ONGS e Governo: uma promiscuidade que deve ser proibida

Da série: “Acorda Brasil”!

Foi-se o tempo em que pra ficar rico na taba dos Tupinquins, só trabalhando, uma minoria, ganhando na loteria, outra minoria, ou corrupção, nessa estão sobrando beneficiados.
Agora surge um esquema mais sofisticado e com aspectos filosóficos ‘pseudamente’ nobres. As ONGs.

As tais Organizações não Governamentais, que são mais governamentais que os órgãos oficiais do governo, são além de um paradoxo, uma imoralidade canalha.

O anárquico e baderneiro MST é uma das ONGs que apojada nas fartas tetas governamentais. A estrutura operacional dessa organização se enquadra claramente no Código Penal, na tipificação que vai desde formação de quadrilha, passando por bando, e desaguando em crime organizado — quem quiser entender desse ‘jurisdisquês’ basta ler o Art. 288 do CP.

Hoje um grande negócio não são nem as ONGs em si. O filão começa no negócio lucrativo de fundar uma ONG, onde “escritórios de assessoria” dão todo o suporte para que queira montar uma, cobrando colossais valores para viabilizar essa tunga no seu, no meu, no nosso sofrido dinheirinho.

O Editor

Ps. ONG não tem que receber dinheiro público. Simples assim.


GOVERNOS TÊM DE SER PROIBIDOS DE FAZER CONVÊNIOS COM ONGs. AS POUCAS HONESTAS SOBREVIVERÃO!

Só há sem-vergonhice no país porque há sem-vergonhas a dar com pau na política e porque encontram terreno fértil para atuar, especialmente na era do lulo-petismo, já demonstrei aqui. Quando o sujeito é safado, perverte até as Santas Escrituras. Precisamos é de instituições sólidas o bastante e de limites legais que coíbam a ação dos larápios. Quando se abrem as portas aos malandras, aparecem os… malandros!!!

Querem ver? Os meus leitores sabem que não morro de amores pelas tais ONGs. Sei que existem as sérias etc. e tal, mas acho essa história de “Terceiro Setor” (nem público nem privado) uma das grandes falácias do nosso tempo — e em escala internacional. São raras, muito raras, as que não evoluem para a pilantragem. Comecemos do princípio.

ONG, como o nome diz, tem de ser mesmo “não-governamental”. Se faz convênio com o Estado para receber ou repassar recursos públicos, então é uma mera entidade privada contratada sem licitação. Sigamos: se a dita-cuja também não é privada, então não poderia receber, sob nenhum pretexto, recurso de empresas. Sua única fonte de financiamento deveriam ser as doações de cidadãos.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Não é o que acontece nem aqui nem lá fora. Ao contrário. Algumas das entidades mais barulhentas do ambientalismo, por exemplo, são solidamente financiadas por empresas privadas que têm interesse no conteúdo de sua militância. Já escrevi aqui um post sobre uma ONG americana chamada “Union of Concerned Scientists”, algo assim como “União dos Cientistas Preocupados”. Preocupados com o quê? Ora, com o meio ambiente. Tanto é assim que um lemazinho vem agregado ao nome: “Cidadãos e Cientistas por (em defesa de) Soluções Ambientais”. A UCS tem um aura quase divina porque nasceu no lendário MIT, o Instituto de Tecnologia de Massachusetts, em Cambridge, nos EUA. Como falar deles sem que nos ajoelhemos em sinal de reverência?

Marina Silva, Alfredo Sirkis e congêneres são amigos da turma, como vocês poderão constatar numa rápida pesquisa feita no Google. A UCS tem uma excelente impressão sobre si mesma. No “About us”, diz combinar pesquisa científica com a atuação de cidadãos para que se desenvolvam soluções seguras e inovadoras em defesa de um meio ambiente mais saudável e de um mundo mais seguro. Certo! A gente acredita em tudo isso. Quem haveria de duvidar de “cientistas independentes” e de “cidadãos preocupados” que só querem o bem da humanidade? Marina, por exemplo, não duvida. O endereço da dita ONG está aqui.

O que ela quer?

Pois acreditem! O site da UCS publica um documento cujo título é literalmente este: “Fazendas aqui; florestas lá”. O “aqui” de lá são os EUA; o “lá” de lá são o Brasil e os demais países tropicais. Sim, o texto defende com todas as letras que o certo é o Brasil conservar as florestas, enquanto os EUA têm de cuidar da produção agrícola. O estudo tem um subtítulo: “O desmatamento tropical e a competitividade da agricultura e da madeira americanas”. Não faço como Marina Silva; não peço que vocês acreditem em mim. O documento está aqui. Quem financia a turma? Ora, os produtores rurais dos EUA! Uma das chefonas do tal estudo foi a negociadora americana para o Protocolo de Kyoto – aquele que os EUA não assinaram. Mas volto ao leito.

