Liberdade Guiando o Povo,Repressão,Protestos,Passeatas,BlogdoMesquita 8x6

Brasil vive um clima de pré-nazismo enquanto a oposição emudece

O silêncio dos que deveriam defender a democracia pode acabar deixando o caminho aberto aos autoritários, que se sentem ainda mais fortes diante de tais silêncios

Repressão,Protestos,Passeatas,BlogdoMesquita
Manifestante em protesto contra o presidente em São Paulo no dia 13 de agosto. AMANDA PEROBELLI (REUTERS)

O Brasil está vivendo, segundo analistas nacionais e internacionais, um clima político de pré-nazismo, enquanto a oposição progressista e democrática brasileira parece muda. Somente nos últimos 30 dias, de acordo com reportagem do jornal O Globo, o presidente Jair Bolsonaro proferiu 58 insultos dirigidos a 55 alvos diferentes da sociedade, dos políticos e partidos, das instituições, da imprensa e da cultura.

E à oposição ensimesmada, que pensa que o melhor é deixar que o presidente extremista se desgaste por si mesmo, ele acaba de lhes responder que “quem manda no Brasil” é ele e, mais do que se desfazer, cresce cada dia mais e nem os militares parecem capazes de parar seus desacatos às instituições.

Há quem acredite que o Brasil vive um clima de pré-fascismo, mas os historiadores dos movimentos autoritários preferem analisá-lo à luz do nazismo de Hitler. Lembram que o fascismo se apresentou no começo como um movimento para modernizar uma Itália empobrecida e fechada ao mundo. De modo que uma figura como Marinetti, autor do movimento futurista, acabou se transformando em um fervoroso seguidor de Mussolini que terminou por arrastar seu país à guerra.

O nazismo foi outra coisa. Foi um movimento de purga para tornar a Alemanha uma raça pura. Assim sobraram todos os diferentes, estrangeiros e indesejados, começando pelos judeus e os portadores de defeitos físicos que prejudicavam a raça. De modo que o nazismo se associa ao lúgubre vocábulo “deportação”, que evoca os trens do horror de homens, mulheres e crianças amontoados como animais a caminho dos campos de extermínio.

Talvez a lúgubre recordação de minha visita em junho de 1979 ao campo de concentração de Auschwitz com o papa João Paulo II tenha me feito ler com terror a palavra “deportação” usada em um decreto do ministro da Justiça de Bolsonaro, o ex-juiz Sérgio Moro, em que ele defenda que sejam “deportados” do Brasil os estrangeiros considerados perigosos.

Bolsonaro, em seus poucos meses de Governo, já deixou claro que em sua política de extrema direita, autoritária e com contornos nazistas, cabem somente os que se submetem às suas ordens. Todos os outros atrapalham. Para ele, por exemplo, todos os tachados de esquerda seriam os novos judeus que deveriam ser exterminados, começando por retirá-los dos postos que ocupam na administração pública. Seu guru intelectual, Olavo de Carvalho, chegou a dizer que durante a ditadura 30.000 comunistas deveriam ter sido mortos e o presidente não teve uma palavra de repulsa. Ele mesmo já disse durante a campanha eleitoral que com ele as pessoas de esquerda deveriam se exilar ou acabariam na cadeia.

Inimigo dos defensores dos direitos humanos, dos quais o governador do Rio, Witzel, no mais puro espírito bolsonarista, chegou a afirmar que são os culpados pelas mortes violentas nas favelas, Bolsonaro mal suporta os diferentes como os indígenas, os homossexuais, os pacíficos que ousam lhe criticar. Odeia todos aqueles que não pensam como ele e, ao estilo dos melhores ditadores, é inimigo declarado da imprensa e da informação livre.

Sem dúvida, o Presidente tem o direito de dizer que foi escolhido nas urnas com 53% dos votos, que significaram 57 milhões de eleitores. Nesse sentido o problema não é seu. Os que votaram nele sabiam o que pensava, ainda que talvez considerassem seus desatinos de campanha como inócuos e puramente eleitoreiros. O problema, agora que se sabe a que ele veio, e que se permite insultar impunemente gregos e troianos começando pelas instituições bases da democracia, mais do que seu, é da oposição.

Essa oposição, que está muda e parece impotente e distraída, demonstra esquecer a lição da história. Em todos os movimentos autoritários do passado moderno, os grandes sacerdotes da violência começaram sendo vistos como algo inócuo. Como simples fanfarrões que ficariam somente nas palavras. Não foi assim e diante da indiferença, quando não da cumplicidade da oposição, acabaram criando holocaustos e milhões de mortos, de uma e outra vertente ideológica.

Somente os valores democráticos, a liberdade de expressão, o respeito às minorias e aos diferentes, principalmente dos mais frágeis, sempre salvaram o mundo das novas barbáries. De modo que o silêncio dos que deveriam defender a democracia pode acabar deixando o caminho aberto aos autoritários, que se sentem ainda mais fortes diante de tais silêncios.

Nunca existiram democracias sólidas, capazes de fazer frente aos arroubos autoritários, sem uma oposição igualmente séria e forte, que detenha na raiz as tentações autoritárias. Há países nos quais assim que se cria um governo oficial, imediatamente a oposição cria um governo fictício paralelo, com os mesmos ministros, encarregados de vigiar e controlar que os novos governantes sejam fieis ao que prometeram em suas campanhas e, principalmente, que não se desviem dos valores democráticos. Sem oposição, até os melhores governos acabarão prevaricando. E o grande erro das oposições, como vimos outras vezes também no Brasil, foi esperar que um presidente que começa a prevaricar e se corromper se enfraqueça sozinho. Ocorrerá o contrário. Crescerá em seu autoritarismo e quando a oposição adormecida perceber, estará derrotada e encurralada.

Nunca em muitos anos a imagem do Brasil no mundo esteve tão deteriorada e causando tantas preocupações como com essa presidência de extrema direita que parece um vendaval que está levando pelos ares as melhores essências de um povo que sempre foi amado e respeitado fora de suas fronteiras. Hoje no exterior não existe somente apreensão sobre o destino desse continente brasileiro, há também um medo real de que possa entrar em um túnel antidemocrático e de caça às bruxas que pode condicionar gravemente seu futuro. E já se fala de possíveis sanções ao Brasil por parte da Europa, em relação ao anunciado ataque ao santuário da Amazônia.

O Brasil foi forjado e misturado com o sangue de meio mundo que o fizeram mais rico e livre. Querer ressuscitar das tumbas as essências de morte do nazismo e fascismo, com a vã tentativa da busca da essência e pureza da brasilidade é uma tarefa inútil. Seria a busca de uma pureza que jamais poderá existir em um país tão rico em sua multiplicidade étnica, cultural e religiosa. Seria, além de uma quimera, um crime.

Urge que a oposição democrática e progressista brasileira desperte para colocar um freio nessa loucura que estamos vivendo e que os psicanalistas confirmam que está criando tantas vítimas de depressão ao sentirem-se esmagadas por um clima de medo e de quebra de valores que a nova força política realiza impunemente. Que a oposição se enrole em suas pequenezas partidárias e lute para ver quem vai liderar a oposição em um momento tão grave, além de mesquinho e perigoso é pueril e provinciano.

Há momentos na história de um país em que se os que deveriam defender os princípios da liberdade e da igualdade cruzam os braços diante da chegada da tirania, incapazes até de denunciá-la, amanhã pode ser tarde demais. E então de nada servirá chorar diante dos túmulos dos inocentes.

Racismo,Nazismo,Supremacia Branca,Homofobia,Jihad,Terrorismo,Direitos Humanos

O neonazista pedófilo e homofóbico preso enquanto preparava ‘jihad branca’

Racismo,Nazismo,Supremacia Branca,Homofobia,Jihad,Terrorismo,Direitos Humanos

Jack Renshaw é suspeito de integrar organização banida

Um júri britânico não conseguiu decidir se Jack Renshaw, neonazista que confessou um plano para matar uma parlamentar no Reino Unido, permaneceu como membro de um grupo terrorista que foi banido do país.Agora que chegou ao fim seu quarto e último julgamento, um processo que durou dois anos, podemos contar sua história completa.

Eles bebiam lá regularmente. Normalmente, aos sábados. Muitas vezes, durante a semana também.

O número de participantes variava – podiam ser apenas dois ou um grupo de dez.

O local era o Friar Penketh em Warrington, um pub concorrido no centro da cidade.

Friar Penketh, em Warrington
Este é o Friar Penketh, um pub movimentado no centro da cidade

Mas o papo do grupo não era sobre futebol ou trabalho -, a conversa girava em torno de temas muito mais sombrios, como o ódio aos judeus e não-brancos, a veneração ao nazismo e Adolf Hitler, e o fascínio deles com o terrorismo.

No sábado de 1º de julho de 2017, vários integrantes e ex-membros da Ação Nacional, organização neonazista banida do Reino Unido sob a lei antiterrorismo, chegaram ao pub no fim da tarde.

Pouco depois, se juntou a eles um homem de aparência jovem, cujos olhos grandes e hostis contrastavam com seu corpo franzino e tímido.

Na mesma hora, o rapaz de 22 anos começou a reclamar sobre uma investigação policial em andamento contra ele por incitar o ódio racial em seus discursos.

Jack Renshaw despertava a simpatia de seus companheiros de bar.

Jack Renshaw
Jack Renshaw em um vídeo do Partido Nacional Britânico

À medida que a noite avançava, ele revelou um plano iminente – se fosse acusado pela polícia, faria uma manifestação política matando a parlamentar Rosie Cooper.

