Literatura,Poesia,Cultura,Filosofia,Frases,Blog-do-Mesquita 10

Conceição Evaristo – A noite não adormece nos olhos das mulheres – Poesia

A noite não adormece nos olhos das mulheres
Conceição EvaristoPicasso,Arte,Mulher Chorando,blog do Mesquita
 
A noite não adormece
nos olhos das mulheres
a lua fêmea, semelhante nossa,
em vigília atenta vigia
a nossa memória.
 
A noite não adormece
nos olhos das mulheres
há mais olhos que sono
onde lágrimas suspensas
virgulam o lapso

de nossas molhadas lembranças

Foto: Kylere

Artur da Távola – Versos na tarde – 17/03/2017

Quem namora
Artur da Távola¹

Quem namora agrada a Deus.
Namorar é uma forma bonita
de viver um amor.

Namorados que se
prezem gostam de
beijos, suspiros,
morderem o
mesmo pastel,
dividir a empada,
beber no mesmo
copo.

Namora quem sonha,
quem teima, quem vive
morrendo de amor e quem
morre vivendo de amar.

¹Paulo Alberto Monteiro de Barros
* Rio de Janeiro, RJ. – 3 de janeiro de 1936

+ Rio de Janeiro, RJ. – 8 de maio de 2008

[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

 

Lya Luft – Prosa na tarde – 14/12/2016

[ad#Retangulo – Anuncios – Esquerda]”A vida é maravilhosa, mesmo quando dolorida.  Eu gostaria que na correria da época atual a gente pudesse se permitir, criar, uma pequena ilha de contemplação, de autocontemplação, de onde se pudesse ver melhor todas as coisas: com mais generosidade, mais otimismo, mais respeito, mais silêncio, mais prazer. Mais senso da própria dignidade, não importando idade, dinheiro, cor, posição, crença. Não importando nada”.

Lya Luft
* Santa Cruz do Sul, RS. – 15 de setembro de 1938 d.C

Continue lendo

Tchecov – Prosa na tarde – 25/04/2016

“O homem extraordinário¹
Tchecov¹

“Um reloginho de parede tiquetaqueia timidamente, como que embaraçado diante do homem estranho”.

“O ar está silencioso, mas tão frio e enfarruscado que mal se podem ver até mesmo as luzes dos postes de iluminação. Debaixo dos pés a lama soluça”.

“Ele não bate, não grita, tem muito mais virtudes que defeitos, mas, quando ele sai de casa, todos se sentem mais leves e saudáveis.”

¹ Extrato do livro
O Homem Extraordinário (L&PM, tradução de Tatiana Belinky).

¹Anton Tchecov
* Ucrânia – 1860 d.C
+ Berlim, Alemanha -1904 d.C


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]
Continue lendo

Shakespeare – Prosa na tarde – 01/02/2016

Fragmento
¹William Shakespeare

Escutar é um raro acontecimento entre seres humanos.
Você não pode ouvir a palavra sendo dita por alguém que esteja falando,
se estiver preocupado com a sua aparência, em impressionar
o outro ou tentando resolver o que vai dizer quando o outro parar de falar,
ou mesmo questionando se o que está sendo dito é verdade, relevante ou agradável.
Essas questões têm o seu lugar, mas só depois de escutar a palavra como está sendo expressa.
Escutar é um ato primitivo de amor, em que a pessoa se dá à palavra de outro,
tornando-se acessível e vulnerável àquela palavra.

¹William Shakespeare
* Stratford-Avon, Inglaterra – 23 Abril 1564 d.C.
+ Londres, Inglaterra – 23 Abril 1616 d.C.


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Clarice Lispector – Reflexões na tarde – 31/01/2016

O nascimento do prazer
Clarice Lispector¹

O prazer nascendo dói tanto no peito que se prefere sentir a habituada dor ao insólito prazer. A alegria verdadeira não tem explicação possível, não tem a possibilidade de ser compreendida – e se parece com o início de uma perdição irrecuperável.

Esse fundir-se total é insuportavelmente bom – como se a morte fosse o nosso bem maior e final, só que não é a morte, é a vida incomensurável que chega a se parecer com a grandeza da morte. Deve-se deixar-se inundar pela alegria aos poucos – pois é a vida nascendo.