Voltando ao leito

Dei o exemplo da tal ONG dos “cientistas preocupados” para evidenciar como boa parte do onguismo internacional está mesmo metido numa guerra comercial e como, de fato, mal existe algo como um “terceiro setor”. Ou o dinheiro que financia a turma é público ou pertence a empresas e lobbies.

O escândalo do Ministério do Turismo, para seguir uma rotina dos últimos tempos, tem uma ONG no meio, o tal Ibrase (Instituto Brasileiro de Desenvolvimento de Infraestrutura Sustentável). Aliás, coloque-se a palavra “sustentável” em qualquer picaretagem para assaltar os cofres públicos, e as chances do batedor de carteira aumentam enormemente. Políticos, partidos e lobbies são hoje os maiores criadores de ONGs aqui e lá fora. Elas são uma fachada perfeita para a contratação de serviços privados sem licitação.

As ONGs se transformaram nos principais veículos de assalto ao dinheiro público. Todos os partidos, mas muito especialmente os de esquerda, recorrem a elas para, na prática, embolsar em proveito da máquina partidária o dinheiro que deveria chegar aos cidadãos. Uma equipe de repórteres deveria investigar quanto, oficialmente, os diversos ministérios do governo Lula repassaram a ONGs nos últimos quatro anos — ou nos últimos oito. Achei números de 2003 a 2007: R$ 12,6 bilhões! Trata-se de uma soma espantosa de dinheiro. Até este 2011, já com Dioma no comando, é provável que este volume tenha duplicado. Para vocês terem uma idéia, o Bolsa Família custou em 2010 pouco mais de R$ 13 bilhões; atinge direta ou indiretamente perto de 40 milhões de pessoas. Onde foi parar aquela soma fabulosa repassada às ONGs? Viraram serviço para a população? Para quantas pessoas?

Larápios haverá sempre. A questão é como coibir a sua ação. “Convênio” remunerado entre entes estatais e ONGs deveriam ser simplesmente proibidos, pouco importando a sua natureza. “Ah, mas isso prejudicaria também os decentes…” Não se incomodem. Os decentes darão um jeito de fazer o seu trabalho porque conseguirão se financiar na sociedade, caracterizando, então, uma ONG de verdade.

Alguém dirá: “Ah mas você se fixa numa questão periférica.” Uma ova! Vejam lá o volume de recursos. Bilhões estão saindo dos cofres públicos para enriquecer vigaristas e financiar partidos políticos.

blog Reinaldo Azevedo

James Cameron, Avatar e para que serve a celebridade?

por Joaquim Falcão/blog do Noblat

James Cameron é uma celebridade. Ganhou o Oscar de melhor diretor com o filme Avatar. Como celebridade veio ao Brasil. Não veio filmar. Foi ao Amazonas. Veio protestar contra a hidroelétrica de Belo Monte.

Mobilizou a mídia nacional e internacional. A cada relato contra a construção da hidroelétrica, murmurava “Washington precisa saber disto. Vou avisar a Washington”, conforme relato de pessoas que estavam lá.

James Cameron não é especialista em ecologia, hidroelétricas ou mesmo Amazônia. Sua especialidade é filmes de Hollywood. Nem mesmo é ativista político e ecologista. Nada em sua biografia revela anterior engajamento. Na sua biografia no Google e no Wikipédia nada consta.

Como não consta nenhuma sugestão ou protesto sobre o fato de o governo americano não ter assinado o protocolo de Kyoto. Nem se pronuncia sobre o maior desastre econológico mundial, o vazamento provocado pela explosão da plataforma americana de perfuração no Golfo do México.

Sua vinda ao Brasil tem, no entanto objetivo claro: gastar o seu capital midiático como celebridade contra Belo Monte. Não se trata de analisar agora se Belo Monte deve ou não ser construída.

O que chamou atenção foi o uso instrumental do capital midiático que conquistou com o Oscar.

Até que ponto este uso instrumental é legítimo? Até que ponto a opinião de uma celebridade deve ser respeitada? Para que serve a celebridade?

Em português existem as palavras célebre e celebridade. Em inglês não. Inexiste célebre. Existe ou “famous”, famoso, ou “celebrity”, celebridade.