Ele já tinha comprado um gládio – espada curta romana – para levar a cabo o assassinato.

O plano incluía fazer reféns e atrair a detetive que estava investigando seu caso para o local, exigindo falar com ela. Ele então a mataria também.

Na sequência, ele cometeria “suicídio pela polícia” (ato de induzir deliberadamente um policial a atirar em você), ao avançar na direção dos policiais armados usando um colete-bomba falso, conforme contou ao grupo.

O ataque seria um ato da “jihad branca” – termo usado pela Ação Nacional – e ele planejava gravar um vídeo em que apareceria como um mártir explicando seus motivos.

Nenhuma das pessoas ao redor da mesa contestou Renshaw – pelo contrário, duas delas chegaram até a sugerir alvos alternativos, como a então ministra do Interior do Reino Unido, Amber Rudd, e uma sinagoga.

O que nenhum deles sabia era que um dos integrantes da mesa estava passando informações secretamente para a organização antirracismo Hope not Hate.

Correndo contra o tempo

Robbie Mullen, que no passado era neonazista convicto, estava desapontado e queria abandonar o grupo.

“Eu não queria estar envolvido na morte de ninguém, ou em um grupo que estava envolvido em matar pessoas. Eu só não queria que ninguém fosse morto ou ferido”, diz ele.

Quando Mullen foi embora do pub naquela noite, Renshaw abraçou ele e disse que provavelmente não se veriam novamente.

Assustado com o que estava por acontecer, Mullen entrou em contato imediatamente com a Hope not Hate.

“Jack vai matar uma parlamentar em breve”, contou.

Jack Renshaw

O caso de Renshaw ilustra claramente os perigos da radicalização.

Ele nasceu em Lancashire, na Inglaterra, e começou a se envolver com política na adolescência – primeiro com a Liga de Defesa Inglesa e depois com o Partido Nacional Britânico (BNP), depois de conhecer seu então líder, Nick Griffin, em um evento.

Quando terminou a escola, ele cursou economia e política na Universidade Metropolitana de Manchester, mas foi convidado a se retirar por seu ativismo de extrema-direita.

Jack Renshaw - (captura de tela de vídeo do BNP)
Jack Renshaw chegou a trabalhar no Parlamento Europeu em Bruxelas

Renshaw ficou anos no BNP, aparecendo em cartazes e vídeos do partido, além de dar palestras em conferências. Trabalhou ainda no Parlamento Europeu em Bruxelas.

Ele também se envolveu em campanhas contra o aliciamento sexual de crianças.

Certa vez, perguntado sobre como descreveria sua jornada, Renshaw disse:

“Eu comecei basicamente como um civil nacionalista com, digamos, pensamentos racistas ligeiramente encobertos, e agora sou um nacional-socialista abertamente racista.”

A Ação Nacional se tornaria seu lar político.

O grupo britânico, fundado em 2013, era abertamente racista e neonazista. E foi banido em dezembro de 2016, após uma investigação concluir que estava exaltando ilegalmente o terrorismo.

A Ação Nacional havia usado, inclusive, uma conta oficial no Twitter para comemorar o assassinato da parlamentar Jo Cox, em junho de 2016, por um supremacista branco.

Robbie Mullen, na época funcionário de um armazém em Runcorn, Cheshire, havia se juntado ao grupo após se converter à política extremista.

Ele chegou a pesquisar outras organizações, mas foi seduzido pelas ideias da Ação Nacional, cujos membros se vestiam de preto em manifestações e usavam as redes sociais para promover suas atividades.

Robbie MullenDireito de imagem HOPE NOT HATE
Robbie Mullen, que já foi um neonazista convicto, se desiludiu e deixou a Ação Nacional

Mullen, hoje com 25 anos, disse à BBC que foi atraído inicialmente pela “imagem” do grupo e porque seus membros tinham mais ou menos a sua idade, “enquanto a extrema-direita tradicional era formada por velhos que bebiam em pubs”.

Mullen, assim como Renshaw, que era porta-voz da Ação Nacional, se tornou uma figura proeminente no grupo, ajudando a organizar atividades no noroeste da Inglaterra.

‘Parasitas’

Renshaw parecia se deleitar com a crueldade da ideologia do grupo.

Seus perfis nas redes sociais se converteram em uma corrente vil de ódio e teorias de conspiração maliciosas, com o povo judeu sendo alvo frequente de ataques.

Mas foram dois discursos antissemitas que ele fez em nome da Ação Nacional que o levariam à ruína.

Durante uma manifestação na orla de Blackpool em março de 2016, Renshaw disse que os judeus eram “parasitas” e que a Grã-Bretanha havia escolhido o lado errado na Segunda Guerra Mundial, em vez de lutar ao lado dos nazistas que estavam implementando a “solução final”.

Em um discurso em Yorkshire um mês antes, ele dissera que Adolf Hitler estava “certo em muitos sentidos”, mas errado quando “mostrou misericórdia em relação a pessoas que não mereciam misericórdia”.

Renshaw afirmou que o povo judeu deveria ser “erradicado”.

Jack Renshaw em vídeo de propaganda da Ação Nacional
IA polícia investigou Jack Renshaw por suposto assédio sexual de menores

Ele foi preso na casa da mãe em Blackpool em janeiro de 2017, acusado de incitar ódio racial.

Seus celulares e outros itens pessoais foram apreendidos.

Mas seus discursos não eram os únicos alvos de investigação.

Renshaw, o pedófilo

Renshaw, ativista contra a exploração sexual infantil, era secretamente um pedófilo que aliciava meninos para sexo.

Por quase um ano, ele usou um perfil falso no Facebook para atrair dois garotos que tinham entre 13 e 15 anos na época.

Apesar de não conhecer os adolescentes, ele ofereceu dinheiro a eles em troca de sexo e pediu fotos íntimas. A polícia foi avisada depois que um parente viu as trocas de mensagens no telefone de um dos meninos.

Os detetives identificaram que as mensagens haviam sido enviadas do endereço de Blackpool ocupado por Jack Renshaw.

Quando foi preso pela primeira vez em janeiro, ele foi interrogado apenas sobre os discursos, antes de ser libertado sob fiança – mas as investigações continuaram.

Uma das investigadoras, Victoria Henderson, foi encarregada de manter contato com o suspeito e também participou do inquérito sobre crimes sexuais.

Em maio daquele ano, Renshaw foi preso novamente e interrogado sobre o aliciamento de menores.

Ele deve ter percebido que sua farsa estava chegando ao fim.

Mais tarde, Henderson disse que Renshaw ficou “chocado e chateado” e “visivelmente pálido, chorando muito”.

Ele negou ter assediado os meninos, apesar de as evidências terem sido encontradas em seu próprio celular.

O suspeito, que tinha um histórico de fazer declarações homofóbicas, afirmou a Henderson que ainda era virgem, não acreditava em sexo fora do casamento e que seu gosto por pornografia era “bastante tradicional” e “conservador”.

Embora tenha admitido ter buscado pornografia gay na internet “por curiosidade”, ele negou ser homossexual e disse que as relações entre pessoas do mesmo sexo eram “antinaturais”.

Dois dias após ser libertado sob fiança, Renshaw procurou por Henderson no Facebook.

Ela havia se tornado um alvo.

O que a polícia não sabia é que Renshaw já havia começado a planejar um ataque à parlamentar Rosie Cooper, o que seria um crime político. E agora tinha resolvido assassinar também Henderson, o que seria um ato de vingança pessoal.

No início daquele mês, ele havia pesquisado sobre a parlamentar na internet e feito a seguinte pergunta ao Google: “Quanto tempo leva para morrer após cortar a jugular?”

Rosie Cooper
Rosie Cooper, a parlamentar do distrito de West Lancashire que Renshaw queria matar

Em 7 de junho, ele comprou um gládio na internet – que, segundo a descrição do fabricante, oferecia “48 centímetros de um poder perfurante e cortante sem precedentes” – e pagou para ser entregue no dia seguinte.

Assim que recebeu, compartilhou uma imagem da arma com os membros do grupo usando o Telegram, aplicativo de mensagens criptografado.

Mas os planos de Renshaw foram frustrados por causa de Robbie Mullen.

Robbie Mullen

A essa altura, Mullen estava se comunicando secretamente com a Hope not Hate.

Após estabelecerem contato na primavera de 2017, Mullen contou que os membros da Ação Nacional não se separaram, apesar de o grupo ter sido banido.

Ele informou que eles continuavam a se encontrar, malhavam juntos na academia e se comunicavam via aplicativos de mensagens criptografadas.

As atividades públicas do grupo – como o site e as manifestações – haviam acabado, mas segundo ele, o núcleo permanecia.

O fascínio de longa data da Ação Nacional pelo terrorismo virou, então, parte central do seu propósito, e seus integrantes começaram a planejar uma guerra racial, conforme contou Mullen à BBC.

Depois que Renshaw revelou seus planos violentos no pub em 1º de julho de 2017, Mullen falou com seu contato, Matthew Collins, diretor de pesquisa da Hope not Hate.

Collins, que estava de férias na época, se lembra do momento em que foi informado de que Renshaw “ia matar uma parlamentar de forma iminente, imediatamente”.

Treino de boxe - (vídeo de propaganda política da Ação Nacional)
Jack Renshaw aparecia em diversos vídeos de propaganda política da Ação Nacional

Ele se lembra de ter perguntado a Mullen: “Como imediatamente?” e ele disse: “Vai acontecer em breve”. E essa história horrível e inimaginável se desenrolou.

No dia seguinte, a Hope not Hate enviou uma mensagem para Rosie Cooper alertando a parlamentar sobre o risco que corria.

