atingir seu público alvo entre os consumidores online.

As ações se juntam a outras iniciativas do governo americano para investigar as grandes companhias de tecnologia. As empresas que trabalham no desenvolvimento de redes sociais, buscas na internet, comércio eletrônico e outros setores tecnológicos vêm sendo constantemente acusadas de inflar sua participação no mercado, além de outras queixas, que incluem falhas nas políticas de privacidade aos consumidores.

Os dados pessoais dos usuários são considerados bens valiosos para essas companhias, que os utilizam para práticas comerciais e para aumentar seu poder de mercado.

“Estou iniciando uma investigação sobre o Facebook para determinar se suas ações colocam em perigo os dados dos consumidores, reduzem a qualidade das escolhas ou aumentam os preços dos anúncios”, disse nesta sexta-feira (06/09) a procuradora-geral de Nova York, Letitia James.

O inquérito liderado por Nova York inclui ainda outros sete estados – Colorado, Flórida, Iowa, Nebraska, Carolina do Norte, Ohio, Tennessee e o distrito federal de Columbia. “As maiores plataformas de rede social do mundo devem seguir a lei”, acrescentou James no Twitter.

Outro grupo de procuradores-gerais estaduais deve anunciar na próxima semana, em Washington, novas investigações sobre “comportamentos anticompetitivos que sufocaram a concorrência, restringiram o acesso e feriram os consumidores”, segundo informou na sexta-feira a procuradoria-geral do Texas. Segundo os jornais The Wall Street Journal e The Washington Post, o alvo dos inquéritos seria o Google.

Estima-se que essa investigação possa reunir procuradores-gerais de cerca de 40 estados. Os dois grupos encarregados das investigações incluem membros dos partidos Democrata e Republicano.

O descontentamento com a atuação das autoridades federais americanas pode ser considerado o fator que levou os estados a agirem e abrirem suas próprias investigações, possivelmente com a imposição de punições mais pesadas.

Recentemente, uma decisão da Comissão Federal de Comércio dos EUA (FTC, na sigla em inglês) de multar o Facebook no valor de 5 bilhões de dólares foi criticada por defensores dos direitos dos consumidores, além de algumas autoridades públicas, como sendo demasiadamente branda.

Na quarta-feira passada, o FTC impôs multas no valor de 170 milhões de dólares à plataforma de vídeos YouTube, que pertence ao mesmo grupo empresarial do Google, por coletar ilegalmente dados pessoais de crianças sem o consentimento dos pais. O valor também foi considerado baixo.

Há poucos meses, o Departamento de Justiça dos EUA abriu uma ampla investigação de práticas antitruste atribuídas às gigantes da tecnologia. A FTC e o Subcomitê Judiciário do Congresso americano também realizam inquéritos semelhantes.

O Facebook disse que deseja trabalhar “construtivamente” com os procuradores-gerais e que vê com bons olhos futuras conversas com as autoridades sobre a competição no mercado. O Google afirmou que acolhe a supervisão do governo para assegurar o cumprimento da lei por parte das empresas.

RC/ap/rtr

Tecnologia,Crimes Cibernéticos,Internet,Redes Sociais,Hackers,Privacidade,Malware,Stalkware,WhatsApp,Facebook,Instagram,Twitter

Saiba como descobrir se estão espionando seu celular

Stalkerware hackeo movil
Grupo de pessoas usa smartphone em Berlim, em 12 de agosto passado. ANNEGRET HILSE REUTERS

A tentação é forte: seu companheiro esquece o celular sobre a mesa, e você morre de vontade de xeretar o WhatsApp, as ligações recebidas e os sites que ele visitou, sobretudo se tem dúvidas sobre a fidelidade. Esse desejo não é novo, mas, em vez de pegar o telefone da vítima e navegar no conteúdo, agora existem ferramentas que fazem esse trabalho sujo sem o conhecimento (nem o consentimento) dela. É o chamado stalkerware (algo assim como “vírus do assediador”), e a má notícia é que qualquer um pode ser espionado sem ter consciência disso. Como detectar se o seu celular foi afetado por esse programa?

“Ao contrário dos aplicativos de controle parental, estes não são visíveis no celular da vítima”

Antes de analisar as chaves para detectar esse espião no smartphone, é bom conhecer como o stalkerware funciona. Esses aplicativos operam de forma muito similar à do malware (código malicioso): uma vez instalados no aparelho da vítima, começam a registrar todo tipo de atividade que for enviada posteriormente a um servidor ao qual o espião tenha acesso. Mas a técnica não é exatamente igual. “Ao contrário do malware, que é instalado de forma maciça, esse software é instalado por alguém que tem acesso ao celular”, disse ao EL PAÍS Fernando Suárez, vice-presidente do Conselho Geral de Associações de Engenharia Informática da Espanha. Ele cita também outra importante peculiaridade desse tipo de programa: “Ao contrário dos aplicativos de controle parental, esses não são visíveis no celular da vítima.” Mas… como saber se o aparelho está sendo espionado por um stalkerware?

Pop-Ups inesperados aparecem no navegador

Segundo o The Kim Komando Show, programa de rádio dos Estados Unidos sobre tecnologia, uma maneira de descobrir se o celular foi vítima dessa espionagem é através da súbita aparição de janelas emergentes (Pop-Ups) no navegador. Trata-se de comportamentos fora do normal que não devem ser minimizados pela vítima. Do mesmo modo, um súbito aumento de spam no e-mail e na recepção de mensagens de texto de desconhecidos, com excessiva frequência, devem ser motivos de preocupação.

O celular sumiu temporariamente?

Se o seu smartphone desapareceu por um tempo antes de ter um comportamento estranho (por exemplo, se você o deixou no quarto e ele apareceu na sala horas depois), então pode ser que alguém tenha instalado o programa espião nele.

A bateria de repente dura muito menos

Um celular com stalkerware trabalha muito mais que os outros – e essa atividade tem um impacto sobre a duração da bateria. Se você detectar uma súbita queda no rendimento, acompanhada das situações descritas acima, pode suspeitar e tomar as medidas necessárias.

O celular esquenta constantemente

Além do maior consumo da bateria, os aparelhos afetados pelo programa espião precisam desempenhar muito mais tarefas – o que gera um aumento da temperatura.

Instalar apps fora das lojas oficiais

Não se trata de um sintoma em si. Mas se você perceber algum desses comportamentos atípicos após ter instalado um aplicativo fora das lojas oficiais (App Store e Google Play), a chance de que o celular tenha sido infectado é muito maior. Tanto a Apple como o Google levam muito a sério a segurança de suas plataformas, e por isso é extremamente recomendável instalar apps das lojas oficiais. A boa notícia para os donos do iPhone é que esse dispositivo dificilmente se torna vulnerável aos ataques, já que a Apple obriga os usuários a instalar todos os apps através da loja. Já o Android é mais suscetível, pois as pessoas podem instalar os aplicativos sem o controle do Google.

O que fazer se você tem suspeitas?

O mais recomendável é restaurar o aparelho para padrão de fábrica. Além disso, convém instalar um software que possa detectar os invasores. “Em 2018, identificamos mais de 26.000 aplicativos de stalkerware”, afirma Daniel Creus, da Kaspersky Security, dando uma dimensão real do problema. Esta empresa modificou recentemente seus apps de segurança em celulares para enfrentar o fenômeno.
ElPais