Trata-se, portanto de palavra da cultura americana. Tem pelo menos dois elementos estruturadores. Primeiro, a história da pessoa que justifica a celebridade pelo desempenho que teve.

Fez algo que outros não fariam. Sócrates na filosofia, Pelé no futebol e Alfred Hitchcock no cinema são célebres pela consistência e ineditismo de seus desempenhos. Este desempenho confere a celebridade uma certa autoridade. Impõe respeito.

O segundo elemento do conceito de celebridade é a divulgação, a difusão, deste desempenho, o que o faz granjear a atenção da opinião pública. Impõe atenção.

Sem presença e repercussão na mídia inexiste celebridade. Todos querem ser e são celebridades em potencial. São tantas e tão efêmeras que celebridade passou a ser hoje em dia uma commodity.

Celebridades positivas ou negativas. Com conteúdo, ou sem. Com história, ou sem.

Quando Zico mobiliza a juventude, e cria escolinhas de futebol, Zico une a celebridade que decorre de sua história e impõe respeito e atenção.

Quando Kennedy usou de seus discursos, de sua estética, de sua família, para defender valores democráticos que considerava básicos, por sua história pessoal impunha respeito e atenção.

Quando Madonna fala sobre transgressões e sensualidade na interpretação musical, impõe também respeito e atenção.

Sabem do que estão falando. Mas quando Madonna vai a um restaurante, seu elogio pouco me diz da excelência do cozinheiro. Impõe somente atenção.

A pergunta para que serve a celebridade, tem portanto duas respostas. Por um lado, a celebridade serve para dar um cunho de autoridade com base na experiência a uma determinada opinião. Impõe respeito. Por outro, serve para pautar a mídia, influenciar e mobilizar a opinião pública em volta desta mesma opinião. Impõe atenção.

Quando estes dois elementos estão juntos, temos um uso legítimo da celebridade.

Quando só existe o segundo temos um uso se não ilegítimo pelo menos perigoso ou apenas propagandístico da celebridade.

Ninguém pode retirar de James Cameron o legítimo direito de usar-se, celebridade que é, como bem aprouver. É um direito de cidadania global.

Muito menos em defesa de causas ecológicas, hoje um dever da sobrevivência de todos. Mas é preciso distinguir entre pautar a mídia, chamar a atenção a uma causa que considera justa, e o respeito que pode esperar de suas opiniões.

Cameron defendeu que os destinos da Amazônia não são de responsabilidade do Brasil. Mas de todo o mundo. Mais ainda, ontem mesmo na CNN, se declarou um ecologista apenas pós-Avatar, e defendeu que o Brasil deveria substituir Belo Monte, por projetos de energia eólica ou solar… Como também ninguém pode retirar-lhe o direito de ir se queixar a Washington sobre Belo Monte.

Mas não custa lembrar que a matriz energética do Brasil não dispensa e recomenda o uso de hidroelétricas. Que o Brasil é um país soberano. Aliás, o primeiro dever de casa para sua boa causa seria ler o clássico artigo de Cristóvão Buarque sobre a internacionalização da Amazônia (http://www.portalbrasil.net/reportagem_amazonia.htm).

O uso vazio da celebridade às vezes acaba se voltando contra a própria celebridade e a causa que defende. Desinforma em vez de ajudar a informar a opinião pública. Revela que não detém o conhecimento mínimo para propor o que propõe. Ilegítima a si mesmo.

A opinião pública não se move por atos de fé em celebridades. Há limites. Como dizia o jurista e diplomata brasileiro Gilberto Amado: Querer ser mais do que se é, é ser menos.

Outro dia um apresentador de televisão no auditório lotado de audiência magnífica, perguntou a jovem artista de novelas da Globo, o que achava de determinado assunto. Assunto complexo e que nada tinha a ver com sua arte de representar.

Contrariando a tentação das celebridades em tudo opinarem, ela respondeu: “Eu sou apenas uma artista. Minha opinião sobre este assunto não deve ter importância maior”. Rara sensatez..

James Cameron, Belo Monte e o desastre ecológico no Golfo do México

Para que serve a celebridade?

James Cameron é uma celebridade. Ganhou o Oscar de melhor diretor com o filme Avatar. Como celebridade veio ao Brasil. Não veio filmar. Foi ao Amazonas. Veio protestar contra a hidroelétrica de Belo Monte. Mobilizou a mídia nacional e internacional. A cada relato contra a construção da hidroelétrica, murmurava “Washington precisa saber disto. Vou avisar a Washington”, conforme relato de pessoas que estavam lá.