Ela avisou a polícia e de repente se viu no centro de uma investigação contra o terrorismo – apenas um ano após o assassinato de sua colega Jo Cox.

Enquanto isso acontecia, Renshaw estava sendo interrogado em Lancashire – novamente por Henderson – sobre a suspeita de aliciamento de menores. Em paralelo, foi acusado de incitar o ódio racial nos dois discursos.

Ele foi libertado sob fiança, e naquela noite publicou uma série de mensagens no Facebook que indicavam seu estado de espírito.

Gládio
Os policiais encontraram o gládio no alto de um armário

“Estou passando meu tempo com a família… Tudo vai acabar em breve.”

Em outra postagem, ele escreveu: “Eu vou rir por último, mas pode não ser por muito tempo”.

Os detetives da polícia antiterrorismo tentaram às pressas localizar Renshaw, mas ele não estava no endereço que informou quando foi liberado sob fiança.

Enquanto faziam buscas na casa do tio dele, descobriram o gládio que ele havia comprado escondido no alto de um armário.

Machete
Fotos feitas pela polícia do gládio comprado por Renshaw

Renshaw acabou sendo encontrado e preso sob a acusação de fazer ameaças de morte.

No dia seguinte, ele compareceu perante um tribunal por causa da acusação de incitação ao ódio racial e a promotoria foi contra conceder fiança.

Renshaw estava, então, fora das ruas.

Robbie Mullen, por outro lado, continuou convivendo com o restante do grupo.

Nenhum deles sabia que ele tinha sido o informante que denunciou o plano de ataque.

Havia ainda a preocupação de que o próprio Mullen pudesse ser processado por ter se tornado membro da Ação Nacional.

Robbie Mullen
Robbie Mullen recebeu ameaças de morte e precisou se esconder por um tempo

A imunidade precisava ser concedida a ele, e a polícia tinha de avaliar se as provas que ele havia apresentado poderiam ser usadas em um tribunal.

No outono de 2017, seis pessoas que estavam bebendo no Friar Penketh na noite em que Renshaw revelou seu plano foram presas.

Duas delas, incluindo o líder do grupo, Christopher Lythgoe, foram condenadas por pertencerem à Ação Nacional. Um homem foi absolvido da mesma acusação. Dois júris foram incapazes de decidir se os outros suspeitos – inclusive Renshaw – haviam permanecido no grupo após o mesmo ter sido banido.

Mullen, que havia recusado participar do programa de proteção a testemunhas, recebeu ameaças de morte.

No meio da noite, a Hope not Hate levou ele às pressas até um lugar seguro – e desde então ele foi impedido de voltar para casa ou ao trabalho.

Julgamentos

Renshaw acabou enfrentando quatro julgamentos nos últimos 14 meses.

Em janeiro de 2018, em Preston Crown Court, ele foi condenado por duas acusações de incitação ao ódio racial em discursos – a pena foi de três anos de prisão.

Em junho, no mesmo tribunal, ele foi considerado culpado por quatro acusações de incitar menores à atividade sexual – o que resultou em mais 18 meses de cadeia.

O caso só pode ser relatado agora que seu julgamento final foi concluído.

No banco dos réus em Preston, ele pareceu envergonhado quando os vídeos do interrogatório da polícia com as duas vítimas, conduzido por Henderson, foram exibidos.

Jack Renshaw - (foto da rede social de Renshaw)
Os jurados não conseguiram decidir se Jack Renshaw permaneceu como membro da Ação Nacional

Aliciamento de menores

A um dos meninos, Renshaw havia pedido fotos de conteúdo sexual explícito e tentou seduzi-lo para ter relações sexuais, oferecendo dinheiro, drogas e pizza:

“Uma noite. 10 mil. Eu e você.”

“Eu temi pela minha vida”, disse o jovem a Henderson.

O outro garoto contou que Renshaw o bombardeava com mensagens diárias.

Na época do Natal, ele enviou uma imagem com alguns presentes e disse que o menino poderia tê-los em troca de fotos íntimas.

Renshaw chegou a enviar fotos impróprias dele próprio para o jovem.

Quando o adolescente chamou Renshaw de “pedófilo sujo”, ele respondeu dizendo “tinha ficado excitado”, recordou a vítima.

Durante seu terceiro julgamento – no Tribunal Central Criminal, conhecido como Old Bailey, no verão de 2018 -, Renshaw se mostrou mais aberto e sem vergonha de seus planos.

Na primeira manhã do julgamento, ele repentinamente se declarou culpado de planejar o assassinato da parlamentar Rosie Cooper e de ameaçar matar a detetive Henderson.

Mas negou ser membro do grupo Ação Nacional.

Quando foi chamado para apresentar provas, ele disse que Rosie Cooper foi escolhida como seu alvo porque “era uma parlamentar local” e “a melhor representante do Estado”.

“Eu queria mandar uma mensagem ao Estado”, disse ele ao tribunal.

Ele explicou que o plano era “aparecer em um de seus eventos sociais” e depois “cortar” sua jugular com o gládio.

Renshaw, que nega o Holocausto, afirmou perante a corte que queria que todo o povo judeu morresse e expressou suas crenças neonazistas de forma arrogante, mas na defensiva, afirmando ser imune aos horrores que tais ideias geraram.

A postura arrogante não condizia com sua verdadeira posição: um pedófilo condenado e suposto terrorista que passaria muitos anos na prisão.

Os membros do júri não conseguiram decidir, no entanto, se ele havia continuado como membro da Ação Nacional.

Mullen, que foi testemunha em ambos os casos em Londres, agora deve começar vida nova.

“Eu vivo mês a mês – não penso muito no futuro”, desabafa.

Mas ele sabe que as coisas nunca serão como antes.

Mullen consente em voz baixa quando perguntado se entende que provavelmente salvou vidas, incluindo a de uma parlamentar.

Todavia, ele ainda não tem certeza sobre o que o levou a começar a passar informações secretamente para a Hope not Hate, organização para a qual trabalha agora.

“Me perguntaram isso duas vezes no tribunal. Eu realmente não sei”, diz ele.

Ele afirma, no entanto, que diante de todos os planos violentos que ouviu precisava tomar uma atitude.

“Eu sabia que se pudesse fazer algo para detê-lo, então eu tinha de fazer.”

Ditadura,Extrema Direita,Feminismo,Racismo,Xenofobia

A extrema direita venceu

Ditadura,Extrema Direita,Feminismo,Racismo,XenofobiaEM 2016, em uma escola secundarista de uma favela de Porto Alegre, Lucia Scalco e eu nos deparamos com dezenas de meninos fãs do “mito”. Por muito tempo, só conseguíamos enxergar esse fato, que dominava nossa análise.

Isso, em grande medida, prejudicava dar a devida atenção a meninas como Maria Rita, de 17 anos, única filha mulher de um soldado bolsonarista. Ela discutia cotidianamente com seu pai e irmão e, em 2018, já havia conseguido convencer a mãe que “eles não tinham argumentos, apenas raiva de tudo”.

A antropóloga Claudia Fonseca, nos anos 1980, chamava as mulheres de periferia de “mulheres valentes”: líderes comunitárias, mães e trabalhadoras – mas não necessariamente feministas. O que nós encontramos em 2016, quando nos permitimos olhar as coisas sob lentes diferentes, foi que as filhas das valentes agora se denominavam feministas, enfrentavam o poder patriarcal com argumentos sólidos, dados e conhecimento aprofundado de política. E melhor: elas eram em maior número do que os “minions”.

Talvez o que nos esteja faltando para começar 2019 é conseguir deslocar o foco exclusivo no círculo vicioso das manchetes trágicas e no aumento do autoritarismo para valorizar as grandes conquistas que mudaram uma geração inteira, e que produzirá impactos sociais e institucionais profundos daqui a alguns anos.

O reacionarismo é também uma reação à explosão do feminismo, do antirracismo e da luta LGBTs.
A crise de 2007/2008 propiciou a explosão de uma primavera de ocupações e protestos em massa no mundo todo. Muito é dito sobre o quanto essas manifestações causaram a ascensão da extrema direita. Menos atenção tem sido dada, entretanto, ao fato de que existiram outros desdobramentos possíveis dessas manifestações. Tanto o Occupy nos Estados Unidos quanto as Jornadas de Junho de 2013, por exemplo, também foram marcos do fortalecimento de uma nova subjetividade política que busca, na ação microscópica da ação direta, o afeto radical, a imaginação e a horizontalidade.

Quem sabe invertemos as lentes de análise? O reacionarismo emergente também pode ser entendido, entre muitos outros fatores, como uma reação à explosão do feminismo, do antirracismo e da luta dos grupos LGBTs, que sempre se organizaram no Brasil, mas que, nos últimos anos, atingiram uma capilaridade inédita — e perturbadora, para muitos.

Há uma nova geração de mulheres que não tem nada a perder e a temer.
Impulsionada pelo contágio das novas mídias digitais, emergiu a quarta onda feminista no mundo todo –especialmente no Sul global (veja abaixo alguns exemplos) –, que é orgânica, emergiu de baixo para cima e cada vez mais reinventa localmente os sentidos do movimento global #metoo. A onda internacional perpassa todas as gerações, mas é entre as adolescentes que desponta seu caráter mais profundo no sentido de ruptura da estrutura social: há uma nova geração de mulheres que não tem nada a perder e a temer.

Diz o cântico das marchas feministas que a “América Latina vai ser toda feminista”. Neste ano, as universidades chilenas, por exemplo, foram ocupadas contra o assédio sexual. Na Argentina, filhas do movimento #niunamenos, as pibas (ativistas jovens) comandaram as vigílias durante a votação do aborto no Senado. Atualmente, meninas de 12, 13 anos já vão para a escola com o lenço verde, que simboliza a luta pelo aborto legal.