E quem não tiver força, que antes cubra cada nervo com uma película protetora, com uma película de morte para poder tolerar a vida. Essa película pode consistir em qualquer ato formal protetor, em qualquer silêncio ou em várias palavras sem sentido. Pois o prazer não é de se brincar com ele. Ele e nós.
in O Nascimento do prazer

¹Clarice Lispector
* Ucrânia – 10 de Dezembro de 1920 d.C
+ Rio de Janeiro, RJ – 9 de Dezembro de 1977 d.C

>> Biografia de Clarice Lispector


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]

Clarice Lispector – Prosa na tarde – 17/01/2016

“Não entendo. Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. Entender é sempre limitado. Mas não entender pode não ter fronteiras. Sinto que sou muito mais completa quando não entendo. Não entender, do modo como falo, é um dom. Não entender, mas não como um simples de espírito. O bom é ser inteligente e não entender. É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. Só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. Não demais: mas pelo menos entender que não entendo.”

“Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato… Ou toca, ou não toca”.

Clarice Lispector
* Tchetchelnik, Ucrânia – 10 de Dezembro de 1920 d.C
+ Rio de Janeiro, RJ – 9 de Dezembro de 1977 d.C

Continue lendo

Crônica de uma separação

Separação,Relações,Divórcio,Blog do MesquitaEla passou o primeiro dia empacotando todos os seus pertences em Caixas, engradados e malas. No segundo dia, ela chamou os homens da transportadora que levaram a mudança.

No terceiro dia, ela se sentou pela última vez na bela mesa da sala de jantar, à luz de velas, pôs uma música suave e se deliciou com uns camarões, um pote de caviar e um garrafa de Chardonnay.

Quando terminou, foi a cada um dos aposentos e colocou alguns pedaços de casca de camarão, besuntados com caviar, dentro dos varões das cortinas.

Depois ela limpou a cozinha e se foi.

Quando o marido retornou com a nova namorada, tudo estava um brinco nos primeiros dias.

Depois, pouco a pouco, a casa começou a feder.

Eles tentaram de tudo: limpando, lavando e arejando a casa..

Todas as aberturas de ventilação foram verificadas à procura de possíveis ratos mortos e os tapetes foram limpos com vapor..

Desodorantes de ar e ambiente foram pendurados em todos os lugares..

A empresa de combate a insetos foi chamada para colocar gás em todos os encanamentos, durante alguns dias, durante os quais tiverem de sair da casa, e no fim ainda tiveram de pagar para substituir o caríssimo carpete de lã.[ad name=”Retangulo – Anuncios – Direita”]

Nada funcionou.

As pessoas pararam de visitá-los.

Os funcionários das empresas de consertos se recusavam a trabalhar na casa..

A empregada se demitiu..

Finalmente, eles não suportavam mais o fedor e decidiram se mudar.

Um mês depois, apesar de terem reduzido o valor da casa em 50%,eles não conseguiram um comprador para a casa fedorenta.

A notícia se espalhava e nem mesmo corretores de imóveis locais retornavam as ligações.

Finalmente, eles tiveram de fazer um grande empréstimo do banco para comprar uma casa nova.

A ex-esposa ligou para o marido e perguntou como andavam as coisas.

Ele disse a ela o martírio da casa podre.

Ela escutou pacientemente e disse que sentia muitas saudades da casa antiga e que estaria disposta a reduzir a parte que lhe caberia do acordo de separação dos bens em troca pela casa.

Sabendo que a ex-mulher não tinha idéia de como estava o fedor, ele concordou com um preço que era cerca de 1/10 do que valeria a casa.

Mas só, se ela assinasse os papéis naquele dia mesmo.

Ela concordou e em menos de uma hora, os advogados deles entregavam os documentos.