James Cameron não é especialista em ecologia, hidroelétricas ou mesmo Amazônia. Sua especialidade é filmes de Hollywood. Nem mesmo é ativista político e ecologista. Nada em sua biografia revela anterior engajamento. Na sua biografia no Google e no Wikipédia nada consta. Como não consta nenhuma sugestão ou protesto sobre o fato de o governo americano não ter assinado o protocolo de Kyoto. Nem se pronuncia sobre o maior desastre ecológico mundial, o vazamento provocado pela explosão da plataforma americana de perfuração no Golfo do México.

Sua vinda ao Brasil tem, no entanto objetivo claro: gastar o seu capital midiático como celebridade contra Belo Monte. Não se trata de analisar agora se Belo Monte deve ou não ser construída. O que chamou atenção foi o uso instrumental do capital midiático que conquistou com o Oscar. Até que ponto este uso instrumental é legítimo? Até que ponto a opinião de uma celebridade deve ser respeitada? Para que serve a celebridade?[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

Em português existem as palavras célebre e celebridade. Em inglês não. Inexiste célebre. Existe ou “famous”, famoso, ou “celebrity”, celebridade. Trata-se, portanto de palavra da cultura americana. Tem pelo menos dois elementos estruturadores. Primeiro, a história da pessoa que justifica a celebridade pelo desempenho que teve. Fez algo que outros não fariam. Sócrates na filosofia, Pelé no futebol e Alfred Hitchcock no cinema são célebres pela consistência e ineditismo de seus desempenhos. Este desempenho confere a celebridade uma certa autoridade. Impõe respeito.

O segundo elemento do conceito de celebridade é a divulgação, a difusão, deste desempenho, o que o faz granjear a atenção da opinião pública. Impõe atenção. Sem presença e repercussão na mídia inexiste celebridade. Todos querem ser e são celebridades em potencial. São tantas e tão efêmeras que celebridade passou a ser hoje em dia uma commodity. Celebridades positivas ou negativas. Com conteúdo, ou sem. Com história, ou sem.

Quando Zico mobiliza a juventude, e cria escolinhas de futebol, Zico une a celebridade que decorre de sua história e impõe respeito e atenção. Quando Kennedy usou de seus discursos, de sua estética, de sua família, para defender valores democráticos que considerava básicos, por sua história pessoal impunha respeito e atenção. Quando Madonna fala sobre transgressões e sensualidade na interpretação musical, impõe também respeito e atenção. Sabem do que estão falando. Mas quando Madonna vai a um restaurante, seu elogio pouco me diz da excelência do cozinheiro. Impõe somente atenção.

A pergunta para que serve a celebridade, tem portanto duas respostas. Por um lado, a celebridade serve para dar um cunho de autoridade com base na experiência a uma determinada opinião. Impõe respeito. Por outro, serve para pautar a mídia, influenciar e mobilizar a opinião pública em volta desta mesma opinião. Impõe atenção. Quando estes dois elementos estão juntos, temos um uso legítimo da celebridade. Quando só existe o segundo temos um uso se não ilegítimo pelo menos perigoso ou apenas propagandístico da celebridade.

Ninguém pode retirar de James Cameron o legítimo direito de usar-se, celebridade que é, como bem aprouver. É um direito de cidadania global. Muito menos em defesa de causas ecológicas, hoje um dever da sobrevivência de todos. Mas é preciso distinguir entre pautar a mídia, chamar a atenção a uma causa que considera justa, e o respeito que pode esperar de suas opiniões.

Cameron defendeu que os destinos da Amazônia não são de responsabilidade do Brasil. Mas de todo o mundo. Mais ainda, ontem mesmo na CNN, se declarou um ecologista apenas pós-Avatar, e defendeu que o Brasil deveria substituir Belo Monte, por projetos de energia eólica ou solar… Como também ninguém pode retirar-lhe o direito de ir se queixar a Washington sobre Belo Monte.

Mas não custa lembrar que a matriz energética do Brasil não dispensa e recomenda o uso de hidroelétricas. Que o Brasil é um país soberano. Aliás, o primeiro dever de casa para sua boa causa seria ler o clássico artigo de Cristóvão Buarque sobre a internacionalização da Amazônia (http://www.portalbrasil.net/reportagem_amazonia.htm).

O uso vazio da celebridade às vezes acaba se voltando contra a própria celebridade e a causa que defende. Desinforma em vez de ajudar a informar a opinião pública. Revela que não detém o conhecimento mínimo para propor o que propõe. Ilegítima a si mesmo. A opinião pública não se move por atos de fé em celebridades. Há limites. Como dizia o jurista e diplomata brasileiro Gilberto Amado: Querer ser mais do que se é, é ser menos.