A cena feminista asiática está em plena ebulição. Na Coreia do Sul, as “irmãs de Seul” marcharam contra o abuso sexual e a misoginia. Na China, depois da prisão de cinco ativistas, o feminismo tem explodido em todo o país, e as jovens fazem performances criativas, como ocupar os banheiros masculinos, contra o machismo e o autoritarismo.

O mesmo ocorre em diversos países africanos. A juventude secundarista e universitária de Moçambique fundou o Movfemme, o Movimento das Jovens Feministas. Sob forte repressão, elas organizam eventos menores, como rodas de conversa em torno de uma fogueira para falar de sexualidade e direitos das mulheres.

Furando a bolha institucional
Lúcia Scalco e eu percebemos o rastro da primavera feminista de 2015 e das ocupações secundaristas de 2016 na periferia de Porto Alegre. Nós fazemos pesquisa lá há dez anos e percebemos que a intensidade e a capilaridade do feminismo entre as adolescentes era inédita. Existe toda uma nova geração de feministas, e elas foram fundamentais na contenção do crescimento de Bolsonaro no bairro em que moram. Muito antes de existir o movimento #elenão, elas já enfrentavam seus pais, irmãos e companheiros e, assim, mudavam o voto de suas mães e avós, que tradicionalmente seguiam o voto dos maridos.

O grupo Mulheres Unidas contra Bolsonaro reuniu em poucos dias 4 milhões de mulheres no Facebook e o movimento #elenão foi a explosão disso tudo, constituindo-se também um grande momento de politização de mulheres. O backlash (contra-ataque) não veio apenas dos bolsonaristas, mas também de alguns intelectuais de esquerda que, direta ou indiretamente, responsabilizaram as mulheres pelo crescimento de Bolsonaro na última semana no primeiro turno, desprezando as muitas variáveis políticas que levaram àquele cenário – argumento já refutado em artigo acadêmico de Daniela Mussi e Alvaro Bianchi.

Essa onda feminista relativamente espontânea já começa a furar e renovar a bolha institucional, elegendo mulheres no Brasil e nos Estados Unidos.

Enquanto a direita tradicional derreteu nessas eleições, e o PSL cresceu de forma fenomenal na extrema direita, o PSOL também elegeu Aurea Carolina, Sâmia Bomfim, Fernanda Melchionna, Talíria Petrone como deputadas federais; e a Rede elegeu Joênia Wapichana, a primeira indígena eleita no país. Além, é claro, das vitórias da Bancada Ativista, de Monica Francisco, Erica Malunguinho, Luciana Genro, entre outras, em nível estadual.

Primeiros frutos das sementes de Marielle Franco, essas mulheres jovens possuem com forte vínculo com o ativismo e com a realidade popular. Essa nova bancada feminista não procurou surfar na onda de Junho de 2013 ou da Primavera Feminista de 2015 simplesmente – elas vêm organicamente das ruas e das lutas.

Nos Estados Unidos, as eleições do chamado “midterm” surpreendeu e derrotou Trump no Congresso, tendo significativo número de recorde de mulheres eleitas, como as democratas Rashida Tlaib e Iham Omar (as primeiras islâmicas da eleitas), Deb Haaland e Sharice Davids (as primeiras indígenas eleitas), Ayanna Pressley (a primeira negra eleita por Massachussets) e Alexandria Ocasio-Cortez, a mais jovem deputada já eleita.

Não basta apenas ocupar a política como também mudar o jeito de fazê-la.
Ocasio-Cortez tem sido um caso exemplar da renovação política. Mulher, mãe e latina do Bronx, ela encarna as lutas das minorias ao mesmo tempo em que resgata uma linguagem dos laços de amor da família e comunidade. Ela também produz um discurso mais universalista que dialoga diretamente com os anseios da classe trabalhadora constantemente usurpada: emprego, segurança, sistema de saúde e educação. Em suma, ao falar do amor e das dificuldades da vida cotidiana, ela atinge temas básicos que tocam no âmago dos anseios populares – temas que, apesar de básicos, têm sido deixados de lado pela grande narrativa da esquerda brasileira.

As diferenças de contexto norte-americano e brasileiro são enormes, evidentemente. Mas, em comum, essas mulheres encarnam um radicalismo necessário, conectado a uma ética e estética do século 21. Fazendo forte uso das redes sociais, por meio de stories do Instagram, essas mulheres transformam a política outrora hostil, inacessível e corrupta em algo atraente, palpável e transparente. São mulheres de carne e osso que fazem política olho no olho não apenas em época de eleição. Afinal, não basta apenas ocupar a política como também mudar o jeito de fazê-la.

Podemos, então, dizer que a configuração política de hoje extrapola as análises convencionais da polarização entre esquerda e direita, mas aponta para a existência de dupla divisão de ideologia e posicionalidade, ou seja, de um lado situa-se o tipo ideal do homem branco de direita e, de outro lado, a mulher negra/lésbica/trans/pobre.

Quando o desespero bater sob o governo autoritário e misógino de Jair Bolsonaro, é importante olhar adiante e lembrar que muita energia está vindo de baixo, a qual, aos poucos, vai atingir os andares de cima. É uma questão de tempo: as adolescentes feministas irão crescer, e o mundo institucional terá que mudar para recebê-las.

Nossas conquistas em nível global são extraordinárias, mas muitos não irão te contar isso. A onda feminista dará força para resistir. Tenho confiança que muitas e renovadas versões do #elenão serão reeditadas, e miram não apenas derrubar os projetos de Bolsonaro, mas principalmente servir de espaço para a politização de mulheres. Mesmo derrotadas, somos vencedoras.
Rosana Pinheiro-Machado/TheIntercept

USA,Bush

O legado sinistro de George H. W. Bush: crimes de guerra, racismo e obstrução da Justiça

USA,Bush

O presidente George H.W. Bush discursa em rede nacional no Salão Oval, no dia 16 de janeiro de 1991, depois da deflagração da Operação Tempestade no Deserto contra o Iraque.
Foto: Charles Tasnadi/AP

AS HOMENAGENS AO ex-presidente americano George H. W. Bush, que faleceu na última sexta-feira aos 94 anos, têm vindo de todos os lados do espectro político. Ele era um homem “de elevadíssimo caráter”, disse seu filho mais velho e também ex-presidente, George W. Bush. “Ele amava a sua pátria, tendo servido com caráter, elegância e integridade”, tuitou Preet Bharara, ex-promotor público e símbolo do #Resistance, um movimento de oposição a Donald Trump. Segundo outro ex-presidente, Barack Obama, a vida de Bush foi “uma prova de que o serviço público é uma vocação nobre e gratificante. E ele fez um bem tremendo ao longo do caminho”. Tim Cook, presidente-executivo da Apple, sentenciou: “Perdemos um grande americano.”

Em plena era Trump, não é difícil para seus biógrafos pintar Bush pai como um grande patriota e pragmático – um presidente que teria governado com “elegância” e “integridade”. É verdade que o ex-presidente se recusou a votar em Trump em 2016, chamando-o de “fanfarrão”, e manteve distância da chamada alt-right (nova direita branca e nacionalista dos EUA) e da política de complôs que se tornou a marca do Partido Republicano atual. Bush ajudou a pôr fim à Guerra Fria “sem disparar um tiro”, nas palavras de Obama. Ele passou a vida servindo seu país – no exército, no Congresso, na ONU, na CIA e na Casa Branca – e, segundo consta, também foi um avô e bisavô amado por 17 netos e 8 bisnetos.

Entretanto, Bush era uma figura pública – um entre apenas 44 homens que já foram presidentes dos Estados Unidos. Não podemos, portanto, aceitar o embelezamento descarado de sua passagem pela Casa Branca. “Quando um líder político morre, permitir que ele seja apenas elogiado, e nunca criticado, é uma grande irresponsabilidade”, argumenta meu colega Glenn Greenwald, porque isso leva à construção de “uma história falsa” e ao “acobertamento propagandista dos erros cometidos”. A verdade inconveniente é que a presidência de George Herbert Walker Bush tinha muito mais em comum com a direita republicana belicosa e corrupta que o sucedeu – seu filho George W. Bush e o atual mandatário de cara laranja – do que uma parte das classes política e jornalística faz parecer.

Vejamos:

Ele fez uma campanha racista para a presidência. O nome “Willie Horton” deveria estar indelevelmente associado à eleição de Bush para a Casa Branca em 1988. Horton, que cumpria uma pena de prisão perpétua por assassinato em Massachusetts – estado governado pelo adversário democrata de Bush, Michael Dukakis –, aproveitara-se de um indulto de fim de semana para fugir e estuprar uma mulher em Maryland. O famoso anúncio de TV intitulado Weekend Passes (“Indultos de Fim de Semana”, em tradução livre), produzido por um comitê de ação política ligado à campanha de Bush, deixava claro ao telespectador que Horton era negro, e sua vítima, branca.

Lee Atwater, o diretor de campanha de Bush na época, gabou-se: “Quando terminarmos, vai ter gente achando até que Willie Horton é da chapa de Dukakis.” O próprio Bush logo classificou as acusações de racismo de “absolutamente ridículas”, mas era óbvio na época – mesmo para republicanos de direita, como Roger Stone, atual aliado de Trump – que o anúncio havia passado dos limites. “Esse caso vai seguir você e George Bush até a cova”, reclamou Stone com Atwater. “É um anúncio racista. (…) Vocês vão se arrepender”, avisou.