Uma semana depois, o homem e sua namorada assistiam, com um sorriso malicioso, os homens da mudança empacotando tudo para levar para a sua nova casa…

…incluindo os varais das cortinas. Ah…AH….. ..AH

Jorge Luis Borges – Reflexões na tarde – 16/09/2014

O labirinto
Jorge Luis Borges ¹

Este é o labirinto de Creta. Este é o labirinto de Creta cujo centro foi o Minotauro. Este é o labirinto de Creta cujo centro foi o Minotauro que Dante imaginou como um touro com cabeça de homem e em cuja rede de pedra se perderam tantas gerações. Este é o labirinto de Creta cujo centro foi o Minotauro, que Dante imaginou como um touro com cabeça de homem e em cuja rede de pedra se perderam tantas gerações como Maria Kodama e eu nos perdemos. Este é o labirinto de Creta cujo centro foi o Minotauro, que Dante imaginou como um touro com cabeça de homem e em cuja rede de pedra se perderam tantas gerações como Maria Kodama e eu nos perdemos naquela manhã e continuamos perdidos no tempo, esse outro labirinto.

¹ Jorge Luis Borges
* Buenos Aires, Argentina – 24 de Agosto de 1899 d.C
+ Genebra, Suíça – 14 de Junho de 1986 d.C
>>biografia


[ad name=”Retangulo – Anuncios – Duplo”]

Theófilo Silva – Reflexões na tarde – 18/01/2014

Os Passionais
Theófilo Silva¹

“Paixão… Tornas possíveis as coisas que não são consideradas possíveis. Tu te comunicas com os sonhos… Ages de acordo com o irreal e fazes do nada teu associado”.

Na peça Conto de Inverno, Leontes, rei da Sicília, o mesmo que pronuncia as palavras acima, está muito feliz porque seu amigo de infância Políxenes, rei da Boêmia, veio visitá-lo. Quem está feliz também é Hermione, esposa de Leontes, que através de Políxenes saberá como era seu marido na juventude. No entanto, repentinamente tudo muda. Na curta permanência de Políxenes, Leontes passa a violentos ataques de ciúmes, que vão crescendo até se tornarem exteriores.

Leontes tem certeza que Hermione está traindo-o com Políxenes. Seu ciúme chega ao auge, quando pede a um funcionário sábio e leal, que envenene Políxenes, que acaba de voltar para a Sicília. Camilo descumpre a ordem e foge.

Tudo piora, quando Hermione aparece grávida. Leontes não tem mais dúvidas, Hermione é uma adúltera, manda prendê-la e submetê-la a julgamento. Mesmo sendo aconselhado por seus assessores para agir com prudência, Leontes com sua passividade excessiva sai contaminando tudo ao seu redor.

Passado o tempo, eis que nasce uma linda garota, que tem os olhos, a boca, o nariz e o sorriso de Leontes. Não há dúvida, a menina é mesmo filha de Leontes. Mas Leontes não acredita. Cego à verdade, amaldiçoa a garota, dando ordens para levarem-na para o mais distante possível dele.

O caso toma proporções tão desmedidas, que foi necessário o envio de emissários para consultar o oráculo de Apolo, a única instância capaz de convencer o rei ensandecido. Durante o julgamento de Hermione, chega à resposta do oráculo, que declara Hermione inocente e Políxenes um tirano.

Mas o estrago já estava feito. O passionalismo de Leontes o cegara completamente. Seu julgamento do caráter da esposa, e mais ainda, de duvidar da honra do rei de um país amigo, o levaram a um estado de confusão e desespero. Sem contar os prejuízos das relações da Boêmia com a Sicília.

O Dr. Johnson diz em Rasselas, “toda a força da imaginação sobre a razão é um grau de insanidade”. Quando Shakespeare afirma que, “a paixão age de acordo com o irreal e se associa ao nada”, ele nos avisa dos perigos a que estamos expostos quando julgamos preconceituosamente situações desconhecidas. Quando exercemos um papel de liderança, qualquer que seja ele, político, de opinião, ou outros, não podemos agir precipitadamente, pois caímos no ridículo ou mesmo na tragédia.

Se “a paixão se comunica com os sonhos”, queremos transformá-los em realidade. E quase sempre, isso não é possível. Mais ainda, às vezes as pessoas estão submetidas a ambientes e situações estranhas, sendo possível à perda de contato com a realidade, ainda que temporário.

Assim como Leontes. E quando sonhadores julgam sonhadores, ainda que a distância, o perigo é ainda maior.
E nós, para Shakespeare “somos feitos da mesma matéria de que são feitos os sonhos”.

Devemos ser cuidadosos.

¹Theófilo Silva é presidente da Sociedade Shakespeare de Brasília


[ad#Retangulo – Anuncios – Duplo]