Outro dia um apresentador de televisão no auditório lotado de audiência magnífica, perguntou a jovem artista de novelas da Globo, o que achava de determinado assunto. Assunto complexo e que nada tinha a ver com sua arte de representar. Contrariando a tentação das celebridades em tudo opinarem, ela respondeu: “Eu sou apenas uma artista. Minha opinião sobre este assunto não deve ter importância maior”. Rara sensatez…

por Joaquim Falcão/blog do Noblat

Economia: para The Economist BRICS não promoverão mudanças significativas

BRICs são incapazes de promover mudanças significativas, diz ‘Economist’

Os chefes de Estado de Brasil, Rússia, China e Índia

Líderes querem mais voz em instituições financeiras como o FMI

O grupo dos BRICs, formado por Brasil, Rússia, Índia e China, é incapaz de promover mudanças significativas no cenário mundial, afirma uma reportagem publicada na edição desta sexta-feira da revista britânica The Economist.

O texto, intitulado “O Clube dos Trilhões de Dólares”, em referência ao Produto Interno Bruto (PIB) dos países, que ultrapassa os US$ 1 trilhão, afirma que a falta de coerência e a rivalidade entre as nações que compõem o bloco seriam um “obstáculo” para a eficácia do grupo, reunido em Brasília nesta semana.

A revista cita como exemplo dessa falta de coerência o fato de dois países do bloco serem autoritários e dois democráticos, e a ausência de um programa nuclear no Brasil – o único país do grupo que não é uma potência nuclear.

Mas, acima dessas características, a Economist afirma que o maior obstáculo para a coerência do BRIC seria “a rivalidade estratégica”. Segundo a revista, os países cooperam apenas de maneira bilateral e a rivalidade entre Índia e China prejudica a coesão do bloco.[ad#Retangulo – Anuncios – Direita]

O texto destaca ainda a competição entre os integrantes em mercados de terceiros países e o aumento da compra de produtos exportados de países pobres, criando uma corrida que a revista compara à dos EUA e a União Soviética na Guerra Fria.

De acordo com a reportagem, “mesmo onde os BRICs concordam de maneira geral, os integrantes frequentemente discordam nos detalhes”.

Nesse sentido, estariam, por exemplo, a questão das mudanças climáticas, já que a Rússia faria parte das nações industrializadas pelo Protocolo de Kyoto, com obrigações que os outros membros não possuem.

Economia

Outra grande disparidade mencionada pela revista é a natureza dos modelos econômicos dos países, sendo as de China e Rússia consideradas mais “abertas” e as de Índia e Brasil, mais fechadas.

“As divisões dos BRICs não paralisam o grupo. Os países se uniram para propor a reforma do FMI, por exemplo. Mas elas limitam a eficácia do bloco”, conclui a revista.

Apesar de destacar a importância do bloco, especialmente econômica, e também o apoio dos EUA ao grupo, a Economist afirma que “os BRICs não podem reivindicar coerência legal, histórica ou geográfica, da forma como a União Europeia pode”.

Mas, o texto termina com a conclusão do criador da sigla, o economista Jim O’Neill, afirmando que o bloco é “um bom mecanismo para pressionar os países ricos a mudarem seu papel na administração da economia global mais radicalmente”.

BBC

Não existe aquecimento global, diz representante da OMM na América do Sul

Eis uma rara oportunidade conhecermos uma opinião, solidamente assentada sobre o debate do clima na terra, como contraponto à enxurrada midiática difundida pelos eco chatos. Pode até ser que exista algo com que devamos nos preocupar em relação ao uso racional dos recursos naturais do planeta. Contudo, na entrevista reproduzida abaixo, o professor Molion, com números irrefutáveis, desaquece o que existe de mito em torno da questão ambiental.

Outro cientista, Bjorn Lomborg, cientista político da Universidade da Dinamarca, é “persona non grata” para todos os abandonados do clima do raciocínio lógico. Bjorn vai contra a maré catastrofista com um discurso totalmente contrário ao que se faz na Cop15.

Enquanto do porteiro, ao laureado cientista ecologicamente engajado, só se discute o corte de emissões de gases responsáveis pelo efeito estufa, Lomborg argumenta que de nada adiantará os países selarem um acordo ao final da semana que vem. A razão? Simples: eles não conseguirão cumpri-lo.

“Copenhague vai resultar em desperdício de dinheiro, diz Lomborg”

O debate teleológico que está posto em Copenhague, pelo exposto, não contribui para o debate científico.