Stone tinha razão quanto a Atwater, que, em seu leito de morte, pediu perdão por ter usado Horton contra Dukakis. Mas Bush nunca se desculpou.

Ele usou argumentos desonestos para ir à guerra. Treze anos antes de que George W. Bush mentisse sobre as armas de destruição em massa iraquianas para justificar a invasão e ocupação do país, seu pai já havia dado declarações falsas para poder bombardear o Iraque. A primeira Guerra do Golfo, como concluiu uma investigação do jornalista Joshua Holland, “foi baseada em uma montanha de propaganda”.

Para começar, Bush disse aos americanos que o Iraque havia invadido o Kuwait “sem provocação ou aviso”. Mas ele esqueceu de mencionar que a embaixadora americana no Iraque, havia praticamente dado sinal verde a Saddam Hussein, dizendo a ele, em julho de 1990, uma semana antes da invasão do Kuwait: “Não temos opinião sobre conflitos entre árabes, como a sua disputa de fronteiras com o Kuwait.”

Depois veio a falsificação de informações de inteligência. Bush enviou tropas americanas para o Golfo em agosto de 1990 sob o pretexto de “prestar assistência ao governo da Arábia Saudita na defesa de seu território”. Mas, como escreveu Scott Peterson no Christian Science Monitor, em 2002: “Com base em supostas imagens de satélite confidenciais, funcionários do Pentágono estimaram (…) em 250 mil o número de soldados e em 1.500 o número de tanques na fronteira, ameaçando o maior fornecedor de petróleo dos EUA.”

Porém, a repórter do St. Petersburg Times Jean Heller obteve acesso a imagens de satélite da fronteira saudita disponibilizadas comercialmente, e elas mostraram apenas o deserto vazio, sem nenhum sinal das tropas iraquianas. “Era uma mentira gravíssima”, disse Heller a Peterson. “Aquilo [a mobilização iraquiana] era a justificativa de Bush para o envio de tropas à região, mas simplesmente não era verdade”, acrescentou.

USA,BushO presidente George H. W. Bush conversa com o secretário de Estado, James Baker III, e o secretário de Defesa, Dick Cheney, durante uma reunião de gabinete na Casa Branca sobre a Guerra do Golfo, no dia 17 de janeiro de 1991. O presidente George H. W. Bush conversa com o secretário de Estado, James Baker III, e o secretário de Defesa, Dick Cheney, durante uma reunião de gabinete na Casa Branca sobre a Guerra do Golfo, no dia 17 de janeiro de 1991. Foto: Ron Edmonds/AP

Ele cometeu crimes de guerra. No governo de Bush pai, os EUA jogaram nada menos do que 88.500 toneladas de bombas no Iraque e nos territórios ocupados do Kuwait, muitas das quais causaram terríveis perdas civis. Em fevereiro de 1991, por exemplo, um bombardeio americano contra um abrigo antiaéreo no bairro de Amiriyah, em Bagdá, matou pelo menos 408 civis iraquianos. Segundo um relatório da Human Rights Watch, o Pentágono sabia que o alvo havia sido usado como abrigo para civis durante a guerra Irã-Iraque, mas, mesmo assim, atacou sem avisar. “Uma grave violação das leis da guerra”, conclui o documento.

As bombas americanas também destruíram infraestruturas civis essenciais para o Iraque, de usinas elétricas e estações de tratamento de água a fábricas de alimentos e moinhos. Isso não foi acidental. Barton Gellman, em artigo publicado no Washington Post em junho de 1991, escreveu: “Alguns alvos, principalmente na reta final da guerra, foram bombardeados para aumentar o poder de barganha contra o Iraque depois da guerra, e não para influenciar o conflito em si. Estrategistas agora dizem que o objetivo era destruir ou danificar instalações importantes que só poderiam ser reparadas com ajuda internacional. (…) Por causa disso, muitos dos danos causados a estruturas e interesses civis, invariavelmente classificados como ‘colaterais’ e ‘involuntários’ nos relatórios, não eram nem uma coisa, nem outra.”

Entenderam? O governo Bush atacou alvos civis para poder “barganhar” com Saddam Hussein. Como não chamar isso de terrorismo? Uma equipe de especialistas em saúde pública de Harvard concluiu, em junho de 1991, menos de quatro meses depois do fim da guerra, que a destruição da infraestrutura iraquiana havia causado desnutrição e níveis “epidêmicos” de cólera e febre tifoide na população do país.

Em janeiro de 1992, Beth Osborne Daponte, demógrafa do Departamento do Censo dos Estados Unidos, estimava em 158 mil o número de baixas iraquianas na Guerra do Golfo, incluindo 13 mil civis mortos imediatamente e 70 mil devido aos estragos sofridos pelas usinas de energia e estações de tratamento de água. Os números de Daponte contradiziam as estimativas oficiais do governo, e ela foi ameaçada de demissão por difundir “informações falsas”. (Soa familiar?)

Ele se recusou a colaborar com a Justiça. O caso Irã-Contras, no qual os EUA venderam mísseis em troca da libertação de reféns americanos no Irã e, com o dinheiro da venda, financiaram rebeldes na Nicarágua, foi uma grande mancha no mandato de Ronald Reagan. Apesar disso, pouco se falou do envolvimento do então vice-presidente no escândalo. “Infelizmente, o inquérito criminal contra Bush foi incompleto”, escreveu no relatório final do caso Irã-Contras, em agosto de 1993, o promotor independente Lawrence Walsh, que havia sido vice-procurador-geral do governo Eisenhower.

Por quê? Porque Bush – que “tinha total conhecimento da venda de armas ao Irã”, segundo o promotor independente – não entregou à Justiça um diário “contendo anotações contemporâneas relevantes para o caso” e se recusou a depor nas últimas fases da investigação. Em seus últimos dias como presidente, Bush concedeu o perdão presidencial a seis condenados no caso Irã-Contras. Um deles era o ex-secretário de Defesa Caspar Weinberger, que foi perdoado na véspera de seu julgamento por falso testemunho e obstrução da Justiça. “Foi a primeira vez em que um réu obteve um perdão presidencial em um julgamento no qual o próprio presidente poderia ser chamado para depor, pois Bush tinha conhecimento de fatos inerentes ao caso”, enfatizou Walsh. Irritado, o promotor acusou Bush de “desvio de conduta” e de ter ajudado a “acobertar o caso Irã-Contras”.

Parece um caso trumpiano de obstrução da Justiça, não parece?

Um oficial de justiça, à esquerda, mostra uma foto de um suspeito a um homem que, segundo a polícia, fora encontrado usando drogas em um ponto de venda de entorpecentes em Washington, D.C., no dia 18 de julho de 1989. A operação fazia parte da “guerra às drogas” do então presidente dos EUA, George H. W. Bush. Um oficial de justiça, à esquerda, mostra uma foto de um suspeito a um homem que, segundo a polícia, fora encontrado usando drogas em um ponto de venda de entorpecentes em Washington, D.C., no dia 18 de julho de 1989. A operação fazia parte da “guerra às drogas” do então presidente dos EUA, George H. W. Bush. Foto: J. Scott Applewhite/AP
Ele intensificou a guerra racista contra as drogas. Em setembro de 1989, no Salão Oval, em um discurso televisionado para toda a nação, Bush segurava um pacote de crack, que, segundo ele, havia sido “apreendido dias antes em um parque em frente à Casa Branca. (…) Poderia muito bem ter sido um pacote de heroína ou PCP”.

Naquele mesmo mês, contudo, uma investigação do Washington Post revelou que policiais federais haviam “atraído” um traficante para Parque Lafayette para “uma falsa compra de crack em um parque mais conhecido por estar situado em frente à Casa Branca do que pelo tráfico de drogas”. O traficante não sabia onde ficava a Casa Branca e chegou a perguntar o caminho aos policiais. Ardilosamente, Bush usou o pacote de crack como um acessório de cena para pedir um aumento de 1,5 bilhões de dólares no orçamento da guerra às drogas, proclamando: “Precisamos de mais presídios, mais cadeias, mais tribunais, mais promotores.”

O resultado? “Milhões de americanos foram encarcerados, centenas de bilhões de dólares foram desperdiçados e permitiu-se que centenas de milhares de seres humanos morressem de aids – tudo em nome de uma ‘guerra às drogas’ que não fez nada para reduzir o uso de entorpecentes”, afirmou Ethan Nadelmann, fundador da Drug Policy Alliance, em 2014. Para ele, Bush “colocou a ideologia e a política acima da ciência e da saúde”. Hoje em dia, até mesmo líderes republicanos como Chris Christie e Rand Paul reconhecem que a guerra às drogas, intensificada por Bush pai durante seus quatro anos na Casa Branca, foi um fracasso deplorável e racista.

Ele assediava mulheres. Desde o início do movimento #MeToo, no fim de 2017, pelo menos oito mulheres afirmaram ter sido bolinadas pelo ex-presidente – enquanto posavam para fotos com ele, na maioria dos casos. Uma delas, Roslyn Corrigan, disse à revista Time que Bush a havia apalpado em 2003, quando ela tinha apenas 16 anos. “Eu era uma criança”, contou. O ex-presidente tinha 79. O porta-voz de Bush defendeu seu chefe em outubro de 2017 da seguinte forma: “O presidente Bush está com 93 anos, cinco deles em uma cadeira de rodas, então o braço dele fica abaixo da cintura das pessoas com quem tira fotos.” Mas, como observou a reportagem da Time, “Bush estava em pé quando conheceu Corrigan em 2003”.