O Editor


Não existe aquecimento global, diz representante da OMM na América do Sul
Por Carlos Madeiro/UOL

Com 40 anos de experiência em estudos do clima no planeta, o meteorologista da Universidade Federal de Alagoas Luiz Carlos Molion apresenta ao mundo o discurso inverso ao apresentado pela maioria dos climatologistas. Representante dos países da América do Sul na Comissão de Climatologia da Organização Meteorológica Mundial (OMM), Molion assegura que o homem e suas emissões na atmosfera são incapazes de causar um aquecimento global. Ele também diz que há manipulação dos dados da temperatura terrestre e garante: a Terra vai esfriar nos próximos 22 anos

Em entrevista ao UOL, Molion foi irônico ao ser questionado sobre uma possível ida a Copenhague: “perder meu tempo?” Segundo ele, somente o Brasil, dentre os países emergentes, dá importância à conferência da ONU. O metereologista defende que a discussão deixou de ser científica para se tornar política e econômica, e que as potências mundiais estariam preocupadas em frear a evolução dos países em desenvolvimento.

UOL: Enquanto todos os países discutem formas de reduzir a emissão de gases na atmosfera para conter o aquecimento global, o senhor afirma que a Terra está esfriando. Por quê?

Luiz Carlos Molion: Essas variações não são cíclicas, mas são repetitivas. O certo é que quem comanda o clima global não é o CO2. Pelo contrário! Ele é uma resposta. Isso já foi mostrado por vários experimentos. Se não é o CO2, o que controla o clima? O sol, que é a fonte principal de energia para todo sistema climático. E há um período de 90 anos, aproximadamente, em que ele passa de atividade máxima para mínima. Registros de atividade solar, da época de Galileu, mostram que, por exemplo, o sol esteve em baixa atividade em 1820, no final do século 19 e no inicio do século 20. Agora o sol deve repetir esse pico, passando os próximos 22, 24 anos, com baixa atividade.

UOL: Isso vai diminuir a temperatura da Terra?

Molion: Vai diminuir a radiação que chega e isso vai contribuir para diminuir a temperatura global. Mas tem outro fator interno que vai reduzir o clima global: os oceanos e a grande quantidade de calor armazenada neles. Hoje em dia, existem boias que têm a capacidade de mergulhar até 2.000 metros de profundidade e se deslocar com as correntes. Elas vão registrando temperatura, salinidade, e fazem uma amostragem. Essas boias indicam que os oceanos estão perdendo calor. Como eles constituem 71% da superfície terrestre, claro que têm um papel importante no clima da Terra. O [oceano] Pacífico representa 35% da superfície, e ele tem dado mostras de que está se resfriando desde 1999, 2000. Da última vez que ele ficou frio na região tropical foi entre 1947 e 1976. Portanto, permaneceu 30 anos resfriado.

UOL: Esse resfriamento vai se repetir, então, nos próximos anos?

Molion: Naquela época houve redução de temperatura, e houve a coincidência da segunda Guerra Mundial, quando a globalização começou pra valer. Para produzir, os países tinham que consumir mais petróleo e carvão, e as emissões de carbono se intensificaram. Mas durante 30 anos houve resfriamento e se falava até em uma nova era glacial. Depois, por coincidência, na metade de 1976 o oceano ficou quente e houve um aquecimento da temperatura global. Surgiram então umas pessoas – algumas das que falavam da nova era glacial – que disseram que estava ocorrendo um aquecimento e que o homem era responsável por isso.

UOL: O senhor diz que o Pacífico esfriou, mas as temperaturas médias Terra estão maiores, segundo a maioria dos estudos apresentados.

Molion: Depende de como se mede.

UOL: Mede-se errado hoje?

Molion: Não é um problema de medir, em si, mas as estações estão sendo utilizadas, infelizmente, com um viés de que há aquecimento.

UOL: O senhor está afirmando que há direcionamento?

Molion: Há. Há umas seis semanas, hackers entraram nos computadores da East Anglia, na Inglaterra, que é um braço direto do IPCC [Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática], e eles baixaram mais de mil e-mails. Alguns deles são comprometedores. Manipularam uma série para que, ao invés de mostrar um resfriamento, mostrassem um aquecimento.

UOL: Então o senhor garante existir uma manipulação?

Molion: Se você não quiser usar um termo tão forte, digamos que eles são ajustados para mostrar um aquecimento, que não é verdadeiro.

UOL: Se há tantos dados técnicos, por que essa discussão de aquecimento global? Os governos têm conhecimento disso ou eles também são enganados?

Molion: Essa é a grande dúvida. Na verdade, o aquecimento não é mais um assunto científico, embora alguns cientistas se engajem nisso. Ele passou a ser uma plataforma política e econômica. Da maneira como vejo, reduzir as emissões é reduzir a geração da energia elétrica, que é a base do desenvolvimento em qualquer lugar do mundo. Como existem países que têm a sua matriz calcada nos combustíveis fósseis, não há como diminuir a geração de energia elétrica sem reduzir a produção.

UOL: Isso traria um reflexo maior aos países ricos ou pobres?

Molion: O efeito maior seria aos países em desenvolvimento, certamente. Os desenvolvidos já têm uma estabilidade e podem reduzir marginalmente, por exemplo, melhorando o consumo dos aparelhos elétricos. Mas o aumento populacional vai exigir maior consumo. Se minha visão estiver correta, os paises fora dos trópicos vão sofrer um resfriamento global. E vão ter que consumir mais energia para não morrer de frio. E isso atinge todos os países desenvolvidos.

UOL: O senhor, então, contesta qualquer influência do homem na mudança de temperatura da Terra?

Molion: Os fluxos naturais dos oceanos, polos, vulcões e vegetação somam 200 bilhões de emissões por ano. A incerteza que temos desse número é de 40 bilhões para cima ou para baixo. O homem coloca apenas 6 bilhões, portanto a emissões humanas representam 3%. Se nessa conferência conseguirem reduzir a emissão pela metade, o que são 3 bilhões de toneladas em meio a 200 bilhões?Não vai mudar absolutamente nada no clima.

UOL: O senhor defende, então, que o Brasil não deveria assinar esse novo protocolo?

Molion: Dos quatro do bloco do BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China), o Brasil é o único que aceita as coisas, que “abana o rabo” para essas questões. A Rússia não está nem aí, a China vai assinar por aparência. No Brasil, a maior parte das nossas emissões vem da queimadas, que significa a destruição das florestas. Tomara que nessa conferência saia alguma coisa boa para reduzir a destruição das florestas.

UOL: Mas a redução de emissões não traria nenhum benefício à humanidade?

Molion: A mídia coloca o CO2 como vilão, como um poluente, e não é. Ele é o gás da vida. Está provado que quando você dobra o CO2, a produção das plantas aumenta. Eu concordo que combustíveis fósseis sejam poluentes. Mas não por conta do CO2, e sim por causa dos outros constituintes, como o enxofre, por exemplo. Quando liberado, ele se combina com a umidade do ar e se transforma em gotícula de ácido sulfúrico e as pessoas inalam isso. Aí vêm os problemas pulmonares.

UOL: Se não há mecanismos capazes de medir a temperatura média da Terra, como o senhor prova que a temperatura está baixando?

Molion: A gente vê o resfriamento com invernos mais frios, geadas mais fortes, tardias e antecipadas. Veja o que aconteceu este ano no Canadá. Eles plantaram em abril, como sempre, e em 10 de junho houve uma geada severa que matou tudo e eles tiveram que replantar. Mas era fim da primavera, inicio de verão, e deveria ser quente. O Brasil sofre a mesma coisa. Em 1947, última vez que passamos por uma situação dessas, a frequência de geadas foi tão grande que acabou com a plantação de café no Paraná.

UOL: E quanto ao derretimento das geleiras?

Molion: Essa afirmação é fantasiosa. Na realidade, o que derrete é o gelo flutuante. E ele não aumenta o nível do mar.

UOL: Mas o mar não está avançando?

Molion: Não está. Há uma foto feita por desbravadores da Austrália em 1841 de uma marca onde estava o nível do mar, e hoje ela está no mesmo nível. Existem os lugares onde o mar avança e outros onde ele retrocede, mas não tem relação com a temperatura global.

UOL: O senhor viu algum avanço com o Protocolo de Kyoto?

Molion: Nenhum. Entre 2002 e 2008, se propunham a reduzir em 5,2% as emissões e até agora as emissões continuam aumentando. Na Europa não houve redução nenhuma. Virou discursos de políticos que querem ser amigos do ambiente e ao mesmo tempo fazer crer que países subdesenvolvidos ou emergentes vão contribuir com um aquecimento. Considero como uma atitude neocolonialista.

UOL: O que a convenção de Copenhague poderia discutir de útil para o meio ambiente?

Molion: Certamente não seriam as emissões. Carbono não controla o clima. O que poderia ser discutido seria: melhorar as condições de prever os eventos, como grandes tempestades, furacões, secas; e buscar produzir adaptações do ser humano a isso, como produções de plantas que se adaptassem ao sertão nordestino, como menor necessidade de água. E com isso, reduzir as desigualdades sociais do mundo.