Os fatos são importantes. O 41º presidente dos EUA não foi o último republicano moderado nem o representante de uma era imaginária de decência e urbanidade conservadoras. Ele usou o racismo para se promover, obstruiu a Justiça e cometeu crimes de guerra. Ele tinha muito mais em comum com os dois presidentes republicanos que o sucederam do que seus fãs de última hora querem nos fazer crer.

Tradução: Bernardo Tonasse

FBI: Crimes de ódio nos EUA crescem e atingem principalmente negros e judeus

Comportamento,Racismo,Negros,Judeus,AméricaDireito de imagemGETTY IMAGES
Image caption

No mês passado, 11 pessoas foram mortas no ataque mais letal contra judeus na história dos EUA
O número de casos classificados pelo FBI como crimes de ódio nos Estados Unidos cresceram 17% em 2017, na comparação com 2016. De acordo com os dados da polícia federal americana, é o terceiro ano consecutivo em que há aumento neste tipo de incidente, definido por ser motivado por preconceito.

Órgãos oficiais registraram 7.175 crimes de ódio no ano passado, contra 6.121 em 2016. O aumento destes crimes é atribuído em parte à adição de cerca de mil departamentos de polícia que passaram a registrar esses incidentes.

Por que este professor americano sustenta que é mito o discurso de que armas são eficazes para defesa pessoal.

O relatório constatou que o crescimento de casos afetou especialmente negros e judeus.

Dos ataques registrados em 2017, aqueles motivados por questões raciais (um total de 4.131) concentram-se em incidentes envolvendo vítimas negras (2.013).

Comportamento,Racismo,Negros,Judeus,América

O procurador-geral interino dos EUA, Matthew Whitaker, caracterizou o relatório como um “apelo à ação” e condenou os crimes como “violações desprezíveis de nossos valores centrais como americanos”.Comportamento,Racismo,Negros,Judeus,América

O que mais o relatório mostra?
Segundo o relatório, 59,6% dos incidentes foram motivados por preconceito contra raça, etnia ou ascendência.

Crimes de ódio religioso constituíram 20,6% dos ataques; aqueles contra orientação sexual representaram 15,8%.

O FBI define crimes de ódio como uma “ofensa criminal contra uma pessoa ou propriedade motivada, no todo ou em parte, por um preconceito contra uma raça, religião, deficiência, orientação sexual, etnia, gênero ou identidade de gênero”.

Os dados de 2017 apontam que 5 mil ataques registrados foram feitos por meio de intimidação ou agressão.

Cerca de 3 mil tinham como alvo propriedades, o que inclui vandalismo e roubo.

Crimes de ódio contra judeus tiveram um aumento de 37% em relação a 2016.

A publicação vem um mês depois que 11 judeus foram mortos por um atirador que invadiu uma sinagoga em Pittsburgh, fazendo deste o ataque mais mortífero contra judeus na história dos EUA. O suspeito foi acusado de dezenas de crimes de ódio.

Crimes contra afroamericanos tiveram um aumento de 16%.

Comportamento,Racismo,Negros,Judeus,AméricaDireito de imagemGETTY IMAGES
Image caption

Cartaz em protesto nos EUA pede união de pessoas com origens étnicas diferentes na defesa dos direitos humanos

Como foram as reações aos dados?
Defensores dos direitos civis dizem que os números são subestimados, já que muitas vítimas optam por não apresentar denúncias; além disso, estas organizações apontam que muitas corporações não mantêm estatísticas precisas ou confiáveis.

Jonathan Greenblatt, da Liga Judaica Antidifamação, disse que o relatório “acrescenta evidências de que mais deve ser feito para enfrentar o clima divisivo do ódio na América.”

“Isso começa com líderes de todas as esferas da vida e de todos os setores da sociedade condenando vigorosamente o antissemitismo, o fanatismo e o ódio sempre que ele ocorre”.

A Associação Nacional para o Progresso das Pessoas de Cor (NAACP, na sigla em inglês) classificou os dados como “estarrecedores” e apontou que eles deveriam exigir “atenção total do Congresso”.

Racismo em Harvard?

Governo dos EUA diz ver racismo em seleção de alunos asiáticos em Harvard

Reprodução
Alunos acusam entidade de racismo no momento de seleção (Wikicommons/Reprodução)

Departamento de Justiça norte-americano concorda que alunos sofreram discriminação racial em processos de admissão da universidade. 

 

Justiça dos Estados Unidos apresentou nesta quinta-feira (30/08) uma declaração em que diz ver discriminação racial de estudantes asiáticos em processos de admissão da Universidade de Harvard. O texto cita uma ação movida pelos alunos. 

De acordo com o documento, a instituição de ensino “não conseguiu demonstrar que não discrimina ilegalmente os americanos asiáticos”. O processo, apresentado por estudantes e organizações de origem asiática sediadas no país, argumenta que a administração da entidade agiu intencionalmente com distinção racial, fato que viola a da Lei de Direitos Civis de 1964. 

O Procurador Geral dos EUA, Jeff Sessions, disse que “nenhum norte-americano deve ter a admissão negada por sua raça”. Ainda, a Suprema Corte diz que “permite faculdades e universidades considerem a raça nas decisões de admissão, mas afirma que isso deve ser feito de maneira restrita para promover a diversidade e deve ser limitado no tempo”. 

No texto, o órgão também acusa Harvard de adotar avaliações subjetivas no momento de avaliação de candidatos, alegando que há uma “avaliação pessoal” em que se leva em conta se o aluno é uma “boa pessoa” e suas “qualidades humanas”. Em resposta, a universidade admite que, em média, classifica candidatos asiáticos abaixo nesta categoria em comparação a concorrentes de outras origens.

O texto do Departamento de Justiça também fala em “evidências substanciais” que demonstram que comitês acadêmicos oficiais “monitoram e manipulam a composição racial das classes que entram” e classifica o fato como inconstitucional e “equilíbrio racial”. 

Histórico de acusações 

O início das acusações no caso de racismo contra Harvard começou em 2014, quando organizações sem fins lucrativos apresentaram denúncias de discriminação ao Tribunal Federal de Boston. Desde então, a “avaliação pessoal” é o tema que mais ganha atenção por parte do Departamento de Justiça. 

A categoria, afirmou o órgão desde então, reforça o estereótipo racial e é ilegal, já que prejudica alunos no acesso a programas de ensino do país.
ÓperaMundi 

Conheça dez mulheres negras que fizeram história na América Latina e no Caribe

Em 25 de julho de 1992, Santo Domingo, capital da República Dominicana

acontecia o primeiro Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-Caribenhas, criado em decorrência das dificuldades de mulheres negras se verem representadas no movimento feminista e no movimento negro.

Opera Mundi reuniu a história de dez mulheres negras que marcaram a história da América Latina e no Caribe (Reprodução)

Além das discussões sobre o machismo e o racismo, o Encontro se tornou um marco ao instituir o dia 25 de julho como Dia Internacional da Mulher Negra Latino-americana e Caribenha. A oficialização da data, reconhecida pela ONU ainda em 1992, busca dar visibilidade à história e às lutas de mulheres negras da região e pressionar o poder público para combater os problemas que atingem o grupo.

Embora as discussões sobre o machismo e o racismo ganhem cada vez mais espaço na sociedade brasileira, os desafios enfrentados por mulheres e negros no país continuam – em especial, para as mulheres negras.

Segundo o Atlas da Violência de 2018, o número de homicídios de negros cresceu 23%, enquanto o de brancos caiu 6,8%. Entre 2006 e 2016, essa mesma taxa cresceu 15,4% para cada 100 mil mulheres negras e diminuiu 8% para as não-negras. 

A desigualdade também se encontra em outras áreas como a educação. O percentual de mulheres brancas com ensino superior completo (23,5%) é 2,3 vezes maior do que o de mulheres pretas ou pardas (10,4%), segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) de 2016.

Opera Mundi reuniu a história de dez mulheres negras que marcaram a história da América Latina e no Caribe – algumas das quais ainda há escassez de informações e divulgação.

1) Tereza de Benguela (Brasil)

Nascida no século XVIII, liderou o Quilombo Quariterê, nas proximidades de Vila Bela da Santíssima Trindade, primeira capital de Mato Grosso. Conhecida como “Rainha Tereza”, ela chefiou a comunidade formada por cerca de cem pessoas, entre negros e indígenas, entre 1750 e 1770.

Responsável pela estrutura administrativa, econômica e política da comunidade, a líder quilombola promoveu o crescimento militar e econômico do grupo após a morte de seu companheiro, José Piolho, morto por bandeirantes. Ainda hoje há divergências sobre a morte de Tereza Benguela – alguns historiadores falam que ela foi morta por soldados do governo local e outros defendem que ela se suicidou por rejeitar viver sob a escravidão. Em 2 de Junho de 2014, a lei nº 12.987 instituiu o dia 25 de julho no Brasil como o Dia Nacional de Tereza de Benguela e da Mulher Negra.

2) María Remedios del Valle (Argentina)

Nascida em 1776, foi militar combatente na Guerra da Independência da Argentina. Considerada a “mãe da Pátria”, foi capitã em distintas batalhas históricas no exército do General Manuel Belgrano (considerado o “pai da Pátria”). Sua atuação se inicia em 20 de junho de 1810, com a primeira expedição militar que saiu da capital Buenos Aires rumo às províncias interiores do país. Esteve presente nas vitórias nas províncias de Tucumán (em 1812) e Salta (em 1813), no Norte do país. Nas derrotas das Batalhas de Vilcapugio e Ayohuma, María Remedios foi ferida por tiros, presa e submetida a nove dias de açoites públicos. Escapou da prisão e ajudou os outros combatentes de sua tropa. Após a Independência do país, permaneceu sem assistência e sem amparo. Em 1826, exigiu uma pensão do governo argentino pelos serviços prestados, o que foi primeiramente negado pelo Ministério da Justiça e depois aceito, em 1827, pelo Congresso argentino. Em 1829, deputados lhe outorgaram o título de Sargento Maior de Cavalaria. Sobre os últimos anos de sua vida, sabe-se pouco. Faleceu em 8 de novembro de 1847. Em memória à sua morte, estabeleceu-se em 2013 o dia 8 de novembro como “Dia dos Afroargentinos”.

3) Virginia Brindis de Salas (Uruguai)

Virginia Brindis de Salas (pseudônimo de Iris Virginia Salas), foi ativista, escritora e a primeira mulher negra a publicar uma coletânea de poemas na América do Sul (“Pregón de Marimorena, em 1946 e depois “Cem Cárceres do Amor”, em 1949). Nascida em Montevidéu em 1908, é considerada a principal poeta afrouruguaia.

Sua obra trata da cultura e dos costumes da população negra e denuncia o racismo no país. Virginia foi uma das principais integrantes do Círculo de Intelectuais, Artistas, Jornalistas e Escritores Negros do Uruguai (Ciapen, em espanhol), associação que buscava valorizar a cultura afro-uruguaia. Também escreveu para a revista Nossa Raça, uma das principais articuladoras do pensamento negro do país, entre 1939 e 1948, no segundo período da revista. A poeta morreu em 1958, e o governo uruguaio lhe concedeu o título de “Personalidade Afrouruguaia” em 2012.

4) Sara Gomez (Cuba)

Sara Gomez foi a primeira mulher a dirigir um longa-metragem em Cuba (“De Cierta Manera”, de 1974). Antes de se tornar diretora, atuou como jornalista, pesquisou sobre literatura e etnografia afrocubana e estudou música durante seis anos no Conservatório de Havana. Integrou o Instituto Cubano de Arte e Indústria Cinematográficos (ICAIC) – criado logo após a Revolução. 

Diretora de inúmeros curtas, sua obra é focada na cultura negra do país e nas questões vividas por homens e especialmente mulheres negras em um país pós-revolução. “De Cierta Manera”, sua única obra ficcional e de longa duração, retrata a vida cotidiana de pessoas do bairro Miraflores, no subúrbio da capital Havana. A diretora morreu em 1974, devido a um ataque de asma, mas o filme foi concluído em 1977 por três colegas diretores do ICAIC.

5) Amy Ashwood Garvey (Jamaica)

Nascida em 1897 em Port Antonio, na Jamaica, foi dramaturga e ativista pan-africanista – movimento político, cultural e intelectual que defendia a unificação de interesses comuns entre descendentes de africanos. Em 1914, foi uma das fundadoras da Associação Universal para Desenvolvimento Negro (UNIA, em inglês), influente organização anticolonial jamaicana que atuava contra o racismo.

Durante sua vida, Amy transitou entre países do Caribe (presidiu a formação da Aliança das Mulheres de Barbados) e da África (morou na Libéria por três anos, onde atuou pelo direito das mulheres do país), além de EUA e Inglaterra (onde fundou o Centro de Mulheres Negras de Londres, a Associação para Desenvolvimento do Povo Negro e o jornal Mundo Negro, além de integrar a Agência Internacional de Serviços Africanos). Morreu em 1969 na capital Kingston e até hoje é considerada um dos maiores nomes do movimento pan-africanista.

6) María Elena Moyano (Peru)

Nascida em 1958, María Elena Moyano foi ativista e dirigente social. Atuou contra a pobreza e pelos direitos das mulheres no Peru e foi opositora do Sendero Luminoso, grupo guerrilheiro com inspiração maoísta surgido no país nos anos 60. Conhecida como “Mãe Coragem”, Moyano participou de diferentes organizações de mulheres e, em 1983, presidiu a Federação Popular de Mulheres da Villa El Salvador (FEPOMUVES), distrito popular da província de Lima.

Em 1989, foi eleita vice-prefeita desta província. No final da década de 1980, o Sendero Luminoso começou a intensificar a perseguição a mulheres ativistas, sendo três delas mortas. Em 1992, Moyano foi assassinada aos 33 anos de idade. Além de ser baleada, teve o corpo dinamitado. Em 2017, o governo peruano outorgou uma condecoração póstuma a Moyano, no aniversário de 25 anos de sua morte.

7) Argelia Laya (Venezuela)

Nascida em 10 de julho de 1926, Argelia Laya foi educadora e atuou pelo direito das mulheres no país. Liderou o sindicato de professores nos anos 1950, integrou o Partido Comunista da Venezuela, dirigiu as Forças Armadas de Liberação Nacional (FALN) e esteve na guerrilha venezuelana nos anos 60 sob o nome de “Comandante Jacinta”.

Após romper com os guerrilheiros, ajudou a fundar o Movimento pelo Socialismo (MAS), em 1971, partido que presidiu posteriormente e pelo qual se tornou parlamentar pelo estado de Miranda, no norte do país. Foi a primeira mulher e primeira afrodescendente a liderar um grande partido político na Venezuela. Morreu em 27 de novembro de 1997.

8) Sanité Bélair (Suzanne Bélair – Haiti)

Nascida livre em 1781, Suzanne Bélair é considerada uma das heroínas da Revolução Haitiana (1791 – 1804). Apelidada por amigos de “Sanité”, Bélair foi sargenta e depois tenente das tropas de Toussaint Louverture, um dos maiores líderes negros da revolução que pôs fim ao regime escravista no Haiti. Participou dos combates de 1802, na cadeia montanhosa Matheux, no centro do país, contra a expedição napoleônica composta por mais de 20 mil homens enviada para reestabelecer a escravidão na colônia.

Capturada com seu marido, General Charles Bélair, Sanité não aceita ser decapitada – pena destinada às mulheres – e exige ser morta como os outros combatentes. É fuzilada em 5 de outubro de 1802. Sanité Bélair foi a única mulher na série comemorativa “Bicentenário do Haiti”, em 2004, que estampou fotos de figuras históricas do país nas cédulas do gourde, a moeda haitiana.

9) Martina Carrillo (Equador)

Martina Carrillo foi uma das líderes das revoltas de negros escravizados no Vale do rio Chota e do rio Mira, território marcado pelas comunidades afrodescendentes no Norte do Equador. Carrillo trabalhava na Fazenda Concepción, de onde fugiu com outros cinco escravizados, em 1778, e foi até Quito para denunciar abusos e maus tratos do administrador da fazenda, tais como quantidade insuficiente de comida, castigos físicos rigorosos e injustificados. O grupo conseguiu uma audiência com José Diguja, presidente da Real Audiência de Quito (unidade administrativa do Império espanhol). As reivindicações foram atendidas, mas, antes disso, Martina Carillo recebeu 300 chicotadas quando voltou para a fazenda. Ainda hoje, há poucas informações sobre sua biografia.

10) Solitude (Guadalupe)

Nascida cerca de 1772, Solitude foi uma das líderes da resistência ao regime escravista na ilha de Guadalupe. Nascida escravizada, torna-se liberta em 1794, na primeira abolição da escravidão nas colônias francesas. A partir de então, passou a integrar uma comunidade maroon – africanos escravizados que conseguiam escapar dos captores espanhóis e formavam grupos autônomos. Em 1801, Napoleão decide reestabelecer a escravidão e envia batalhões para as colônias francesas no Caribe. Grávida de alguns meses, Solitude integra as tropas que se opõem ao reestabelecimento do francês Jean-Baptiste de Lacrosse como Capitão-General de Guadalupe. Após dezoito dias de combate desigual (4.000 soldados franceses contra mil soldados apoiadores dos rebeldes), Solitude é presa em 23 de maio de 1802 e condenada à morte. Foi enforcada em 29 de novembro de 1802, um dia depois do nascimento do filho.
Ale Alves

Pobre e negra: de faxineira a juíza

De faxineira a juíza, a história de uma mulher pobre e negra no BrasilA juíza Adriana Queiroz.

Adriana Queiroz pagou parte dos seus estudos como limpadora de um hospital e escreveu um livro.

A luz do quarto de Adriana Queiroz estava sempre acessa nas madrugadas. Ela trabalhava durante o dia, estudava às noites e rezava para que quem apenas a via como uma mulher negra, pobre e filha de analfabetos não quebrasse seu sonho. Adriana não queria ser o que os outros esperavam dela, ela queria ser juíza em um país onde a taxa de analfabetismo das mulheres negras (14%) mais que duplica a das brancas (5,8%), segundo o IBGE.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Adriana, com 38 anos, é hoje titular da 1ª Vara Cível e da Vara de Infância e da Juventude de Quirinópolis, em Goiás. Tem cinco pós-graduações, estuda Letras nas horas vagas, mas já foi faxineira. Ela teve que se esforçar muito mais que a maioria dos seus colegas de aula para vestir a toga. E conseguiu. Hoje conta suas conquistas em um livro que acabou de lançar, Dez passos para alcançar seus sonhos – A história real da ex-faxineira que se tornou juíza de direito.

Os pais de Adriana eram trabalhadores rurais no sertão da Bahia e se mudaram para Tupã, um município de 63.000 habitantes no interior de São Paulo, em busca de uma vida melhor. O orçamento familiar aumentou, o pai virou motorista de ônibus e a mãe vendedora ambulante, mas pagar uma faculdade era ainda um sonho de outra classe social. “A vida deles sempre foi muita dura. Meus pais sofreram muito, eles queriam me dar o que eles não alcançaram, mas não tinham condições. Ninguém na minha família tinha condições de me ajudar”, lembra a juíza em uma conversa por Skype.