UOL: O senhor se sente uma voz solitária nesse discurso contra o aquecimento global?

Molion: Aqui no Brasil há algumas, e é crescente o número de pessoas contra o aquecimento global. O que posso dizer é que sou pioneiro. Um problema é que quem não é a favor do aquecimento global sofre retaliações, têm seus projetos reprovados e seus artigos não são aceitos para publicação. E eles [governos] estão prejudicando a Nação, a sociedade, e não a minha pessoa.

Acordo sobre o clima é barrado no congresso americano

O mundo virou refém do Congresso dos EUA. Pelo menos no que diz respeito ao aquecimento global. Essa situação se delineou em Bonn, na Alemanha, durante a primeira reunião de negociação para preparar o acordo que será fechado na Conferência do Clima em Copenhague, em dezembro.

O evento, que terminou ontem, deveria ter iniciado as negociações sobre metas que os países desenvolvidos adotarão para reduzir as emissões de gases do efeito estufa após 2012, quando expira a primeira fase do Protocolo de Kyoto, o acordo do clima vigente agora. Mas não foi o que ocorreu.

Negociadores do presidente dos EUA, Barack Obama, acabam de entrar no jogo depois de o governo Bush ter se esquivado, mas ainda não têm uma posição definida sobre que tipo de meta de corte propor, porque qualquer movimento requer um acordo interno no legislativo do país. A delegação americana em Bonn, apesar de declarar que quer liderar o processo de combate à crise do clima, teve em Bonn uma atuação discreta: mais ouviu do que falou, possivelmente ainda estudando o cenário político.

Quando questionado pelos jornalistas se o país traria uma proposta concreta para colocar à mesa em junho, na próxima reunião entre os negociadores, Jonathan Pershing, representante dos EUA, respondeu que a pergunta deveria, na verdade, ser feita ao Congresso. Porém, se disse cético quanto ao cumprimento do prazo. “Ficaria surpreso se isso acontecesse”, afirmou, mesmo prometendo empenho. “Podemos pressionar, levar dados ao Congresso e tentar agilizar o processo.”

Em Bonn, porém, o empenho foi limitado. O negociador-chefe dos EUA, Todd Stern, foi aplaudido durante discurso na abertura do evento, mas não ficou até o final da reunião.

Mudança de assunto
O entrave causado pela indefinição dos americanos ficou claro em Bonn, com outros países industrializados tentando evitar a todo o custo falar em números de redução das emissões.

Propuseram mudar o tema do debate para tratar de outros assuntos, mas a alternativa foi barrada pelo grupo do qual o Brasil faz parte, que reúne o G77 (com 77 países em desenvolvimento) mais a China. Na tarde de ontem, o texto sobre a negociação referente à redução das emissões dos países ricos gerou polêmica.

Vários países em desenvolvimento criticaram a falta de números. A Colômbia, por exemplo, disse que, sem eles, o documento apresentado não valia nada. A delegação da União Europeia respondeu que questões como essa “não se resolvem numa noite”, e que números concretos podem vir a ser decididos em Copenhague por ministros ou até chefes de Estado.

Sem números
A indefinição, todavia, vai além dos países ricos. Não há consenso nem no G77 + China. Os pequenos Estados-ilha, afetados pelo aumento do nível do mar, pedem redução de mais de 40% nas emissões de gases-estufa até 2020, em relação aos níveis de 1990.

Países produtores de petróleo, por outro lado, são muito mais liberais.

Ambientalistas defendem um corte de 40%, e o painel do clima da ONU sugere redução de 25% a 40% para que os efeitos do aquecimento global não sejam catastróficos. Segundo cálculo da ONG Greenpeace, porém, as metas formais e informais que existem no momento, preveem cortes de apenas 4% a 14%, até 2020.

“Líderes do mundo têm de perceber que não podem mudar a ciência, então têm de mudar as políticas públicas urgentemente”, diz Guarany Osório, um dos delegados da ONG.

“A ciência é clara; os números das metas e o valor do dinheiro para salvar o clima são obscuros.” ONGs também reclamaram da falta de financiamento para reduzir emissões nos países pobres e para ajudá-los na adaptação ao aquecimento.

Kim Carstensen, do WWF, diz que os corte de emissão serão o “coração” do novo acordo global, enquanto o “sangue” será o financiamento para tecnologia e adaptação.

Afra Balazina – Folha de São Paulo