A magistrada, que sempre estudou em escola pública, foi a terceira classificada no vestibular para cursar direito, mas a única faculdade de sua cidade era privada. Não tinha como pagar, muito menos como cogitar uma universidade pública em outra cidade. “Eu soube do resultado da prova numa sexta e, na segunda, já tinha que fazer a matricula ou perdia a vaga. Tive três dias para decidir o que fazer, ver se teria que abandonar”.

Ela resolveu, em seguida, pedir conselho e emprego a um professor da cidade. Ele, que trabalhava no corpo administrativo da Santa Casa, conseguiu uma vaga para ela na instituição. De faxineira. Adriana se orgulha daqueles seis meses que limpou o hospital, mas o salário mínimo que recebia não era suficiente para pagar a mensalidade da universidade e ainda ouvia chacota dos colegas. “Força nos braços, advogadinha!”, lhe gritavam. “Esse episódio é muito marcante para mim, justamente por esse preconceito de que alguém que exerce um cargo como eu exercia não possa sonhar alto”.

Faltavam horas para o prazo da matrícula expirar quando Adriana plantou-se na frente do diretor da faculdade. Compartilhou seu sonho de estudar. “Ele se sensibilizou e me concedeu uma bolsa de 50% e diluiu o valor da matrícula nas mensalidades. Assim, durante o dia trabalhava na limpeza e à noite ia estudar”.

Para espanto dos seus conhecidos e familiares, durante a faculdade, Adriana resolveu ser juíza. “Quando anunciei isso as pessoas ficaram espantadas. Não era comum no meu contexto almejar um cargo tão alto. É como se fosse algo inacreditável, faziam questão de frisar que eu era pobre e negra, como se não tivesse nenhuma chance”, lamenta. Decidida, em 2002, terminou os estudos, pediu demissão na Santa Casa, onde já tinha sido promovida ao corpo administrativo e guardou suas coisas em duas sacolas plásticas. Partia para a capital para se preparar. “Eu não tinha nem mala”, relata.

Após alugar um quartinho no bairro da Liberdade e se matricular no curso preparatório para o concurso da magistratura o dinheiro da conta dava para, no máximo, mais dois meses. “Foi um momento muito crítico, o dinheiro estava acabando e eu não tinha conseguido trabalho”, conta Adriana. “Eu me vi de novo nesse dilema de ter ou não que abandonar”. Não precisou. O diretor do curso, o procurador Damásio de Jesus, viu nela uma “pessoa incomum”.

“Logo à primeira vista, olhando nos olhos daquela jovem advogada de 24 anos, tive certeza de que estava diante uma lutadora, uma pessoa incomum, de alguém que, sem dúvida, estava fadada a um grande futuro”, destaca o jurista no prefácio do livro. Damásio ofereceu para ela uma bolsa de 100% do curso durante dois anos e a empregou na biblioteca da instituição. “Fiquei sete anos estudando, sábados, domingos e feriados. Quando as pessoas iam viajar, eu ficava na biblioteca. Depois de inúmeras reprovações, eu consegui. Em janeiro de 2011 passei o concurso e me tornei juíza em Goiânia”.

Caçula de seis irmãos, a única deles que tem ensino superior, Adriana quer motivar agora com o livro a todas as pessoas que, assim como ela, “sonham, mas estão desacreditadas”. “É possível romper os paradigmas sociais”, encoraja. “Eu, particularmente, não sofro racismo hoje. Mas sim vivencio a grande surpresa das pessoas quando me veem. Porque quando o advogado vai procurar o juiz, ele não espera encontrar alguém como eu. Eu não me importo. Eu fico feliz de ter quebrado esse paradigma”.

 

O triste balanço da violência policial contra negros nos EUA

A morte de um homem afro-americano pela polícia em Charlotte e os protestos que se seguiram são mais um trágico episódio de uma série de casos semelhantes nos Estados Unidos. Relembre alguns deles.

USA Polizei erschießt Afro-Amerikaner in North Carolina - Proteste

Os protestos dos últimos dias contra a morte de um homem negro pela polícia americana na cidade de Charlotte se somam a uma série de casos semelhantes ocorridos recentemente nos Estados Unidos.

O episódio que gerou maior revolta aconteceu há dois anos. Em agosto de 2014, um policial branco matou com doze tiros o jovem negro Michael Brown, em Ferguson, no estado do Missouri.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

A polícia sustenta que ele teria tentado roubar diversos pacotes de cigarrilhas de uma loja e se comportado de forma “agressiva”, antes de ser alvejado. Testemunhas dizem que, ao receber os tiros, Brown estava com as mãos para cima e desarmado.

A cidade virou palco de violentos protestos, que culminaram na renúncia do chefe da polícia local. O Departamento de Justiça dos EUA reportou, então, casos diários de cunho racista por parte de policiais americanos.

Após os incidentes em Ferguson, o jornal americano Washington Post começou a divulgar dados públicos do FBI e da polícia em artigos e nas redes sociais, os listando em forma de calendário. O ano de 2016 foi se tornando mais sombrio a cada mês. Em janeiro, quatro dias aparecem marcados em cinza no calendário – o que significa zero mortes causadas pela polícia. Em meados do ano, nos meses do verão americano, apenas um dia não foi marcado por assassinatos. Em mais de 20 dias foram registradas as mortes de mais de dois civis por policiais.

Abaixo, alguns exemplos da violência policial contra afro-americanos nos EUA:

2014

Um jovem negro de apenas 17 anos foi morto a tiros em Chicago após fugir de um policial. Vídeos com as imagens do incidente foram divulgados. O chefe de polícia foi demitido, e o policial acabou formalmente acusado de homicídio.

Em novembro, um menino de 12 anos foi assassinado em Cleveland, após um policial pensar que a arma que ele portava era de verdade, quando na verdade era apenas uma pistola de ar comprimido.

Em Phoenix, um pai de família negro foi morto após se recusar a tirar as mãos dos bolsos, onde não havia arma alguma, mas apenas medicamentos.

2015

Na Carolina do Sul, um policial atirou diversas vezes nas costas de um homem de 50 anos e acabou sendo acusado de homicídio. Em Baltimore, um homem de 25 anos morreu enquanto era transportado pela polícia, em razão de diversos ferimentos graves e uma fratura no pescoço. Após os policiais envolvidos serem inocentados, diversos protestos ocorreram na cidade.

Em Chicago, uma mãe de cinco filhos é alvejada. Em Cincinnati, um homem que dirigia um automóvel sem placa de identificação é morto durante um controle policial. Todas as vítimas eram afro-americanas. Todos os policiais, brancos.

2016

As cidades de Baton Rouge, em Louisiana, e Falcon Heights, em Minnesota, dominaram as manchetes deste ano. Na primeira, um negro de 37 anos foi alvejado porque, segundo as autoridades, estava armado. No outro caso, um homem de 32 anos morreu durante um controle policial ao tentar abrir o porta-luvas para pegar os documentos de registro do seu automóvel.

Situação semelhante ocorreu em Tulsa, no Oklahoma, onde uma policial atirou num homem de 40 anos, dizendo que ele não havia cooperado. Uma arma foi encontrada no carro.

A rede de pesquisa Mapping Violence avaliou que a polícia atira com frequência cinco vezes maior em negros desarmados do que em pessoas brancas.

Decepcionados com Obama

Após a morte de dois homens negros em julho deste ano, o presidente americano, Barack Obama, admitiu que a violência policial é um problema grave. Essas tragédias ocorrem numa frequência alta demais e “não são casos individuais isolados”, disse. Num programa de uma emissora que atinge grande parte da população negra do país, ele foi bem claro: “O racismo contra afro-americanos está profundamente enraizado na sociedade americana.”

Em agosto de 2016, passeata em Ferguson marca o primeiro aniversário da morte do jovem Michael BrownEm agosto de 2016, passeata em Ferguson marca o primeiro aniversário da morte do jovem Michael Brown

O presidente, porém, apenas descreveu o que já era notoriamente conhecido. Os ativistas do movimento Black Lives Matter (“Vidas de negros importam”) se perguntam onde estão as demonstrações de luto, as ações corajosas contra a violência policial e as leis mais rígidas sobre o controle de armas?

As expectativas dos afro-americanos e dos hispânicos quanto à presidência de Obama eram bastante altas. Eles esperavam maior igualdade perante a lei. Muitas dos integrantes das minorias estão decepcionados com o presidente em razão das poucas melhorias em respeito à sua proteção e com o fato de ele ter dito que as coisas estão melhor hoje do que há 50 anos. Obama pediu que os avanços fossem reconhecidos para que houvesse mais progresso, e disse que os incidentes não deveriam ser politizados.

Em seus discursos, o presidente pediu diversas vezes compreensão também para com os policiais, afirmando que fazem um trabalho difícil, que deve ser valorizado e respeitado. Em seu primeiro mandato, o presidente chegou a viajar aos locais de conflito, como em 2008 na Filadélfia. Com o passar dos anos, essas visitas ficaram cada vez mais raras. Na ocasião dos distúrbios em Ferguson, ele enviou seu procurador-geral, Eric Holder.

As conversas de Obama com representantes da polícia chamam mais atenção do que os contatos com movimentos sociais. Antes de tomar posse, ele afirmou publicamente não ser tão ingênuo de acreditar que as diferenças entre negros e brancos pudessem ser superadas num único mandato. Aparentemente, dois mandatos também não foram suficientes.
DW